Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tudo certo, como 2 e 2 são cinco

por henrique pereira dos santos, em 20.08.17

Em Outubro do ano passado uma petição promovida pela QUERCUS (mas que reflecte o que muitos conservacionistas pensam sobre o assunto), terminava assim:

"A Quercus apela a toda a comunidade para abraçar a causa da proteção dos Carvalhos e dos Carvalhais em Portugal para que se possa criar legislação que conduza à sua proteção efetiva e, que inclua a proibição do corte destas árvores sem licença expressa das autoridades competentes para o efeito, à semelhança do que já acontece para o sobreiro e para a azinheira."

A QUERCUS é a mesma organização que, em sede de audição parlamentar, defendeu explicitamente o investimento dos proprietários na florestação com espécies autóctones. De resto, essa é uma defesa que é comum a mais ou menos toda a gente do mundo conservacionista.

Agora só falta explicar aos proprietários por que razão devem investir em espécies que se pretende que venham a ser protegidas e cujo corte não dependerá das opções de gestão do proprietário mas do que entender o Estado.

Boa sorte para as campanhas de sensibilização.

Autoria e outros dados (tags, etc)



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Teresa Varela a 22.08.2017 às 01:15

Peço, de novo, desculpa, mas o que o Renato disse e continua a dizer, não é, de todo, a mesma coisa que eu digo.
Muito bem , está dentro do assunto, mas tem uma visão diferente da minha.
Aparentemente, o Renato prefere uma gestão paternalista do estado. Eu prefiro a Gestão do estado, naquilo que cabe ao estado, e a gestão dos silvicultores, naquilo que cabe aos silvicultores. 
As duas não são, de todo, incompatíveis, pelo contrário, são ou deveriam ser, como as duas faces de uma mesma moeda.
Peço, desde já, desculpa, caso esteja errada na análise que fiz do seu comentário.
Quanto às perdas que sofreu, lamento imenso. Nem imagina quanto lamento. A nossa impotência perante o fogo é algo que conheço bem demais.
O "meu fogo" não teve mãos criminosas, nem se localizou nas zonas habituais dos incêndios florestais. O "meu fogo" caiu do céu, em 2003, com as trovoadas secas. 
Foi extinto apenas num dia, pois a densidade florestal é muito menor no Alentejo, onde os aceiros são também mais comuns e o abandono e desertificação humana não têm a mesma expressão, pois é uma zona em que, pelas características do solo, dos recursos hídricos  e outros fatores, as propriedades agrícolas são quase todas de média ou grande dimensão. 
Contudo, o rasto e as perdas que causou permaneceram no tempo e, por mais que a natureza tenha capacidade de recuperação, tem um ritmo e tempo próprio para o fazer.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Gente, que barato!Afinal, o senhor João Afonso é a...

  • Luís Lavoura

    Esse slogan "um povo, uma pátria, um rei" tem uma ...

  • Flávio Gonçalves

    Preocupa-me muito mais os "liberais" loucos que po...

  • Anónimo

    O que eu mais desejo é que o André Ventura contrib...

  • jonhy

    CaDA UM DEFENDE OS SEUS INTERESSES. Já Portugal te...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D