Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Simples

por henrique pereira dos santos, em 30.04.21

Proibir o consumo de alcool na via pública, e a sua venda depois das oito da noite, é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.

Obrigar os cinemas, teatros e restaurantes a fechar às dez e meia da noite é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.

Impor o fecho de centros comerciais às sete da tarde é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.

Proibir a presença de público em bancandas ao ar livre é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.

Insistir que é obrigatório o uso de máscara ao ar livre é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.

Interpretar a norma abusiva que determina a obrigatoriedade de máscara ao ar livre - que é apenas aplicável nas circunstâncias em que é impossível manter o distanciamento recomendado pela DGS, isto é, menos de dois metros durante mais de quinze minutos - de forma ainda mais abusiva, é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.

Aparentemente a generalidade da sociedade, a começar pela imprensa e acabar nos partidos, incluindo os mais liberais e atentos aos abusos do Estado, não quer saber dos abusos do Estado.

Esse sim, é um problema social muito grave, bem mais grave que o de uma doença altamente contagiosa, que em circunstâncias especialmente favoráveis pode aumentar bruscamente a mortalidade execessiva durante algum tempo, em mais de dois terços dos casos antecipando umas semanas a morte de pessoas especialmente fragilizadas e com uma esperança de vida bem menor que um ano.

No nosso caso, a sensibilidade aos abusos do Estado é bastante baixa, por isso elegemos Sócrates, por isso continuamos a eleger o seu braço direito e por isso a nossa imprensa insiste em repetir que é obrigatório o que não é, porque acha que a sua função é condicionar as pessoas comuns em vez de escrutinar o poder para limitar o seu uso abusivo.

É a vida, as coisas são o que são e, de maneira geral, até são muito mais simples do que parecem.

 



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Rui a 30.04.2021 às 10:09

Viva. Sobre a regra dos 2 metros + 15 minutos + ar livre, onde se pode encontrar essa informação de fonte oficial? Talvez por falta de jeito, não consegui encontrar. Bem-haja.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2021 às 10:26

Mas desde quando as decisões dos nossos decisores têm alguma justificação sanitária, a não ser o pânico de perderem votos?
Sem imagem de perfil

De balio a 30.04.2021 às 12:13


Proibir o consumo de alcool na via pública, e a sua venda depois das oito da noite, é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária.



Talvez não. Mas pode ter muitas outras boas justificações, incluindo o sossego dos habitantes (os bebedores muitas vezes estão em grupo e a falarem em voz bem alta - conheço quem tenha mudado de casa por causa de episódios recorrentes deste tipo) e a limpeza das ruas (os bebedores costumam deixar as garrafas de álcool espalhadas pelas ruas - eu próprio já encontrei centenas de garrafas de cerveja vazias ao longo das ruas que percorro).


Eu vivi na Pensilvânia (naquele país livre que os EUA se gabam de ser), e lá era proibido, não somente consumir álcool na via pública, mas também ter à vista uma garrafa de álcool, mesmo que rolhada, quando se estava na via pública. Uma pessoa que comprasse uma garrafa de cerveja ou vinho era obrigada, por lei, a transportá-la para casa dentro de um saco.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2021 às 12:52

Não lhes admito que me tratem como um miúdo. Há muito que deixei de lhes dar atenção. Faço a minha vida normal, desobedeço sempre que posso (evito tretas com polícias) e... bola para a frente.
Sem imagem de perfil

De The Mole a 30.04.2021 às 15:25


Nem mais. Por uma questão "sanitária", há mais de 1 ano que ando a fazer isso...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2021 às 13:43

finalmente descobriram o 'cerco nos sanitários'
« tarde piaste bacalhau de lata!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2021 às 14:12

A nossa crónica insensibilidade aos abusos do Estado tem nome: iliteracia e analfabetismo funcional.
Sem imagem de perfil

De The Mole a 30.04.2021 às 15:28

É mais grave que isso: é falta de cultura (em sentido lato) e de qualquer conhecimento histórico. É o que dá viver com uma (des)educação e anti-cultura comunista e há 47 anos...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2021 às 21:51

"Proibir o consumo de alcool na via pública, e a sua venda depois das oito da noite, é puro abuso, não tem a menor justificação sanitária."



Aflige-me imenso ver toda uma juventude que, para confraternizar com amigos ou conhecidos, tenha de estar permanentemente a beber álcool e muito mais me aflige assistir a esse fenómeno na via  via pública.
Liberdade é uma coisa; abusar dela é outra coisa muito diferente.
Não me parece uma grande conquista civilizacional esta de as pessoas se alcoolizarem por tudo e por nada.
Por este caminho breve chegará o tempo do consumo público e indiscriminado de drogas psico-activas à vista de quem passa na via pública.
A sociedade está, por estas vias, num caminho de degradação intolerável que a conduzirá a um caos difícil de imaginar e evitar.
Quem não tem filhos nem netos nem consciência do futuro, talvez possa tolerar estes desmandos; mas quem tenha descendência, penso que não gostaria de a imaginar, um dia mais tarde, na fossa do vício e da degradação moral. 
Inúmeros relatos descrevem o que foi a introdução massiva de ópio na China feita pelos ingleses. Seria bom que quem defende o consumo de álcool na via pública, se informasse desse que foi um autêntico flagelo na China.
Lisboa, em meia dúzia de anos passou a ser uma taberna a céu aberto. Esplanadas e mais esplanadas por todo o lado e nem já os cemitérios ficam a salvo dos convívios bem regados. Recordo aqui a jantarada no Panteão Nacional...
Dizia-se que no tempo de Salazar, beber vinho era dar de comer a um milhão de portugueses; hoje, nem isso pois a cerveja dá milhões mas aos estrangeiros que dominam a sua fabricação e comercialização. 
O 25 de Abril abriu a porta ao vício generalizado e ao desrespeito por tudo e por todos. A meu ver estamos muito piores enquanto sociedade quase duas gerações depois.
Penso que as três instituições basilares nacionais, falharam muito, após tal data: 
- A Igreja acobardou-se; não bate o pé e, aqui e ali, já dá muito maus exemplos.
- A Escola oficial porque ensina pouco e mal.
- A Instituição Militar, ao acabar com o Serviço Militar obrigatório, também deu um grande contributo para a indisciplina e desrespeito social dos jovens de hoje porque era uma grande escola de homens.
Portanto, não estamos melhor. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D