Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As Lágrimas de Pedro Nuno

por Miguel A. Baptista, em 19.02.24

Tenho alguns amigos que disseram estar chocados com o "aproveitamento" que Ricardo Araújo Pereira fez do choro de Pedro Nuno Santos num programa de televisão. Não estou especialmente solidário com esse sentimento desses amigos, acho que o momento de humor foi legítimo, e passo a explicar porquê. 

1) Pedro Nuno Santos decidiu, em ambiente pré-eleitoral, ir a um programa de televisão escancarar a sua intimidade. Ou seja, todas as imagens utilizadas resultaram de um "produto" oferecido pelo próprio, e não de nenhuma devassa de intimidade. 

2) Quando uma pessoa utiliza a sua intimidade, mulher e filhos, para se promover perde alguma moral para criticar quem chama à colação esses elementos de forma menos laudatória. Eu sei que uma pessoa fazer strip-tease da sua intimidade é algo que está de acordo com o vento dominante, no entanto não é uma tendência que me mereça especial simpatia. 

3) A minha geração, e a geração anterior à minha ainda mais, foi educada a reprimir emoções. Penso que tal, em muitos contextos, foi exagerado e castrador. Ainda assim, não aprecio o actual cenário, em que se passou da repressão das emoções para a exibição destas. No actual ecossistema pretendemos que as emoções substituam a racionalidade e qualquer conceito de "realidade objectiva", e isso não é bom.  

4) Ainda na sequência do ponto anterior, na minha geração, na tal repressão de emoções, diziam-se coisas como "um homem não chora". É claro que não concordo com essa perspectiva, mas também não tenho simpatia pelo paradigma em que o autocontrole é uma característica completamente desvalorizada.

5) Claro que fazer humor implica, em muitos casos, como neste, descontextualizar e ridicularizar. No entanto, parece-me que vivemos numa sociedade suficientemente madura para que tal possa ser feito. O público é suficientemente preparado para entender os contextos, e para intuir que o espectro daquilo que pode ser utilizado num programa de humor é muito mais amplo do que aquilo que pode ser utilizado noutros contextos. Por exemplo, a utilização das lágrimas de Pedro Nuno parece-me aceitável nesse contexto de humor, mas parecer-me-ia dificilmente tolerável numa lógica de luta política. No que respeita ao humor estou muito mais próximo da abordagem britânica que considerava aceitável fazer um sketch com a Rainha a dançar can-can, do que a visão lusitana estado-novense de que "o respeitinho é muito bonito". 

O Declínio e Queda da Extrema-Esquerda

por Miguel A. Baptista, em 09.02.24

Um dos aspectos interessantes das sondagens é que a extrema-esquerda, ou esquerda radical se preferirem, tem intenções de voto relativamente baixas. 

Haverá várias razões para explicar o fenómeno, a guinada à esquerda do PS de Costa e Pedro Nuno será uma delas. Já agora, acredito que, nos dois líderes, tal aconteceu por motivos diferentes. O encostar à esquerda é convicto por parte de Pedro Nuno, e com Costa foi meramente oportunista ou instrumental, pois para preservar a sua carreira política Costa ter-se-ia encostado a qualquer lado. 

Mas terá sido a formação da geringonça que assinou a inexorável decadência da extrema-esquerda, que pode ser a quase sentença de morte do PCP, ora vejamos como. 

Antes de mais, em termos históricos, o PS e o PCP eram inimigos figadais. A afirmação do PS fez-se combatendo o modelo comunista soviético, preconizado pelo PCP, e em defesa do modelo de democracia liberal, do tipo ocidental, em que nos inserimos. O sentimento dos comunistas para com os socialistas era semelhante ao que benfiquistas e portistas nutrem entre si. Esse pacto, visto por muitos como contranatura, quebrou um fortíssimo interdito mental. 

Mas penso que não terá sido essa a razão principal, esta terá sido o contacto com a realidade. O que é que quero eu dizer com isso? Pois bem, a extrema-esquerda vende sobretudo ilusões de paraísos não atingidos. São amanhãs que cantam que, quando colocados em prática, inevitavelmente se transformam em pesadelos. O modelo comunista sempre deu errado, mas há a constante ilusão de que desta vez irá dar certo. É um pouco como meter a mão molhada na tomada, esperando que desta vez não dê choque. 

Pois bem, situando-se o raciocínio comunista como algo fora da realidade, terá sido com alguma decepção que se assistiu à participação do partido na realidade, no caso no governo da geringonça. Os comunistas terão sido obrigados a concluir que a sua participação no governo não altera grande coisa, que não existe nenhum "toque mágico" comunista. A participação comunista só teria sido justificada se tivesse ocorrido um "salto quântico", e este não aconteceu, era óbvio que só em mentes fantasiosas é que poderia ocorrer. 

Com o seu mundo a desabar, muitos partiram em busca de novas ilusões, que, curiosamente, vários vão acalentar do outro lado do espectro político.  

A verdade numa estante

por Miguel A. Baptista, em 25.01.24

A campanha da estante do Ikea merece-me duas reflexões: 

1) Serviu para lembrar que, contrariamente à narrativa que os socialistas puseram a circular e que muitos interiorizaram, Costa não se demitiu por um parágrafo, que aliás tinha que lá estar. Costa demitiu-se porque aquele que introduziu nos negócios do Estado, de forma informal e inaceitável, com o título de seu "melhor amigo" utilizava tal estatuto para vender serviços de tráfico de influências e pelo facto de ter sido apanhado na residência oficial do PM uma grande quantidade de dinheiro que seria pertença do seu chefe de gabinete, cujo currículo parecia cadastro. 

Sempre disse que é impressionante como, por cá, as narrativas socialistas substituem os factos. A mais mirabolante narrativa socialista foi que a austeridade foi culpa do Passos Coelho e não da actuação de um governo socialista, cleptocrata, absolutamente irresponsável, que fez o país bater no muro. 

2) Quem fez a campanha foi uma grande multinacional sueca. A empresa avaliou que poderia conseguir notoriedade e "viralidade" com o anúncio e aprovou-o. Embora eu penso que não haja qualquer intenção política no anúncio, a empresa decidiu aprová-lo porque ela, empresa, não depende em nada do Estado ou do poder socialista. E, na minha perspectiva, uma empresa aprovar os anúncios que bem lhe apetecer, sem temores reverenciais é algo de bom. Infelizmente não estou a ver nenhuma grande empresa portuguesa a fazê-lo. Quase todas são demasiadamente reféns de intrincadas relações de interdependência. E as dependências, como nós sabemos, são inimigas da liberdade. Como gosto de liberdade, eu gostaria de uma sociedade que cultivasse menos as dependências. 

Mas nós perdemos a guerra, não se recordam?

por Miguel A. Baptista, em 05.01.24

Os principais protagonistas da cena política na Alemanha Ocidental, no pós-guerra, foram Konrad Adenauer e Kurt Schumacher. Adenauer liderava os democratas-cristãos (CDU) e Schumacher liderava a oposição social-democrata (SPD). 

A Alemanha tinha assinado uma rendição incondicional, estava em cacos e ocupada pelas potências vitoriosas (no lado ocidental existiam zonas controladas por americanos, ingleses e franceses). 

Enquanto país ocupado, a Alemanha tinha pouquíssima autonomia. Konrad Adenauer foi, pouco a pouco, conquistando a confiança dos ocupantes, ganhou autonomia e conseguiu que as indústrias do Ruhr não fossem desmanteladas. A postura de Adenauer foi sempre de luta pelos interesses da Alemanha, mas dentro de alguma humildade tão necessária num país cuja arrogância tantos danos tinha provocado. A posição cooperante de Adenauer permitiu que a Alemanha se reerguesse e voltasse a tornar-se uma potência europeia. 

Durante este período, a posição de Schumacher foi bastante diversa, ele defendia uma posição muito mais reivindicativa, exigente e de afrontamento dos aliados. Com o distanciamento histórico é possível prever que o triunfo dessa posição não teria trazido nada de bom para a Alemanha. Após a primeira e segunda guerra mundiais, ou guerra dos trinta anos como lhe chama Kissinger, a tolerância das potências vitoriosas para com a Alemanha seria muito pouca. Face à postura de alguma arrogância de Schumacher, e à necessidade de colocar algum realismo no debate, Adenauer, terá dito uma vez algo do género, "mas nós perdemos a guerra, não se recordam?". 

Este episódio veio-me à memória, agora, quando alguns, como Pedro Nuno Santos, acusam o PSD de ter promovido uma "privatização desastrosa" dos Correios, embora essa privatização estivesse prevista no memorando de entendimento negociado pelo PS com a Troika. O PS faliu o país, mas renega, de forma covarde, irresponsável e irrealista, todas as medidas, implementadas pelo Governo de Passos Coelho que derivam diretamente, e inevitavelmente, dessa falência. 

Um pouco como Schumacher queria negar as consequências para a Alemanha de ter provocado, e perdido, a guerra, o PS pretende negar as consequências de ter levado o país à bancarrota. Um pouco como Adenauer fez, dá vontade de fazer a pergunta retórica aos socialistas que pretendem "sol na eira e chuva no nabal", "mas vocês levaram o país à falência, não se recordam?" 

Festejar o 25 de Novembro

por Miguel A. Baptista, em 24.11.23

Recentemente tem-se falado bastante em festejar o 25 de Novembro. Eu, pessoalmente, até porque tenho uma veia comodista, não sou dado a grandes celebrações e eventos. Nunca fui a uma manifestação ou celebração desse tipo, pelo que, se me virem numa, talvez seja prudente que me encaminhem para casa pois é provável que ande perdido.

Como em muitas coisas da vida, acredito que este desejo de celebração novembrino é um par ação-reação.

A revolução do 25 de Abril não foi uma revolução de esquerda. Foi o culminar de um movimento, espoletado inicialmente por objectivos corporativos, e que os objectivos políticos estavam mais focalizados no fim da guerra colonial do que propriamente na mudança de regime. Curiosamente, o PCP, que era a principal, e quase única, força política com oposição activa ao Estado Novo, não teve qualquer participação no golpe revolucionário. Uma vez consumado o golpe militar, os capitães foram buscar para chefiar o processo revolucionário um militar sénior de direita, o General Spínola.

Não sendo "ab initio" um movimento de esquerda, o imaginário do 25 de Abril foi totalmente capturado pela esquerda. Desde há muito que há "donos do 25 de Abril" que atestam o pedigree abrileiro de pessoas e organizações. Por exemplo, para, na data, desfilar na Avenida da Liberdade é preciso uma autorização dos que se consideram donos da desta. Se ingénuos, como os da Iniciativa Liberal, se quiserem juntar ao grupo é certo que receberão praxes humilhadoras.

O 25 de Abril que teria, pois, à partida as condições perfeitas para ser a grande festa da liberdade deixou de as ter. Por apropriação ilegítima, o 25 de Abril passou a ser, fundamentalmente, a festa de como a esquerda radical vê a liberdade, sendo que esquerda radical e liberdade tendem a ser contradições em termos.

Escorraçados das celebrações abrileiras, há pessoas, no centro e na direita, que mantêm, aliás legitimamente, desejos celebrativos. São essas pessoas que fazem agora questão de celebrar o 25 de Novembro.

Escolheram justamente a data em que o modelo daqueles que se apropriaram ilegitimamente do 25 de Abril foi derrotado. Assim garantiam que não se iriam cruzar com aqueles que os tratavam como sarnosos ou infiéis. Ao pretenderem para si, em exclusivo, os pergaminhos abrileiros, os esquerdistas criaram a necessidade de uma celebração alternativa, nos quais aqueles que escorraçaram se pudessem rever.

É neste espírito que emerge, pois, o actual desejo celebrativo. Conforme disse no início, não me revejo particularmente nesse tipo de manifestações.

Mas compreendo que haja quem se reveja.

O país, esse empecilho

por Miguel A. Baptista, em 21.11.23

José Luís Carneiro admite, em caso de vitória do PSD, viabilizar um governo deste, impedindo assim que o PSD sinta a necessidade de procurar o apoio do Chega. 

Aliás, essa era a tradição em Portugal até António Costa refazer as regras da prática democrática. Houve governos do PS, em minoria, viabilizados pelo PSD e reciprocamente. Tal é uma prática sã, que impede que os partidos vencedores fiquem reféns de partidos extremistas. 

Parece-me que a maioria das pessoas que coloque o interesse nacional acima do interesse partidário será favorável a tal prática. Mas, no PS, esta intenção de José Luís Carneiro não é vista com bons olhos, vozes como as do inefável Eduardo Cabrita já vieram dizer que é "lamentável". E porquê o lamento? Porque há um PS, aliás maioritário, para o qual o interesse nacional é algo absolutamente secundário e subsidiário do interesse partidário. 

Esta atitude foi especialmente visível em todo o consulado de Costa, não houve uma única medida de reforma ou interesse nacional, tudo foi estritamente pensado numa lógica partidária e de gestão de carreira política. O país foi sempre visto como algo secundário, algo que estava ali a mais. O país foi visto assim como uma espécie de empecilho. 

Pedro Nuno, Nós e o Futuro

por Miguel A. Baptista, em 08.11.23

Pedro Nuno Santos teve duas intervenções que o tornaram especialmente conhecido.

 Numa ameaçou que não pagaria a dívida pública, pondo as pernas dos banqueiros a tremer. Colocaria o país numa situação pária, os aviões da TAP poderiam ser apreendidos quando tocassem solo estrangeiro, e o navio-escola Sagres seria também apreendido se se atrevesse a sulcar para fora de águas territoriais. A credibilidade do país ficaria na lama.   Na segunda, e já enquanto ministro, aproveitou a ausência do PM no estrangeiro e, à revelia deste, anunciou a construção/ remodelação de três aeroportos (Montijo, Alcochete e Portela).  

Se a primeira intervenção ainda pode ser associada a alguma imaturidade, a segunda deverá ser associada a algo próximo da loucura. Quem é que, na posse plena das suas faculdades, assumiria uma decisão desta sem a concordância, e o pleno respaldo, do PM? Em princípio ninguém, mas Pedro Nuno assumiu “Já chega, já chega! O país anda a anos a discutir aeroporto. Já é tempo de mais. Há uma decisão tomada e vamos avançar”, disse o timorato político.   Num país "normal", depois de uma intervenção "imatura" e de outra "de loucura", o jovem Pedro Nuno seria um político absolutamente "queimado". Diriam, ele até é bom rapaz, mas é de uma irresponsabilidade total. Seria o timoneiro perfeito para acelerar o navio para que este possa ir medir forças com o iceberg.

 Por cá, encaramos como absolutamente normal a hipótese de ele vir a ser o próximo líder do país. Imaginá-lo como PM, tendo Mortágua como sua vice, é algo que não nos choca. A opção por um modelo terceiro-mundista, não europeu, foi uma opção nossa. Aqueles que diziam "a culpa é da Merkel" convençam-se de uma coisa, a culpa não é, nem nunca foi, da Merkel. Fomos nós que, de forma consciente ou alienada, que optámos pelo terceiro-mundismo e pela mediocridade.

Não somos um bom ecossistema para criar riqueza

por Miguel A. Baptista, em 25.10.23

De acordo com a Forbes, segundo os dados publicados hoje, os cinco mais ricos de Portugal não são "pessoas", são "famílias". Tal não acontecerá em quase nenhum lugar do mundo. 

Se formos à lista da Forbes internacional verificamos que os catorze lugares cimeiros estão ocupados por pessoas que "criaram" riqueza inovando. A lista é liderada por Elon Musk que todos sabemos o que fez em prol da mobilidade elétrica. Em Espanha sabemos o que fez Amancio Ortega, da Zara em prol da democratização da moda, e em França sabemos como Bernard Arnault criou o maior conglomerado de produtos de luxo. 

Em Portugal, quem lidera a lista não se caracteriza por ter criado algo de especial, mas por ter herdado algo de especial. Obviamente eu não quero atacar, ou culpabilizar, quem herdou. Até porque muitos dos que herdaram terão tido o mérito de gerir bem a herança e, eventualmente, até a ter multiplicado. 

O que eu digo é que Portugal é um ecossistema extremamente adverso à criação de riqueza. O facto de não haver por cá "big ideas" capazes de criar riqueza substancial deveria levar a interrogar-nos. O facto de não haver empresas novas a entrar em bolsa, ou o nosso índice bolsista já não se chamar PSI20, por não existirem por cá vinte empresas cotadas com liquidez e dimensão, deveria fazer acender um conjunto de luzes encarnadas. 

Ao contrário do que nos vendem, em termos de empreendedorismo, criação de riqueza e ambiente de negócios em geral, Portugal não é um ecossistema vibrante. Antes pelo contrário, por cá cultiva-se a mediocridade, a pequenez e a inveja. 

E o que é preocupante é que não fazemos nada para nos corrigir, gostamos de ser assim. 

ATENTADOS AO ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

por Miguel A. Baptista, em 22.10.23

Uma jovem, de uma organização telecomandada pelo Bloco de Esquerda, a pretexto das alterações climáticas, que aliás não têm nada a ver para o caso, ataca um ministro atirando-lhe tinta. Aliás, os ministros atacados já foram dois. 

Os ministros não apresentam queixa e, aparentemente, nada de relevante acontece nem às atacantes, nem aos autores morais do ataque. 

Quer isto dizer que um idoso, eventualmente próximo do Chega, com o pretexto do enorme aumento do IUC, que aliás até é bem real, se deve sentir livre para atacar ministros atirando-lhes tinta? Podem estar descansados que nada lhes acontecerá e que não será apresentada queixa? 

É que num Estado de Direito Democrático os cidadãos são iguais perante a lei. Não há leis para apoiantes de partidos com os quais já nos coligámos e leis para os outros. 

A forma casuística, e leviana, como estes casos são tratados é um enorme atentado ao Estado Democrático. As leis aplicam-se a todos, não é o PS que decide a quem se aplicam as leis. 

DE 1453 AOS NOSSO DIAS NÃO MUDÁMOS ASSIM TANTO 

por Miguel A. Baptista, em 29.08.23

Pelo ano da graça de 1453, enquanto as tropas de Maomé II, o Conquistador, cercavam Constantinopla, no seu interior os teólogos cristãos discutiam, literalmente, o sexo dos anjos. 

Não me custa nada a imaginar a cena, seria como nos dias de hoje assistir a escaladas militares, com a possibilidade de uma guerra nuclear, e ver o mundo, em transe, a discutir o beijo de um árbitro, com a mobilização, para tal, de governos, sistemas judiciais e activistas um pouco por todo o Ocidente. 

E pronto, passado mais de quinhentos anos, Constantinopla continua muçulmana, e Maomé II, que até foi magnânimo na vitória, permanece por lá sepultado na Mesquita do Conquistador, erigida no lugar da Igreja dos Santos Apóstolos, demolida para o efeito. 

Uma quinta no Douro e a CP

por Miguel A. Baptista, em 19.06.23

Imaginem que tinham uma boa disponibilidade económica, e uma quinta no Douro da qual gostavam. Já vos devem ter pedido que imaginassem coisas piores. 

Como gostam da quinta, entregam, todos os anos, ao feitor, 85.300€ para que ele mantenha tudo impecável. É bastante dinheiro, mas como gostam da quinta é esse o valor que entenderam ser razoável para o efeito. Este ano o feitor até fez um bom trabalho na gestão da coisa, o ano foi bom para o vinho e para o azeite, e chegou ao final do ano sobrando-lhe 8.000€. 

Será que é razoável dizer que a quinta do Douro dá lucro? 

Pois bem, o que acontece com a CP é, mais ou menos, o que acontece com a quinta no Douro, mas com os valores multiplicados por mil. O Estado atribuiu uma indemnização compensatória de 85,3 milhões de euros à empresa e esta termina o ano com 8 milhões de euros de lucro. 

Eu até penso que este modelo, da existência de um montante pré-definido de indemnização compensatória, é globalmente bom, e permite maior racionalidade de gestão. No entanto, ouvir pessoas como o ex-ministro Pedro Nuno Santos falar como se a CP fosse uma empresa muito lucrativa é profundamente enganador. 

Da Expo até à desesperança

por Miguel A. Baptista, em 22.05.23

Faz agora 25 anos que a Expo abriu as portas. Enquanto evento efémero não me entusiasmou particularmente. No entanto, acho que foi uma boa forma de "fazer cidade". 

Por essa altura Portugal viveu os seus últimos momentos de ilusão. Nessa altura ainda acreditávamos que, num espaço de uma geração, iriamos estar entre os países desenvolvidos da Europa. Miragens como sermos a Califórnia deste continente ainda eram possíveis. 

98 é um marco, mas as raízes do problema já vinham de trás. Cavaco deu um importante impulso desenvolvimentista ao país, mas nos dois últimos anos de mandato já era visível que o modelo estava esgotado. Estava esgotado o modelo, e estavam esgotados os protagonistas. Cavaco acabou rodeado de "yes men". Depois veio Guterres com o propósito de anestesiar um país já de si amorfo. A bandeira do "diálogo" foi uma óptima desculpa para suspender o reformismo e promover uma cultura de pântano na qual tão bem nos damos. 

O facto de nos últimos vinte cinco anos sermos dos piores países no que a crescimento económico diz respeito, sim os piores somos nós a Grécia e a Itália, entristece-me, mas não é o que me entristece mais. O que mais me entristece é a forma como passámos a aceitar a mediocridade. Da mesma forma que a China, do século XIX foi invadida pelo entorpecente ópio, nós fomos invadidos pela letargia socialista, em que o partido do Governo faz uma campanha a gabar-se que mais de um milhão de famílias acede a medidas de apoio ao cabaz alimentar. Sim, o que me entristece foi como perdemos qualquer ambição ou brio. 

Somos Capitaneados por um Alienado

por Miguel A. Baptista, em 19.05.23

É bom que os governantes tenham uma boa vida pessoal, de forma que esta os ajude a terem uma boa saúde mental. 

Mas a ida de António Costa ao concerto dos Coldplay, enquanto a nossa vida democrática passa por momentos difíceis, não é disso que se trata. António Costa, que anda na política desde os catorze anos, não é inocente. Ele sabe que ao estar num estádio com cinquenta mil pessoas e com as televisões a captar imagens, tal seria amplamente noticiado, não se trataria de nenhum momento íntimo. 

Ao assumir tal acto, Costa pretendia transmitir uma mensagem. E essa mensagem é "eu estou-me nas tintas para a opinião publica, para a vigilância democrática, para o Presidente e para vocês em geral". Desde a maioria absoluta Costa tem, de forma sistemática e sem grandes ambiguidades, adoptado essa atitude. Adoptou-a quando nomeou o recém derrotado Medina ministro das Finanças, quando elevou Galamba, a mais socrática das personagens, a ministro, quando disse na entrevista à Visão o arrogante "habituem-se" ou quando enfrentou e humilhou publicamente o Presidente da República. Um pouco como Trump, quando dizia "Podia dar um tiro em alguém na 5.ª Avenida e não perdia votos", Costa está inebriado consigo próprio e acredita que, tal com uma vaca que voa, consegue pairar acima da realidade. 

É pena termos a nossa democracia capturada por um personagem tão medíocre. É pena sermos capitaneados por alguém tão superiormente alienado. 

O socratismo encontra-se de boa saúde

por Miguel A. Baptista, em 02.05.23

José Sócrates abandonou o PS, no entanto o socratismo ficou por lá, e bem enraizado. Depois de ter levado o país ao charco descobriu-se que Sócrates era o cabeça de um polvo do tipo mafioso, e um indivíduo absolutamente amoral (tese de mestrado comprada, livros levados ao top por compras próprias, mentira compulsiva da qual o caso "Eusébio" será a mais caricatural...) 

Num país exigente era normal que as pessoas que fizeram a sua carreira política à boleia de Sócrates fossem politicamente penalizadas. Também seria expectável que o Partido Socialista sentisse necessidade de, num processo de autorregulação, abandonar socratinos métodos e estilos como a arrogância do dono da quinta. 

Pois bem, nada disso aconteceu. As mais socratinas personagens como Edite Estrela, Vieira da Silva, Augusto Santos Silva, Pedro Silva Pereira ou o inenarrável Galamba sobreviveram politicamente e trilharam o seu caminho no ambiente costista. 

O processo de defenestração de António José Seguro foi, aliás, muito motivado pela necessidade de manter no PS a prevalência da "Sócrates Connection". A campanha interna de António Costa foi até, em parte, financiada por José Sócrates e por Carlos Santos Silva, o amigo rico da casa de Paris. 

Quando Galamba, o homem que Fernanda Câncio levou até Sócrates, aquele que o avisou qua a PJ andava atrás dele, aquele que se comportava nas redes sociais como um puto malcriado, chegou a ministro, ficou bem claro que a amoralidade costista era incompatível com qualquer padrão de decência. 

Era visível que os porcos tinham retomado o controle da quinta. Eventualmente com outro nome, ainda é o socratismo, e os seus valores, que nos dominam. 

Revoluções, mas com civilidade

por Miguel A. Baptista, em 11.04.23

Conheci de vista Alpoim Calvão, na Praia Maria Luísa, na Balaia. Teria o militar os seus cinquentas e tal anos, e ainda tinha um físico de um Rambo, ainda que mais polido. No final do dia, juntamente com o banheiro, ainda exercitava o físico, fazendo umas elevações em barra fixa.

Hoje ouvi o episódio nº5 do podcast do Observador, "O Sargento na Cela 7", que narra a Operação Mar Verde. Independentemente de qualquer juízo, político ou histórico, que se possa fazer, a coragem daquela gente foi fantástica. No podcost atentei a um pequeno pormenor que me pareceu delicioso. Já agora, e para os que estão menos dentro do tema, a Operação Mar Verde era uma operação militar, ultrassecreta e de altíssimo risco, que visava derrubar o governo da Guiné-Conacri, colocar lá um governo amigo dos portugueses, e libertar os militares portugueses que lá estavam prisioneiros às mãos do PAIGC.

Pois bem, o coordenador da operação era Alpoim Calvão. Este, a páginas tantas, e num momento em que a operação corria menos bem, larga o seu posto de comando num navio e vai a terra para coordenar a evacuação dos homens. Portanto, desembarca numa cidade às escuras (a central elétrica tinha sido neutralizada) e a ferro e fogo com combates entre as fações. Para esse percurso apanha um táxi (!), e no final faz questão de pagar a corrida, utilizando para tal dinheiro da divisa local. O pormenor de fazer questão de, naquele cenário dantesco e perigoso fazer questão de pagar o táxi acho absolutamente inefável.

Encontro algum paralelismo com o comportamento de Salgueiro Maia, quando vem de Santarém para Lisboa para fazer o 25 de Abril. Pois bem, desde a entrada de Lisboa até ao Terreiro do Paço a coluna comandada por Salgueiro Maia passa por vários cruzamentos semaforizados. A coluna de Maia, que não vem passear, mas sim desencadear uma revolução com os perigos subjacentes ao acto de rebeldia, vai parando nos diversos semáforos vermelhos que encontra pelo caminho. Ou seja, uma coluna militar de revolucionários respeitava o código da estrada.

Fazer revoluções, passar por perigos reais, e ao mesmo tempo não abdicar de uma certa civilidade, um certo " gentlemanship" parece-me a mim uma bela história. Acho que nestes comportamentos se consegue ver nobreza.

Descartes na TAP

por Miguel A. Baptista, em 06.04.23

Estive a dar uma olhada na companhia para a qual trabalha o marido de Christine Ourmières-Widener. Digo trabalha, não sabendo eu se terá, ou não, alguma posição acionista nesta. 

Pois bem, trata-se de uma pequena/ média empresa que desenvolveu um produto exclusivamente para o sector da aviação. Percebendo eu pouco do assunto, o produto parece-me interessante, embora eu não faça ideia de como compara face às outras alternativas que, eventualmente, existirão no mercado. 

Deveria o marido da ex-CEO da TAP estar em condições de apresentar o seu produto livremente à empresa de que a sua mulher era responsável, ou deveria este ser prejudicado pelo seu estatuto matrimonial? Para mim a resposta é facílima, numa empresa "normal", eventualmente, poderia fazê-lo, após ter feito o "disclosure" e as pessoas conhecessem a provável existência de um conflito de interesses. Ou seja, numa empresa "normal" poderia colocar-se a questão, embora com muitas restrições. 

No entanto, o simples facto de colocar a questão numa empresa como a TAP revela a maior falta de senso do mundo. A TAP não é uma empresa normal. A TAP é uma empresa onde os contribuintes portugueses colocaram, sem para tal ter sido consultados, milhares de milhões de euros, e como tal tem virados para si, de forma compreensível, todos os holofotes do país. Nenhuma CEO comprometida com a empresa, e de bom-senso, deveria deixar-se fragilizar permitindo que o seu marido faça uma apresentação de vendas na companhia por si dirigida. 

Pode tal ser injusto para o marido, para a sua empresa, e em última instância para a TAP que se pode assim ver privada de uma, eventualmente, boa solução? Claro que pode, mas como diria o outro é a vida. Pesando os diferentes valores em causa é evidente que é muitíssimo mais grave a fragilização da CEO da companhia, que existiria tendo a empresa do marido como fornecedora, do que os outros valores em causa. 

Uma das mais elementares qualidades de um gestor é o bom-senso, e na gestão de uma companhia como a TAP, neste seu estado de ciclo de vida, que se não fosse o dinheiro dos contribuintes já há muito seria ciclo de morte, tal é especialmente importante. É como o caso da substituição da frota de Peugeots por BMWs. A mim não me interessa especialmente saber que essa medida, eventualmente, até possa significar poupanças para a empresa. A mim interessa-me ter um gestor-decisor que saiba que, no actual ambiente social do país e da companhia, uma medida dessas é absolutamente contraproducente em termos de "signaling", mesmo que, eventualmente, até signifique uma pequena diminuição de custos. 

O compatriota de Christine, Descartes, dizia que o bom-senso era a mais bem distribuída das qualidades, pois todos pensam ter o suficiente. A verdade é que neste caso, este redondamente faltou. 

E se fosse com o teu filho

por Miguel A. Baptista, em 30.03.23
Eu penso que a finalidade de uma pena judicial é, fundamentalmente, dupla. Por um lado, castigar o acto cometido, sinalizando a ilicitude e maldade deste e procurando, sempre que possível, a recuperação e reinserção do indivíduo. Por outro, contribuir para prevenir crimes futuros mostrando que a um acto criminoso corresponde uma pena.

Há casos em que possa ser aconselhável uma pena especialmente severa. Por exemplo, não me choca que um violador reincidente possa ser condenado a prisão perpétua, não para o "fazer sofrer", mas para que a sociedade se possa proteger e simultaneamente protegê-lo a ele dele próprio.

Quando a pena ultrapassa o domínio da punição e prevenção e entra sobretudo numa lógica de vingança e de ódio eu penso que é a própria sociedade que perde dignidade. Nestes debates, em que defendo que a decência de uma sociedade também passa pelo humanismo com que trata os seus criminosos há um argumento que surge quase invariavelmente, e o argumento e "e se fosse com o teu filho?".

Deixem-me dizer que considero o argumento bastante estúpido. Primeiro, não sei como reagiria se um filho meu fosse vítima de algum facínora ou pervertido. Segundo, acredito que a minha reação seria relativamente irrelevante. Uma das características das sociedades civilizadas é que as penas não são decretadas pelas vítimas ou pelos familiares destas e ainda menos quando estes estão numa situação de fúria ou desespero. Eu sei que este meu raciocínio não é nada popular, pois contraria os nossos instintos mais básicos. No entanto, acredito que ele é relevante quando pensamos na essência de uma sociedade civilizada e decente. A Alemanha dos anos 30 seria a sociedade mais culta do seu tempo, e, no entanto, a coisa descambou. Eu acredito que a civilização é uma construção extremamente frágil. Deixar à solta o ser cavernícola que há dentro de nós não augura nada de bom.

Marcelo e o Governo

por Miguel A. Baptista, em 21.03.23

Há quem diga que Marcelo anda "zangado" com o Governo. Se for verdade, tal não advirá do facto de Marcelo ter uma visão mais crítica da acção deste. Tal advirá somente do facto de Marcelo sentir que se está a assistir a um divórcio entre o povo e o governo socialista. 

Marcelo quis cavalgar o idílio que existiu entre os portugueses e António Costa. Agora, que o desencanto começa a surgir, Marcelo pretende acompanhar esse sentimento do povo. Todo o mandato de Marcelo se resumiu em surfar a onda dominante, procurando popularidade. Em nada existiu alguma convicção ou vontade própria, limitou-se a ser um catavento. 

A tecnologia e as relações humanas

por Miguel A. Baptista, em 07.03.23

Estou convencido que a inteligência artificial irá, nos próximos 10 anos fazer uma revolução maior do que o aparecimento da internet. 

Tenho dificuldade em antever exactamente como e em que domínios. Temo que contribua, ainda mais, para a desumanização das pessoas. 

No Japão cada vez mais pessoas optam por não ter sexo. Há boa pornografia on-line e consegue-se comprar uma série de brinquedos. Manter um relacionamento com uma pessoa dá muito trabalho. Temos que estar disponíveis para ela e "alimentar a relação". As máquinas são pouco exigentes e nunca se decepcionam connosco. 

No outro dia estive a "conversar" com o ChatGPT. Ainda precisa de muito "fine-tuning" mas à velocidade a que estas coisas evoluem não demorará muito até que fique francamente bom. E se no Japão o sexo foi vencido pela tecnologia, não me admiraria muito que na conversação acontecesse algo semelhante. Até porque há muita a gente a pensar como Fernando Pessoa em carta ao seu amigo Francisco Cabral Metello: 

"Espero, ao menos, que a paisagem com que v. presentemente conversa lhe arranje um diálogo que o entretenha. Nem sempre acontece, não é verdade? Há árvores, pedras, flores, rios que são tão estúpidos que parecem gente." 

Desmontar as causas dá muito trabalho.

por Miguel A. Baptista, em 26.02.23
Penso que é a totalidade das empresas em bolsa que tem as suas holdings sedeadas nos Países Baixos. Quando a Jerónimo Martins, e afins, apresentam resultados chove sempre um chorrilho de críticas. Penso que, mais do que criticar, seria interessante procurar compreender as causas por que o fazem. Por exemplo, se calhar não estão dispostas a ter que lidar com um sistema de justiça que poderá demorar dezenas de anos a resolver um litígio de uma centena de milhão de euros. A competitividade fiscal também será importante, mas para isso até há soluções.

Se se considerar que a existência de casas devolutas é um problema, seria interessante procurar entender porque ocorre. Se calhar os senhorios sentem-se desprotegidos quando acontecem situações de má-fé em que o inquilino não paga e causa danos à habitação.
 
Criticar empresas que se sediam no estrangeiro, ou proprietários que optam por não colocar as suas casas no mercado, é relativamente fácil, e provoca alívio. Mas em nada resolve os nossos problemas.

Ver quais são as causas que estão por detrás destas ineficiências e procurar desmontá-las é o caminho. No entanto, para um socialista tal implica enfrentar interesses instalados e, acima de tudo, dá "muita trabalheira". É mais fácil deixar tudo como está e arranjar uns bodes expiatórios contra os quais o povo possa destilar o seu ódio.


Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • balio

    É um funcionário público, ao que dizem técnico su...

  • João Ribeiro

    Sabe bem, ler isto.

  • RR

    Se o P(N)S fala para valer, em vez de andar aí a b...

  • cela.e.sela

    «Ora zus, truz, truz,Ora zás, trás, trás,Ora chega...

  • O apartidário

    Um candidato do outro mundoO PS, ou uma parte do P...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D

    subscrever feeds