Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Algumas notas sobre as autárquicas

por João Távora, em 30.09.13

 

- Em Lisboa a abstenção rondou os 55%. Em Cascais, o meu município, a abstenção "venceu" com 62%.. Um muito lamentável sinal dos tempos do qual urge tirarem-se ilações.

- O pândego do António Costa se se abstiver de disputar as aspirações de Seguro tem o tapete vermelho para a se bambolear dez anos como presidente da república. Ai apagada e vil tristeza, Pátria minha.

- De pouco serviu um mês de holofotes e generoso patrocínio mediático sobre João Semedo e Catarina Martins em Lisboa, a reclamarem uma "leitura nacional" para os resultados autárquicos. Pois aí está a "leitura nacional": o Bloco de Esquerda desapareceu do mapa, representa pouco mais de 2,5% do eleitorado.

- Uma "leitura nacional" por certo também não interessará nada a António José Seguro. Dois anos de severa austeridade e duma tremenda inabilidade na gestão dos candidaturas autárquicas de Lisboa Porto ou Sintra por parte do PSD, o Partido Socialista não se destaca eleitoralmente como alternativa ao governo de Passos Coelho.

Dias de chumbo

por João Távora, em 29.09.13

Quem não gosta de eleições e enquanto não chega o Messias, pode sempre ir viver para a Coreia do Norte para o Zimbábue ou para Cuba.

Para dormir descansado, só me falta a confirmação que Basílio Horta não ganha Sintra. Tudo resto era expectável, o poder por estes dias de chumbo queima, é de corrosão rápida, e o PS não consegue tirar dividendos disso.

Ich bin ein tripeiro!

por João Távora, em 29.09.13



Hoje sou um tripeiro e ganhei a noite. A coragem do cidadão (monárquico) Rui Moreira deve ser interpretada como uma lição de civilidade para todos os marretas que se entretêm a dizer mal e a cuidar (mal) das suas vidinhas medíocres.

Eu não voto no Flávio mas gostava...

por João Távora, em 25.09.13

CNE

por João Távora, em 11.09.13

Claro que notícia é notícia e propaganda é propaganda. Nesse sentido espero bem que, se Costa levar com um tomate podre ou Meneses morder num cão, a CNE permita que as televisões transmitam uma reportagem.  

Façam-se à estrada, pois então

por João Távora, em 10.09.13

O facto de as televisões terem decidido se isentar do acompanhamento das centenas de candidatos e campanhas autárquicas a decorrer pelo país, se prejudica a projecção do acto eleitoral em si, confere ao mesmo uma dimensão definitivamente local e de proximidade. Isso parece-me bom.

Bloco Turístico

por Vasco M. Rosa, em 08.09.13

O Bloco de Esquerda gosta muito de fazer pronunciamentos políticos no admirável terraço de um hotel de cinco estrelas no Chiado. É de facto um sítio agradável, com vista panorâmica, onde é bom ir, onde turistas podem fazer uma pausa inesquecível e por aí fora. Certamente que a cedência desse espaço, que é também comercial, custa considerável dinheiro, que não sai de certeza dos bolsos daqueles soi disant moralizadores esquerdistas, pois vem da cornucópia de meios públicos postos à disposição dos partidos em campanha eleitorial. É que as mesmas palavras ditas no vetusto salão da Voz do Operário ou nas ruínas duma fábrica falida em Xabregas não teriam esse efeito suplementar do sentimento de apropriação de algo acessível a privilegiados. Mas têm a verdade máxima do que aqui realmente se trata: nada de verdadeira Política, mas apenas uma ideia: o Estado tudo dá (não interessa como), e vamos lá aproveitar isso!

Lisboa terra de ninguém *

por João Távora, em 09.07.13

 

Depois de ter empastelado o trânsito com experimentalismos na mais emblemática artéria de Lisboa, só um autarca que não possui concorrência eleitoral se permite a dois meses das eleições cortar a circulação da rua do Ouro tornando o trafego na baixa pouco menos que infernal. Bem sei que muitos dos que aí se vêm bloqueados não são munícipes alfacinhas: desertificado, o coração da capital tornou-se um mero cenário para festividades turísticas e filmes publicitários. Uma enorme tristeza. 

 

* Título original do capítulo V de "Liberdade 232"

Sinais dos tempos

por João Távora, em 26.06.13

A campanha para as autárquicas que por aí nos cerca com outdoors nas rotundas do País, para além da proliferação de "independentes" revela uma enorme discrição na exibição dos símbolos partidários, que somam cada vez menos valor à candidatura.


O estrato mais baixo do artesanato político nativo encontra-se no dito "mundo autárquico". Tendo falhado a carreira para ministeriável, Amorim fez súbita colagem ao estilo chão dos afectos de rua e, como o famigerado Emplastro, apareceu nas pantalhas para pedir a demissão do ministro Gaspar.


Combustões

 


Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O apartidário

    Neste momento, não há Governo possível em Portugal...

  • Anonimus

    Nao consta que a Síria seja uma democracia. Em Por...

  • Anónimo

    Mas só se muda quem pode, i.e., só é possível mud...

  • lucklucky

    Nas redes sociais há diversidade, podes tentar per...

  • henrique pereira dos santos

    Ou, pior ainda, da minha parte, usei dados de emig...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D