Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Socras.jpeg

 "Se essas ilegalidades se vierem a confirmar, serão certamente uma desonra para a nossa democracia. Mas se não se vierem a confirmar é a demonstração que o nosso sistema de justiça funciona". Esta foi a posição assumida por António Costa no Canadá sobre o tímido acesso de “vergonha de José Sócrates" assumido, mesmo que de forma ambígua, nesses dias pelos socialistas João Galamba ou Carlos César. Ontem no Parlamento, o 1º ministro insistiu no discurso que tem desde o dia da detenção de Sócrates (valha-lhe neste caso a coerência) sobre o "incómodo", colocando a ênfase na separação de poderes, que "Ninguém tem direito a julgar ninguém, a não ser os magistrados, na sede do processo penal".

Serve esta constatação para realçar que, a começar no seu líder, boa parte do Partido Socialista mentem-se em negação quanto às aldrabices e escandalosos factos vindos a público nos interrogatórios da Operação Marquês e que desvendam um regime promiscuo e profundamente doente. A coisa é tanto mais grave porque acontece num partido que está no governo com boa parte da equipa do antigo primeiro-ministro acusado. Nesse sentido, mesmo que oportunista ou tardio, honra seja feita ao reconhecimento da total falta de carácter do seu ex-namorado pela jornalista Fernanda Câncio. De facto, mais urgente para a nossa redenção como povo e democracia liberal é uma veemente condenação política dos desmandos e desgovernação de José Sócrates. O Partido Socialista deve-nos esse resgate moral num pedido de desculpas ao país, e nesse sentido o próximo congresso será uma oportunidade.   

Autoria e outros dados (tags, etc)

Relações perigosas

por João Távora, em 04.05.18

António Costa poderá sempre dizer em seu abono que nunca desconfiou da conduta de José Sócrates porque era só ministro dele, não seu namorado. Já a namorada do antigo 1° Ministro pode reclamar em sua defesa que nunca desconfiou da conduta dele porque não chegou a fazer parte do governo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A reabilitação de José Sócrates

por João Távora, em 27.04.18

capa_jornal_i_27_04_2018.jpg

A posição de Arons de Carvalho, que assume achar normal que um ex-primeiro ministro ande a receber envelopes com dinheiro “emprestado” de um amigo, reflecte uma coragem que muitos dos seus camaradas não têm, que se limitam a sussurrar sobre a violação do segredo de justiça, a substituição da procuradora e o “não jornalismo”. Arons de Carvalho vem apenas quebrar o ruidoso silêncio dos socialistas sobre a acusação a José Sócrates, numa demonstração de fidelidade ao seu mestre. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vejam as reacções...

por João Távora, em 12.10.17

Em 2011 a jornalista Susana Madureira Martins questionou o então líder socialista se este temia que a sua saída da vida política poderia abrir a porta a futuros processos judiciais. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Indecência

por João Távora, em 21.09.16

bandeira rasgada.jpg

Aquilo que se sabe da conduta e trapalhadas de José Sócrates seria mais que suficiente para que o PS, se fosse um partido decente, dele estabelecer uma ampla e higiénica distância. Claro que a sua "reabilitação" só acontece porque os socialistas mediram as consequências e sabem que este não é um País decente - digo-o com tristeza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A corrupção boa

por João Távora, em 21.03.16

 (...) Se o potencial corrupto é “um dos nossos” trata-se invariavelmente de uma cabala; se o potencial corrupto é um adversário político, deve ser linchado. Este maniqueísmo, que corrompe a inteligência, está espalhado na sociedade e atravessa todos os quadrantes políticos. É evidente que vive da enorme tolerância com que, tanto em Portugal como no Brasil, as elites convivem com o fenómeno da corrupção.

Em Portugal, o caso Sócrates foi exemplar a este respeito. (...)

 

Ana Sá Lopes sem papas na Lingua hoje no Jornal i 

Autoria e outros dados (tags, etc)

José Sócrates estreia nova temporada

por João Távora, em 24.10.15

Sócrates.jpg

Reduzidas as medidas de coacção ao mínimo, e terminado o prazo legal para a conclusão do inquérito judicial sem uma acusação, José Sócrates encontra-se em condições excepcionais para fazer aquilo que mais gosta: actuar sob as luzes da ribalta. A estreia da nova temporada dá-se hoje em Vila Velha de Ródão

Com extraordinários dotes de retórica e um ego alucinado, o “animal feroz” que com inaudita determinação conduziu os destinos do País ao descalabro financeiro, confronta-se hoje, não já com a sua sobrevivência política que é um caso perdido, mas com o desfio da sua defesa na justiça. Uma oportunidade para protagonizar uma novela de grande audiência em que, respeitando um minucioso guião, se vai dedicar a gerir os danos infligidos na sua fustigada reputação. Independentemente do desenlace, para a história constará que foi o primeiro-ministro que levou o país à falência, e que depois foi para Paris viver à grande e à francesa, à custa dos milhões dados em espécie por um amigo que geria uma empresa com negócios com o seu governo. Como foi possível semelhante personagem entrar na História do meu país ao tempo da minha geração, é para mim uma pergunta perturbadora.

 

Publicado originalmente no Diário Económico

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como puder...

por Vasco M. Rosa, em 19.10.15

O anúncio de uma entrevista televisiva de JS merece ponderação.

Vai falar como «animal político» ou como «suspeito de actos ilícitos graves que espera por uma acusação»?

Pela primeira escolha, o interesse é reduzido, pois ele é e será um actor muito condicionado pelo desenrolar do processo judicial que sobre ele pende. Só um número muito reduzido de fiéis alucinadas e alucinados (não incluo os transgéneros!) não cederam entusiasmo diante de indícios deveras comprometedores. E isso torna o seu comentário da cena actual coisa de somenos, onde só se deve esperar o costumeiro revanchismo, azedume e a fúria por não ser de novo número um. 

Pela segunda, parece igualmente reduzido pois só poderá repetir as declarações produzidas ao longo de meses de prisão preventiva, em Évora. E desse espectáculo mediático, já estamos todos bem cansados e fartos. Não é por aí que nos convencem de inocênciais virginais.

E atendendo ao facto de (sem rendimentos próprios) JS ter contratado um adido de imprensa (3, 4000 € ao mês?!), que pode explicar tudo o que ele quer dizer, não se vê vantagem nesse exercício de puro narcisismo a não ser exponenciar a audiência dum canal de televisão, em detrimento de outros.

Mesmo assim, parece-me bem.

O país ficará a conhecer melhor a «confiança» que certas figuras merecem e as razões que as movem, a ambição do poder e dos negócios. O excesso de realidade «faz bem à tosse»...

Quem não tem canais de ficção científica, crime, e séries policiais, vendo tal entrevista pode sempre imaginar-se num mundo norte-americano ou antigo, mas atenção, JS é de aqui e agora e importa saber acerca dele tudo e mais alguma coisa.

Só depois, que ele se defenda como quiser. E puder.

Até lá...

 

images.jpeg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A nódoa que fica

por Vasco M. Rosa, em 08.06.15

images.jpeg

A carta de JS coloca-o numa certeza patológica que incomoda até aqueles que o abominam. Quando começarem a ser conhecidas as conclusões das inquirições policiais, quero ver que atitude tomam aqueles fiéis apoiantes que o idolatram acima de quaisquer evidências. Não há amigos que emprestem milhões. E só a megalomania febril dum prepotente seria capaz de se convencer de que tudo lhe assiste e nada precisa de ser escrutinado pela justiça. Agora faz o seu jogo, mas quando o martelo do juiz decidir a sentença vamos ver então quem se cala e quem se envergonha. No seu delírio, é provável que ele nunca se arrependa do que disse ou fez. Mas nós ficámos todos com a nódoa da presença dum político que não se recomenda.

Alguns amigos dele são «do melhor»...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Afeições

por João Távora, em 08.06.15

José Sócrates ao fim de seis meses já sofre do Síndrome de Estocolmo: não quer sair da prisão de Évora

Autoria e outros dados (tags, etc)

"O Povo a entristecer, por te saber magoado"

por João Távora, em 18.03.15

Imeginem que um recurso resgata este homem e o trás para Lisboa a tempo da campanha eleitoral. António Costa se não reza faz figas para que Sócrates se mantenha em preventivo sossego. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dito de outra forma...

por João Távora, em 23.11.14

Que o "regime" não é bom já sabemos, mas as alegadas trafulhices de José Sócrates descredibilizam-no unicamente a ele e aos seus indefectíveis. Pretender pôr tudo e todos no mesmo saco é prestidigitação política de intenções duvidosas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Silêncio ruidoso

por João Távora, em 23.11.14

Falta-nos ouvir a vigilante Dra. Ana Gomes falar sobre a promiscuidade entre a política e os negócios, offshores e corrupção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do processo "O Povo contra José Sócrates" (7):

por João Távora, em 21.10.11

 

Debate Legislativas 2009 | 12/09/2009 | José Sócrates (PS) Manuela Ferreira Leite (PPD/PSD).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta notícia

por João Távora, em 01.09.11

 

No mínimo é intrigante

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em Paris é um descanso

por Vasco M. Rosa, em 06.07.11

O prometido é devido. O mais regular dos corta-fiteiros sai da sua toca de urso hibernado e a primeira coisa que diz é que vale a pena voltar a Portugal com José Sócrates posto a correr, o que é um alívio, uma promessa primaveril. Brindemos, queridos amigos, a essa libertação! Uf— que bem precisávamos disso!!! Mas atenção: JS não precisava de ir «estudar» filosofia em Paris, fingindo-se um MMC que ele nunca será; podia e devia oferecer o corpo às balas (como S. Sebastião às flechas, quem sabe se um ícone motivador!) e aceitar, por uma vez, sem manipulações, a quebra da sua imunidade especialíssima para deixar em pratos limpos ou partidos todas as suspeições levantadas ao longo de dois mandatos sobre o seu envolvimento ou não em negócios disto ou daquilo, e até para que se esclarecesse sem pudor a gastança protocolar que se permitiu enquanto governante. Que desse a cara, que se deixasse interpelar na rua ou na esquina por cidadãos perplexos e furiosos pelo imenso imbróglio em que nos deixou. Que, destituído da tirania que impôs ao seu partido, ouvisse enfim as lamentações do que ali ainda são gente. Que se debruçasse até sobre a incongruência das suas políticas e promessas sobre cultura, ambiente e ordenamento do território, estas duas reminiscências dum passado de político ambicioso e nada mais, porque o país, a pátria, foi apenas um trampolim para as suas piruetas de provinciano chique visando alcançar a Europa, as cimeiras, as lojas exclusivas da Costa Leste! Mas não, em Paris sente-se a salvo, ou tem ideia disso, e embora não fale a língua nativa, há-de comprazer-se e ufanar-se em ser reconhecido por basbaques como um político europeu, o que afinal é muito pouco, como se sabe.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carte a Segoléne Royale

por José Mendonça da Cruz, em 16.06.11

Cher madame

 

Je vus ecri en françois técnique pour demander de me trouver une place pour aprendre filosofie à Paris. J`ai decidé de vous contacter pour obtenir um petit avantage comme on fais en bons socialistes, meme si vous etes royale et moi republican (ah ah ah).

 

Je vais etre um grande tromphe pour votre academie, car je m`apele Socrates et je serais une grande inspiration pour professeurs et eleves même si je suis en plein moyen age et je n`ai toujours pas bu la cicute (ah ah ah).

 

Vous pourrez peut-etre demander au recteur  de me arranger un curriculum moins chargé. Je ne necessite pas de aprendre Filosofie Antigue, a cause de mon nom. Je ne necessite aussi de aprendre Filosofie du Conheciment, car je connais tout le monde. Je ne necessite non plus de aprendre Cience politique, car jai eté premier ministre du Portugal et jai toute la cience politique quil faut. Et je ne necessite aussi de savoir Etique car personne connait mieux la Etique que ce que la fuit tous les jours. Et comme la Logique est une batate (ah ah ah), je ne necessite de l`etudier aussi.  Donc je crois pouvoir faire la licenciature en un an, ce que sera bien plus que le temps de me faire ingenieur.

 

Comme vous aurez des elections en bréve je pourrais aussi vous aider, car je sai tout de machines et propagande, et vous non. Je le ferais bien plus entusiastement  si vous me trouvez un apartement au XVI que je ne sais pas ce que c`est exactement, mais Maria me dit que ça irai bien avec moi.

 

Je vous abrace cordialement

 

José

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma mão lava a outra

por Maria Teixeira Alves, em 09.06.11

Solidariedades suspeitas:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Derrotado

por José Mendonça da Cruz, em 05.06.11

Adeus grande dinamismo, capaz de percorrer a distância entre a promessa de 150 000 empregos e a certeza de 900 000 desempregados, uma taxa de desemprego de 12,6%, a pior desde que há registo. Adeus grande humorista que disse, famosamente, que uma taxa de desemprego de 7,1% é bem o sinal de uma governação falhada - e aos 10% ainda ficou. Adeus também em nome maior vaga de emigração dos últimos 50 anos, e adeus pelos mais de 7000 inscritos nos centros de emprego que todos sairam do país e não podem dizer adeus pessoalmente. Adeus vigor que levou a nossa dívida externa desde os 40% do PIB de 1995 até aos 230% de hoje. Adeus determinação que ergueu a dívida pública até aos 100% do PIB. Não contando com os 60 mil milhões de euros das PPPs, que são 35% adicionais. E não contando com as dívidas das empresas públicas que são mais 25% do PIB. Adeus grande experiência e rigor, capaz de prever em Julho de 2009 que o défice ficaria em 5,9% - mas afinal foi 9,4% -, e capaz de prever que o défice de 2010 ficaria «bem abaixo dos 7,3%» - mas final foi quase 10. Adeus patrono de 349 institutos públicos e não sei quantas fundações, mais não sei quantos milhares de boys, mais não sei quantos milhões em soldos. Adeus grande educador que deixa a terceira pior taxa de abandono escolar da Europa, centenas de carcassas de Magalhães, e Novas Facilidades em todos os graus de ensino. Adeus campeão do estado Social, que taxou o SNS, cortou salários, reduziu pensões, retirou subsídios aos desempregados. Adeus optimismo capaz de ver crescimento recorde onde afinal estava recessão. Adeus habilidade para assinar um acordo de ajuda internacional, e depois jurar em público que não subscreveu o que subscreveu. Adeus malabarista de prazos, adeus jongleur contabilístico. Adeus, grande propagandista. Adeus, grande homem de que a história se vai rir: tão pernicioso, tão incapaz, tão mau que acabou a proporcionar a Portugal a liberalização que ele e os socialistas diziam abominar.

Obrigado pelo obus no vosso pé.

Pronto. Vai-te lá embora. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E depois do adeus...

por João Távora, em 02.06.11

 

O que irá acontecer ao colectivo Abrantino e à sua Câmara Corporativa depois 5 de Junho? Considerando que os dias seguintes serão certamente dedicados à limpeza de gabinetes e cuidadosa eliminação das pistas comprometedoras, estaremos então à beira duma grata despedida. A não ser que os rapazes arranjem maneira de continuar o seu empreendimento, pro bono em pós laboral. Afinal hoje é fácil ter um pc e ligação à internet em casa!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • pitosga

    Henrique Pereira dos Santos,por esta e por outras ...

  • Narciso Baeta

    A estupidez é uma cegueira do espírito: não mata...

  • Narciso Baeta

    A estupidez é uma cegueira do espírito: não mata...

  • Narciso Baeta

    Sem Deus a natureza do homem é procurar o que é ...

  • Isabel

    Ha muito que digo, para escândalo de alguns, que p...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D