Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Trapalhadas

por henrique pereira dos santos, em 26.12.17

Quando até uma pessoa habitualmente ponderada e racional, como Luís Aguiar-Conraria, fala da má qualidade do governo de Pedro Santana Lopes, sem se dar ao trabalho de explicar em que consiste essa má qualidade, dando-a por adquirida por causa das trapalhadas, é bom lembrar que convém ter cuidado com essas coisas que se repetem só porque toda a gente as repete.

Desse ponto de vista é muito útil uma peça de jornalismo de porteira (muito frequente na secção de política de todos os jornais) que o Observador produziu recentemente sobre as tais trapalhadas do Governo de Santana Lopes.

Para além do diz que disse habitual, espremendo, espremendo, o que se verifica é que o que se chamam as trapalhadas de Santana Lopes e, consequentemente, a má qualidade do seu Governo que é por elas aferida, é em grande parte uma construção mediática facilitada pelas características pessoais de Santana Lopes e pelo facto de não se tratar de um Governo de esquerda.

Como Sampaio resolveu demitir um governo "pelas razões que todos conhecemos" sem se dar ao trabalho de as explicar, e sem que essa inacreditável falta de fundamentação beliscasse minimamente a reputação do então presidente, é fácil e cómodo falar desse governo da forma como quase todos falam, argumentando com trapalhadas que ninguém sabe muito bem o que tenham sido em concreto.

Claro que já a trapalhada da reversão da concessão dos transportes públicos (hoje em condições piores de operação e ainda à espera de saber qual será o valor das indeminizações a pagar), a trapalhada da reversão da privatização da TAP (em que o governo essencialmente pagou uns milhões para nomear umas pessoas para um conselho de administração que não manda nada no que a empresa faz), a trapalhada do BANIF (que custou uns milhares de milhões aos contribuintes), a trapalhada da capitalização da CGD (que custou outros milhares de milhões aos contribuintes), a trapalhada dos lesados do BES (mais uns milhões dos contribuintes) e, acima de todas essas trapalhadas, a trapalhada do resgate do Montepio com o dinheiro da sopa dos pobres, nada são face à eventual sesta de um primeiro ministro em São Bento, uma das inacreditáveis trapalhadas em que se viu envolvido Santana Lopes.

É caso para dizer, mais vale cair-se em graça que ser-se engraçado, o que, no caso português, significa simplesmente estar do lado certo do espectro político e, ao mesmo tempo, prestar vassalagem aos poderes fácticos existentes, isto é, genuflectir perante os beneficiários do capitalismo de compadres que nos caracteriza, entregando-lhes o ouro, incenso e mirra dos contribuintes, e convencer as redacções dos jornais que pôr os pobres a resgatar bancos é apenas cumprir, genialmente, o verdadeiro Estado Social que nos transformará a todos em banqueiros anarquistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.12.2017 às 19:12

O PS pode fazer as piores borradas que o Zé está sempre pronto a aceitar. O Zé recebe a fatura em forma dissimulada e acha normal.Parece que vem a caminho do 2018!
Insistem na falácia do bom negociador. Todos são bons negociadores quando há dinheiro?
Sem ovos não há omeletes
Perfil Facebook

De Oscar Maximo a 27.12.2017 às 13:56

A sesta do Santana Lopes, durante o horário de trabalho, horário esse afixado num local de que não me lembro agora, foi totalmente despropositada. Já o cenário dos deputados e Presidente da Assembleia a dormir durante o discurso do Primeiro Ministro, e certamente só durante este discurso, teve pleno cabimento, dada a posição confortável em que se encontravam e a "chauffage" instalada.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.12.2017 às 17:49

convém ter cuidado com essas coisas que se repetem só porque toda a gente as repete

Outra coisa dessas, creio, foi o imenso gozo que a populaça teve com o facto de o CDS ter registado um donativo de um indivíduo chamado Jacinto Leite Capelo Rego. Toda a gente riu a bandeiras despregadas com tal registo, tomando por evidente que esse indivíduo não poderia existir e, muito menos, doar dinheiro ao CDS. Ora, eu creio que nunca ninguém se deu ao efetivo trabalho de procurar pelo tal Jacinto, a ver se acaso ele não existiria...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Aquilo que se vê na SIC beneficia o Sócrates? Mas ...

  • Tiro ao Alvo

    A César o que é de César e o resto, em primeiro lu...

  • Anónimo

    Vai repetidamente à AR, e nunca é aprovada, legisl...

  • Anónimo

    Para mim trata-se de mais uma peça que insidiosame...

  • Anónimo

    Podem dizer o que quiserem que ninguém, no seu per...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D