Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"The coronavirus, in contrast, is a virus with public relations."

por henrique pereira dos santos, em 26.03.20

Pela parte que me toca, já chega o que chega: escrevi demais sobre esta epidemia, expus-me demais com esta epidemia (no espaço público, entenda-se, no que pessoalmente me diz respeito, pelo contrário), fi-lo de forma totalmente consciente, quer da dimensão da minha ignorância, quer dos riscos associados a deixar todo o espaço público à brigada do "fecha tudo, já!".

Na altura em que o fiz, a margem deixada à racionalidade e à moderação era muito, muito estreita, mas agora começa a haver algum contraponto à exigência populista do "fecha tudo, já!" e já não me parece útil ter um ignorante a passar tempos infindos a procurar informação e, sobretudo, a ouvir quem, sabendo muito mais do assunto, simplesmente não se ouve.

Para quem quiser, que dê uma vista de olhos a estas citações de onde tirei o título da crónica, a partir de uma referência do Paulo Fernandes.

Pela parte que me toca, fiz o que achei que era útil fazer e agora vou-me dedicar às couves.



17 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.03.2020 às 14:24


Até gosto de ler o que escreve principalmente porque me faz refletir sobre angulos que muitas vezes não penso. Há uns meses qd citou uns textos de uma fundação de "investigação" pensei que tinha sido um pequeno lapso. Quando isso começa a ser mais frequente, já nos leva a questionar um pouco mais...
https://mediabiasfactcheck.com/offguardian/
https://www.stopfake.org/en/russian-trolls-exiled-from-guardian-find-home-for-their-hate/
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 26.03.2020 às 19:07

Se tivesse seguido a ligação, teria percebido que iria ter a declarações de terceiros que pode confirmar
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.03.2020 às 11:26

Segui e confirmei um conjunto de argumentos de autoridade (que sei que o Henrique também detesta), cientistas que publicam mais em blogs e sites que em peer review e no único artigo científico citado, se o lê-se, e não apenas as citações no site, verificaria que até os autores colocam em questão o suas próprias conclusões (para além de claros erros de citações no artigo, estatística muito duvidosa na sua robustez e clara desfasamento da realidade de dados à presente data).
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 27.03.2020 às 19:40


Esse é um argumento diferente, o de que as pessoas que dizem o que dizem não têm curriculum que lhe interesse, quando antes dizia que era o site que não era de confiança (o que dou de barato).
Pena é que, quanto aos argumentos, em si mesmos, diga nada
Sem imagem de perfil

De JPT a 26.03.2020 às 14:52

Pela parte que me toca, obrigado (não por fechar a loja da dúvida metódica, mas por tê-la mantido aberta).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.03.2020 às 15:17

parece a simbologia onde os merdas vem o que querem porque a MERDA flutua ou afunda-se
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 26.03.2020 às 16:37

Tudo me parece muito correto, mas questiono, é ou não é verdade que os sistemas de saúde da Lombardia e de Madrid, que são bons sistemas de saúde, estão assoberbados de trabalho com pessoas a precisarem de ser ventiladas? É isto que acontece todos os anos, esses sistemas de saúde ficarem à nora com pessoas com falta de ar? Creio que não é. De onde deduzo que efetivamente este vírus é pior do que os vírus da gripe que anualmente nos afetam.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 26.03.2020 às 19:05


Sim, é isto que acontece em todos os anos em que os picos da gripe são mais fortes. Em qualquer caso, como expliquei, com esta doença há um tempo de ocupação das camas de cuidados intensivos maior.
Não sei quanto da sobreocupação actual se deve a este aspecto da doença, à concentração de doentes que de outra maneira seriam tratados de forma mais dispersa e quanto se deve ao medo instalado que faz com que haja maior procura dos sistemas de saúde, mas por outro lado, como este surto tem estado abaixo de um ano mau de gripe, não sabemos quanto disto é mais atenção mediática sobre o problema e quanto é mesmo do problema ser maior.
Sem imagem de perfil

De zazie a 26.03.2020 às 19:07

É verdade. O problema é que não se consegue calar a "atenção mediática" quando de epidemia mais ou menos localizada e com ritmo lento, se passa a bruta pandemia a velocidade enorme e propagação planetária, com a net. 
Sem imagem de perfil

De zazie a 26.03.2020 às 19:12

E ainda existo o factor de medo por existirem testemunhos de quem teve e de que a coisa é bera, assustadora e falta de ar a ter de ser ventilado não é comum em epidemias de outras gripes, a menos que sejam velhos.


Eu creio que há uns anos, quando fui a Madrid para trabalho de investigação em biblioteca, apanhei a dita doença do legionário. 
Eu e mais pessoas que estiveram nos mesmos dias.
Se não tivesse alugado apartamento, nem sei como me safava. Literalmente foram uns 5 dias a hibernar, beber água e meter-me em banheira com gelo para fazer baixar a febre. Nem dava para levantar. E nunca tinha tido nada de semelhante na vida.
Sem imagem de perfil

De zazie a 26.03.2020 às 19:05

E não só.
Falta ver os efeitos colaterais nos outros internamentos (que já tinham o problema de quase haver mais risco em bactéria hospitalar que na doença ou operação que se fez), como no protelar de tratamentos a doenças muito mais graves e até mera ida a urgência hospitalar por verdadeiras urgências de saúde.


Nem numa ambulância uma pessoa que nem tenha suspeitas de covid quer ir.
Caso de problema de tendinite com que lidei hoje e que ninguém se atreveu nem a chamar médico ou, muito menos, ir a centro de saúde ou hospital.


Já para não falar de casos que conheço com análises e exames protelados e consultas canceladas, havendo sintomas de longo tempo graves e diagnóstico por esclarecer.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.03.2020 às 19:51

Não tenho nada contra as couves, mas vá lá, um pouco de multitask, please.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.03.2020 às 22:09

Gripe e frio provocaram quase mais 4500 mortes no último Inverno em PortugalSubtipo do vírus da gripe que circulou afectou sobretudo os mais idosos, o que ajuda a explicar os números elevados.Alexandra Campos 13 de Outubro de 2017, 22:32  "jornal Público"

Esta "pandemia" já fez 60 ( em apenas 25 dias) em portugal, e cerca de 23.000 em todo o mundo: Que provavelmente, terá menos 60 óbitos por gripe ( em Portugal), e cerca de 23.000 em todo o mundo.É claro que a decisão de "parar" as economias foi política( má; pavor da opinião pública), portanto a decisão de voltar a ligar as economias também o será. Tenho dúvidas é que a dita economia não tenha ela entrado em quarentena: anémica, descapitalizada, plena de falências e desemprego, enfim, para termos uma ideia aproximada: o mais próximo que a Grande Depressão dos anos 30 do século 20 teve.E agora perguntamo-nos se isso causou um acréscimo da mortalidade? Um pouco; entre 50 a 100 milhões de habitantes do planeta terra!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.03.2020 às 23:48

Bom dia , hoje questionar a narrativa oficial é suicídio , as pessoas deixaram de pensar pela própria cabeça , comem tudo .
É por isso que eu gosto de o ler , como também gosto de ler o Pedro Arroja (Portugal Contemporâneo) , o J. Rentes Carvalho (Tempo Contado) .


Luis Almeida
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.03.2020 às 07:32

Fez muito bem Henrique, a dúvida é sempre saudável . Tendo a concordar, esta estratégica di linha Maginot é desastrosa.
Sem imagem de perfil

De D. a 27.03.2020 às 12:39

Mesmo estando em desacordo, gosto da pluraridade de pensamento, e muito dos pontos que faz fazem sentido. Alem de que, a sua voz é importante contraponto à histeria que se vive, fechar tudo por tempo indeterminado é impossivel e causara tantas ou mais vitimas que a epidemia.


Quanto aos numeros, como ja disse noutro comentario, entre aquilo que leio e o que vejo todos os dias num pais europeu, estou assustado. é uma grande vaga de pacientes que esta a inundar o sistema que rapidamente nao conseguira dar resposta.
e é pior que uma gripe visto que a proporcao de casos graves é maior, o tempo de estadia nos cuidados intensivos é maior e a mortalidade bem mais elevada


cuide de si e dos seus, saude e coragem para enfrentar o que ai vem
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 27.03.2020 às 14:26

Escreveu demais. Com a arrogância somada à ignorância que são o seu apanágio e com que esconde a ignorância, complementada pela desonestidade intelectual de arvorar as teses que se enquadram na sua agenda ideológica , omitindo outras do seu desagrado.


Pelos vistos terá tido muitas reacções negativas.


Dedique-se ao que sabe fazer melhor: defender o cultivo de eucaliptos.


Está a chegar o Verão e os fogachos. Aí sim pode explicar ao pagode a razão porque não há diferença entre os eucaliptos e os choupos, apontando para o bom exemplo das celuloses.
.
No entretanto, mostre ao povo a sua tese de doutoramento, por certo em Cambridge ou Stanford.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Zé dos Grelos

    Não existe nenhuma pandemia, trata-se apenas de sa...

  • Anónimo

    os enormes holofotes sobre uma infeção que pode vi...

  • Anónimo

    A OMS não aconselhou o fecho de fronteiras no iníc...

  • Anónimo

    O autor do texto enxerga fora da caixinha. Parabén...

  • Anónimo

    para escapar ao golpe militar do familiardesfrizou...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D