Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ugly little facts

por henrique pereira dos santos, em 12.04.24

Ontem assisti a parte das apresentações (a meio tive de sair para ir buscar netos) do livro "Scapefire: ordenamento do território para a prevenção de incêndios rurais".

O que está em causa é um projecto de investigação sobre paisagens mais resilientes ao fogo, do qual resulta o livro.

Não tencionava, nem tenciono, fazer comentários sobre a substância dessa investigação, de tal forma estou longe dos seus pressupostos que me parecem errados e sem fundamentação científica (uma vastíssima equipa, com dezenas de investigadores, trataram o assunto de forma aprofundada e séria mas, fiquei a saber ontem, essa vastíssima equipa não inclui investigadores que estudem o fogo).

Queria apenas assinalar um aspecto pontual de uma das apresentações que ilustra a alienação de parte da academia que, aparentemente, jamais deixará que a realidade influencie as suas opiniões.

Uma das oradoras refere que, de acordo com o modelo usado, uns 31% da região centro (estou a citar de memória, os números podem não ser exactamente estes) deveria ver a sua paisagem transformada noutra coisa, porque tem usos inadequados, referindo freguesias em que, de acordo com o modelo usado, 75% da paisagem tem de ser transformada, por ter usos inadequados.

A conclusão das responsáveis pelo estudo é que valores desta dimensão demonstram a dificuldade, e o esforço político e financeiro, que a sociedade tem de fazer se realmente quer ter paisagens resilientes ao fogo.

A minha conclusão é a de que um modelo que conclui que 75% da realidade está errada, é um modelo que deveria ir directamente para o lixo.


9 comentários

Imagem de perfil

De Rhesus a 12.04.2024 às 08:34

Continuamos ótimos a fazer 'estudos'...
Sem imagem de perfil

De balio a 12.04.2024 às 09:23


a substância dessa investigação, de tal forma estou longe dos seus pressupostos que me parecem errados e sem fundamentação científica



Que coisa tão curiosa. Então faz-se investigação, supostamente científica, na base de pressupostos? Eu diria que a investigação científica é feita para descobrir a verdade, e não a partir de uma verdade (um pressuposto) já dada como certa.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 12.04.2024 às 11:43

Pois eu acho curioso é que tu aches que se faz investigação sem pressupostos
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.04.2024 às 08:04

Uma verdade não é um pressuposto
Sem imagem de perfil

De M.Sousa a 14.04.2024 às 13:03


Os modelos são interpretações da realidade, baseados em pressupostos e relações conhecidas de como as variáveis interagem umas com as outras. Além disso, contêm parâmetros de ajuste para o modelador poder "controlar" (martelar) os resultados... 
Por isso, estudos baseados em modelos, sem se conhecer a "ficha" técnica do modelo, isto é, os pressupostos em que se baseia e os parâmetros de ajuste que contém, merecem tanta credibilidade como as sondagens do Expresso.
Mas, lá está! Sem querer, e sem fazer a mínima ideia do que é um "modelo", disse tudo, caro Balio,  "investigação, supostamente cientifica"...
Sem imagem de perfil

De balio a 15.04.2024 às 11:20


Eu diria que a ciência pretende estudar a realidade, não estudar modelos.


Eu não sei em que consiste o projeto de investigação mencionado neste post mas, a avaliar por aquilo que M.Sousa sugere, ele investiga um modelo com certos pressupostos, em vez de investigar a realidade.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 12.04.2024 às 09:28


O que são paisagens resilientes ao fogo?
Que usos da paisagem são adequados?
Sem imagem de perfil

De JPT a 12.04.2024 às 09:41

450 mil portugueses votaram em três partidos políticos que assentam na tese do "homem novo" (ou seja, não aquele que existe há 200 mil anos) - e não incluo os 88 mil casos casos extremos de transtorno dissociativo que votaram no PAN.
Imagem de perfil

De O apartidário a 12.04.2024 às 11:17

Mas esses(mais a ala esquerdista wokista doidista do PS) é que são os racionais ,isto veiculado pelos mesmos (claro) e promovido nos média venais do esquerdismo. Os chalupas estão do outro lado dizem eles e elas sem se rirem. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D