Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tragédia da Beira: causa efeito

por João Távora, em 28.03.19

Moçambique.jpg

O escritor José Eduardo Agualusa veio defender há dias em entrevista ao Público, a propósito da catástrofe provocada pelo ciclone Idai que “os países que mais contribuem para o aquecimento global devem responder pelos estragos causados ao planeta, sobretudo quando atingem os países que menos fizeram por isso, como Moçambique” e que “Portugal não faz o favor de ajudar Moçambique. Portugal tem obrigação de reparar os danos que causou”. Curioso é ver muitos daqueles que entendem cada fenómeno climático como consequência da acção humana incomodados com estas afirmações que afinal de contas são coerentes com o catastrofismo simplista que esses críticos apregoam na sua terra.  Quem faz de assuntos científicos de grande complexidade mera propaganda sujeita-se a isto - agora aturem-no. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2019 às 11:25

Aquela zona pantanosa, com cota negativa, sempre teve aquelas cheias.
A única (triste) diferença é que a guerra civil empurrou as pobres populações que viviam espalhadas pelo território, para ali, à procura de segurança. Vítimas indefesas de ambos os beligerantes e agora da natureza.
Quanto à natureza, e falando do clima sempre houve por ali, há muitos séculos, ciclones e cheias.
Quem manda no Clima da Terra são os Oceanos, nomeadamente o gigantesco (pouco) Pacífico.
Não são os portuguêses.
Sem imagem de perfil

De André Miguel a 28.03.2019 às 12:01

E o jornalista não perguntou porque os seus conterrâneos não sabem manter Luanda limpa como era há 40 anos atrás?


https://www.acsh.org/news/2018/07/26/asia-africa-cause-90-plastic-pollution-worlds-oceans-13233 (https://www.acsh.org/news/2018/07/26/asia-africa-cause-90-plastic-pollution-worlds-oceans-13233)


Alguém está a precisar informar-se e viajar mais para a sua terra natal. Isto de viver no conforto do activismo de sofá na Europa começa a cansar um bocadinho.
Sem imagem de perfil

De António a 28.03.2019 às 12:33

O Sr. Agualusa devia começar pelo Wall Street Journal, ou pelo jornal chinês com mais tiragem, não pelo Público. Em termos absolutos Portugal é uma gota de água no que diz respeito ao tema.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2019 às 10:51

O senhor agua lusa não sabe o diz .
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.03.2019 às 13:52

E eu que até gostava dos livros dele. Enfim, no melhor pano cai a nódoa. 
Vivo no Norte de Moçambique há 5 anos, apanhei em cheio com (fiquei isolado durante 1 mês inteiro, em que tinha um raio de acção de 10 km) as cheias de Janeiro de 2015.
Desta vez apanhei com a tempestade tropical (que se desenvolveu em ciclone tropical) na semana anterior ao desastre. A partir do Domingo, dia 10 de Março,  já se sabia que a tempestade ia evoluir para ciclone e que cairia em cheio na Beira na sexta-feira dia 15, a dúvida era apenas se seria de força 4 ou 5.
A pergunta que se impõe é apenas uma: O que fez o governo moçambicano para evitar a tragédia? Resposta: Nada! A Crus Vermelha começou a mobilizar gente para o terreno uma semana antes da tragédia.  O INGC (Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, organização governamental) não fez absolutamente nada.
Agora é bonito culpar os outros. É o que temos por aqui e por aí. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Salva qualquer um com magros resultados no balanço...

  • Anónimo

    o pescador é um predadoranualmente são lançadas no...

  • Anónimo

    os seres humanos anteriores à agricultura morriam ...

  • António

    A I.L. pode não ter amarras, mas tem tiques. Não f...

  • Anónimo

    Não havendo escrúpulos,sem atenção à diversidade d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D