Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um apoio de peso

por João Távora, em 28.01.22

Rui Ramos.png

Ao país, neste momento, convém uma maioria à direita do PS. Não uma maioria qualquer, mas uma maioria reformista em que sejam fortes – não apenas em deputados, mas em votação — partidos que não suscitem ao PS expectativas de acordo ou de cumplicidade, e que além disso justifiquem confiança como parceiros de um governo estável. Falei em “partidos”, no plural. De facto, nessas duas condições há apenas um: o CDS de Francisco Rodrigues dos Santos.



3 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 28.01.2022 às 12:22


Eu diria que a Iniciativa Liberal também satisfaz as duas condições:
(1) Justifica confiança como parceira de um governo estável.
(2) Tem afirmado repetidamente que não terá com o PS cumplicidade nem acordo.
Logo, parece-me que o raciocínio de Rui Ramos está incompleto.
Mas também, para quem apoiou a invasão do Iraque, não me surpreende.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.01.2022 às 20:05

O PS já perdeu!  Tenho a certeza disso pelo tom menos reverente dos jornalistas nas entrevistas ao dr. Costa.



Sem imagem de perfil

De Anónimo 78 a 29.01.2022 às 09:40

Só lamento viver num distrito em que o voto CDS seria um voto perdido. Pena que não tenhamos um sistema semelhante ao dos Açores ou, melhor ainda - é fantasia, eu sei - um sistema em que se pudesse votar negativamente. O eleitor escolhia entre o voto positivo (X no quadrado) ou voto negativo (X no símbolo do partido). Tendo eu sido um abstencionista convicto, isso ter-me-iia levado às urnas.


Quanto ao primeiro comentário, o do profícuo, multi-plataformas e semi-profissionalizado comentador "balio" não é de estranhar pois não são muitos os que sabem o que ficou para o mundo de Bretton Woods depois da inconvertibilidade do dólar e, de facto, o motivo da invasão do Iraque que era não só justificada mas imprescindível.
À cautela confirmo que a execução, antes e depois da acção militar, foi desastrosa, desde a alegada existência de armas de destruição maciça - um péssimo pretexto público congeminado pela CIA e nem sequer convenientemente passado - e sobretudo a destruição da administração iraquiana, condenando o Iraque a ser um estado falhado, palco de uma guerra civil inevitável e um dos grandes criadores da Al-Qaeda.
Qualquer pessoa mesmo conservador de direita e militante do ocidentalismo, tem de condenar a acção das administrações americanas no Iraque após a invasão, mas só pessoas informadas podem perceber a necessidade da invasão.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucklucky

    "Parece-me que a história é, por definição, o pont...

  • lucklucky

    E como digo desde há anos: Fujam de Lisboa, fujam....

  • Elvimonte

    (continuação)Smith, J.D. et al. (2016) “Effectiven...

  • Elvimonte

    (continuação)Radonovich, L.J. et al. (2019) “N95 R...

  • Elvimonte

    "Have you ever wondered who's pulling the strings?...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D