Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Toda a gente devia saber

por henrique pereira dos santos, em 24.06.21

"O que toda a gente devia saber, a começar pela ministra da saúde é que é ao fim de duas semanas, que os números se mostram. O resultado só podia ser este, nós agora temos o Algarve com um Rt de 1,62, que é o valor mais alto do país. Nós sabemos desde o início da pandemia, que foi há mais de um ano e meio, pode haver muita coisa que não se conhecia deste vírus, há uma que é certinha, desde o início, é que o vírus precisa de duas semanas, mais coisa menos coisa, para se mostrar. E agora, todos o podemos ver, passaram-se duas semanas, e temos estes números no Algarve. A ministra da saúde tinha a obrigação de ter visto isto antes, é paga para ver estas coisas antes, tem especialistas a trabalhar com ela para ver estas coisas antes, só não viu antes porque não quis, e por isso, se o governo não quis impedir a ida de milhares de pessoas da grande Lisboa para o Algarve, no fim de semana prolongado, porque seria se calhar uma medida incómoda, desagradável e que tirava votos, não venha agora fingir surpresa com os números que era inevitável (a ênfase é do original) termos duas semanas depois."

Longa citação de uma conversa de taxista que ontem ouvi por acaso na Rádio Observador e que pode ser verificada aqui.

Nunca ouço voluntariamente Miguel Pinheiro, do Observador, nem leio o que escreve, porque me falta a paciência para a prosápia de superioridade que o caracteriza a falar dos outros, mas quando ando de carro apanho-o aqui e ali, e foi o caso.

Não me interessa nada desmontar a quantidade de parvoíces deste parágrafo, apenas me interessa fazer notar que este é o director de um orgão de informação que militantemente afirma, quer o orgão de informação, quer o próprio - destratando todos os que fazem notar que a evolução dos números não é compatível com o que se sabe da forma como evolui esta doença, desde o contágio até à manifestação de sintomas (quando existem), internamento (quando é necessário) e morte (quando ocorre) - que o fecho de escolas a 22 de Janeiro, seguido da imensa movimentação de pessoas associada à uma eleição a 24, é responsável por uma queda brusca da incidência da doença uma semana depois (neste caso a ênfase é minha).

Miguel Pinheiro é pago para verificar factos, Miguel Pinheiro foi treinado para verificar factos, Miguel Pinheiro tem muitos jornalistas a trabalhar com ele para produzir informação fiável, portanto não venha agora dizer que toda a gente sabe que os números se manifestam inevitavelmente duas semanas depois dos factos que escolhe como ponto de partida - no caso em apreço, o segundo fim de semana comprido, e não o anterior, que também foi comprido - e, ao mesmo tempo, recusar-se a admitir que a evolução da epidemia em Janeiro/ Fevereiro é totalmente incompatível com essa coisa que "toda a gente sabe".

Põem os jornalistas permanentemente a dar as suas opiniões sobre tudo e mais alguma coisa, sem que ninguém perceba por que razão os mesmos jornalistas comentam epidemias, futebol, dívida pública, política externa, sem que se lhes reconheça qualquer aptidão especial em cada uma das matérias, e o resultado é inevitável: falta-lhes tempo para fazer jornalismo e perceber que impedir um terço da população se deslocar ao fim de semana para onde lhes apetece não é um incómodo, é uma violação severa de liberdades constitucionalmente garantidas, como a liberdade de circulação.

Pode-se admitir que circunstâncias excepcionais levem à compressão de direitos fundamentais, mas o papel do jornalismo não é malhar no governo por não comprimir mais direitos fundamentais com base em conversas de taxista, o papel do jornalismo é escrutinar, duramente, as razões que fundamentam essa compressão das liberdades, para que o público possa fazer um juízo informado sobre a razoabilidade desses fundamentos.

A UBER tem hoje mais viabilidade económica que o jornalismo por uma razão simples: se é para ouvir conversa de taxista, ao menos que seja quando a corrida tem alguma utilidade para o consumidor.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 24.06.2021 às 12:20

Isto faz-me uma confusão enorme. 
Continuam a culpar as pessoas porquê?
As pessoas que apanham o vírus depois de tomar a vacina, quem é que lhes transmitiu o vírus?
Será que já não é normal o vírus sofrer mutações periodicamente?
Um terço das pessoas que está internada apanhou o vírus depois de estar vacinada, será que o número de pessoas infectadas não terá uma relação igual ou maior, daí os números serem mais elevados?
Já estamos há ano e meio nesta palhaçada e continuamos a somar o número de mortes covid. Será que alguém pode dizer o número de mortes diárias sem ser de covid? Só para se ter um termo de comparação e poder avaliar esta loucura.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 24.06.2021 às 14:37

"32. The resurgence in both hospitalisations and deaths is dominated by those that have received two doses of the vaccine, comprising around 60% and 70% of the wave respectively. This can be attributed to the high levels of uptake in the most at-risk age groups, such that immunisation failures account for more serious illness than unvaccinated individuals. This is discussed further in paragraphs 55 and 56."
(https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/975909/S1182_SPI-M-O_Summary_of_modelling_of_easing_roadmap_step_2_restrictions.pdf )
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 24.06.2021 às 14:39

Ver também:
"SARS-CoV-2 Spike Protein Elicits Cell Signaling in Human Host Cells: Implications for Possible Consequences of COVID-19 Vaccines"
( https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7827936/ )

"SARS-CoV-2 Spike Protein Impairs Endothelial Function via Downregulation of ACE 2"
( https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/CIRCRESAHA.121.318902 )

"The BNT162b2 mRNA vaccine against SARS-CoV-2 reprograms both adaptive and innate immune responses"
( https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.05.03.21256520v1 )

Relório Confidencial da Pfizer obtido do Governo Japonês
( https://www.docdroid.net/xq0Z8B0/pfizer-report-japanese-government-pdf#page=17 ) 

http://prntscr.com/167ea10 - efeitos adversos, dados extraídos da EudraVigilance
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2021 às 11:11

or dia morrem cerca de 300 não covid.A causa covid? é responsável por 5|10 mortes diárias Destruir a economia a e a sociedade por esta razão é de políticos irresponsáveis.!
Sem imagem de perfil

De Poizé... a 24.06.2021 às 14:37

Entretanto, já nos instigou o nº2 da hierarquia estatal a que vamos todos massivamente a sevilha ver a bola!


É de facto deprimente olhar a realidade actual da espécie dita humana...
Sem imagem de perfil

De Terry Malloy a 24.06.2021 às 16:23

"O papel do jornalismo não é malhar no governo por não comprimir mais direitos fundamentais com base em conversas de taxista".



E eles nem percebem o 'óbvio ululante'.


Estamos aqui.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    (cont.)"havia rumores de fuzilamentos sumários; um...

  • Anónimo

    (cont.)Ainda assim, nos primeiros momentos a eufor...

  • Anónimo

    (cont.)Do lado de cá, em Portugal, sabemos como fo...

  • Miguel Neto

    Resta saber em que grau a entrada de migrantes na ...

  • lucklucky

    O pior é que o Fernando Rosa deve saber. Mas o dis...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D