Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um sorriso de esperança

por João Távora, em 16.03.16

assuncaocristas3.jpg

A chegada de Assunção Cristas à liderança do CDS enche de expectativa uma Nação desgastada e desiludida que clama por uma renovação significativa no estilo e no discurso político, e que há muito entendeu não ser possível um “tempo novo” com os problemas e vícios antigos. Assunção Cristas traz para o espectro político um perfil inédito que possui um profundo significado: uma mulher inteira, jovem mãe de família que não prescinde dum brilho próprio muito feminino, alguém que emergiu para a vida partidária pelos seus méritos profissionais, pela determinação e inteligência com que defendia as causas em que acredita, mesmo que contra o discurso do politicamente correcto. Sem vergonha das suas convicções humanistas e católicas, com um discurso fluente e afectuoso, ela conseguiu unir o partido e rodear-se de uma jovem e renovada equipa, cujo génio e capacidade de trabalho esperam-se reflectidos quanto antes num dinamismo de propostas e ideias que catapultem o CDS para um novo patamar de afirmação, urgente, tendo em conta os dramáticos desafios que esperam os portugueses. Para já Assunção irradia um atraente sorriso de esperança, que não é coisa pouca na política dos nossos dias.

 

Publicado originalmente no Diário Económico

Bons e maus motivos para criticar Assunção Cristas

por Zélia Pinheiro, em 15.08.12

Há bons e maus motivos para criticar Assunção Cristas.

Os bons infelizmente até abundam e são, assim de repente, a pateta publicidade dada à história das gravatas, a precipitação no anúncio do fim da Parque Expo e o excessivo pendor por medidas avulsas, algumas que me parecem irrelevantes, como a dos “bancos de terras”, outras erradas, como a “taxa de segurança alimentar”. Isto enquanto projectos de maior fôlego, como a nova lei de solos, são deixados cair no esquecimento e aparentemente aboboram no seio das “comissões”.

Este, porém, parece-me um mau motivo para criticar a ministra.

Goste-se ou não, em Portugal o domínio público hídrico inclui, nos termos da lei, desde 1864, uma faixa de terreno com a largura de 50 metros, no caso das águas do mar ou navegáveis. Estes 50 metros contam-se respectivamente da linha de máxima preia-mar ou da estrema dos terrenos que as águas cobrem em condições de cheias médias. A extensão do domínio hídrico até pode ser contestável, mas baseia-se no principio de que os terrenos ribeirinhos devem ser preferencialmente postos à disposição de todos em geral e não apenas de alguns em particular. E o domínio público como tal opõe-se à propriedade privada, implicando que os bens nele integrados fiquem fora do comércio jurídico, sendo nomeadamente insusceptíveis de usucapião ou registo predial.

O legislador reconhece, desde 1864 e até hoje, que quem demonstre que os terrenos em causa se encontram na propriedade ou posse privadas desde data anterior à publicação da primeira lei que decretou a extensão do domínio público marítimo verá os seus direitos sobre eles reconhecidos.

O que há de novo agora é o aproximar do prazo de caducidade do direito de propor a acção judicial necessária para reconhecimento destes direitos, prazo esse que foi porém fixado em 2005, muito antes de Assunção Cristas ser ministra, sem que então ninguém se tenha preocupado muito com o assunto.

De repente, descobriu-se que os actuais ocupantes que não intentem a referida acção, invocando a propriedade ou posse privadas desde 1864, perdem quaisquer direitos sobre o terreno.

Nada de extraordinário. Haverá sem dúvida problemas, e o maior virá a ser aquele em que não se trate apenas de terrenos, mas também de construções, mais ou menos dispendiosas, realizadas nesses terrenos. É aqui que o Estado pode sair mal na fotografia, tanto mais quanto mais anos tenham decorrido sobre a edificação e sobretudo nos casos em que o Estado tenha beneficiado dessas construções através da cobrança de impostos – e muito embora o código do IMI seja expresso ao estabelecer que as inscrições matriciais não constituem presunção de propriedade.

Estes casos vão certamente dar que fazer a advogados e juízes, mas tratando-se de litígios relativos a direitos de propriedade, parece-me serem os tribunais o lugar adequado para dirimir estas questões.

Quanto a saber se os 50 metros de propriedade do Estado nas margens fazem ou não sentido, dura lex sed lex.  Enquanto não mudar a lei, a ministra Assunção Cristas está apenas a fazer aplica-la, como lhe compete.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Portugal está num processo de degradação acelerada...

  • Anónimo

    Na bicha, minha senhora, na bicha.Recusar colonial...

  • Luís Lavoura

    uma acção coerciva de uma violência brutal, sem cu...

  • Luís Lavoura

    Sim, Marina, as pessoas em Lisboa estão todas borr...

  • Anónimo

    https://observador.pt/opiniao/retorno-ao-normal-de...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D