Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um agradecimento ao Observador (Goodhart e a extinção das espécies)

por henrique pereira dos santos, em 12.05.23

Não há muito tempo, foi publicado o livro vermelho dos mamíferos de Portugal Continental.

Há muitos anos que lido com este e outros assuntos conexos, nomeadamente censos e atlas de biodiversidade - que deveriam alimentar as revisões periódicas dos estatutos de ameaça das espécies - ao ponto de ser um dos principais responsáveis pela criação de um Cadastro Nacional dos Valores Naturais Classificados no regime jurídico de conservação da natureza.

Por um dos principais responsáveis quero dizer que fui um dos principais redactores desse diploma jurídico e nas discussões sobre essa matéria, Pedro Gama, jurista que é outro dos pais das propostas desse diploma, sugeriu a figura do cadastro para resolver uma série de problemas de registo e protecção legal de valores naturais, sem dependência de decisões comunitárias, tendo nós os dois desenvolvido a solução base que foi proposta (há alterações da versão final publicada em relação ao proposto, como é natural, propõe quem tem de propor, decide quem tem de decidir).

Devo dizer que a acumulação de frustrações relacionadas com estes assuntos só não me esmaga porque eu não sou muito de ficar esmagado por coisas dessas.

Quando saiu agora mais este livro vermelho, fui ver e, como eu já esperaria, fui ficando cada vez mais incomodado, não por ver o que me parecem erros, isso acho normal, mas porque os erros são sempre os mesmos, não aprendemos porque não avaliamos nem discutimos resultados.

Comecei a escrever um texto de opinião, mas como o queria bem fundamentado, o texto foi crescendo até às sete ou oito páginas.

Com isso na mão, fui ter com o Observador, perguntando se não queriam publicar o que tinha escrito, como ensaio.

Confesso que esperaria uma resposta simpática a mandar-me dar uma curva: um texto longo, sobre o um assunto que deve interessar a menos de 50 pessoas, que voluntariamente se afasta do dramatismo e das previsões catastróficas, sem apostrofar ninguém e responsabilizar os interesses pelo apocalipse ambiental e a extinção das espécies, até a mim me parecia um texto impublicável.

Enganei-me, o Observador publicou-o ontem, e tiro o chapéu à decisão.

Só tenho dúvidas das razões para ser um texto reservado a assinantes: que diabo, são tão poucos os interessados nele, que se ainda assim se restringe a leitura aos que, ao mesmo tempo, assinam o jornal, torna-se difícil que alguém o leia.

Paciência, é um comentário lateral, o que queria fazer ressaltar é mesmo a decisão de um jornal publicar uma coisa destas.

Obrigado.


8 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 12.05.2023 às 17:44


o que queria fazer ressaltar é mesmo a decisão de um jornal publicar uma coisa destas


A mim parece-me que, sendo o jornal estritamente online, ou seja, não tendo ele versão em papel, não há grandes custos em publicar "uma coisa destas".


De facto, não se gasta papel, somente se gasta um bocado de espaço no servidor, e algum tempo do editor a verificar se tudo está confome no artigo publicado (isto é, se ele não contém insultos, difamações, etc).


As opiniões expressas no artigo são da estrita responsabilidade de quem as escreveu e o jornal nada tem a perder em publicá-las no seu sítio online.
Sem imagem de perfil

De Alberto Mendes a 12.05.2023 às 18:15

Eu li :) . Obrigado pelo contributo ao debate 
Sem imagem de perfil

De Zé raiano a 12.05.2023 às 20:49

nasci junto à raia onde fiz 4 anos de instrução antes do longo peregrinar por essa Europa fora. tive agropecuária etc
por este pc de secretária não ser meu não encontro um pequeno texto da fauna e flora da minha juventude. devido ao abandono rural eram profundas as alterações quando estive lá há mais de 20 anos.
ao longo da A23 o escasso pinhal que não ardeu tem mais lagarta que folhas. da bicharada nem é bom falar porque magoa 
Sem imagem de perfil

De pitosga a 12.05.2023 às 23:11


Já aqui escrevi que eu não dou um tostão para o observácor.
Peço que os autores do Corta-Fitas tenham a gentileza e a liberdade de, como autores, publicarem aqui aquilo que poderão ter difundido noutros sites. Só lhes agradeço.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.05.2023 às 11:43

O Sr. terá as suas fortes razões, mas, se me permite o atrevimento, faz mal em dizer isso. E por duas razões: 
A 1ª é que o Observador pode não ser uma "perfeição", muitas vezes fica-se nas meias-tintas, mas tem muito bons artigos de fundo e dos melhores cronistas da nossa praça que são quem nos vai valendo, elucidando, para desmascarem esta podridão causada pela governação; 
A 2ª razão é porque dito por si, até parece que a direita desistiu e está em estado terminal, o que não é o caso, embora convenha à esquerda que assim se pense. Não entre no "coro" dessa gente, caro Sr., toda a cautela é pouca, olhe que nos tempos que correm é perigoso fazer o "jogo" do PS! 
Repare como já puseram a maquinaria pesada em acção e o rolo compressor a "cilindrar" o pobre Presidente. E a procissão ainda vai no adro... para já, os seus avençados da CS estão só em "exercícios de aquecimento"; já circula pelas redes sociais uma "compilação" de frases assassinas sobre o Marcelo, ditas por figuras públicas conhecidas, desferindo ataques violentíssimos ao homem que tão útil lhes fora. É certo que com isso se pôs a jeito, estava na cara que era um erro fatal associar-se a semelhantes espécimes, uma súcia de crápulas da pior espécie, pronta a desferir golpes à traição (têm um historial que todos conhecemos). A novidade é que não havia este precedente de o país ter assistido em directo a uma humilhação pública e ao aviltamento de uma instituição!!!. E olhe que o Marcelo não é figura que aprecie e nem nele votei, mas... é duma baixaria sórdida "descartarem" o homem quando (acham) que já não tem serventia.
Espero, sinceramente, por uma vingança servida tão fria como uma  inesquecível... vichyssoise! 
Sem imagem de perfil

De pitosga a 13.05.2023 às 18:15


Claro que eu tenho as minhas razões. Se são fortes ou não, não é comigo.
Para informação de todos, nunca liguei a destros nem a sinistros.
Cumps
Sem imagem de perfil

De Zé Manel Tonto a 14.05.2023 às 13:26

O Observador para mim morreu em termos de lhes dar um tostão que seja quando me censurou comentários que contestavam as opiniões das noticias. Sim, porque jornalistas ali, são poucos. Como nos outros jornais, é opinião (quase toda canhota) disfarçada de noticia.


Dizia eu, comentários meus que discordavam da opinião do "jornalista" eram removidos, mas comentários nos mesmos artigos, com insultos a mistura, permaneciam.


Depois de me censurarem o primeiro, todos passaram a ir a censura prévia, sendo quase todos publicados um ou dois dias depois da noticia, quando a discussão na caixa de comentários já tinha terminado.


E antes que venham falar de "negacionismos", isto foi muito antes de certo acontecimento de 2020.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.05.2023 às 19:00

https://www.youtube.com/watch?v=rqP1JYjJ3yE

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D