Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um equívoco frequente

por henrique pereira dos santos, em 25.06.24

"Qualquer que seja o caminho, uma coisa parece clara: a Madeira já está a pagar a factura de Albuquerque ter querido usar uma vitória eleitoral para provar a sua inocência. Como se a justiça se fizesse nas urnas em vez de se fazer nos tribunais". (Sónia Sapage, no editorial do Público de hoje).

Há, neste parágrafo, um processo de intenções inaceitável para uma jornalista, e um equívoco frequente na sociedade.

Sónia Sapage atribui a Miguel Albuquerque a intenção de provar a sua inocência ganhando eleições, processo de intenções que nada permite aceitar.

Miguel Albuquerque diz que está inocente - isso, evidentemente, não quer dizer nada, faz-me sempre lembrar a célebre cena de um filme numa cadeia em que o veterano explica ao novato que protesta pela sua inocência que todos ali são inocentes, se lhes perguntar - muito antes de qualquer processo eleitoral.

Quando o processo se tornou público, Miguel Albuquerque recusou demitir-se, tendo depois pedido a demissão, não por ser objecto de um processo judicial, mas porque perdeu o apoio parlamentar do PAN.

Sempre disse, e bem (eu sei que é impopular dizer isto), que a sua inocência se provaria no processo judicial e que isso não tinha qualquer relação com as suas opções políticas.

Quando Miguel Albuquerque se recusa a pedir a demissão, o que está a fazer, e bem (repito-me) é recusar que o Ministério Público tenha o poder ilegítimo de abater políticos com base em investigações que têm processos de decisão próprios e longos, envolvendo várias pessoas de forma independente, permitindo recursos e a defesa dos acusados.

Aliás, Carmo Afonso, ontem, fazia o seu habitual número de contorcionismo lógico para atribuir ao Ministério Público a responsabilidade por uma decisão política de Duarte Cordeiro: "Duarte Cordeiro rejeita ser candidato a qualquer cargo público enquanto não ficar ilibado de quaisquer suspeitas nas operações Tutti-frutti e Influencer. ... Ninguém pode criticá-lo por esta posição. Mas fica aqui, uma vez mais, explícito o nível de condicionamento que o Ministério Público está a impor à vida política portuguesa".

Uma boa ilustração do absurdo lógico em que assenta o tal equívoco frequente: Duarte Cordeiro toma uma decisão política, por sua inteira e livre vontade, e o responsável é o Ministério Público.

Se dúvidas houvesse de como isto não passa de conversa para embalar meninos, repare-se como António Costa achou inultrapassável um parágrafo de um comunicado que não o implicava em coisa nenhuma, de tal forma que se demitiu de primeiro-ministro e mandou às urtigas a maioria absoluta do PS, para pouco tempo depois, com o mesmo parágrafo no mesmo sítio, não tendo havido qualquer desenvolvimento relevante da sua situação jurídica, estar a mover mundos e fundos para ir para Presidente do Conselho Europeu (com o meu total apoio, quanto maior for a distância a pessoas tóxicas, melhor), sem que as anteriormente poderosíssimas razões éticas pesem, quando lhe dá jeito, absolutamente nada.

Miguel Albuquerque fez o que deveria ser feito sempre pelos políticos que se vêem envolvidos em processos judiciais: avaliar politicamente a sua situação e tomar as decisões políticas que entenderem, impedindo que a confusão entre ética e lei, entre exercício de cargos políticos e investigações judiciais, acabem a dar ao sistema de justiça um poder ilegítimo, e aos políticos desculpas para se desresponsabilizarem pelas suas decisões políticas.

Miguel Albuquerque, com as suas opções, tem feito mais pela higiene dos processos de tomada de decisões públicas que os editoriais moralistas do Público que, em muitos aspectos, se limitam a reproduzir a argumentação do Chega e do Bloco de Esquerda neste tipo de matérias.


9 comentários

Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 25.06.2024 às 09:46

« jornalismo da redução ao absurdo »
«tudo para os amigos
nada para os inimigos.
para os outros cumpra-se a lei» Almeida Santos
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 25.06.2024 às 12:39

É uma cronista, não uma jornalista.. é livre de opinar e interpretar dados.
O resto...
Se calhar a culpa é do Marques Mendes , para quem arguido não podia ser candidato. 
Convenhamos que num país em que justiça vale pevide, a plebe prefere os julgamentos moraid.
Sem imagem de perfil

De M.Sousa a 26.06.2024 às 12:00

Pois. O problema é mesmo esse. Jornalista/cronista/jornalista ... a separação entre jornalista, cronista e outros istas desapareceu. Hoje os jornais não passam de crónicas da vida real. Mas em que qualquer semelhança com a realidade dos factos é pura coincidência. 
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 26.06.2024 às 14:22

Andei na escola ja há muitas luas, e nessa altura aprendi a diferença entre notícia, reportagem e crónica. 
Sem imagem de perfil

De M.Sousa a 26.06.2024 às 16:05

Certo. Mas nestas luas mais recentes, o jornalismo de "causas" esbateu e amalgamou essas diferenças neste novo estilo que é cronica, reportagem ou notícia conforme o que dá jeito.
Pelos vistos as luas passadas também já esbateram essas diferenças nas audiências... 


Sem imagem de perfil

De Manuel da Rocha a 25.06.2024 às 12:50

O problema de Miguel Albuquerque é que vai ter de comer o lixo do prato, para ficar no poleiro por mais 20 anos: Depois de passar 37 meses a dizer "Nunca vou negociar com o Chega.", eis que, ontem, Miguel Albuquerque (que já tinha dado 2 pontapés no rabo do CDS/Madeira, expulsando-os da sua coligação "porque não servem para nada e são peso-morto para quem quer liderar") passou 6 horas a discutir como é que o Chega pode votar a favor do programa de governo, sem conseguir 500 cargos de liderança no arquipélago. 
Basicamente está a fazer o mesmo que fizeram nos Açores, em que o PSD "foi para a cama" com o Chega, para se manter no poder, acabando por dar tachos milionários, a deputados eleitos pelo Chega, para se desvincularem do partido, passando a independentes, ficando a apoiar o governo até ao final da legislatura, fazendo parte do grupo parlamentar, passando a ter acesso a salários mais altos e uso de serviços públicos para seu proveito próprio. 
Depois temos Luís Montenegro, primeiro ministro a dizer que nunca irá negociar com o Chega, nem o PSD ou CDS alguma vez o farão... mesmo que já o tenham feito nos Açores, 3 câmaras municipais e 8 freguesias, onde a AD ficou no poder, suportada pelo Chega. 
Sem imagem de perfil

De JPT a 25.06.2024 às 16:27

Creio que Isaltino de Morais, "com as suas opções", ainda fez mais "pela higiene dos processos de tomada de decisões públicas". E Lula, no Brasil, idem. Rezemos (enfim, rezo eu) que o Sr. José Sócrates não se lembre de, também ele,  zelar "pela higiene dos processos de tomada de decisões públicas". 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.06.2024 às 17:36

Algum deles se demitiu com as primeiras investigações?
Não.
Teria havido vantagem em fazer isso, dando ao sistema judicial o poder de aplicar sanções fora do processo judicial e sem direito de defesa dos acusados?
Também não.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 26.06.2024 às 10:13

Totalmente de acordo. 
Aos políticos e às suas guardas avançadas dos jornalistas amensalados dá muito jeito afirmar "à justiça o que é da justiça, e à política o que é da politica", mas quando toca a eles esquecem-se. 
Todos os últimos casos o comprovam ao ponto de compararem a actuação da justiça à PIDE. Uma obscenidade e uma ignorância atroz. 
Inventam conspirações mirabolantes indignas de quem tem responsabilidades perante os cidadãos. 
Se querem falar de conspiração, voltamos ao famoso parágrafo. 
Do que se sabe, é analisando a fita do tempo das reuniões entre PR, PGR e PM, a conclusão que se pode tirar, foi que a exigência da menção do PM, veio deste. 
Só os intervenientes o poderão comprovar, sobretudo a conversa entre o PM e o PR. 
O móbil, está hoje nas primeiras páginas:
"Costa a caminho da Europa" 


Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimus

    Concordo.

  • lucklucky

    "poder económico" !?Está a gozar... não há maior p...

  • Silva

    Conversa da treta sobre estudos da treta.O que há ...

  • P. Fernandes

    Não nesse caso. O armazenamento de semente nas pin...

  • cela.e.sela

    podiam aproveitar os 'calitros' para fabricar meta...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D