Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um país esquizofrénico

por henrique pereira dos santos, em 13.01.19

Desde a semana passada (até uns dias antes), tem estado muito bom para queimar.

Por essa razão há muita gente a queimar nesta altura, quer sejam técnicos de fogo controlado, quer sejam pastores.

Em qualquer caso, desde que se vá acompanhando para evitar perdas pessoais ou de bens e cumprindo objectivos de gestão do território, não há nenhuma razão para apagar um fogo nesta altura.

Este parágrafo que pode parecer estranho a muita gente, é doutrina oficial em alguns países que, começando por ter políticas de supressão do fogo (apagar tudo o que ardia), foram evoluindo para políticas de fogo controlado, quando perceberam que as políticas de supressão de fogo davam maus resultados e, face aos custos e quantidade de gente qualificada necessária para a execução de fogo controlado em larga escala (Portugal começa agora a falar, oficialmente, em 50 mil hectares anuais de fogo controlado, quando até agora dificilmente chegava aos mil anuais), evoluíram ainda para a integração dos fogos não controlados que ocorrem em condições meteorológicas que aconselham a queima e que cumprem os objectivos de gestão do território.

No lado dos técnicos de gestão florestal, em especial os que lidam directamente com a gestão do fogo, a necessidade desta evolução é consensual e, inclusivamente, tem vindo a influenciar quer o discurso de uma parte do Estado, quer mesmo a prática, ao ponto de se ter estabelecido um plano nacional de fogo controlado e se terem lançado algumas medidas de apoio à pastorícia como instrumentos de gestão do fogo.

Mas, citando o Laboratório de Fogos Florestais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, "Existe um Plano Nacional de Fogo Controlado que não é possível executar por falta de capacidade instalada. Por outro lado apagam-se fogos pastoris que evoluem em condições ótimas de prescrição, portanto sem impactos negativos, e que não constituem qualquer ameaça. Nestes (serra do Alvão) usaram-se meios aéreos, noutros casos de que temos conhecimento houve repressão directa da população".

Para além do gasto de recursos absurdo, incluindo com meios aéreos, a apagar fogos que nem sequer deveriam ser extintos, mas sim acompanhados para evitar perdas pessoais ou de bens, a GNR, não por responsabilidade dos agentes, com certeza, que não têm obrigação nenhuma de saber que nestes dias é muito bom que arda, tem vindo a perseguir os pastores (os principais utilizadores de fogo à escala da paisagem, para além dos técnicos de fogo controlado), em vez do que seria normal, que seria acompanhá-los, apoiá-los e, já agora, pagar-lhes o serviço de interesse colectivo que estão a fazer.

É inacreditável a quantidade de pessoas que pressionam a protecção civil para que sejam apagados fogos que deveriam ser incentivados como vacina eficaz contra os grandes fogos de Verão, e revela uma sociedade com uma relação difícil com o fogo.

Infelizmente, uma parte do Estado, que só sabe de meios projectados para o teatro de operações sendo incapaz de entender o papel do fogo nos ecossistemas, é grandemente responsável pela psicose colectiva que nos afecta e que nos impele a apagar tudo o que arde.

Não, não tem de ser assim, nestes dias o que seria bom, o que verdadeiramente eu gostaria de ver, era uma televisão, em canal aberto, a acompanhar pastores a fazer as suas queimas, como quem acompanha os ciclistas que sobem à Torre, porque é isso que esses homens (posso aqui escrever, essas mulheres, e conheço algumas pastoras que justificariam o acrescento, mas a verdade é que é uma profissão em que não há quotas de género e é esmagadoramente masculina) são, uns heróis que nos entregam de graça um serviço de interesse colectivo a que muito pouca gente reconhece o imenso valor que tem.

Este post é só para lhes dizer, mesmo que provavelmente nunca o leiam, que lhes agradeço profundamente o trabalho que estão a fazer e lamento que o Estado que também eu pago com os meus impostos os trate como criminosos que é preciso travar a qualquer custo.

Um dia isto muda, mesmo que hoje não se vislumbre, em qualquer partido, o mínimo de representação política do mundo rural que possa garantir alguma réstea de bom senso nas políticas que afectam os principais gestores do território não urbano.

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.01.2019 às 11:13

os votos nos cada dia mais partidos concentram-se nas áreas metropolitanas do Porto e Canil Lisboa~
a importação de bens alimentares vai continuar enquanto houver empréstimos,  cativações e impostos elevados
o rectângulo será em breve a 'Serra Pelada' 
Sem imagem de perfil

De Nuno a 15.01.2019 às 18:20

O problema é que área ardida ia contabilizar e ninguém quer isso, digo eu.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.01.2019 às 19:30

Os senhoricos arvorados em técnicos que dão ordens e reprimem quem faz queimadas nesta época do ano, percebem tanto de agricultura e pastorícia como eu percebo de chinês, que é... NADA.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Sem dúvida. A Constituição em vigor -obra de socia...

  • Anónimo

    Os meninos da geração dos "flocos de neve" são os ...

  • Anónimo

    Concordo com os comentários «Anónimos», vale bem a...

  • Anónimo

    Com o devido respeito pelas opiniões contrárias, e...

  • Anónimo

    A verdade não é determinada por um voto maioritár...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D