Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Heroísmos

por Luísa Correia, em 05.12.14

IMG_0115.jpg

 

Eu temo muito o mar, o mar enorme,

Solene, enraivecido, turbulento,

Erguido em vagalhões, rugindo ao vento;

O mar sublime, o mar que nunca dorme.

 

Eu temo o largo mar rebelde, informe,

De vítimas famélico, sedento,

E creio ouvir em cada seu lamento

Os ruídos dum túmulo disforme.

 

Contudo, num barquinho transparente,

No seu dorso feroz vou blasonar,

Tufada a vela e n’água quase assente,

 

E ouvindo muito ao perto o seu bramar,

Eu rindo, sem cuidados, simplesmente,

Escarro, com desdém, no grande mar!

 

Cesário Verde  

Autoria e outros dados (tags, etc)

La musique

por Luísa Correia, em 11.05.14
(Lx Story Center)

 

 La musique souvent me prend comme une mer ! 

Vers ma pâle étoile, 

Sous un plafond de brume ou dans un vaste éther, 

Je mets à la voile ;

 

La poitrine en avant et les poumons gonflés 

Comme de la toile, 

J'escalade le dos des flots amoncelés 

Que la nuit me voile ;

 

Je sens vibrer en moi toutes les passions 

D'un vaisseau qui souffre ; 

Le bon vent, la tempête et ses convulsions

 

Sur l'immense gouffre 

Me bercent. D'autres fois, calme plat, grand miroir 

De mon désespoir !

 

Charles Baudelaire

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 06.05.14

 

Earth has not anything to show more fair:

Dull would he be of soul who could pass by

A sight so touching in its majesty:

This City now doth, like a garment, wear

The beauty of the morning; silent, bare,

Ships, towers, domes, theatres, and temples lie

Open unto the fields, and to the sky;

All bright and glittering in the smokeless air.

Never did sun more beautifully steep

In his first splendour, valley, rock, or hill;

Ne'er saw I, never felt, a calm so deep!

The river glideth at his own sweet will:

Dear God! the very houses seem asleep;

And all that mighty heart is lying still!

 

William Wordsworth, Composed Upon Westminster Bridge

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 27.04.14

 

(Bica)

 

[...]

não rodarás nas rotas como dantes, 

quer murmures, escrevas, fales, cantes, 

mas apesar de tudo ainda és nossa, 

e crescemos em ti. nem imaginas 

que alguma vez uma outra língua possa 

pôr-te incolor, ou inodora, insossa, 

ser remédio brutal, vãs aspirinas, 

ou tirar-nos de vez de alguma fossa, 

ou dar-nos vidas novas repentinas. 

enredada em vilezas, ódios, troça, 

no teu próprio país te contaminas 

e é dele essa miséria que te roça. 

mas com o que te resta me iluminas. 

 

Vasco Graça Moura, Lamento para a língua portuguesa

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 24.04.14

 

o teu rosto à minha espera, o teu rosto

a sorrir para os meus olhos, existe um 

trovão de céu sobre a montanha. 

 

as tuas mãos são finas e claras, vês-me 

sorrir, brisas incendeiam o mundo, 

respiro a luz sobre as folhas da olaia. 

 

entro nos corredores de outubro para 

encontrar um abraço nos teus olhos, 

este dia será sempre hoje na memória. 

 

hoje compreendo os rios. a idade das 

rochas diz-me palavras profundas, 

hoje tenho o teu rosto dentro de mim. 

 

José Luís Peixoto, Amor

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 21.04.14
(Da Mãe d'Água)

 

Nada o muy poco sé de mis mayores 

portugueses, los Borges: vaga gente 

que prosigue en mi carne, oscuramente, 

sus hábitos, rigores y temores. 

 

Tenues como si nunca hubieran sido 

y ajenos a los trámites del arte, 

indescifrablemente forman parte 

del tiempo, de la tierra y del olvido. 

 

Mejor así. Cumplida la faena, 

son Portugal, son la famosa gente 

que forzó las murallas del Oriente 

 

y se dio al mar y al otro mar de arena. 

Son el rey que en el místico desierto 

se perdió y el que jura que no ha muerto.

 

Jorge Luis Borges, Los Borges

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 18.04.14
(Graça)

 

Never give all the heart, for love

Will hardly seem worth thinking of

To passionate women if it seem

Certain, and they never dream

That it fades out from kiss to kiss;

For everything that's lovely is

But a brief, dreamy, kind delight.

O never give the heart outright,

For they, for all smooth lips can say,

Have given their hearts up to the play.

And who could play it well enough

If deaf and dumb and blind with love?

He that made this knows all the cost,

For he gave all his heart and lost.

 

W.B. Yeats

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 16.04.14
(Amoreiras)

Ficou o céu descorado… 
E a Noite, que se avizinha, 
Vem descendo ao povoado, 
Como trôpega velhinha. 

Para a guiar com cuidado 
Veio-lhe ao encontro a Tardinha, 
Não fosse a Noite sozinha 
Perder-se em caminho errado. 

Vão as duas caminhando… 
E como o Sol já não arde, 
Para o caminho ir mostrando 

A primeira estrela brilha… 
Então diz a Noite à Tarde: 
– Vai-te deitar minha filha.
 

Armando Côrtes-Rodrigues, Anoitecer

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 12.04.14
(Bairro Alto)

 

De tanto pensar na morte

Mais de cem vezes morri.

De tanto chamar a sorte

A sorte chamou-me a si.

 

Deu-me frutos duradoiros

A paz, a fortuna, o amor.

As musas vieram pôr

Na minha fronte os seus loiros...

 

Hoje o meu sonho procura

Com saudade a poesia

Dos tempos em que eu sofria...

— Que triste coisa a ventura!

 

Pedro Homem de Mello, Ironia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto-fitas do dia

por Luísa Correia, em 10.04.14
(Da Costa do Castelo)

 

devagar, o tempo transforma tudo em tempo. 
o ódio transforma-se em tempo, o amor 
transforma-se em tempo, a dor transforma-se 
em tempo. 

os assuntos que julgámos mais profundos, 
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis, 
transformam-se devagar em tempo. 

por si só, o tempo não é nada. 
a idade de nada é nada. 
a eternidade não existe. 
no entanto, a eternidade existe. 

os instantes dos teus olhos parados sobre mim eram eternos. 
os instantes do teu sorriso eram eternos.
[...]
 
José Luís Peixoto, Explicação da eternidade

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ad Amicos

por Luísa Correia, em 07.04.14
Em vão lutamos. Como névoa baça, 
A incerteza das coisas nos envolve. 
Nossa alma, em quanto cria, em quanto volve, 
Nas suas próprias redes se embaraça. 

 

O pensamento, que mil planos traça, 
É vapor que se esvae e se dissolve; 
E a vontade ambiciosa, que resolve, 
Como onda entre rochedos se espedaça.

 

Filhos do Amor, nossa alma é como um hino 

À luz, à liberdade, ao bem fecundo, 

Prece e clamor d'um presentir divino; 

 

Mas n'um deserto só, árido e fundo, 

Ecoam nossas vozes, que o Destino 

Paira mudo e impassível sobre o mundo. 

 

Antero de Quental

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não fora o Mar!

por Luísa Correia, em 26.03.14
(Castelo)

 

Não fora o mar, 

e eu seria feliz na minha rua, 

neste primeiro andar da minha casa 

a ver, de dia, o sol, de noite a lua, 

calada, quieta, sem um golpe de asa. 

[...]

 

Fernanda de Castro

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 24.03.13

(Em São Vicente de Fora...)

"Qui aimes-tu le mieux, homme énigmatique, dis? ton père, ta mère, ta soeur ou ton frère?
- Je n'ai ni père, ni mère, ni soeur, ni frère.
- Tes amis?
- Vous vous servez là d'une parole dont le sens m'est resté jusqu'à ce jour inconnu.
- Ta patrie?
- J'ignore sous quelle latitude elle est située.
- La beauté?
- Je l'aimerais volontiers, déesse et immortelle.
- L'or?
- Je le hais comme vous haïssez Dieu.
- Eh! qu'aimes-tu donc, extraordinaire étranger?
- J'aime les nuages... les nuages qui passent... là-bas... là-bas... les merveilleux nuages!"

(Baudelaire, "L'étranger")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Primavera

por Luísa Correia, em 21.03.13

(Da outra banda...)


"Il est des jours - avez-vous remarqué ? -
Où l'on se sent plus léger qu'un oiseau,
Plus jeune qu'un enfant, et, vrai ! plus gai
Que la même gaieté d'un damoiseau.

L'on se souvient sans bien se rappeler...
Évidemment l'on rêve, et non, pourtant.
L'on semble nager et l'on croirait voler.
L'on aime ardemment sans amour cependant

Tant est léger le coeur sous le ciel clair
Et tant l'on va, sûr de soi, plein de foi
Dans les autres, que l'on trompe avec l'air
D'être plutôt trompé gentiment, soi.

La vie est bonne et l'on voudrait mourir,
Bien que n'ayant pas peur du lendemain,
Un désir indécis s'en vient fleurir,
Dirait-on, au coeur plus et moins qu'humain.

Hélas ! faut-il que meure ce bonheur ?
Meurent plutôt la vie et son tourment !
Ô dieux cléments, gardez-moi du malheur
D'à jamais perdre un moment si charmant".

Paul Verlaine, "Impression de printemps"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 03.03.13

(Em Santa Catarina...)

"A tarde é de oiro rútilo: esbraseia.
O horizonte: um cacto purpurino.
E a vaga esbelta que palpita e ondeia,
Com uma frágil graça de menino,

Pousa o manto de arminho na areia
E lá vai, e lá segue o seu destino!
E o sol, nas casas brancas que incendeia,
Desenha mãos sangrentas de assassino!

Que linda tarde aberta sobre o mar!
Vai deitando do céu molhos de rosas
Que Apolo se entretém a desfolhar...

E, sobre mim, em gestos palpitantes,
As tuas mãos morenas, milagrosas,
São as asas do sol, agonizantes..."

Florbela Espanca

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 02.03.13


"Mora num beco de Alfama
e chamam-lhe a Madrugada.
Mas ela, de tão 'stouvada,
nem sabe como se chama.

Mora num' água-furtada
que é a mais alta de Alfama
a que o sol primeiro inflama
quando acorda à madrugada".

David Mourão-Ferreira

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 28.02.13

(No Castelo...)

"Il faut être toujours ivre. Tout est là : c’est l’unique question. Pour ne pas sentir l’horrible fardeau du Temps qui brise vos épaules et vous penche vers la terre, il faut vous enivrer sans trêve.
Mais de quoi ? De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise. Mais enivrez-vous.
Et si quelquefois, sur les marches d’un palais, sur l’herbe verte d’un fossé, dans la solitude morne de votre chambre, vous vous réveillez, l’ivresse déjà diminuée ou disparue, demandez au vent, à la vague, à l’étoile, à l’oiseau, à l’horloge, à tout ce qui fuit, à tout ce qui gémit, à tout ce qui roule, à tout ce qui chante, à tout ce qui parle, demandez quelle heure il est ; et le vent, la vague, l’étoile, l’oiseau, l’horloge, vous répondront : "Il est l’heure de s’enivrer ! Pour n’être pas les esclaves martyrisés du Temps, enivrez-vous sans cesse ! Du vin, de poésie ou de vertu, à votre guise".
(Charles Baudelaire, "Petits Poèmes en prose")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 26.02.13

"podes caber à larga e não à justa no elevador de santa justa,
não te leva a parte nenhuma no sentido utilitário normal,
mas é a nossa torre eiffel. faz a experiência. por sinal
é um caso em que não custa aprender à nossa custa:
variamente na vida e na ascese se flibusta,
e aprender à nossa custa é muito mais ascensional.

podes subir ao miradouro se a altura não te assusta:
lisboa é cor de rosa e branco, o céu azul ferrete é tridimensional,
podes subir sózinho, há muito espaço experimental.
noutros elevadores há sempre alguém que barafusta,
mas não aqui: não fica muito longe a rua augusta,
e em lisboa é o único a subir na vertical.

no tejo há a barcaça, a caravela, a nau, o cacilheiro, a fusta,
luzindo à noite numa memória intensa e desigual.
com o cesário dorme a última varina, a mais robusta.
não é para desoras o elevador de santa justa,
arrefece-lhe o esqueleto de metal,
mas tens o dia todo à luz do dia. não faz mal".

Vasco Graça Moura

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 24.02.13
(Em Santa Clara...)

"Sorriso audível das folhas
Não és mais que a brisa ali
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri e olha de repente
Para fins de não olhar
Para onde nas folhas sente
O som do vento a passar
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou
E estamos os dois falando
O que se não conversou
Isto acaba ou começou?"

Fernando Pessoa

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Lx

por Luísa Correia, em 11.02.13
(Alfama, Beco das Cruzes...)

"Crucificam-me e eu tenho de ser a cruz e os pregos.
Estendem-me a taça e eu tenho de ser a cicuta.
Enganam-me e eu tenho de ser a mentira.
Incendeiam-me e eu tenho de ser o inferno.
Tenho de louvar e de agradecer cada instante do tempo.
O meu alimento é todas as coisas.
O peso exacto do universo, a humilhação, o júbilo.
Tenho de justificar o que me fere.
Não importa a minha felicidade ou infelicidade.
Sou o poeta".

Jorge Luis Borges

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • António

    Duvido muito que a derrocada da PT não tenha impac...

  • Anónimo

    Apenas consigo perceber toda esta situação porque ...

  • Anónimo

    Concordo com o espírito do artigo e também gostari...

  • Anónimo

    O EMS está convencido que só ele é que sabe destas...

  • Luís Lavoura

    Eu gostaria de saber, se eu perguntar ao João Távo...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds