Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma sociedade mediocrocrática

por henrique pereira dos santos, em 05.06.20

Hoje é o dia mundial do ambiente, e eu geralmente nem ligo muito a estas datas mais ou menos simbólicas.

Aliás, sempre achei que era bem melhor que o movimento ambientalista aproveitasse o enraizamento social da quinta-feira da espiga para levar gente ao campo que os dias mundiais do ambiente e afins.

Iria por isso passar sem fazer qualquer referência ao assunto, quando vejo vários jornais a dedicarem qualquer coisa ao assunto.

Também teria passado com ligeireza sobre isso, não se desse o caso de ver várias peças com a mesma base: em vez dos jornais escolherem qualquer facto a cujas ligações com as questões ambientais quisessem dar relevo, escolhem fazer uma ronda pelas mesmas associações de sempre, falando com os mesmos responsáveis de sempre, para concluírem coisas gerais sobre o assunto.

Mas ainda assim, não seria suficiente para dedicar tempo ao assunto, se numa dessas peças não visse isto escrito: "Como a biodiversidade é o tema escolhido, este ano, para assinalar o 5 de Junho, comecemos por aí. O número que a Zero diz que é urgente mudar a este nível é o 456. É essa a quantidade de espécies ameaçadas em Portugal, entre animais e plantas. ... é urgente fazer um trabalho similar (ao que foi feito com o lince) com as restantes espécies, com destaque para "o lobo-ibérico ou algumas aves necrófagas", alerta."

E é isto: uma ONG não faz ideia sobre o que deve dizer em matéria de prioridades de conservação da biodiversidade e escolhe umas espécies bandeira, como o lobo e umas aves necrófagas, por sinal, espécies em expansão e aumento de populações e jornalistas que acharam que fizeram o seu trabalho só porque ouviram, sem qualquer sentido crítico, umas ONG.

Devo dizer que até conheço a jornalista por uma vez ter apresentado um livro seu e a acho muito simpática, tenho ideia de que faz bom jornalismo, mas a biodiversidade não é a sua área de trabalho e não saberá que o lobo está em expansão, pelo que ao ouvir estas declarações não tem base para perguntar por que razão se escolhe falar de espécies em expansão a propósito de espécies ameaçadas.

E a ONG, como não é questionada quando diz o que passa pela cabeça da pessoa que falou naquele dia com a jornalista, também não sente necessidade de estudar um bocadinho os assuntos sobre que se debruça e, com bastante razão, conclui que para quem é, bacalhau basta.

Somos mesmo pouco exigentes, não é uma questão de sermos pouco exigentes com os políticos, somos mesmo pouco exigentes connosco e com os que andam à nossa volta.

E este é apenas um exemplo sem importância, muito mais grave, por exemplo, é um programa que lida com milhões de investimento ter como principal indicador de resultado - note-se bem, não é indicador de execução, é indicador de resultado - a percentagem da despesa executada.

E é assim há anos, ministros vão e vêm, secretários de estado vão e vêm, directores-gerais vão e vêm, técnicos vão e vêm, jornalistas que cobrem essa área de governação vão e vêm e nós, como sociedade, achamos normal e adequado medir o resultado de um investimento em função da percentagem da despesa executada face ao previsto.

Não há dúvida, para quem somos, bacalhau basta.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 05.06.2020 às 15:24

Que o lobo esteja em expansão, acredito sem dificuldade.
Já que as aves necrófagas estejam em expansão é que me custa mais a acreditar. Que bases tem o Henrique para o afirmar? Se elas estão em expansão, isso é presumivelmente porque têm mais alimento, e eu questiono, de onde lhes vem o alimento?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.06.2020 às 15:32

ambientalistas de merda ainda vão ter de envenenar os 6,5 milhões de animais de estimação
como fizeram às gaivotas


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.06.2020 às 16:07

Falta de exigência e pensamento mágico, a regra em quase tudo, ainda mais nestes assuntos. 

Sem imagem de perfil

De pitosga a 05.06.2020 às 17:00

Espiga – O pão que mata a fome e nos faz Livres;
Malmequer – O ouro e a prata, o dinheiro, que tantas vezes nos encandeiam;
Papoila – O Amor que é Vida e nos faz ser Gente entre Gente, com Gente;
Oliveira – A Luz que anuncia o dia. Uma boa notícia de Esperança;
Videira – O vinho da Alegria e da Festa;
Alecrim – A Saúde, a Sabedoria, a Fortaleza do Espírito.



Lembrando G. Carlin, se a espécie humana (EH) ainda não sabe tratar de si, nem os seus membros entre si, por que raio se anda a preocupar com o planeta?
Há muito tonto à solta...
EH — 200.000 anos. Terra — 4.500.000.000 anos

Calcula-se que, na Terra, todos os dias desaparecem (extinguem-se) uma 10 espécies.
Calcula-se que uns 98% de todas as espécies que viveram na Terra, estão extintas.


Abraço
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 05.06.2020 às 17:04

Eu tenho a impressão que o pessoal da Zero é sobretudo engenheiros do ambiente, ou seja, o ambiente deles não é propriamente o espaço rural nem a conservação da natureza. Por isso, não me admira que uma pessoa da Zero, questionada sobre o assunto, responda com genéricos como os lobos e as aves necrófagas. Pura e simplesmente, ela não está a falar de coisas que sabe.

Não quero com isto dizer mal da Zero, estou apenas a apontar que a especialidade dela não me parece ser a conservação da natureza.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.06.2020 às 10:40


HPS.
Parabéns por este seu pequeno apontamento. Compreendo a sua tristeza e o desabafo quanto a uma realidade crua no que diz respeito à falta de espírito crítico entre nós.
Mas isto é o que é. Nós somos o que somos. Aqui, provavelmente há séculos. E não há remédio para a genética das populações.
JMC.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D