Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Viva o Governo Grego Nacional e Socialista

por José Mendonça da Cruz, em 26.01.15

tsipras.pngimagesM71LC6TU.jpg

Os radicais deles são os nossos socialistas

Temos então, na Grécia, que o partido Syriza foi mandatado pelo presidente para formar governo, após anunciar que firmara uma aliança com os nacionalistas do ANEL, o partido dos Gregos Independentes, que, com os seus 4,75% de votos e 13 deputados assegura a maioria absoluta.

Temos, então, na Grécia, um governo que, como estabelece o programa do Syriza, se propõe

  1. não pagar a maior parte da dívida pública; condicionar o pagamento da fatia restante à taxa de crescimento; e estabelecer, de qualquer forma, uma moratória de pagamento dos juros; e, paralelamente,
  2. que o investimento público não conte para o défice e seja aumentado imediatamente em 4 mil milhões de euros; e que a Europa envie mais dinheiro para um «New Deal», através do Banco Europeu de Investimento. Parte do investimento será, evidentemente, em «conhecimento, investigação e novas tecnologias» para criar novos cientistas.

Entretanto, porém, o Syriza propõe-se «confrontar a crise humanitária», e para isso quer

     3. dar electricidade gratuita a 300 000 lares, refeições gratuitas a 300 000 famílias, garantir e subsidiar a habitação, pagar as despesas médicas e farmacêuticas aos desempregados, dar transportes gratuitos a pobres e desempregados.

Ora, como tudo isso custaria dinheiro vindo dos contribuintes europeus, portugueses incluídos, para lhes pagar as receitas cessantes e a despesa aumentada, o Syriza deseja amenizar as coisas propondo-se «reanimar a economia» com as seguintes medidas:

     4. aumento de salários e pensões; aumento do salário mínimo; criação de 300 000 postos de trabalho (resultado de um plano de dois anos que não é explicado, mas que, como o programa de 150 000 empregos de Sócrates, terá os mesmos resultados previsíveis); extensão do subsídio de desemprego; e nova legislação que impeça os despedimentos.

E como todas estas medidas são caríssimas e em larga medida contraditórias, o Syriza, prevendo algum desassossego, propõe-se também, previsivelmente, «aprofundar a democracia», através de

     5. novas forma de democracia popular; regionalização; reabertura da televisão pública; e cancelamento da licença à comunicação social que se portar mal.

Temos, então, e portanto, o governo de um partido que se intitula a si próprio de «esquerda radical», e a que em Portugal se vem chamando de extrema-esquerda, mas erradamente. O Syriza é, afinal, um irmão do nosso Partido Socialista, pois, como se vê pelo seu programa, propõe o que o PS propôs com Sócrates e continua a propor com Costa: não pagar o que deve, e gastar mais na reanimação, ou seja, endividar-se para sair da dívida. É o que chamam «política de crescimento»

Temos, então, em aliança, um partido socialista e um partido nacionalista de direita, inimigo da imigração, do multiculturalismo, da homossexualidade, e declaradamente anti-semita.

Temos na Grécia, e em resumo, um governo nacional e socialista.

 

ilusões.pngcapaJN.jpg

As ilusões que transpiram

Não há nada mais confrangedor do que um rabo escondido com o gato de fora. Não há nada mais desconsolador do que comparar a prudência informativa da imprensa europeia, mesmo a de esquerda, com a excitação pueril dos jornais de trazer por casa.

O Liberation francês titula razoavelmente que o governo Tsipras «permite esperar uma inflexão nas políticas de austeridade europeias» (note-se o cauteloso permite, note-se o razoável esperar, note-se a mera inflexão). Em Espanha, o El País escreve que «A vitória do Syriza antecipa um período de agitação na Europa» (note-se o realismo da previsão de um período de agitação). E o Guardian de Londres abstém-se de toda a especulação, e regista apenas (há quem diga «noticia») os factos da vitória do socialista Syriza e da aliança com o nacionalista ANEL. Escolhi propositadamente jornais tidos por tendencialmente próximos do PSF, do PSOE e do Labour para os comparar com a imprensa portuguesa.

Em Portugal, o Jornal de Notícias de Afonso Camões proclama entusiasticamente que a Grécia «é o princípio do fim da austeridade». O Público põe-se em bicos dos pés no pedestal dos seus 7000 leitores para advertir a Europa de que a «Grécia vira página da austeridade e deixa a Europa a fazer contas». E o Diário de Notícias de André Macedo não vê menos do que uma «Europa (que) estremece com a raiva dos gregos».

Qual é a diferença? A diferença é, em primeiro lugar, que enquanto os jornais estrangeiros citados escolheram a informação, os jornais portugueses citados escolheram o «wishfull thinking» (deles), escolheram o frenesim pateta. A diferença é que estes jornais portugueses não raciocinaram, estes jornais portugueses esqueceram-se desse pormenor despiciendo da democracia, estes jornais portugueses outorgam à Grécia não só o direito, como o poder de ir contra todos os contribuintes e eleitores europeus que elegeram governos que não querem imitar a Grécia, e, sobretudo, que não querem pagar as fantasias e trapalhadas gregas.

Que se vai seguir um confronto de ideias na Europa, não há dúvida. Clamar que 40% de gregos ganharam a 27 países ultrapassa em muito a tonteria. E, pior: depois de demonstrada a inviabilidade das ilusões de Tsipras, ou depois de cavada a falência das ideias do Syriza, ou depois de cavada a falência da própria Grécia, estas proclamações juvenis parecerão atrozmente ridículas.


2 comentários

Sem imagem de perfil

De JP a 26.01.2015 às 16:40

Se a Grécia acredita realmente em tais promessas, então está de certeza convencida que tem um estatuto especial não apenas na Europa mas no mundo inteiro.
Sem imagem de perfil

De patego a 26.01.2015 às 23:19

http://www.maquinadelavax.blogspot.pt/2015/01/jose-san-bento-sata-e-carlos-cesar_26.html



as brincadeiras com a Sata e o nosso dinheiro

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D