Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dos novos tempos

por João Távora, em 06.05.16

A grande conquista do camarada Mário Nogueira de se cortarem os apoios ao ensino particular e cooperativo, não se chama austeridade?

A nova ordem

por João Távora, em 29.11.15

igualdade.jpg

Se os exames do primeiro ciclo provocam ansiedade e acentuam a discriminação das crianças desfavorecidas, o que dizer dos erros ortográficos? O meu filhote pequeno que o diga, as lágrimas vêem-lhe aos olhos sempre que lhe corrigimos um. A caligrafia, essa é uma causa perdida. Não será a escrita afinal um elemento opressivo da livre expressão e criatividade da miudagem, um obstáculo à sua afirmação entre iguais? Consta que alguns sistemas de ensino já adoptaram esta filosofia igualitarista, em prol da felicidade e bem-estar dos fedelhos. Como se a felicidade não fosse acima de tudo um dom ou uma aprendizagem empreendida por cada pessoa no seu interior justamente na superação das dificuldades. No mesmo sentido a “retenção”, uma designação benigna e simpática atribuída ao antigo “chumbo” que tanto pesou como ameaça nas cabeças de alunos cábulas como eu, há muito está em vias de ser banida como instrumento pedagógico. Porque não se lembraram ainda estas sumidades libertar a comunidade da repressão da matemática? Afinal é a aritmética a base ideológica da austeridade, e as contas de multiplicar a ferramenta preferida do capitalismo. Depois, o resultado exacto e indiscutível de uma conta de diminuir pode significar uma violência traumática para o inocente infante. Claro que os números podem servir sempre para a recriação da criançada, disponibilizados em peluche para serem apertados com muito carinho ou arremessados uns aos outros como numa luta de almofadas. De caminho, sugiram-se também medidas preventivas em relação à capacidade de concentração, definitivamente um atributo a reprimir entre os alunos, por ser profundamente discriminatória quanto aos resultados da aprendizagem. Pior ainda se essa qualidade for associada à eloquência e à criatividade - não estaríamos nós na iminente ameaça de um perigoso cidadão autónomo e livre?

Tags:

Igualdade

por João Távora, em 08.08.14

Parece-me óbvio que, como refere Roger Scruton em “As Vantagens do Pessimismo”, a igualdade como principal desígnio do ensino só será plenamente alcançada eliminando escrupulosamente qualquer intenção de instruir. Só quando estiver instituído um “objectivo zero” de saber, os alunos sairão finalmente todos iguais. Mas mesmo assim suspeito que um mínimo de discriminação será sempre necessária à escola, por forma a moderar os danos da alarvidade e da força bruta que ascenderá ao topo da cadeia hierárquica.

Cheques-ensino

por João Távora, em 15.09.13

A esquerda conservadora é contra um sistema de "cheques-ensino" que permita aos mais pobres escolher a escola para os seus filhos. Como se tivessem medo de ver a plebe invadir os colégios que julgavam reservados aos seus filhos.

 

(Adaptado da crónica de Rui Ramos no Expresso). 

O país das amplas oportunidades

por João Távora, em 21.02.12

 

Soube por uma sobrinha minha (já crescida) forçada à via sacra do ensino obrigatório, que este ano num desses cursos alternativos frequenta uma cadeira chamada “Cidadania e Empregabilidade”. A bem ou a mal, no fim de tudo terá diploma do 12º ano, um savo-conduto para coisa nenhuma.

Tags:

Aqui e ali

por Vasco M. Rosa, em 31.10.11

Verdadeiramente surpreendente para mim, a reacção tempestuosa com que duas dúzias ou mais de professores comentaram em rajada um post meu que reclamava por a uma sexta-feira dois professores univesitários faltarem às suas aulas em vésperas de um fim de semana prolongado.

Dei-me conta de duas coisas: a primeira que se trata de uma classe profissional ainda à beira dum ataque de nervos, a precisar de um reconhecimento social que no entanto não lhe pode advir sem provas dadas numa actividade certamente muito exigente mas também especialmente nobre, a que todos eles aderiram conscientes certamente do que teriam pela frente, mas parece que não...; alguns comentadores chegaram ao extremo de dispararem contra quem não conhecem insultos covardes, numa exacerbação que cria perplexidade; a segunda é que em nenhum dos comentários recebidos encontrei uma vontade de servir a Escola e a sociedade, seguindo ao invés aquela lógica insana de que se tem um emprego e não um trabalho a cumprir, o que significa esforço, até muito esforço.

Não houve um único que além das aulas e dos testes a corrigir, que lhes ocupam os fins de semana, falasse do tempo indispensável à leitura e actualização bibliográfica das matérias que administram, o que faz todo o sentido, obviamente. Nada como aquelas universidades em que o padrão de exigência para todos não deixam a mínima dúvida a ninguém!

Tags:

A ignorância instrumental

por João Távora, em 26.07.11

 

Não é propriamente inédito, broncos com uma licenciatura sempre os houve. Como dizia o meu sogro, médico pneumologista em Sintra, foi com incredulidade que no seu tempo testemunhou alguns terem terminado cursos superiores.
O fenómeno da massificação artificial da instrução implementada nas últimas décadas acabou por ser a forma mais eficaz de acabar definitivamente com qualquer veleidade sobre o mérito ou nobreza da academia.
Definitivamente não era este o sonho daqueles nossos antepassados que idealizaram uma sociedade mais equitativa e livre, justamente porque moldada pela democratização do conhecimento e da erudição. Acontece que o capricho igualitário produziu hordas de inscientes e inúteis licenciados em cursos que sabe Deus para que servem. Revoltados, alguns serão sempre úteis para aderirem a demagógicas quimeras revolucionárias. Sem as mais básicas noções da História do seu país, aritmética ou ortografia. Mas o que me parece mais grave nem é isso: é a constatação de que esta ludibriada geração, através dos modelos de mediocridade pop que lhe são fornecidos pelos Media, jamais terá oportunidade de reconhecer essa sua fatídica circunstância.

Bem prega frei Tomás...

por João Távora, em 02.05.11

 

 

  

"Se estes investimentos (na escola pública) são desnecessários e sumptuários, pergunto onde é que o líder do PSD quer investir. Talvez na ignorância?", perguntou ontem José Sócrates, durante uma visita à Escola Secundária Hortênsia de Castro, em Vila Viçosa, recentemente. (…)

Não deixa, porém, de ser curioso ter em conta que são os dois filhos do primeiro-ministro, Eduardo e José Miguel, que frequentam o ensino privado, nomeadamente os colégios Moderno e Alemão. Ao passo que as duas filhas mais velhas do líder social-democrata, Joana e Catarina, estão em estabelecimentos públicos. (...)

 

Texto e foto Correio da Manhã

Tonterias

por José Mendonça da Cruz, em 25.01.11

 

Hoje, a ministra da educação veio fazer críticas à la Sócrates - ou seja, com uma desonestidade intelectual desbragada e sem pudor - às escolas privadas que protestaram por terem sido revistos à pressa e unilateralmente pelo Estado os contratos de prestação de serviços. Diz a senhora que as crianças foram manipuladas, que é feio manipular crianças (o que é uma curiosa noção, por parte de quem chefia uma das mais manipuladoras e incompetentes burocracias nacionais). Mais diz a senhora que a escola pública só educa, sem ter, como a escola privada, «vantagens comerciais».

Chegados aqui, torna-se obrigatório perguntar qual das duas é que é uma: a senhora é tonta ou toma-nos por parvos? É que, afinal, a escola pública é alimentada com o dinheiro de quem? Escapou-lhe o pormenor, minha senhora? Ainda queria que tivesse «lucros» (como alguns idiotas dizem que tem a RTP), os quais nesse caso significariam um imposto?

E estas palermices passam nos telejornais sem um sobressalto dos jornalistas?

E jornalistas, ainda há?

 

Tags:

A alçada do regime

por João Távora, em 01.08.10

 

Parece-me sinistra a veleidade socialista de suprimir os chumbos, que na senda dum igualitarismo ilusório, descredibiliza de vez o ensino e a diferenciação pelo mérito. É deplorável como esta canalha dos direitos adquiridos que anda há anos a consumir a seu bel-prazer a riqueza das gerações futuras, pretenda agora penhorar a esperança dos que acreditam na instrução e no esforço como forma de mudar alguma coisa num difícil destino.

Esta é a formula que garante ao proeminente Estado a alçada dos tachos para distribuir à seita do costume, que por estatuto ou favor estará na linha da frente para uma boa cunha e um bom poleiro. Os outros, mais ou menos impreparados, terão todos fartas e inúteis habilitações académicas.

Tags:

O advento da modernidade

por João Távora, em 06.06.10

 

A sala de aula já não é o espaço mais importante da escola, acredita a Parque Escolar. A arquitectura poderá transformar o ensino?

Não obrigado: para estragar mais não é preciso. Demolido o professor, substituído pelo amigalhaço, faltava acabar com a sala de aula, essa inutilidade. Devagar para não dar muito nas vistas. E ao final de contas, quando todos forem igualmente ignorantes e cábulas a “questão” será finalmente administrativa.

O 25 de Abril ensinado às crianças

por João Távora, em 24.04.10

"É preciso ensinar às crianças o que foi o 25 de Abril. É urgente. É uma questão de cultura democrática. Está em causa... o 25 de Abril."
(…) Convenhamos que é difícil deixar ao sistema nacional de educação essa função. E isto porque o 25 de Abril ainda é uma questão de educação. Política, é certo, mas não está suficientemente frio para ser um facto histórico. É uma opinião. E cada um tem a sua, que até pode ser diferente da que tem a professora dos seus filhos.
Por isso é que chegados a esta época do ano, sinto alguma angústia quando os deixo na escola. Assim, sozinhos. Sem que eu possa exercer o democrático direito ao contraditório. Socorro!

 

Inês Teotónio Pereira no Jornal i

 

Depois de num dia de Outubro, a minha filha de oito anos ter chegado da escola cheia de confusões na cabeça, e eu lhe ter explicado pacientemente que Liberdade Igualdade e Fraternidade era um lema da sanguinária revolução francesa e não uma consequência da instauração república portuguesa, que a igualdade do cidadão perante a lei era uma conquista da constituição de 1826, quando em Portugal se funda o sufrágio popular que se manteve indirecto e se viu mais restrito após a república, que a liberdade de imprensa e de manifestação só foi profundamente ameaçada após o 5 de Outubro; foi a vez de ontem me ver na contingência lhe explicar as virtudes dos primeiros anos do Estado Novo e que a primavera e as calças de ganga já existiam antes da revolução dos cravos. Esclareci-a sobre o 25 de Abril, e suas consequências imediatas: tomada de poder da esquerda radical e descolonização desastrosa. E que nesses tempos muita gente inocente teve que viver “às escondidas”. Por fim expliquei-lhe que a Liberdade prevaleceu apesar dos revolucionários. E que a Liberdade é o nosso mais precioso bem, e que nem sempre está onde parece ser mais evidente.

A Educação das Criancinhas

por João Távora, em 05.04.10

 

 

No âmbito de mais um remendo curricular no Ensino, a nossa excelsa ministra da educação sugeriu há dias, por causa do elevado número de disciplinas no terceiro ciclo (7º, 8º e 9º anos), a luminosa ideia de passar as de História ou Geografia para cadeiras semestrais “ou então mantê-las anuais” - sic. Melhor do que esta espantosa “não ideia” talvez seja a minha sugestão: acabe-se mas é de vez com o ensino de História a menores de dezoito anos. A começar na primária, esta matéria é tratada como um instrumento de propaganda para catequizar as sugestionáveis criancinhas, uma caldeirada de lugares comuns e preconceitos, uma luta de classes simplificada, cheia de vilões e vitimas e um final feliz que canta todos os anos em Outubro e Abril. Tenho para mim que, nestes estouvados tempos que vivemos, a História, como a Educação Sexual, deveria ser matéria exclusiva e higienicamente ministrada em casa, pela família. Assim dava-me menos trabalho "a arrumar" aquelas adoráveis cabecinhas.

Tags:

Rupturas

por João Távora, em 19.03.10

 

A escola não educa, ensina, (...) é esse o seu fim. Ponto. A escola não é uma instituição de acolhimento, é um estabelecimento de ensino. Se os meninos não querem ser ensinados, não querem aprender e não deixam que os outros sejam ensinados, devem ser obrigados através de regras, sanções e incentivos. através de um programa, de um plano. Se mesmo assim continuam a não querer e a não respeitar, devem sair pela porta onde entraram. Azar. (...)

 

Inês Teotónio Pereira daqui

 

 

83% dos professores foram classificados com "Bom" no último ano lectivo. Faltam só 17%. 

 

Recebi unilateralmente – pois! – a excelsa classificação de Bom. Assim mesmo, redondo e objectivamente situado no 7. A escala é de 1 a 10. Fiquei contente? Não! É que para além de não ter entregue os objectivos individuais (o director fê-lo por nós), também não fiz o relatório critico de outros tempos, já não precisamos tão-pouco de mostrar que sabemos escrever: à cruzita é mais rápido. O facto é que do céu caiu um "Bom". (...)

 

Júlia Baptista, Professora no jornal I 

Tags:

O país das maravilhas

por João Távora, em 06.01.10

 

Oitenta e três por cento dos professores foram classificados com "Bom" no último ano lectivo. 

Tags:

Cheios de prosperidade

por João Távora, em 30.12.09

Enquanto os telejornais, com reportagens e entrevistas, dão a extraordinária notícia de que, apesar das expectativas, o mau tempo não trouxe cheias, vitimas, ou prejuízos de monta, ficamos a saber que as negociações entre o ministério e os sindicatos de professores falharam uma vez mais.

O filme repete-se, o indomável monstro conhece a sua força e o jogo está viciado: os docentes do Estado, por obscuro mérito uma classe inimputável, manterá para sempre as regalias dum posto vitalício e sem sufrágio.  Nesta amálgama, pelos maus pagam os bons e os bem intencionados. O país, esse, continuará a fingir que se aprende nas escolas públicas e que o ensino é acessível a todos os cidadãos.

O grande embuste

por João Távora, em 16.12.09

O meu rapaz mais velho que está este ano no 12ª ano tem Psicologia como cadeira opcional, uma daquelas para encher balões e que não contam para os exames. A leccionar a cadeira saiu-lhe na rifa um personagem animadíssimo que se reclama Astrofilósofo (o quer que isso seja), assunto sobre o qual disserta nas aulas e escreve numa publicação popular. 

Entre as várias afirmações bombásticas deste senhor que chegam em conversa à mesa de jantar lá de casa, estão verdadeiras pérolas da incultura vigente: que as religiões são todas perversas, ou que ele  não está ali para ensinar a matéria mas para fazer dos seus alunos “melhores pessoas”. Lindo serviço este que estamos a patrocinar com a nossa anuência e os nossos impostos. 

 

Tags:

Deitar os foguetes e apanhar as canas

por João Távora, em 24.08.09

Não entendo a razão "da festa" da senhora ministra: num país atrasado como o nosso, com os níveis de iliteracia que se lhe reconhecem, em que a função formadora e educativa do ensino público é a última das suas prioridades, segurar a todo o custo os alunos dentro do sistema só contribui para avolumar o seu descrédito. 

Sei bem por experiência em que género de actividades se ocupa grande parte dos alunos “difíceis” que frequentam programas especiais “de retenção”. Sei bem como a escola pública que não premeia o mérito, se pode tornar num eficaz veiculo promotor da irreverência gratuita e da irresponsabilidade. Por mim garanto-vos que farei tudo, mas tudo o que puder, para adiar tanto quanto me for possível a experiência do ensino oficial aos meus miúdos mais pequenos. 

 

Também publicado aqui

Tags:

A génese da nossa regeneração

por João Távora, em 07.08.09

Todos conhecemos as infra-estruturas de ensino construídas nas grandes cidades ao tempo da monarquia liberal. Todos reconhecemos pela sua traça característica o múltiplo equipamento construído pelo Estado Novo, ainda hoje parcela decisiva na oferta nacional. O abarracamento pré-construído é o estilo que marca o pós 25 de Abril em matéria de construção escolar onde impera o pladur e a cobertura lusalite ou argibetão.  De facto no período democrático da república as prioridades foram as auto-estradas, centros comerciais e estádios de futebol. Passados mais de trinta anos, com um parque escolar muito degradado, começa-se finalmente a notar sinais de mudança com o anúncio de muitos milhões para a sua recuperação. E haverá com certeza mais boas notícias: por exemplo no Estoril foi recentemente inaugurada a escola básica nº 1 de Alapraia, unidade modelar até do ponto de vista arquitectónico.

Mas em matéria de ensino, onde se joga o futuro e a proficiência da nação, fica ainda a faltar a aposta mais difícil, porém decisiva: a reconstrução das escolas por dentro, na sua vocação e substancia. Desafio para o qual o regime não tem força ou vontade.

 

Em férias: texto repescado daqui



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    E golpes de Estado só o 28 de maio, não é?PP

  • Anónimo

    estatísticas do iné

  • Anónimo

    manuela eanes não diria melhor

  • Luís Lavoura

    Pode ser um dos atos mais anti-naturais do mundo, ...

  • Anónimo

    " a monstruosidade de abandonar o filho à morte nã...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds