Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma viagem ao purgatório

por João Távora, em 26.02.16

c-frente-alentejoprom-a-page-001.jpg

"Alentejo Prometido” de Henrique Raposo, autor conhecido pelas suas crónicas do Expresso, é o mais recente livro da colecção “Retratos” da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que adquiri há dias junto à caixa dum supermercado Pingo Doce. Vender livros no supermercado é como levar o conhecimento para o átrio dos gentios da ilustração. Pela minha parte, creio que haverá mais alegria no Céu com uma criatura convertida à leitura, do que com noventa e nove intelectuais que leiam mais um livro. E a propósito, há um forte traço de estilo pop na escrita séria deste escritor.

"Os alentejanos não escolhiam a vida: sofriam-na", refere a determinada altura Henrique Raposo, a meio da “viagem” que neste livro empreende pela sua genealogia geográfica, social e pessoal, num relato impiedoso e às vezes brutal, mas sem a mácula do ressentimento (que é sentimento repisado e acicatado) como é seu timbre. A narrativa começa num buliçoso casamento católico na igreja de S. Domingos, um reencontro com os seus parentes e família alargada, e no festim que se segue no concelho de Santiago do Cacém, precisamente em Foros de Pouca Sorte, a aldeia da família. O nome do lugar é em si uma metáfora cruelmente óbvia, sobre um Alentejo inóspito, sem lei, que um dia foi abandonado pelo Criador a uns quantos desvalidos pioneiros, salteadores, bastardos e libertinos, que em desespero o “colonizaram” ainda durante o século XX. Trata-se de uma realidade sociológica pouco visitada, para lá da costumeira narrativa panfletária da luta de classes, narrada tantas vezes à imagem do cliché da própria paisagem alentejana; bárbara e inquietante, psicótica - como naquele ponto em que Henrique Raposo relembra a estrada que separa a também familiar aldeia de Bicos de Alvalade, uma gigantesca recta de 18 km, que em criança o autor empreendeu atravessar por várias vezes de bicicleta e da qual sempre desistiu ao chegar ao cruzamento para a povoação de Fornalhas acometido pelo pavor: “Pedalava, pedalava, a paisagem não mudava, sentia-me como um ratinho dentro de uma roda, era sempre o mesmo fio de alcatrão rodeado do mesmo conjunto uniforme de sobreiros sem um único rasto humano”.

Um Alentejo de cujo legado Henrique Raposo se demarca, afirmando-se “rafeiro, mestiço, bastardo de solo. (…) Não tenho nem terei terra. Não pertenço.” Mas há algo de paradoxal nessa rejeição, e o impulso que leva o autor a empreender este “confronto com as suas raízes”, fazer-se literalmente à estrada na companhia do Pai e com a Mãe, ao encontro da sua genealogia que não renega - antes abraça - como que numa atitude de libertação. Talvez reflexo da procura dum certo sentido “religioso” – no sentido de ligação - que possuem algumas almas aristocráticas, ligação que Henrique tanto se esforça por rejeitar, como que revoltado, em vários pontos da narrativa.
E depois há o suicídio do “tio Jacintinho, o grande detonador deste livro”; e o aterrador fenómeno do suicídio alentejano, (de 45 a 50 por 100 mil habitantes), que ultrapassa a marca da Lituânia, líder mundial na modalidade, com 42 por 100 mil habitantes. Esta é uma terra estranha que foi-se humanizando, cedendo à civilização; e uma imagem disso é, uma vez mais, o casamento do seu primo que, caótico ou não, reúne dentro de uma igreja várias gerações de primos e tios, que se perfilam diante duma máquina fotográfica para perpetuar o encontro (um ritual que simboliza o cuidado de uns pelos outros). Parafraseando o autor, "Isto significa que os alentejanos só podem ter esperança no futuro".
E não, Henrique; nem sempre os palavrões são sinal de cumplicidade. A partilha de silêncios, essa sim, é a última fronteira da amizade – silêncios que, como bem dizes, os alentejanos praticam como poucos, nos alpendres dos cafés. Um desprendimento monástico diverso da desconfiança. E depois, bem-feitas as contas, se não assentirmos a transcendência, não estaremos todos; alentejanos, minhotos ou lisboetas, tragicamente sós neste estranho e equívoco fenómeno que é existir?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Francisco Lobo de Vasconcellos a 26.02.2016 às 18:07

Apesar de, no livro, Henrique Raposo fazer bonitas descrições do Alentejo, da nossa zona (sim..somos quase conterrâneos  apesar de HR quase "renegar" a sua origem), lugares que reconhecemos, o livro é uma sucessão de clichés e lugares comuns, feito por alguém que está armado em que conhece o Alentejo, o alentejano, Santiago e a sua região…uma tristeza!
A superficialidade que trata de alguns assuntos, como  questão do suicídio é confrangedora…pode alguém fazer um ensaio com base na experiência que ele relata? Creio que não.
A mesma ligeireza para abordar o tema da violência…fazendo do Alentejo, e daquela zona em particular, um faroeste.
Sou de lá, um pouco mais velho que HR, conheço a zona como as minhas mãos, todos os extractos sociais e a violência que ele quer transmitir, não conheci, não conheço…mas conheço os relatos no Norte, que se matam á sacholada por causa da água, ou de uma árvore.
Somos desconfiados sim, mas não se recusa ajuda a alguém, e quando um alentejano se “abre”, recebe como poucos!
Por isso considero que o talento literário está lá, mas o analista ou sociólogo ou antropólogo fica muito aquém do desejado.
Esperava mais, muito mais e fiquei triste com estes parco estudo sobre a minha terra, a minha região…
Sem imagem de perfil

De Lucy a 02.03.2016 às 16:29

Gostei da sacholada -apesar de nortenha desconhecia esse. Amigo, "ele há sacholadas" em todo o lado até em Lisboa.
Sem imagem de perfil

De ali kath a 26.02.2016 às 18:46

nasci numa aldeia norte-alentejana já falecida.  verdadeiro covil de ladrões preguiçosos.  muito diferentes dos 'malteses de pau e manta'.
felizmente sai com 7 anos. mas deixei algumas courelas.
pertenço à 'legião estrangeira' que estudou. trabalhou e passou o começo da reforma em países civilizados, muito diferemtes deste 'local mal frequentado'.  serei sempre um 'destribalizado', com os bens numa 'maleta de andarilho'
rebentaram com tudo o que mexia.  até o Povo Rom, vulgo Ciganos, teve que partir
contou-me uma criada da Familia Rebelo do Gavião um título dum jornal francês de 1915
'ontem, por ser Domingo, não houve revolução em Portugal'
Sem imagem de perfil

De silva a 28.02.2016 às 09:04

Ter fé é investigar o despedimento coletivo do Casino Estoril, que segundo consta juiz pago por offshores para indeferir as 3 providências cautelares. O ultimo diz que a justiça não julga empresas privadas, que justiça é esta ao serviço da sociedade, será que a china manda em Portugal nomeadamente na justiça.
Sem imagem de perfil

De paulo a 29.02.2016 às 00:49

muitos disparates neste livro.
Sem imagem de perfil

De Jose Figueira a 02.03.2016 às 13:49

Não tive nem tenho vontade de sequer abrir alguma pagina do referido livro de HR sobre o Alentejo e os alentejanos...mas por aquilo que tenho ouvido e lido com origem nas declarações desse "senhor" na Televisão e nos escritos de muitos conterrâneos meus, direi que o baixo nível ético, cultural e cientifico de uma pessoa que se diz licenciada em "História e/ou estórias", desconhecedor da realidade social e antropológica dos povos, neste em particular, levam o tal individuo HR a fazer afirmações enfermadas de preconceitos e de princípios ideológicos identificados com a "direita neoliberal" que comanda os órgãos de comunicação social onde este a HR vai ditando os seus dislates, neste caso contra o POVO Alentejano...
O preço dos livros é algo pouco significativo mas a FSMM que apoio a sua edição ao ter como preço 3,5euros.. diz tudo...desta folha...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.03.2016 às 13:51

Hoje não se pode dizer nada sobre ciganos ou gays, mas pode-se achincalhar o povo alentejano.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.03.2016 às 18:05

este HR precisa de um psicólogo não é de escrever um livro, foi claramente um trauma que sofreu.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.03.2016 às 03:15

Achei que era escrito por alguém mal intencionado e um insulto aos alentejanos. A questão do suicídio, grave como todos sabemos,. choquou-me profundamente a forma como foi abordada e de uma leviandade,desconhecimento e falta de sentimentos. Detestei.
Imagem de perfil

De Vanessa a 03.03.2016 às 14:19

Não o questiono como escritor, nem tenho qualquer interesse em ler esse livro. Alguém que humilha gratuitamente uma região inteira, sem qualquer conhecimento de causa... não vale nem um tostão. Tenho pena pela editora, mas duvido que este senhor tenha muita adesão, só se da parte de alguém como ele.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Salva qualquer um com magros resultados no balanço...

  • Anónimo

    o pescador é um predadoranualmente são lançadas no...

  • Anónimo

    os seres humanos anteriores à agricultura morriam ...

  • António

    A I.L. pode não ter amarras, mas tem tiques. Não f...

  • Anónimo

    Não havendo escrúpulos,sem atenção à diversidade d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D