Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vacinas vamos ter. E bom senso?

por Jose Miguel Roque Martins, em 25.11.20

Num esforço inédito, multiplicam-se as vacinas válidas no combate à pandemia, menos de um ano depois do seu inicio. A última barreira para derrotar o vírus, vai começar a estar disponível a partir do princípio do próximo ano.

O nosso problema é que ter vacinas,  não é ter bom senso. O que nos pode continuar a complicar a vida.

Já começámos mal. Quando ouvi falar da comissão que, tarde e a más horas, foi constituída, lembrei-me logo de uma expressão atribuída a Salazar.  “Se queres alguma coisa feita, nomeia um homem, se não, nomeia uma comissão”. Neste caso a tarefa não é complicada: muitos países já apresentaram os seus planos, pelo que uma grande base de trabalho já está disponivel. Aprender com os outros não parece má ideia. 

Um pouco por todo o mundo, parece que a prioridade é começar por proteger os mais vulneráveis. Aqueles que mais probabilidade têm de poder morrer em consequência de uma infecção. Os mais velhos, em especial quem está em lares e aqueles que apresentam morbilidades letais, são escolhidos como os mais prioritários. A ideia é simples, combater em primeiro lugar os efeitos realmente graves do Covid, as mortes que provoca. E só depois erradicar a infecção na restante população. A falta de vacinas em quantidade suficiente, obriga a um particular cuidado na atribuição das primeiras vacinas disponíveis, de forma a obter o maior impacto positivo , o mais rapidamente possível.

O meu receio é a nossa extraordinária tendência para a originalidade. E que inventemos que, em vez de combatermos os efeitos realmente indesejáveis da pandemia (as mortes), nos concentremos em reduzir a doença, o número de infectados.

Mesmo que consigamos praticamente erradicar a mortalidade, espera-nos outro desafio. Deixar de estar obcecados com o numero de infecções (tendencialmente não letais)  e retomar a normalidade das nossas vidas. Diminuindo os custos de saúde publica da pandemia, não há razão para suportarmos tantos custos económicos e sociais como até agora.

O que a história recente nos ensina é que não vale a pena estarmos demasiado optimistas. Termos a vacina a caminho pode ser o mais fácil. Termos bom senso, pode ser mais complicado.

Como diria Jack o Estripador, temos que ir por partes.



1 comentário

Sem imagem de perfil

De pitosga a 25.11.2020 às 20:16


Quando é que, de vez, arrumam o rock?  Esta pessoa não presta.
Será só após verem este blog arruinado?
Cumprimentos

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Quando um governo concentra em si tal poder que é ...

  • Maria

    Parabéns, retratar melhor está cambada é impossí...

  • Anónimo

    A propósito do "combate à desigualdade, os salário...

  • Anónimo

    Não admiram, José Mendoça da Cruz, os discursos re...

  • Anónimo

    Henrique,Poderá ser ignorância minha mas porque di...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds