Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma questão de doutrina

por henrique pereira dos santos, em 12.08.22

"todas as redes primárias de gestão de combustíveis que deveriam ter retardado o incêndio e até afunilando a cabeça do incêndio, simplesmente não funcionaram".

Esta frase, de um formador da escola nacional de bombeiros, aparece num post (em rigor, nos seus comentários, uma discussão entre bombeiros sobre o fogo da serra da Estrela), não público, e pedi autorização ao seu autor para a usar por me parecer um belíssimo exemplo do que permite explicar uma das maiores ineficiências na afectação de recursos na gestão do fogo em Portugal (outros países não sei como funciona, vi um comentário que, a propósito de um grande incêndio em França, falava do facto do fogo já ter passado seis ou oito faixas de gestão de combustível).

O fundamento técnico para a criação de uma rede de faixas de gestão de combustível é simples.

Com a quantidade e estrutura de combustiveis adequada e as condições meteorológicas mais favoráveis ao fogo, qualquer incêndio florestal rapidamente ultrapassa a capacidade de extinção, isto é, é impossível, quaisquer que sejam os meios usados, extinguir a cabeça do incêndio.

O que se pretende, com uma rede de faixas de gestão de combustíveis, é criar compartimentos de paisagem, delimitados pelas tais faixas de gestão de combustíveis, em que a quantidade e estrutura dos combustíveis é gerida (como o nome indica) de modo a que os incêndios, naquela faixa, ocorram dentro da capacidade de extinção.

Ao contrário do que é frequentemente admitido - e que a frase com que começo o post ilustra optimamente - as faixas de gestão de combustível não têm como função impedir a progressão do fogo, têm como função criar uma oportunidade de combate.

Para que sejam úteis, é preciso duas coisas, do lado do combate: 1) capacidade de avaliação do fogo, antecipando, em uma, duas, três ou mais horas, a evolução do fogo de forma a que as oportunidades criadas sejam claramente identificadas e, se for caso disso, potenciadas por intervenções nessas faixas de gestão, seja com máquinas de rasto, ferramentas manuais ou fogo de gestão; 2) que os meios sejam posicionados de forma a que seja possível aproveitar a oportunidade, isto é, que haja meios de combate que estejam na faixa de gestão e a usem para aproveitar a quebra de intensidade do fogo, por diminuição de combustível disponível para a progressão do fogo (isto é, com menos de 0,5 cm de diâmetro), para extinguir essa frente (nada disto tem grande utilidade para outra coisa, que é a gestão das projecções).

Ora a doutrina de protecção civil que temos hierarquiza, e bem, as prioridades de intervenção: 1) salvar vidas; 2) salvar edificado e infraestruturas; 3) salvar património natural; 4) salvar activos florestais (essencialmente, povoamentos florestais com valor comercial); 5) diminuir a área ardida.

Note-se que o principal indicador que usamos na discussão dos fogos é a área ardida, que é a última das prioridades, mas passemos por cima desse pormenor que parece ser também uma boa ilustração da fragilidade do nosso sistema de avaliação de desempenho nessa matéria (para a prevenção estrutural usamos indicadores de processo, como euros gastos, ou quilómetros executados, mas não usamos indicadores de resultado, como frequentemente fazemos em políticas públicas, infelizmente).

Partindo desta doutrina de protecção civil, é inevitável que o combate florestal seja a última das prioridades do dispositivo de combate (José Miguel Cardoso Pereira escreveu um texto notável sobre isto, que espero que publique brevemente) e, consequentemente, seja mais racional usar os recursos em função da prioridade de defesa de vidas e bens construídos ou de infraestruturas, que usá-los nas faixas de gestão de combustível e outras oportunidades de controlo da frente de fogo (mais uma vez, José Miguel Cardoso Pereira, há anos que diz que ao contrário do nome oficial "defesa da floresta contra incêndios" o que temos é um sistema de "defesa em relação aos incêndios que vêm da floresta").

Pessoalmente, sem ser a minha área de trabalho, e portanto admitindo que me falte informação, parece-me cada vez mais evidente a necessidade de separar duas funções distintas e atribuí-las a duas organizações diferentes: 1) funções de protecção civil, atribuídas às corporações de bombeiros, largamente assentes em voluntariado e em associações humanitárias; 2) funções de combate florestal, atribuídas a corporaçõe de bombeiros florestais profissionais, que trabalham todo o ano na mesma área, ou sob as mesmas orientações, durante o Inverno na prevenção, durante o Verão no combate florestal.

Sem esta separação funcional, não vejo como alguma vez um comandante queira correr o risco de ser acusado de desguarnecer a defesa de vidas e povoações por alocação de meios a uma faixa de gestão de combustiveis perdida no cimo de uma serra, com o objectivo, sempre incerto, de travar a cabeça de um incêndio no meio de nenhures.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 12.08.2022 às 09:45

O Henrique fala de aproveitar as faixas de gestão de combustíveis mediante a previsão com uma a três horas de antecedência da evolução do incêndio. Porém, aquilo de que os bombeiros se queixam no local - por exemplo, no atual incêndio na serra da Estrela - é que tal previsão se torna impossível devido ao comportamento errático, tanto em direção como em intensidade, do vento.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 13.08.2022 às 07:26

"Quem não sabe é como quem não vê"
Perfil Facebook

De Otilia Carvalho a 12.08.2022 às 09:47

Excelente 
Responde a uma discussão que estava a ter
Partilhei
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 12.08.2022 às 15:17

Estes textos são xinês, disto percebo zero.
A pergunta é,  quem manda, sabe o mesmo ou mais que eu? É que há anos ouço e vejo os problemas identificados, soluções, mas nada muda. É assim tão complicado, ou quem está em cima tem outras alternativas?
Sem imagem de perfil

De Anónimo 78 a 13.08.2022 às 11:06

Estas intervenções de HPS começam a fazer-me lembrar um "fait-divers" das cheias de 1967. Conta o subsecretário da Presidência que, na reunião em que se avaliava o ocorrido, eram evidentes as falhas humanas. Salazar mostrava-se pouco sereno e, por isso, o subsecretário propôs elaborar um manual de procedimento em caso de emergência, ao que Salazar respondeu:
- Faça isso. E, já agora, limite o manual a um único artigo: Em caso de emergência as posições de comando devem estar preenchidas por pessoas inteligentes.
(de memória)
Sem imagem de perfil

De Hugo a 13.08.2022 às 15:31

Excelente como de costume. Não percebi a questão dos 0,5cm que mencionou acerca do diâmetro. É mesmo assim? Parece-me uma dimensão muito pequena mesmo não percebendo eu a que é que se refere. Obrigado.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 14.08.2022 às 07:30

Refiro-me a folhas, raminhos, cascas, ervas, manta morta e tudo o que seja combustível e tenha menos de 0,5 cm de diâmetro.
A quantidade de energia para inflamar um combustível é tanto maior quanto maior for a dimensão (e densidade, mas para aqui interessa pouco) do que queremos inflamar, é por isso que demora muito tempo até que um tronco grosso tenha chama (ou exige muita energia) mas uma pinha ou caruma consegue-se inflamar rapidamente.
Como num incêndio (que é chama em movimento) a energia libertada pelo que está a arder tem de ser suficiente para inflamar o combustível seguinte, o que é fundamental é a disponibilidade de combustíveis secos (se estiverem húmidos é preciso primeiro consumir energia a secar e só depois inflama) e de muito baixo diâmetro, para que a chama se transmita e o fogo continue o seu movimento.
Sem imagem de perfil

De Hugo a 14.08.2022 às 19:24

Muito obrigado Henrique.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Prostituição - e da mais reles...JSP

  • Anónimo

    Não desvalorizando de modo algum o ensino superior...

  • henrique pereira dos santos

    Seria um bocado estúpido partir do princípio que p...

  • jo

    As vagas supranumerárias exitem, custam recursos, ...

  • Anónimo

    Na academia esse é o "pergaminho" que gostam de ex...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D