Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Domingo - 3º do Advento

por João Távora, em 16.12.18

batismo_de_jesus_Lc-315-16.21-22.jpg

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas


Naquele tempo, as multidões perguntavam a João Baptista: «Que devemos fazer?». Ele respondia-lhes: «Quem tiver duas túnicas reparta com quem não tem nenhuma; e quem tiver mantimentos faça o mesmo». Vieram também alguns publicanos para serem baptizados e disseram: «Mestre, que devemos fazer?». João respondeu-lhes: «Não exijais nada além do que vos foi prescrito». Perguntavam-lhe também os soldados: «E nós, que devemos fazer?». Ele respondeu-lhes: «Não pratiqueis violência com ninguém nem denuncieis injustamente; e contentai-vos com o vosso soldo». Como o povo estava na expectativa e todos pensavam em seus corações se João não seria o Messias, ele tomou a palavra e disse a todos: «Eu baptizo-vos com água, mas está a chegar quem é mais forte do que eu, e eu não sou digno de desatar as correias das suas sandálias. Ele baptizar-vos-á com o Espírito Santo e com o fogo. Tem na mão a pá para limpar a sua eira e recolherá o trigo no seu celeiro; a palha, porém, queimá-la-á num fogo que não se apaga». Assim, com estas e muitas outras exortações, João anunciava ao povo a Boa Nova».

Palavra da salvação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A falta que faz um pai

por João Távora, em 13.12.18

paternidade.jpg

 

Queria escrever um texto sobre a importância da paternidade, advogar em causa própria (tornei-me um pai a tempo inteiro), algo que nestes tempos de feminismos exacerbados e decadência da chamada “cultura patriarcal”, talvez seja um atrevimento. Não quero de todo contrariar o cânone contemporâneo de que Pai e Mãe devem partilhar funções em casa: de facto não está escrito nos cromossomas quem deve lavar a loiça, mudar a fralda ao bebé a meio da noite ou pendurar a roupa no estendal. Mas parece-me importante homenagear as virtudes masculinas inscritas na paternidade, mais ainda quando tenho a convicção de que os tempos modernos consolidaram a matriz maternal do Ocidente, em cima da marca feminina da cultura católica, e se chega ao democrático século XX da revolução Pop, pelas utopias do Maio de 68 “Imagine all the people”, que cimentou o império do amor romântico e outros sentimentalismos muito femininos, já para não falar do predomínio da psicologia, da introspecção, do autoconhecimento, do diálogo e da compreensão, de afectos e negociações, tudo atributos de forte pendor maternal – que me perdoe o Eduardo Sá que é um modelo de mãe. Toda a cultura moderna exorta o pai a ser mais como a mãe, a seguir estes valores pacifistas, a saber interpretar sinais subtis, nuances emocionais, desejos não explícitos, sentimentos implícitos, negociações infindáveis; e há que conceder que perante este caldo, o macho arrisca-se a perde-se em pieguices melosas, terrenos pantanosos que não são inteiramente seus; e pior que isso, os filhos arriscam à grande perda de terem de crescer com duas “mães” ternurentas e protectoras, e muita confusão nas suas cabeças. Sim, é importante que o Pai procure entender e tire vantagem da sensibilidade e da astúcia feminina da sua companheira, e saiba optar por diferentes estratégias para a aproximação com os filhos – em matéria de educação, levar a carta a Garcia exige equilíbrios sensíveis, muito afecto, diplomacia, algum contorcionismo e, principalmente, razão. Aqui chegados e entendidos parece-me que hoje em dia é preciso reclamar a libertação do papel masculino da repressão igualitária que arrisca fazer do casal uma cataplasma incipiente e incapaz de cumprir os seus desígnios. Tanto mais que acho injusto exigir à mulher outras disposições que não as suas mais naturais, que significariam uma sobrecarga ao instinto maternal que lhe confere demasiadas obrigações e, quem sabe, complexos de culpa. O facto é que a “veia masculina” do Pai faz falta às crianças, com tudo o que o excesso de endorfinas lhe confere, para cortar a direito quando é preciso, de empurrar as crias para a arena do risco e do desafio, ou de assumir a tirania de clarificar as meias tintas, de desmontar a manipulação, assumir a voz grossa para impor limites ao que não se pode mais tolerar, disfarçar a angústia numa resolução salomónica, sacrificar a acomodação e a paz que se tornou podre, impedir uma injustiça, pôr um adolescente na ordem... enfim. 

Fui educado por um pai que, talvez por ser muito brincalhão e afectuoso avant la lettre, do alto do seu 1,90 de tirania e potente voz de tenor, muitas vezes me desconcertou com as suas fúrias bravias – boa parte delas com alguma razão. Passadas mais de duas décadas de saudade, tenho a certeza que muita falta faz para a formação do bom carácter dum infante a complementaridade harmónica mas distinta das marcas paternal e maternal. Que a febre da igualdade não acabe com isso é o meu desejo. De resto, a vida descobre sempre caminho e um pai faz muita falta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mau tempo

por João Távora, em 11.12.18

A frustração que deve ser prá Catarina e pró Jerónimo a circunstância de não serem verdadeiramente oposição no contexto político turbulento que se aproxima...: as greves agendadas são uma suave prova de vida que prejudica sempre os mesmos mansos sem direito a semana de 35 horas e com um ordenado mesmo mínimo. A Europa entretanto desmorona-se e a nossa esquerda radical vai faltar à festa, essa é que é essa. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo - 2º do Advento

por João Távora, em 09.12.18

icone de joao batista.png

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas


No décimo quinto ano do reinado do imperador Tibério, quando Pôncio Pilatos era governador da Judeia, Herodes tetrarca da Galileia, seu irmão Filipe tetrarca da região da Itureia e Traconítide e Lisânias tetrarca de Abilene, no pontificado de Anás e Caifás, foi dirigida a palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto. E ele percorreu toda a zona do rio Jordão, pregando um baptismo de penitência para a remissão dos pecados, como está escrito no livro dos oráculos do profeta Isaías: «Uma voz clama no deserto: ‘Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. Sejam alteados todos os vales e abatidos os montes e as colinas; endireitem-se os caminhos tortuosos e aplanem-se as veredas escarpadas; e toda a criatura verá a salvação de Deus’».

 

Palavra da salvação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nossa Senhora da Conceição

por João Távora, em 08.12.18

Rainha de Portugal.jpg

Magnificat

A minha alma glorifica o Senhor *
E o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.

Porque pôs os olhos na humildade da sua Serva: *
De hoje em diante me chamarão bem aventurada todas as gerações.
O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas: *
Santo é o seu nome.

A sua misericórdia se estende de geração em geração *
Sobre aqueles que o temem.
Manifestou o poder do seu braço *
E dispersou os soberbos.

Derrubou os poderosos de seus tronos *
E exaltou os humildes.
Aos famintos encheu de bens *
E aos ricos despediu de mãos vazias.

Acolheu a Israel, seu servo, *
Lembrado da sua misericórdia,
Como tinha prometido a nossos pais, *
A Abraão e à sua descendência para sempre

Glória ao Pai e ao Filho *
E ao Espírito Santo,
Como era no princípio, *
Agora e sempre. 
Amen.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma dor d' alma...

por João Távora, em 05.12.18

Deveríamos respeitar os antigos, que sabiam dar nomes bonitos partindo do mérito dos próprios locais. Campo das Cebolas, Rua da Alfarrobeira, Rua das Gaivotas, Rua dos Mastros, Rua dos Navegantes, Rua do Poço Novo, Beco das Terras, Rua da Vitória, Rua da Saudade, Rua da Bela Vista, Rua do Alto do Moinho Velho, Rua das Gáveas, Rua da Horta Seca, Travessa da Espera, Rua da Misericórdia, Rua das Mercês ou dos Fiéis de Deus - tudo nomes que irradiam encantamento e que, por isso, estou convencido, têm o condão de ajudar a fazer dos seus habitantes pessoas melhores e mais felizes... Mas não é isso que eles querem, não descansam enquanto não apagarem a memória da cidade. A falta que fazem os escritores e os poetas para nos defenderem destes engenheiros sociais que nos apascentam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo - 1º do Advento

por João Távora, em 02.12.18

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas e, na terra, angústia entre as nações, aterradas com o rugido e a agitação do mar. Os homens morrerão de pavor, na expectativa do que vai suceder ao universo, pois as forças celestes serão abaladas. Então, hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem, com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, erguei-vos e levantai a cabeça, porque a vossa libertação está próxima. Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela intemperança, a embriaguez e as preocupações da vida, e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha, pois ele atingirá todos os que habitam a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo o que vai acontecer e comparecer diante do Filho do homem». 


Palavra da salvação. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A alma de Lisboa

por João Távora, em 29.11.18

RAL_Comunicado_horizontal.jpg

A propósito da intenção da Câmara Municipal de Lisboa de alterar o topónimo do Campo das Cebolas para Largo José Saramago a Real Associação de Lisboa emitiu o seguinte comunicado que convido os meus amigos a ler e divulgar

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Campo das Cebolas

por João Távora, em 29.11.18

campo-das-cebolas-mm.jpg

Eles gostam é de "engenharias" e andam por cá há muito tempo a destinar as nossas vidas e amestrar as nossas afeições. Uma das actividades preferidas deles é a de mudar os nomes às ruas, normalmente com um intuito de educar o povo para o “progresso civilizacional”. É assim que agora, com os votos do PS, PCP e Bloco de Esquerda, o Campo das Cebolas vai ostentar uma placa toponímica com o nome de José Saramago, como pretendia o executivo de Fernando Medina – o povo, esse continuará a chamar-lhe o nome antigo. E porquê não homenagear o escritor numa dessas “novas centralidades” em evolução na cidade?
Como lisboeta, é para mim uma tristeza imensa a forma despótica como meia dúzia de iluminados vêm apagando os ecos da memória colectiva da minha cidade ao sabor dos eventos políticos ou conveniências das suas clientelas. Lisboa ainda ostenta ruas com nomes antigos que falam do lugar mas já não falta muito para eles destruírem definitivamente a alma cidade e torná-la num insuportável panfleto sobre as virtudes da “modernidade” e dos seus arquitectos. Estamos entregues a uma cambada de brutos e eu não me conformo com isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Luta de classes deu a volta...

por João Távora, em 27.11.18

devolvam-nos o caviar.jpg

“Devolvam-nos o caviar” é o titulo do novo livro do João Gomes de Almeida, que reúne as crónicas que ele vem publicando (à borla) no jornal i e Eco. Isto confirma a minha suspeita de que o melhor do João,  que é um belíssimo publicitário, sempre foram os títulos – não desfazendo.  

Mas a questão principal é que este título nos remete para uma trágica realidade a que urge a ciência política debruçar-se: aqui chegados o poder político e económico, não está na direita liberal ou conservadora dos Joões Gomes de Almeida ou Lancastre e Távora da vida, que nos dias de hoje se esmifram a trabalhar sem descanso semanal para todos os meses levarem um parco sustento para casa, espremidos pelos impostos que servem unicamente (não há investimento público e os serviços do Estado degradam-se todos os dias) para pagar doses de caviar para a esquerda que nas ultimas décadas se instalou nas empresas, organismos e cargos estatais - um autêntico progresso civilizacional. É confirmar este fenómeno na proveniência laboral dos deputados na assembleia da república e atestar quem, antes de ocupar lugares públicos pagava ou consumia os nossos impostos. O problema é que no que concerne à luta de classes esta realidade inverte o ónus da dialéctica: o levantamento revoltoso a verificar-se algum dia (populista, certamente) terá proveniência dos novos descamisados, que são explorados pelos esquerdistas e seus familiares que capturaram o Estado, e que à falta de melhor, com os chavões, causas fracturantes e identitárias, tentam entreter o neoproletariado enquanto os sugam até ao tutano. 

Definitivamente eles não nos vão devolver o caviar, e até eu já me sinto um revolucionário.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Domingo

por João Távora, em 25.11.18

Leitura do Livrio do Apocalipse 


Jesus Cristo é a Testemunha fiel, o Primogénito dos mortos, o Príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama e pelo seu sangue nos libertou do pecado e fez de nós um reino de sacerdotes para Deus seu Pai, a Ele a glória e o poder pelos séculos dos séculos. Amen. Ei-l’O que vem entre as nuvens, e todos os olhos O verão, mesmo aqueles que O trespassaram; e por sua causa hão-de lamentar-se todas as tribos da terra. Sim. Amen. «Eu sou o Alfa e o Ómega», diz o Senhor Deus, «Aquele que é, que era e que há-de vir, o Senhor do Universo». 


Palavra do Senhor. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pedro Filipe Soares gosta de dizer coisas...

por João Távora, em 20.11.18

"O Estado Novo trocou o “vermelho” pelo “encarnado” para retirar quaisquer conotações de esquerda ao apoio ao Sport Lisboa e Benfica", diz Pedro Filipe Soares a propósito da linguagem e da política, das camaradas e dos camarados. De castigo, para não chamarmos de louco furioso a um deputado da Nação devia ser obrigado a provar a afirmação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A catástrofe somos nós

por João Távora, em 20.11.18

Vista-aerea-da-estrada-entre-Borba.png

Quem veja a fotografia aérea da estrada que desabou entre duas explorações de mármore em Borba vê uma amarga metáfora sobre o desleixo nacional e o enorme buraco subjacente. Não é preciso ser engenheiro civil para  perceber que aquela estrada deveria ter sido vedada há muito, que houve incúria da autarquia e ganância na exploração das pedreiras de um lado e do outro da velha estrada. E não, este problema não se restringe às autarquias do Portugal profundo ou a insaciáveis empresários de província: é transversal ao nosso País governado de improviso de alto a baixo, um dia de cada vez, fazendo figas para que o vento não mude, que com um muita aldrabice e sorte à mistura vai contornado os grandes desafios que se nos colocam. Ao povo, que não esqueceu e miséria e é pouco dado a responsabilidades, bastam um pouco de circo e um naco de pão. Afinal a catástrofe somos nós, sem rei nem roque. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Domingo

por João Távora, em 18.11.18

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Naqueles dias, depois de uma grande aflição, o sol escurecerá e a lua não dará a sua claridade; as estrelas cairão do céu e as forças que há nos céus serão abaladas. Então, hão-de ver o Filho do homem vir sobre as nuvens, com grande poder e glória. Ele mandará os Anjos, para reunir os seus eleitos dos quatro pontos cardeais, da extremidade da terra à extremidade do céu. Aprendei a parábola da figueira: quando os seus ramos ficam tenros e brotam as folhas, sabeis que o Verão está próximo. Assim também, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o Filho do homem está perto, está mesmo à porta. Em verdade vos digo: Não passará esta geração sem que tudo isto aconteça. Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão. Quanto a esse dia e a essa hora, ninguém os conhece: nem os Anjos do Céu, nem o Filho; só o Pai».

Palavra da salvação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mediocridade

por João Távora, em 16.11.18

Em Portugal não se cultiva o diálogo e o apelo à moderação (agora tão na moda) o mais das vezes parece um convite ao silêncio de uma das partes, e já se equipara o conservadorismo ao fascismo. Velhos hábitos são difíceis de cortar: nos últimos duzentos anos tivemos uma guerra civil, um regicídio intervalando meia dúzia de revoluções. Em resultado disso hoje a pobreza e o fosso das desigualdades é aberrante no contexto europeu, a liberdade tem dias, e a fraternidade é o que sabemos. Portugal está longe de ser uma nação civilizada em que as diferentes ideologias coexistem num saudável conflito, franco e aberto, sem preconceitos, sem amputações provocadas por velhos ódios recalcados, escondidos, latentes, perversos. Temos a mediocridade que merecemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agradecidos

por João Távora, em 15.11.18

Numa inédita iniciativa que saudamos encontram-se para votação os "Sapos do ano", divididos diversas categorias e onde poderá encontrar o Corta-fitas a concurso em Política e Economia. Não sendo absolutamente correcta essa catalogação será um acto de justiça ir lá votar em nós. Aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo

por João Távora, em 11.11.18

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos 


Naquele tempo, Jesus ensinava a multidão, dizendo: «Acautelai-vos dos escribas, que gostam de exibir longas vestes, de receber cumprimentos nas praças, de ocupar os primeiros assentos nas sinagogas e os primeiros lugares nos banquetes. Devoram as casas das viúvas, com pretexto de fazerem longas rezas. Estes receberão uma sentença mais severa». Jesus sentou-Se em frente da arca do tesouro a observar como a multidão deitava o dinheiro na caixa. Muitos ricos deitavam quantias avultadas. Veio uma pobre viúva e deitou duas pequenas moedas, isto é, um quadrante. Jesus chamou os discípulos e disse-lhes: «Em verdade vos digo: Esta pobre viúva deitou na caixa mais do que todos os outros. Eles deitaram do que lhes sobrava, mas ela, na sua pobreza, ofereceu tudo o que tinha, tudo o que possuía para viver». 


Palavra da salvação. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assembleia da "república"

por João Távora, em 09.11.18

 O meu austero professor da primária, o professor Júlio (que distribuía reguadas épicas aos mais cábulas), quando apanhava os alunos em rebuliço berrava que a sala de aula "não é uma república!" Nesse sentido a assembleia em S. Bento não deixa os seus créditos em mãos alheias.
Mais do que corarmos de vergonha alheia com as justificações da deputada Emília Cerqueira no confrangedor caso das falsas presenças em plenário de José Silvano, é o ensurdecedor silêncio corporativo dos restantes partidos no parlamento. Se isto acontecesse numa qualquer democracia desenvolvida os dois deputados já teriam há muito embalado a trouxa e renunciado ao mandato. Somos a “república portuguesa”, temos aquilo que merecemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boas notícias

por João Távora, em 06.11.18

As fake news são parte inerente da liberdade de expressão e da participação democrática; proibi-las apenas faz sentido no regime dos ayatollahs, onde alguém se arroga o direito de estar acima dos outros e de ser o verdadeiro intérprete da Verdade. Em democracia, proibir fake news é apenas mais um mecanismo para criar castas superiores, que se dedicam a vigiar o cidadão comum – os guardiões dos costumes.

 

Nuno Garoupa no Polígrafo, a acompanhar atentamente

Autoria e outros dados (tags, etc)

O sequestro dos moderados

por João Távora, em 29.10.18

O verdadeiro perigo da sua presidência de Bolsonaro é outro: a incapacidade de proporcionar o governo estável e reformista de que o Brasil precisa, e agravar, com isso, a crise do país. É por isso uma tragédia que a direita conservadora e liberal não tenha conseguido protagonizar o movimento de repúdio do PT. Mas porque não conseguiu? Porque essa direita, no Brasil, se descredibilizou, ao colaborar durante anos com o PT e a sua corrupção. A opção de votar Haddad, como percebeu Fernando Henrique Cardoso, teria completado esse descrédito. Mas lá e cá, onde a Lisboa política tentou imitar as eleições brasileiras como a província imita o carnaval, vimos demasiada direita a procurar pateticamente um atestado de “moderação” abraçando o PT. A “moderação”, porém, não é escolher um dos extremos: é recusar essa escolha.

 

A Ler Rui Ramos na integra aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D

    subscrever feeds