Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Burro velho não Estrumpfa línguas

por João Távora, em 12.08.11

Enquanto as “boas notícias” dos “cortes nas despesas do Estado” são proteladas pelo ministro das finanças quiçá para a rentrée, estrumpfemos entretanto de coisas sérias: só há dias realizei a estranha opção do rebatismo dos Estrumpfes para o publico português, os celebrizados gnomos azuis do ilustrador Belga Peyo, como um facto consumado. Tratou-se, segundo consta, duma miserável exigência imperialista dos produtores do filme que ontem estreou para a garotada. O problema é que não se trata apenas de mudar radicalmente o nome duns personagens, é toda uma linguagem com verbos, substantivo e tudo o mais, que é literalemente deitada ao lixo. O meu filho de quatro anos que está numa excitação por causa da campanha publicitária, já me informou com sobranceria, que “eles agora são os Smurfes, pai”. Uma estocada no meu coração, um precoce mas profundo buraco no nosso inevitável generation gap (tenho idade para ser avô dele).

Como não sou jornalista, não devo fidelidades a nenhuma distribuidora de cinema e e não recebi nenhum press release, estrumpfarei coerentemente a chamar Estrumpfes àquelas adoráveis criaturinhas que não resistem aos presentes explosivos do Estrumpfe Brincalhão que lhes estrumpfam na cara de quatro em quatro páginas.

O álbum "A Flauta dos Seis Estrumpfes" de 1958 da série "Johan et Pirlouit" foi um dos livros que mais vezes reli na minha remota infância. Fascinava-me e revia-me naquele simpático e elegante cavaleiro, de olhos fundos com o seu leal e disparatado pajem montado num bode. É nesse ambiente mágico medieval que aparecem pela 1ª vez os pequenos gnomos azuis de collants e capuz brancos, ainda num traço oval distante da forma com que se viriam a impor em aventuras autónomas. Claro que toda a obra está esgotadíssima, valorizada nos alfarrabistas, e tudo o que eu possa argumentar sobre a verdade dos Estrumpfes, do Grão Estrumpfe, do Estrumpfe brincalhão, da amorosa Estrumpfina, dos inesquecíveis álbuns “Os Estrumpfes Negros” e “O ovo dos Estrumpfes” ninguém cá em casa vai acreditar. Certo, certo, é que vou levar as crianças ao cinema um dia destes, mas quanto ao nome deles decido-me pela desobediência civil. Mesmo que isso me custe desdém e incompreensão. Definitivamente burro velho não Estrumpfa línguas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinquenta anos a estrumpfar

por João Távora, em 07.07.08

 

 

Descubro pelo Diário de Notícias de hoje que os Estrumpfes, aqueles simpáticos duendezinhos azuis, estrumpfam este ano meio século de existência. Da autoria de Peyo (1928-1992), esta fabulosa série de banda desenhada nasce quando aqueles minúsculos seres emparceiraram uma divertida aventura de Jean et Pirlui, dois prazenteiros escudeiros medievais em La Flûte à Six Schtroumpfs. Foi tal o sucesso dos personagens que logo ganharam autonomia iniciando-se assim uma bem sucedida série com o álbum Les Schtroumpfs noirs. Os Estrumpfes, iluminaram a minha infância, sempre estrumpfando contra os maus, cortejando a bela Estrumpfina, e de caminho colhendo um pouco mais de Salsa Parrilha (o que quer que isso seja) para gulosamente se estrumpfarem. 

Gloriosos bonequinhos estes, que as americanas técnicas de animação jamais conseguiram dignificar: eu fico-me pelos coloridos e graciosos álbuns que ainda hoje me fazem sorrir e encantar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bonecada divertida para todos

por João Távora, em 29.05.08

Decorreu ontem no Palácio das Galveias o lançamento de “ZU - Grande Jogo!”, mais uma aventura do gato Zu da autoria do José Abrantes agora publicado pela editora Boa Imagem. Pena minha, não encontrei lá o João Villalobos, talvez porque não havia croquetes. Mas ele que saiba que foi servido um agradável buffet que incluía sushis, queijos variados e outras iguarias fantásticas.

Quase sempre ofuscada pela Banda Desenhada industrial de importação, "pronta a publicar" por meia dúzia de cêntimos pelas grandes editoras, nem sempre é fácil encontrar a produção nacional nos escaparates das livrarias. O facto é que poucos conhecem este simpático personagem infantil, um gatinho azul, que na companhia dos seus amiguinhos e de um fascinante lápis mágico transporta-nos para um mundo divertido e fantástico de que todos somos fãs lá em casa. O gato Zu, a namorada Milai, o preguiçoso Tobias e os pilantras  Murcão e Rosnão, são há muito cúmplices companheiros de infância dos nossos miúdos.

Durante anos pressionei o José Abrantes (que é meu irmão) para que não desistisse desta série divertida à qual os miúdos aderem entusiasticamente. Ontem foi a confirmação da boa noticia: uma nova série do gato Zu está no prelo da Boa Imagem, de modo que os miúdos e graúdos poderão continuar a seguir divertidos as peripécias destes simpáticos personagens. Espero que com o necessário reconhecimento e sucesso comercial.

 

Informação complementar: o supracitado livro, assim como reedição do 1º volume da colecção, estará disponível na Feira do Livro, na banca EDIÇÃO DE AUTORES instalada na tenda PEQUENOS EDITORES.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O Domínio dos Deuses

por João Távora, em 29.04.08

Concordo com o João Villalobos, que se me antecipou na escolha do melhor álbum do Asterix: o Domínio dos Deuses é o meu preferido. Em francês, para nos deliciarmos com os trocadilhos e com o insuperável sentido de humor de Goscinny.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A Zaragata

por Pedro Correia, em 29.04.08

Este é o meu álbum favorito do Astérix. E qual é o vosso?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Voo 714 para Sydney

por Pedro Correia, em 21.04.08

Este é o meu álbum favorito do Tintim. E o vosso?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Qualquer dia vai tudo para a fogueira

por João Távora, em 13.07.07
Tem chamada de capa no DN de hoje: O álbum Tintim no Congo foi proscrito das prateleiras de livros infantis em Inglaterra. Acusada de racista, pela Comissão pela Igualdade Racial da Grã-Bretanha (CRE), esta história de BD infantil, desenhada nos anos 30 por Hergé, reflecte um discurso estético e politico da época. Na sua trama algo ingénua e de traços ainda primários, encontramos a realidade e os mitos de uma África profunda e atrasada (face aos cânones ocidentais). Talvez afinal Cocô, o leal amiguinho africano, também seja um sinal de submissão civilizacional. No cúmulo do tão genial quanto absurdo guião, quando os chimpanzés raptam o Milou, Tintim acorre matando com uma carabina um exemplar, para vestir-lhe a pele e deste modo imiscuir-se no seio da comunidade assim resgatando o seu fiel amigo. Um delírio. Esta sequência (que no mínimo é uma imundície), entusiasmou várias gerações de tolas criancinhas e prazenteiros adultos... racistas e desrespeitadores da natureza.
Parece-me é que este puritanismo politicamente correcto, a prazo, compromete profundamente a nossa liberdade. Esta nova e omnipresente inquisição é patética e preocupante.
Afinal, quando folheamos o Tintim no Congo com gozo, devemo-nos envergonhar de quê? Do passado e da nossa história? Ou antes das guerras fratricidas, das fomes, da escravizante degradação humana que grassa hoje no continente africano livre e independente... diante do olhar cruelmente insensibilizado, quase indiferente, do ocidental opulento, modernaço e moralista?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blacksad - bestial

por João Távora, em 10.06.07
A Banda Desenhada (BD) não morre assim. Por mais que esta actividade aparente uma lenta decadência, e para os mais distraídos se resuma a umas marginais experiências pseudo-intelectuais, às tiras de jornal ou às revistas de consumo rápido. O facto é que com um pouco de atenção encontraremos nos escaparates das livrarias interessantes obras que em nada desmerecem os clássicos que fizeram da 9ª uma das grandes artes do século passado.
Hoje escrevo sobre Blacksad, um sombrio mas inteligente detective privado, com cabeça de gato, que se move num animalesco ambiente decadente e urbano. Contracenam neste palco personagens com faces de animais em corpos humanos. Esta particularidade torna-se quase subtil: cada animal representado sem dúvida exprime dramaticamente o carácter do personagem... em que quase sempre se exceptuam os personagens femininos, que talvez para imprimir maior carga erótica mantêm os traços faciais mais humanos... sexismo?!
Na BD, tão importante quanto a técnica do desenho, é a arte de contar uma história. Em Blacksad, o encadeamento do guião e dos desenhos, é vivo e ritmado, possuindo uma interessante profundidade dramática. O sucesso da obra é plenamente alcançado pelos espanhóis Juan Díaz Canales (texto) e Juanjo Guarnido (desenho), ambos com os estúdios Disney no curriculum.
Para os amantes do género, aconselho que se deixem surpreender por Blacksad, uma divertida e envolvente série publicada em Portugal pelas edições ASA, claros sinais de boa saúde da 9ª arte. E ainda faltam umas horitas para o fecho da feira do livro... no Parque Eduardo Vll.
.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Ler os outros

por João Távora, em 22.05.07
Ainda sobre Hergé, Miguel Castelo Branco. Bom de ler!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Qual igualdade de géneros?!

por João Távora, em 22.05.07








Ainda a respeito dos heróis de Hergé, e na sequência de uma estúpida discussão que tive no outro dia, aqui se comprova que o cão Milou é um cachorro. Macho. Alguém tem dúvidas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Ainda o tributo a Hergé

por João Távora, em 22.05.07

Quero prestar também aqui a minha homenagem a Hergé. Discordo apenas do João Villalobos quando mistifica a versão “animada” de Tintim que foi para mim uma autentica desilusão, um susto, uma afronta ao meu imaginário. É que a mim puseram-me um álbum do Tintim nas mãos antes sequer de eu saber o meu próprio nome. Afinal não fui eu que lhe dei voz e movimentos? Até fui eu que inventei as tramas, enquanto folheava atento os livros ainda sem saber ler... O Tintim na TV chocou-me desde logo com a veleidade daquela animação tão deficiente e a histérica dramatização daqueles guiões sempre simplificados. Fiquei definitivamente enciumado com a exposição pública e banalização do meu herói. Quase desde o berço que passeei por dentro daqueles quadradinhos, daquelas histórias e mistérios. Lembro-me das horas estáticas, de pernas cruzadas, em puro deleite passadas diante da ultima prancha do álbum Carvão no Porão, aquele insólito e colorido rally nos jardins de Moulinsart. As horas passadas em êxtase, fisgado num só quadradinho, invejando o pequeno carro vermelho do rebelde Abdallah em No Pais do Ouro Negro. Hergé deu-me os meus melhores amigos de toda a infância, de quem aliás fui íntimo. Com o Tintim e Milou fui crescendo e lutei contra os sovietes e contra a máfia. Ajudei a libertar os escravos e lutei contra o tráfico de droga. Fui também à lua, onde ia perdendo os meus amigos todos e não salvei o Engº Wolf de uma heróica morte. Planei arrastado por um condor pelas encostas dos Andes. Tremi de medo e gelei de frio a caminho do Tibete, num hino à generosidade. Comovi-me com o cão mais simpático do mundo, ri-me com os excessos do bêbado mais divertido de todos, o Capitão Haddock. Ao Hergé ficarei sempre grato pelos amigos que me proporcionou. Hergé será por certo responsável por muitas das mais felizes horas da minha infância, e por isso ser-lhe-ei sempre grato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um olhar sobre a 9ª arte I

por João Távora, em 18.06.06
Na Travessa do Patrocínio, encontrávamos fascículos e volumes do Cavaleiro Andante, e tenho uma vaga ideia de uns álbuns da Bécassine. Na Avenida da Liberdade, era outra fartura: a fabulosa colecção de "Tintins" do Tio Duarte, e uns poucos de “Astérixes” da Tia Isabel, eram um fartote para os meus desejos de aventura e fantasia. Eram em francês, para o caso completamente indiferente pois eu não sabia ler. Um pouco mais tarde, em 1968, a revista Tintim editada pela Bertrand passou a ser presença semanal na nossa casa. Foi assim que a Banda Desenhada (BD) entrou na minha vida.
Hoje ainda possuo algumas obras de BD na minha biblioteca que aliás impinjo despudoradamente às minhas crianças. Considero a leitura de BD um acto cultural que em grande medida supera os benefícios de ver cinema ou animação. A mediação do prazer pelo trabalho mental do leitor em juntar as peças (quadrinhos) e dessa forma enquadrar-se numa acção imaginária e em movimento parece-me excepcionalmente saudável. A relação íntima e pessoal que se pode criar com os personagens está ao nível do possível na melhor literatura: o tempo é nosso e a vida do personagem é pelo leitor induzida. Não desfazendo, o autor no momento da leitura torna-se “apenas” num passivo “realizador e argumentista”. Nós temos o papel fundamental de fazer rodar as frames no nosso cérebro. E interpretar a mensagem. Ao nosso ritmo, com o nosso nível de profundidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um olhar sobre a 9ª arte II

por João Távora, em 18.06.06
Com alguma dificuldade, muito matutei para eleger com gratidão os cinco personagens de Banda Desenhada que mais me marcaram a existência. Uma forma de homenagem ao seus autores que tantas horas de prazer me proporcionaram. E espero que um incentivo e algumas pistas a quantos não conheceram o prazer de vibrar com as histórias e aventuras destes “seres” quase vivos.
Em primeiro lugar, estará sempre o Tintim de Hergé. Meu companheiro de infância, de sonhos e brincadeiras. Do pequeno e inocente Tintim do Ídolo da Orelha Quebrada, passando pelo sofisticado Tintim do Carvão no Porão e acabando no adulto e contemporâneo Tintim do Voo 714 para Sydney.
Em segundo lugar o meu grande herói do Oeste, o insolente cowboy Lucky Luke de Morris & Goscinny. Realço o humor desregrado e delirante de Goscinny, também autor dos incontornáveis Petit Nicholas e Asterix.
Em terceiro lugar o meu pessoal e íntimo amigo de infância Spirou, o “grumete” de hotel. De Franquim. Não me esqueço do seu amigo Fantasio, que para mim representa o plausível leitor, companheiro do herói, sempre falível, leal e bem intencionado. E o fabuloso Marsupilami. Um animal que Deus teria por certo Ele próprio criado se não tivesse mais que fazer e criar, tudo naquela semana decisiva.
Em quarto lugar, mais crescidinho, apaixonei-me pelas aventuras de Olivier Rameau e Colombe Tiredaile de Greg. Nomeadamente por Colombe. Os meus infantis e primeiros passos conscientes na dimensão libidinosa da vida. E aqueles pequenos e malandrecos falos peludos os Pouyoutouffus… e o horroroso pássaro gigante com uma máquina de barbear na ponta do bico… lembram-se?
Em quinto lugar o anti-herói da minha pré-adolescência… Spirit de Will Eisener. O enigmático detective de Central City. Em quantas das suas aventuras este herói começa a acção entre caixotes do lixo vítima de uma brutal "coça"? A negritude dos anos 70 no seu melhor. Uma paixão.
É injusto não me referir a muitos outros personagens que marcaram as solitárias e íntimas horas de leitura da minha infância. Por isso vou mencionar os meus Príncipe Valente de Hal Foster e Homem Aranha de Stan Lee. Bom, mas já que estes são registos tão pessoais porque não hei-de falar do Cuto, de Jesus Blasco?

Autoria e outros dados (tags, etc)

BD na Feira do Livro de Lisboa

por João Távora, em 29.05.06

Serve a presente para informar os interessados das andanças do José Abrantes pela Feira do Livro de Lisboa:
» A 1 de Junho (Dia Mundial da Criança) estará das 10.30 às 18.30, no stand da Gailivro (com pausa para o almoço, tenham pena do artista!) para autografar o livro Morgana e o Poço Misterioso.
» No dia 11, estará entre as 16 e as 18 horas no stand da Asa, para autografar o livro Homodonte e o Ovo Azul.
Não faltem, pois arriscam-se a levar para casa um boneco original na contracapa. À borla!

Ilustração em cima: o José Abrantes visto pelo próprio em plena acção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

José Abrantes deslocar-se-á à Cidade Invicta no próximo dia 27 de Maio para uma mão cheia de actividades. Assim, pelas 11 horas, inaugura uma exposição de originais na livraria Centralcomic, na rua das Doze Casas nº 22. De seguida faz uma apresentação da sua mais recente criação, o livro Morgana e o Poço Misterioso, com sessão de autógrafos. Finalmente, pelas 15 horas, estará presente na Feira do Livro do Porto, a decorrer no Pavilhão Rosa Mota, para autografar “Morgana e o Poço Misterioso” no stand da Gailivro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Tributo a José Abrantes

por João Távora, em 13.05.06

José Abrantes é pseudónimo de José Lancastre e Távora. É ilustrador, ou desenhador, o que se queira chamar, e o que faz na vida é Banda Desenhada. Dizia-se há pouco tempo que era o único desenhador em Portugal que vivia exclusivamente dessa actividade. Não sabe e não quer fazer mais nada. É meu irmão e por isso eu sou testemunha de que nasceu a desenhar e a pintar. Bem… quase!
Espreitei por detrás do seu ombro durante anos. Desde que me lembro de mim. Com os bonecos era imbatível. Às tantas, toda a escola espreitava também, e eu ficava orgulhoso. Depois, partilhámos os "Tintins" e os "Cavaleiros Andantes" da casa dos nossos avós. Consumimos em conjunto, tantos “Spirou”, “Asterix”, Lucky Luke, “Tenente Blueberry”, “Spirit” e “Corto Malteses”… Até aos deprimentes e psicadélicos “A Suivres”? Até aos eróticos “Manaras”?! Já não me lembro quando, em que fase, os nossos caminhos se separaram. É mestre em desenho caricatural, na “linha clara”, desenha animais e para crianças como ninguém. Tem um agudo sentido de humor, inteligente e por vezes amargo. Inventa histórias e sabe contá-las.
José Abrantes nasceu em Portugal e aqui tenta fazer o que gosta e sabe. Não é bom empresário mas é teimoso. É a esse grande artista que eu hoje presto homenagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Por isso desenvolve sistemas de fiscalização para ...

  • Nuno

    "Descobri-o" quando li "Portugal: Paisagem Rural" ...

  • Anónimo

    Sr.Lavoura como de costume só lavouradas!A "famigl...

  • Anónimo

    devem ter  importado parte das noivas de Sant...

  • Anónimo

    as pessoas não existem para servir 'o estado a qui...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds