Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Triste sina a nossa…    

por João Távora, em 28.01.21

covid19.jpg

É impressão minha ou no meio da comoção com a pandemia, o governo perdeu definitivamente qualquer coerência discursiva? Depois do "milagre português" na guerra contra o Covid-19 se ter transformado no pesadelo dos portugueses; ao mesmo tempo que se prenunciam atrasos na distribuição das vacinas na Europa começamos a perceber que a oligarquia que nos pastoreia já cuidou de garantir prioridade de vacinação aos apaniguados do costume, os que lhes garantem o poder absoluto sobre o Estado, sejam deputados, autarcas, juízes, magistrados ou funcionários públicos de diferentes organismos, uma casta de mil eleitos nesta primeira fase. Podemos esperar sentados pela nossa vez a assistir ao despudorado tráfico, ou aguardar sem surpresa que as vacinas apareçam no mercado negro. Entretanto, António Costa, de quem todos ansiavam por mais uma entrevista ou intervenção televisiva foi ontem convidado para o programa de debate "Circulatura do Quadrado", onde garantiu aos seus velhos amigalhaços que o ministro da Educação nunca disse que era proibido o ensino online e prevenido as escolas privadas que “não espreitem a excepção, que não tentem fazer diferente" e que “Esta é uma interrupção lectiva para todos”, tudo fantasias da nossa cabeça. A falta de vergonha nas aldrabices que proclama é reveladora da impunidade que o Primeiro Ministro goza por estes dias tão estranhos de confinamento mental.

Enquanto isto, para minha grande consternação, o país assiste atónito ao processo de autofagia do CDS enredado num processo de assalto ao poder, que desconfio, se não se procurarem tréguas e consensos, a facção que ganhar apenas conquistará um monte de escombros e cadáveres. Triste sina a nossa...    



6 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 28.01.2021 às 17:25


uma casta de mil eleitos nesta primeira fase


Deixando de parte a pouca-vergonha que isto efetivamente constitui, há que reconhecer que mil é um número relativamente pequeno, quando se tem em conta que Portugal até agora já vacinou completamente (com duas doses) 75 mil pessoas e ainda tem vacinas para muitíssimas mais.
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 28.01.2021 às 17:55

São estas as desgraças que alimentam o nosso Covid.
Pedir ao Hospital que abra já todas as camas, como se as camas disponíveis não fossem para utilizar como e quando é necessário.
E pedir para que as pessoas acorram ao Hospital apenas quando necessário é mesmo de carregar pela boca, ficando-se sem saber a quem compete essa avaliação, que por certo não estará ao alcance do comum dos pacientes.
Isto quando os postos médicos não atendem telefones, não respondem a e-mails, e uma deslocação presencial obriga a horas de espera ao frio e á chuva sem qualquer garantia de sucesso para doentes de todas as maleitas, no meio de bengalas e muletas de apoio que alguns mais vulneráveis nem força tem para arrastar.
Um espanto esta ministra, que ao fim e ao cabo não passa de mais uma vitima nas mãos dos inimputáveis Costa e Marcelo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.01.2021 às 19:03

Subscrevo o seu texto. E senti um enorme incómodo. Tudo já é um prenúncio do colapso total da moral e da decência. João Távora, estamos em presença de algo de novo e muito perigoso. 
Triunfará o mundo deles, com a sua absoluta ausência de ética? O que há a esperar destes novos "senhores"?  

Não consigo medir a minha estupefacção em relação a M.Rebelo de Sousa! Reconheço-lhe uma escala de valores nos quais me revejo e no entanto... há qualquer coisa que me escapa.


Não deixe de ler o texto de Mª João Avillez.  Associei-o ao seu post , pois senti o mesmo aperto:


https://observador.pt/opiniao/certificados/



Cumprimentos
AP
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.01.2021 às 19:06

Todas as respostas dele evidenciam graves problemas de caráter. Não há uma a que responda direta ou claramente. Utiliza um discurso treinado durante anos em que faz de conta que responde nos primeiros segundos (quando ouvir ele a dizer "vamos lá ver" no início da frase pode ter a certeza que vai aldrabar ou fugir à questão) e depois desvia-se para a ladainha que traz preparada, saltitando manhosamente de assunto em assunto para distrair. Muitas vezes inventa ele próprio as perguntas que terceiros lhe poderiam colocar para logo a seguir começar a responder-lhes para se livrar das originais e queima tempo a dizer frase secas cheias de banalidades de conversa de taberna. Isto para não falar na boçalidade daquela frase que ele encaixou a martelo no meio de outra em que se referiu aos outros convidados como não podendo estar a par das coisas porque estavam habitualmente muito ocupados. O Marcelo mastiga, o povo come e quem ainda tem algum discernimento fica embasbacado com o espetáculo e o medo patente que todos têm de o enfrentar. E por que há tanto medo de confrontar a figura? Ele é perigoso?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.01.2021 às 20:36

 Este governo é um manancial de "ocorrências" e os embustes sucedem-se em catadupa. Impõe-se perguntar por onde andam os partidos que tradicionalmente faziam oposição, desmascarava  as moscambilhas e denunciavam as trapaças e os desmandos do governo?
 Andam a dormir... e depois não se queixem que alguém pegue nessas bandeiras e lhes passe a perna.
A propósito das endróminas do Dr. Costa ontem... ´só posso mostrar indignação e o meu espanto com a atitude dos envolvidos directamente no ensino. como diz A.Homem Cisto:
"... devo dizê-lo: foi uma grande desilusão ver como tanta gente aderiu a esta proibição, passando ao lado do facto de ser inconstitucional. Podemos concordar ou discordar acerca dos objectivos das medidas, mas quando o cumprimento da Constituição fica sujeito à conveniência política é sinal que se passou uma linha vermelha. "



"surpresa nacional, ontem à noite A. Costa afirmou" e desarfimou.
 "afinal, acredite quem quiser, houve 10 milhões de portugueses (incluindo ex-ministros e responsáveis do sistema educativo) que perceberam mal a decisão do governo e o seu decreto".


Sem imagem de perfil

De Carlos Guerreiro a 29.01.2021 às 14:04

Até o Polígrafo classificou as afirmações do Costa: Pimenta na Língua - "É o grau máximo de falsidade. Esta classificação só é atribuída quando a informação avaliada é escandalosamente falsa ou é uma sátira, publicada num espaço satírico."
https://poligrafo.sapo.pt/fact-check/costa-garante-que-o-ministro-da-educacao-nao-disse-que-era-proibido-o-ensino-online-dos-privados-confirma-se (https://poligrafo.sapo.pt/fact-check/costa-garante-que-o-ministro-da-educacao-nao-disse-que-era-proibido-o-ensino-online-dos-privados-confirma-se) 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    sonham com o regresso de che e de dani vermelho nu...

  • ICH

    Dei-lhe três exemplos, mas há vários outros de esc...

  • Anónimo

    O crime de assédio sexual é assunto de natureza pr...

  • Telmo

    Isso não se diz o valor diz-se a percentagem, são ...

  • Jose Miguel Roque Martins

    pelos vistos, não pressupunha que a patente ficass...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D