Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um terraplanista iluminista

por henrique pereira dos santos, em 16.06.24

Não leio o Expresso, de maneira geral, por nenhuma razão em especial.

Mas tendo reparado numa diatribe sobre o facto do Expresso ter publicado um artigo de opinião de Moedas respondendo a Miguel Sousa Tavares, li os dois artigos.

Pela enésima vez, confirmei que Miguel Sousa Tavares (como muitos outros cronistas, eu sei que existem diferenças relevantes em muitos aspectos, é fácil verificar que pondo lado a lado Carmo Afonso e Miguel Sousa Tavares se verifica que Miguel Sousa Tavares escreve bem, mas os dois têm em comum coisas essenciais que se repetem em muitos outros cronistas) pertence ao grupo dos cronistas que jamais deixarão que os factos influenciem as suas opiniões.

Respondem-me frequentemente que as coisas são assim, chama-se liberdade de expressão e opinião.

Eu sou radicalmente a favor da liberdade de expressão, não me passando pela cabeça impedir que alguém diga, defenda, escreva, que a terra é plana.

Questão diferente, que é a que me interessa, é saber se os jornais devem contratar e dar destaque a cronistas que, de forma reiterada, dizem que a terra é plana, isto é, confundindo o direito à sua opinião com o direito aos seus factos, passam o tempo a escrever coisas que são falsidades.

Não vou dizer que são mentiras, a mentira pressupõe a vontade de enganar os outros, mas parece-me evidente que quem, no mesmo artigo, critica Moedas por achar que não lhe servem "as esplanadas se não consigo abstrair-me da poluição visual dos horriveis guarda-sóis e cadeiras de plástico da Super Bock ou da Sagres" e elogia Medina porque "licenciou centenas de esplanadas" não tem, evidentemente, vontade de enganar ninguém, diz o que lhe apetece, desde que sirva para contrabandear a sua opinião.

Dizer que os turistas expulsaram os lisboetas (atribuir isso a Moedas penso que fará parte daquela mania americana de estar sempre a dizer piadas no meio de qualquer discurso) é simplesmente falso, não é uma opinião, no mesmo sentido em que dizer que a terra é plana é simplesmente falso, não é uma opinião.

Dizer que os arrendamentos em Lisboa são os segundos mais caros da Europa é simplesmente falso, não é uma opinião.

Dizer que não se consegue chegar ao Terreiro do Paço ou à Ribeira das Naus a não ser de tuk-tuk é simplesmente falso, não é uma opinião (é uma típica afirmação de gente bon chic bon genre, que desconhece como funcionam os transportes públicos, porque não põe lá os pés, e portanto desconhece a concentração de transportes públicos que existe nessa zona da cidade, Metro, autocarros, barcos, comboios, etc.).

E poderia continuar só neste artigo, mas este é o registo habitual deste cronista, verifico-o sempre que escreve sobre algum assunto de que eu perceba minimamente.

Como digo, não é, de maneira nenhuma, o único.

E a pergunta, para a qual não tenho resposta, é sempre a mesma: o jornal que contrata, mantém e dá destaque a pessoas que publicam sistematicamente falsidades, desde que sirvam os seus argumentos, que demonstram, crónica após crónica, que jamais deixarão que os factos influenciem as suas opiniões, apresentando-se como iluministas racionais apesar de demonstrarem que a sua cabeça funciona exactamente como a dos terraplanistas, não tem responsabilidade na degradação da qualidade do debate público que decorre de ter terraplanistas a ocupar boa parte do espaço mediático mais destacado?


10 comentários

Sem imagem de perfil

De M.Sousa a 16.06.2024 às 12:43

Meu caro Henrique, o Expresso é, ele próprio, desde há muito, terraplanista; um jornal de narrativa imune a factos. O Pravda cá do sítio ...
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 16.06.2024 às 13:23

O MST é um caso engraçado. 
Ganhou muita "credibilidade " primeiro porque cascava no Cavaco durante a debacle do 3⁰ governo, depois porque malhou no ps em geral e Guterres em particular. Falar mal dos políticos deu-lhe a tal aura de saber o que diz e ser corajoso. Basicamente, fez carreira a dizer mal.
Paralelamente, defendia o fcp das forças centralistas, contra tudo e todos. 
Como qualquer maldizente, só é estimado enquanto não disser mal dos nossos.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 16.06.2024 às 13:46

Excente HPS. 
Infelizmente não é só no Expresso que a verdade é só um verbo de encher. 
As TVs com a responsabilidade acrescida que chegam a mais gente, estão cheias de comentadores, jornalistas e políticos, que primam pelo uso e abuso da falsidade como opinião, enganando quem quer ser enganado, e pior enganando os inocentes 
Sem imagem de perfil

De Filipe Costa a 16.06.2024 às 14:49

Eu quando leio MST, invariavelmente desisto a meio. Ele e Carmo Afonso são pessoas que pararam no tempo e repetem ad nauseum o mesmo discurso. Não dou para esse peditório.
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 16.06.2024 às 15:12

ao ver o filho do Tareco e Sophia recordo os versos:
« O velho abutre é sábio e alisa as suas penas. A podridão lhe agrada e seus discursos. Têm o dom de tornar as almas mais pequenas.
Sem imagem de perfil

De maria a 16.06.2024 às 15:28

Ambos são iluministas da Treta e acham-se senhores da verdade e incontestáveis.
Balha-me Deus o que nós temos de os ouvir!
Sem imagem de perfil

De jose jesus a 16.06.2024 às 16:22

O preceito prévio para avença será o que Millôr ou alguém por ele estabeleceu:
----Não deixe que a realidade lhe estrague uma boa história.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.06.2024 às 17:29

 Miguel Sousa Tavares faz parte da old boys network da esquerda Lisboeta. Desde que não apoie o Chega, ou se torne  anti aborto - mas pode apoiar o Hamas - está seguro. 

O jornalismo não existe para informar, existe para fazer politica.

Sem imagem de perfil

De Francisco Almeida a 17.06.2024 às 10:37

Conheci o pai. Além de escrever bem, a única coisa de positivo que encontro na vida de MST foi ter sido casado com Laurinda Alves. No restante só encontro porcaria.
Imagem de perfil

De João Sousa a 17.06.2024 às 18:12

O Expresso é o jornal que manteve em funções o director-adjunto que nos instou a ouvirmos, lermos e vermos Artur Baptista da Silva. Influência política é o objectivo do Expresso, não o jornalismo.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimus

    Concordo.

  • lucklucky

    "poder económico" !?Está a gozar... não há maior p...

  • Silva

    Conversa da treta sobre estudos da treta.O que há ...

  • P. Fernandes

    Não nesse caso. O armazenamento de semente nas pin...

  • cela.e.sela

    podiam aproveitar os 'calitros' para fabricar meta...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D