Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sobre escolas fechadas

por henrique pereira dos santos, em 07.08.20

covid.jpg

A psicose das escolas é das coisas mais estúpidas da gestão desta epidemia e das melhores demonstrações da pusilanimidade dos governos.

Desde o princípio, a partir das outras epidemias, que a informação disponível era a de que o fecho de escolas não é uma medida muito inteligente de controlo de epidemias, quer porque frequentemente não é muito eficaz - varia em função das características da epidemia - quer porque tem um efeito disruptivo brutal na sociedade.

Mas é sempre das primeiras medidas que as sociedades exigem aos seus governos, e daquelas a que é difícil os governos resistirem dada a carga emocional de pôr em risco as criancinhas.

Nesta epidemia em concreto, que afecta muito pouco as pessoas com menos de 18 anos, a medida é particularmente desadequada.

Ao princípio a imprensa ainda se entretinha a tentar demonstrar que não havia risco zero para as crianças (nunca há, de resto, dos sítios mais perigosos do mundo para uma criança, do ponto de vista estatístico, é a cozinha da sua casa), com base nas poucas situações relatadas de problemas graves em crianças e jovens causadas pela covid. Acontece que a maior parte desses relatos eram mesmo tretas - a imprensa desde cedo deixou de aplicar à informação sobre a covid as regras básicas da profissão, com a verificação dos factos à cabeça - e os muito poucos que não eram treta diziam respeito a situações muito excepcionais de crianças com vários problemas de saúde. Isso não impedia médicos responsáveis, por exemplo, do hospital Dona Estefânia, enfatizar que realmente havia crianças a ser assistidas no hospital e até, às vezes, passando pelos cuidados intensivos, sem terem a precaução de enquadrarem devidamente essas situações.

Quando se tornou particularmente evidente que o argumento da infecção das crianças não tinha base nenhuma, passaram-se a dois argumentos centrais para andar a questionar a abertura de escolas: 1) o risco de levaram para a casa as infecções, em particular aos avós - como se os grupos de risco não tivessem de se defender sempre perante a incerteza, com ou sem escolas abertas - de que o boneco deste post é exemplo; 2) o risco para os professores, como se não coubesse aos professores gerir o seu próprio risco e as escolas não existissem para servir os alunos e as suas famílias, e não como porto seguro dos professores (o risco de problemas sérios por exaustão é muito maior que o associado à covid, mas isso foi rapidamente esquecido).

Será talvez a altura de voltar à evidência científica, por exemplo, usando este relatório do European Centre for Disease Prevention and Control de que destaco as três últimas conclusões principais:

"There is conflicting published evidence on the impact of school closure/re-opening on community transmission levels, although the evidence from contact tracing in schools, and observational data from a number of EU countries suggest that re-opening schools has not been associated with significant increases in community transmission.

Available evidence also indicates that closures of childcare and educational institutions are unlikely to be an effective single control measure for community transmission of COVID-19 and such closures would be unlikely to provide significant additional protection of children’s health, since most develop a very mild form of COVID-19, if any.

Decisions on control measures in schools and school closures/openings should be consistent with decisions on other physical distancing and public health response measures within the community".

Já agora, o que destaque é profundamente embebido na linguagem diplomática típica deste tipo de documentos, de maneira que aconselho mesmo a leitura do relatório que aponta para uma conclusão que traduzo de forma mais clara: não faz o menor sentido ter escolas fechadas.



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Joao S. a 08.08.2020 às 18:26

As valencias que um gajo ganha a trabalhar em arquitectura paisagistica sao de deixar qq um de boca aberta.  A megalomania da escola dos eucaliptos nao tem limites.   Para quando este génio a falar na TV ?   Onde tenho de assinar ???   

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Albino Manuel

    Este idiota apresentou-se primeiro como ambientali...

  • Anónimo

    princípios só no começo do ano

  • Anónimo

    Parece que em Liège ouviram o nosso Henrique Perei...

  • pitosga

    João Távora,Leia isto: El Vaticano dio a Afineevsk...

  • João-Afonso Machado

    O OE é uma bela representação tragico-cómica. Vai ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D


    subscrever feeds