Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tretas aritméticas

por henrique pereira dos santos, em 19.01.21

Houve um atraso na minha partida para Pasárgada motivado por um comentário a um post anterior:

"Verificou-se desde dia 24 dezembro, de forma consistente, uma situação de frio generalizado com valores da temperatura máxima e mínima do ar inferiores ao valor da normal climatológica 1971-2000. Nas últimas três semanas apenas no dia 28 de dezembro, o valor médio da temperatura mínima foi próximo do normal.
O dia 9 de janeiro 2021 foi o dia mais frio neste período, com 2.98°C de média da temperatura média do ar, sendo que os valores da temperatura máxima do ar, nas estações de Guarda, Aldeia do Souto, Lousã e Portel foram os mais baixos registados nos últimos 20 anos. De referir ainda que nos dias 5, 6 e 8, os valores médios de temperatura média do ar foram inferiores a 4°C. No dia 11 foi registado o 4º valor mais baixo da média da temperatura mínima do ar do território.
...
Embora se tenha registado a ocorrência da onda de frio relativamente localizada, o carácter prolongado deste episódio (cerca de 3 semanas), a persistência de vários dias consecutivos com temperaturas negativas (>10 dias consecutivos em 1/3 das estações), em particular no interior, e a abrangência territorial constituem aspetos importantes nos previsíveis impactos que terá tido na população."

Isto é o Instituto Português do Mar e da Atmosfera a falar da anomalia meteorológica das últimas três semanas.

rt.jpg

Isto é o Instituto Ricardo Jorge a calcular aqui o R(t) nacional e a relacioná-lo com o que acha relevante na sua evolução.

139731797_3957161510970422_5994086091122407135_o.j

Isto é a equipa de Manuel Carmos Gomes a projectar mortalidades à lá Buescu, ou seja, projectando tendências sem compreender a natureza do fenómeno que estão a analisar.

O que está aqui não é nenhuma modelação matemática, tal como as previsões de Manuel Carmo Gomes sobre números de casos que lhe servem para a campanha para o encerramento das escolas que mantém desde sempre também não resultam de modelação matemática, são apenas tretas aritméticas, brincadeiras com números sem ligação com as realidades que os números pretendem traduzir.

É por isso frequente haver atribuições de variação de número de casos ao início das aulas, por exemplo, mas raramente ouvi qualquer coisa a explicar como as férias de Natal dos alunos impactaram a evolução da epidemia.

Lá em cima, o Instituto Ricardo Jorge destaca a véspera de Natal, mas não faz qualquer referência ao facto do dia 24 de Dezembro ser o início de uma anomalia meteorológica que toda a literatura sobre doenças infecciosas respiratórias permite supôr que tem alguma relação com a brusca subida do R(t).

Aliás, o Instituto Ricardo Jorge nem sequer acha estranho que sendo o Natal um fenómeno nacional, ele se traduza num aumento do R(t) substancialmente maior na região de Lisboa e Vale do Tejo (A média do R(t) para os dias 30-12-2020 a 03-01-2021 foi de 1,21, estando o seu verdadeiro valor compreendido entre 1,2 e 1,22 com 95% de confiança) que no Norte (A média do R(t) para os dias 30-12-2020 a 03-01-2021 foi de 1,15, estando o seu verdadeiro valor compreendido entre 1,14 e 1,16 com 95% de confiança).

Na interpretação da evolução de uma doença infecciosa respiratória ignorar as condições meteorológicas que a literatura reconhece inequivocamente influenciarem a sua evolução (quer por afectarem a actividade viral, quer por afectarem a resposta do hospedeiro ao ataque do vírus, quer por afectar a forma como as pessoas se comportam) é simplesmente má ciência (admitindo que é ciência) e a complexificação matemática do tratamento dos dados sem ter em atenção esse aspecto não é mais que uma espécie de sudoku da epidemia: um entretenimento com números, sem qualquer relação entre a abstracção dos números e as entidades físicas reais associadas à evolução da epidemia.

Já vou tarde para Pasárgada, até mais ver.



13 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.01.2021 às 14:42

Tem toda a razão! Em 2018 um dia de Janeiro teve 500 mortos por frio!
Agora é tudo Covid! Todas as infeções respiratórias são covid!!! Toda a vida em Janeiro e Fevereiro foi o mês de mortes por gripe! E nos hospitais um caos! Talvez agora ainda seja pior mas com este governo desgovernado outra coisa não seria de esperar...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.01.2021 às 15:14

Uma tristeza esta "ciência" dos "especialistas". Dá ideia que eles só o fazem para justificarem mais  poder Político sobre as pessoas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.01.2021 às 15:18


Como poderá ter ocorrido?
"For the first time since the pandemic began, more than 10,000 new coronavirus cases were confirmed Monday in Israel, despite the ongoing nationwide lockdown."



Noticia de hoje...

https://www.timesofisrael.com/israel-passes-10000-daily-infections-for-1st-time-since-start-of-pandemic/
Sem imagem de perfil

De JPT a 20.01.2021 às 12:03

Foi o Natal, naturalmente. Os 2% de cristãos da população israelita fizeram a ceia, e infectaram os 98% de judeus e muçulmanos.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.01.2021 às 12:16


Eles estão em lockdown logo nem pode ser o Natal.

É simplesmente o facto que os lockdowns não funcionam grande coisa quando as condições são propícias para o vírus. Só com equipamento NBQ provavelmente.
Sem imagem de perfil

De balio a 19.01.2021 às 15:27


O tempo ficou frio a 24 de dezembro e a 28 de dezembro começou a subir o número de infeções.
Amanhã 20 de janeiro o tempo vai aquecer e ficar húmido. A minha aposta é que a 24 de janeiro (ou até antes) o número de infeções detetadas vai ter uma descida brusca.
É claro que, quando essa descida ocorrer, ela será atribuída pelos jornalistas e pelos políticos ao confinamento e ao excelente comportamento dos portugueses.
Sem imagem de perfil

De Carlos Guerreiro a 19.01.2021 às 15:46

Um flic-flac com mortal à retaguarda.

Primeiro era o Natal não tinha efeito… Agora há o efeito do Natal, mas o efeito é da temperatura que ocorreu durante o Natal (o que continua sem explicar o que acontece todos os anos por esta altura, em que não existiram estas temperaturas extremas).

“Na interpretação da evolução de uma doença infecciosa respiratória ignorar as condições meteorológicas que a literatura reconhece inequivocamente influenciarem a sua evolução (quer por afectarem a actividade viral, quer por afectarem a resposta do hospedeiro ao ataque do vírus, quer por afectar a forma como as pessoas se comportam) é simplesmente má ciência” . A “literatura” diz que as infecções respiratórias são muito influenciadas pela concentração e proximidade das pessoas, nada que se passa no Natal.

PS – Talvez enviar um email ao governo da Austrália que continua com restrições várias, deve desconhecer que a actividade viral depende da temperatura ambiente.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.01.2021 às 22:15

É do frio. E quando não é do frio é do calor. E quando não é nada disso, é um azar do caraças. Qualquer dia lá chegará a ser mesmo do vírus ser lixado. Uma bíblia isto. Dá para vários volumes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.01.2021 às 01:45

É melhor salientar que na Australia é verão porque este pessoal adora ignorar certas subtilezas.
Sem imagem de perfil

De JPT a 20.01.2021 às 12:06

Subtiliza foi ouvir ontem o Nicolau Santos a dizer (cito, e quem quiser ouvir, vá a RTP Play) que, "há um ano, ninguém imaginaria que este vírus iria matar quase dois mil milhões de pessoas em todo o mundo".
Sem imagem de perfil

De JPT a 20.01.2021 às 12:13

E também é subtileza ignorar que a Suécia, que continua a ignorar a tese "confinadora" (que, em termos de irracionalidade, pede meças aos malucos que dizem que não há Covid), converge para números globais semelhantes aos do resto da Europa (salvo, claro, os dos países do "milagre" da primeira vaga, como Portugal ou a República Checa, que agora - provavelmente por causa disso - têm o dobro, ou mais, de novos casos de Covid por milhão habitantes que tem a Suécia). https://www.thelocal.se/20210119/a-cautious-downturn-but-still-significant-spread-as-sweden-passes-146000-covid-19-vaccinations (https://www.thelocal.se/20210119/a-cautious-downturn-but-still-significant-spread-as-sweden-passes-146000-covid-19-vaccinations)

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.01.2021 às 18:06

Como o compreendo, também me apetece fazer o mesmo.
"Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz"

(...)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.01.2021 às 12:09

Bem, quando isto estiver para estourar, ( mas estourar a sério e não tardará muito) e quando já não houver saída, há um que já se terá posto ao fresco. Ou seja, já deu à sola. Sabemos todos quem é assim, não sabemos? Já deve estar a aprontar uma "narrativa" e a preparar-se para outros voos.

Depois hão-de vir os mesmos de sempre para pôr, de novo, a casa em ordem.
O círculo vicioso do costume.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    Quer a literatura científica, quer a evidência emp...

  • Anónimo

    De salientar que é sabido e conhecido que os subsc...

  • Anónimo

    E vê alguma crítica? Vê, ouve ou lê alguma notícia...

  • Anónimo

    HPS, ouvindo isto:https://observador.pt/programas/...

  • Anónimo

    HPS,agradeço a colocação no tempo do vídeo que des...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D