Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um tempo verdadeiramente novo

por henrique pereira dos santos, em 01.11.16

"A função pública começou a ver repostos os salários, o salário mínimo poderá aproximar-se dos 557 euros em 2017, os impostos aumentaram, mas por via indirecta, o que dá alguma margem de manobra aos consumidores. ... estas medidas bastaram, segundo o investigador Jorge Malheiros, para gerar "um certo capital de esperança" que fez diminuir o número de portugueses que todos os anos saem para trabalhar lá fora".

O Público, com certeza para ilustrar o meu post anterior sobre a forma como os jornais fazem a intermediação entre produtores e consumidores de informação e sobre a forma como boa parte da academia se demite do rigor académico no debate público, produziu esta pérola, reforçando a ideia no editorial:

o que explica os fluxos migratórios de 2015 são as decisões tomadas em 2016 e o capital de esperança criado por essas decisões.

Devo dizer que acho fascinante esta ideia da esperança retroactiva, é todo um mundo novo que se abre para mim.

Autoria e outros dados (tags, etc)



15 comentários

Sem imagem de perfil

De Renato a 01.11.2016 às 12:28


Henrique, o que está no texto do Público é a esperança normal, a esperança por definição: as decisões tomadas com base em perspectivas de futuro.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 01.11.2016 às 15:24

E é isso que define um tempo verdadeiramente novo: decisões tomadas em 2015 com base na esperança criada por decisões tomadas em 2016
Sem imagem de perfil

De do norte e do país a 01.11.2016 às 13:11

É a propaganda do regime para incautos via o jornal Público.
Sem imagem de perfil

De JC a 01.11.2016 às 14:13

"o que explica os fluxos migratórios de 2015 são as decisões tomadas em 2016 e o capital de esperança criado por essas decisões."

AHAHAHAH
Muito bem visto.

Esta gente nem se apercebe do ridiculo em que cai.
Sem imagem de perfil

De A caçar gambozinos... a 01.11.2016 às 17:12

Resumindo:


Direitralha, só para dizer mal até injecção estragada apanham...
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 01.11.2016 às 19:19

E sobre o post, tem alguma coisa de concreto a acrescentar à discussão?
Sem imagem de perfil

De do norte e do país a 01.11.2016 às 18:00


Também dizem que é uma mudança com inteligência :-)
Eu diria antes com "esperteza saloio" (sem ofensa para a região saloia) e muita propaganda para enganar quem quer ser enganado.
Sem imagem de perfil

De Renato a 01.11.2016 às 19:38

Interessa-me os números totais e o saldo, na anterior legislatura e nesta, que se verá daqui a três anos, quatro anos. Foi o Cesar das Neves que disse, em 2014, que o grande surto da emigração era bom para o país. Segundo ele, alivia a taxa de desemprego, facilita a vida dos que ficam e é bom para os países de destino. Quanto aos jovens cérebros, saem porque agora não são cá necessários; quando cá forem precisos, voltam. Tinha esta bizarra e original teoria da vantagem da emigração, mas era pelo menos suficientemente inteligente para não ignorar os números e os efeitos óbvios da austeridade, pois o contrário seria cair no ridículo e isso seria mau para a reputação. 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 02.11.2016 às 05:27


Não é teoria, porque é matéria de facto, nem é bizarra, porque é evidência, nem é original porque há dezenas de pessoas a dizer o mesmo (incluindo eu).
Mas o post não é sobre emigração, mas sobre a forma como se fala dos factos.
Sem imagem de perfil

De Renato a 02.11.2016 às 09:00

Henrique, eu nunca disse que não eram factos. Obviamente, se 500 mil emigrarem, são menos 500 mil que aqui procuram emprego e baixa a taxa de desemprego. Ma, pode-se dizer factos e ser na mesma imbecil, não acha?... Não se importa de ler outra vez?
Já quanto à alegação de que a emigração facilita a vida dos que ficam, para além de falso, acumula com o ser imbecil, portanto, faz o pleno.
A sério que o Henrique já disse o mesmo?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 02.11.2016 às 22:06


1) Não emigraram 500 mil pessoas (sugiro que consulte os dados em vez de repetir acriticamente o que se ouve por aí);

2) Estamos então de acordo os três (Renato, César das Neves e eu) "são menos 500 mil que aqui procuram emprego e baixa a taxa de desemprego". Óptimo;
3) Se existem menos um milhares de emigrantes a pesar nos subsídios de emprego (ou seja, nos impostos dos que trabalham) e se existem uns milhares a menos a competir no mercado de trabalho, é uma evidência que isso favorece os que ficam.
Sem imagem de perfil

De Renato a 03.11.2016 às 09:15

1 – Eu disse “se 500 mil emigrarem”, como podia ter dito "Se um milhão emigrar", por ser ainda melhor, porque baixava ainda mais a taxa de desemprego aqui e mais espaço e menos despesa ficaria para os que ficam. De resto, os dados da emigração estão no INE, não preciso de inventar nada. O próprio César das neves se referiu ao surto da emigração.

2 – Também estamos de acordo que se o meu pai doente morrer, fico com menos uma despesa. Um facto. Mas continua a ser fantástico como o Henrique não vê a imbecilidade de dizer isto. 

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.11.2016 às 21:00

E na página seguinte está a entrevista ao Rui Pena Pires. E o que é que ele diz?
Sem imagem de perfil

De Kosta a 07.11.2016 às 09:29


Muito se escreve e diz sobre a reposição de salários na AP. Mas desde o dia ou ano de 2006 que jamais vi o meu salário ter quaisquer tipo de aumentos. Aliás, não só deixou de crescer, como, decresceu após um ex-Ministro da A.Interna acabou com a DGV e a transformou, retirando os subsídios de risco

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Flávio Gonçalves

    Preocupa-me muito mais os "liberais" loucos que po...

  • Anónimo

    O que eu mais desejo é que o André Ventura contrib...

  • jonhy

    CaDA UM DEFENDE OS SEUS INTERESSES. Já Portugal te...

  • Anónimo

    Preso por ter cão, preso por não ter cão?. Pobre T...

  • Anónimo

    O Público, essa folhinha de esquerda, diz hoje que...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D