Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sugestão liberal à CIP

por henrique pereira dos santos, em 29.09.23

A Confederação da Indústria Portuguesa resolveu propor a possibilidade (é voluntária) de pagar um bónus anual semelhante a 15º mês, livre de impostos.

É uma proposta que beneficia os trabalhadores, visto que lhes dá um bónus que não existia, mas há um conjunto de pessoas, defensoras dos trabalhadores, que rejeitam liminarmente esta ideia porque o Estado fica prejudicado.

Eu não entendo qual é o prejuízo do Estado (não recebia impostos de um pagamento que não existia, e continua a não os receber), mas o argumento que tem estado a ser usado é o do prejuízo futuro dos trabalhadores: sem impostos e descontos, esse dinheiro prejudica os trabalhadores na reforma e nos serviços públicos.

Essencialmente estas pessoas estão a defender a comissão que o Estado cobra sobre o nosso trabalho, considerando que a livre troca entre privados é prejudicial aos trabalhadores, se o Estado não cobrar a sua comissão.

De maneira geral, não têm lata para dizer isto assim e disfarçam a crítica com retórica ligada à defesa dos interesses dos trabalhadores "convém ter presente que um trabalhador ter mais dinheiro no bolso, por pagar menos impostos, para depois o gastar a adquirir no mercado a que teria acesso como serviços públicos, não lhe traz benefícios como parece", diz Paulo Pedroso (escolhi este, mas esta linha de argumentação tem sido usada por muita gente).

Tenho uma sugestão simples para resolver este problema: os trabalhadores sabem perfeitamente o que é melhor para eles, portanto a empresa disponibiliza o bónus definido, e o trabalhador escolhe receber líquido, prejudicando a sua reforma, ou com os descontos todos, para não ser prejudicado no futuro.

Esta proposta tem uma vantagem: dá aos trabalhadores o poder de decidir o que os beneficia ou prejudica.

Tem uma desvantagem: o Estado ficaria, com toda a probabilidade, prejudicado.

É fácil de explicar: os trabalhadores que não pagam impostos, ou quase não pagam impostos, tenderiam a pedir o bónus com os descontos todos, os que pagam mais impostos tenderiam a querer receber sem descontos, mesmo prejudicados no futuro.

E isso resolve o argumento de que a proposta da CIP não é progressiva, como deveria, na lógica do IRS (que não existe para os descontos para a Segurança Social), visto que os que ganham menos garantiam os seus direitos futuros, com um custo presente marginal, e os que ganham mais seriam fortemente prejudicados no futuro, porque não quereriam pagar o custo presente, por ser muito alto.

"A libertação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores", poderia dizer a CIP, com justiça e, por uma vez, o Estado demonstrava que não é um instrumento de domínio nas mãos das classes dominantes, deixando os trabalhadores fazer as suas escolhas ao suportar os custos dessas escolhas em vez de cobrar uma comissão sobre o valor do trabalho.


21 comentários

Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 29.09.2023 às 15:58

Para já a proposta teve uma grande virtude, fazer vir ao de cima a diferença entre a esquerda burra, e ignorante e quem tem pelo menos dois dedos de  testa. 
Carmo Afonso, Paulo Pedroso, Daniel, Oliveira, Rui Tavares, e todo o maralhal da esquerda folclórica irresponsável vê um crime por parte do capitalismo selvagem vs o desgraçado do trabalhador. Para eles só o Estado pode ser bom com os trabalhadores. 
Esta gente vive no Séc XIX e ainda não deu por isso 


Sem imagem de perfil

De Luis a 29.09.2023 às 17:50

O pior é que para além deles viverem, fazem com que o país, isto é, eu, você e todos os outros, vivam num Estado governado ao estilo socialista desses tempos. Depois admiram-se da cauda da Europa estar já a ficar à vista.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 30.09.2023 às 00:05

Há duas coisas espantosas: 
Que a esquerda só aceite ser de esquerda se obrigar a direita a ser de esquerda. 
A direita não denunciar tal coisa.
Sem imagem de perfil

De balio a 29.09.2023 às 17:58


a diferença entre a esquerda burra, e ignorante e quem tem pelo menos dois dedos de  testa. Carmo Afonso, Paulo Pedroso, Daniel, Oliveira, Rui Tavares


Eu de Carmo Afonso não sei nada, mas a Paulo Pedroso, Daniel Oliveira e Rui Tavares tenho-os na conta de pessoas razoavelmente inteligentes, que de forma nenhuma merecem o epíteto "burras".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.09.2023 às 10:58

https://observador.pt/programas/sob-escuta/

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D