Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Serena despedida?

por João Távora, em 07.12.23

Peter-Gabriel Tour.jpg

Estando desde Janeiro a acompanhar, a cada uma das 12 luas cheias, uma música nova daquele que viria a ser o primeiro disco de originais de Peter Gabriel desde 2002, terminada uma tournée de apresentação, eis que o conjunto é agora publicado fisicamente em forma de disco compacto e vinil. Aqui chegados, aguardava eu por parte da imprensa especializada as respectivas críticas nacionais e estrangeiras. Não poupando elogios, surpreendeu-me que pouco mais reflectissem do que aquilo que eu presumo ser o comunicado de imprensa fornecido pela editora do artista. Foi isso que me impeliu a dar-me ao trabalho de escrever algumas impressões pessoais sobre este disco que aguardava há mais de 20 anos. Vale-me o facto de não ser um crítico profissional, dando-me ao luxo de só escrever sobre aquilo que gosto e quando me dá na real gana. Não precisei de nenhum press kit, e o meu exemplar do disco (cujos temas foram sendo publicados nas plataformas de streaming) apenas me chegará às mãos como presente no sapatinho no dia de Natal. Como já tenho alguma idade, não só gosto do disco na forma física, como me habituei a ouvi-los respeitando a sequência dos temas, aspecto de grande importância para a impressão sobre a obra. Caprichos meus.

Não é segredo para ninguém, para os meus amigos ou para a meia-dúzia de pressoas que acompanha os meus escritos, que sou grande fã de música popular em geral e de Peter Gabriel em particular. Trata-se de um músico sofisticado e inconfundível vocalista que sigo desde os seus tempos dos Genesis, banda de Rock chamado “sinfónico” dos anos 70, que abordei aqui em tempos. Não foi certamente por causa do seu assumido sotaque inglês, aspecto pouco comum entre os músicos pop britânicos que se pretendam internacionalizar, que o artista me seduziu no início da adolescência quando o conheci no álbum duplo “The Lamb Lies Down on Broadway”. Publicado em 1975 este era um surpreendente disco conceptual (que conta uma história) em que Gabriel vestia a pele de um jovem marginal porto-riquenho perdido em Nova Iorque. O personagem, de seu nome Rael, (dizem que se trata dum anagrama de Gabriel), protagonizava uma enigmática aventura de autodescoberta apresentada em múltiplos quadros, uns inquietantes, outros bizarros e uns quantos encantadores. Foi com esse disco intenso com noventa minutos, que durante meses perscrutei minuciosamente na descoberta das melodias e tentativa inglória decifrar o ininteligível enredo integralmente escrito por Gabriel, que me descobri adolescente e me afeiçoei àquela voz rouca inconfundível. Meses mais tarde, no fim da tournée que passou por Cascais, Gabriel abandonaria os Genesis que fundara e de quem era o rosto mais carismático. Em 1977 iniciaria a aventura a solo de sucesso que conhecemos, um recomeço ousado para quem chegara a colocar em dúvida a carreira musical, farto que o jovem artista tinha ficado da intensidade e exigência do mundo do espectáculo. Arranjar uma nova banda e desfazer-se do legado Genesis que trazia agarrado à pele afigurava-se um enorme desafio.

Rael.jpg

Peter Brian Gabriel nasceu em Chobham, a 15 km de Londres, em 1950, numa família de classe média. A sua mãe Edith Irene era violoncelista e o seu pai Ralph Gabriel engenheiro electrotécnico, acaso que explicará a conjugação do seu fascínio pela tecnologia com vocação musical. Com uma esmerada educação, frequentou a Charterhouse School, o colégio privado interno onde conheceu os outros fundadores dos Genesis, Tony Banks, Anthony Phillips, Mike Rutherford e Chris Stewart.  

Gostei muito dos seus primeiros 3 discos – todos sem nome: o primeiro pela novidade e por 3 ou 4 temas de antologia, sendo um deles “Solsbury Hill”; o segundo pela sonoridade e irreverência, puro Art Rock com reminiscências Punk, à maneira de “Back in New York City” o seu profundo grito de rebeldia genesiano em “The Lamb…” (a não perder a interpretação desta música por Jeff Buckley). Desse álbum são preciosas pérolas os temas hoje praticamente esquecidos como "Mother of Violence", "A Wonderful Day in a One-Way World", "White Shadow" "Indigo", "Exposure" (um festival de Robert Fripp), "Flotsam and Jetsam" e "Home Sweet Home", este último um cínico conto sobre um casal disfuncional sufocado num andar da impiedosa cidade de betão, rico em apontamentos de tragédia e sarcasmo. Ao mesmo tempo, em 1980, Peter Gabriel criava o projecto da sua vida, o WOMAD, um festival internacional de música e dança do mundo (World Music) que até hoje reúne anualmente artistas dos cinco continentes. Numa primeira fase, o projecto foi à falência, caso que ocasionou em 1982 a sua única reunião com os ex-parceiros dos Genesis, num grandioso espectáculo à chuva intitulado “Six of the Best” que ajudou Peter Gabriel a angariar fundos para pagar as dívidas e retomar o projecto.

Live.webp

Passados cinquenta anos desses tempos juvenis e audazes, Peter Gabriel está de volta com um disco novo, que soa como um balanço e uma despedida. Serena despedida.  Longe vão os tempos dos seus álbuns de ousadas sonoridades experimentais, electrónicas e acústicas, na produção de arrojados concertos teatrais, visualmente vanguardistas, na senda do “espectáculo total”, que era o seu contestado propósito no tempo dos Genesis.

Gravado no seu grande e bem equipado Real World Studios situado em Bath, num ambiente bucólico (um equipamento residencial e tecnológico desenhado para gravações musicais e acolhimento de artistas) o novo álbum foi intitulado i/o (input/output). Acompanhado pelos seus músicos de sempre, Tony Levin, David Rhodes e Manu Katché e a assombrosa sonoridade electrónica de Brian Eno, Peter Gabriel parece-me em grande forma. Concordo com Marcos Richardson do Wall Street Journal, que considera a obra como “terna e optimista, um caloroso abraço de um dos praticantes mais meticulosos do art-rock.” O disco é composto por 12 temas que soam a uma serena despedida de quem sempre foi capaz de se elevar às alturas na procura de uma perspectiva desenganada do mundo e de si próprio, que atribua sentido à história, pessoal ou universal, um enquadramento da existência, o estranho privilégio de existir com consciência, num exigente sentido superior, estético, moral. Revelada de distintas formas, foi sempre esta inquietação que me atraiu em Peter Gabriel. Ele não é crente como eu procuro ser, mas quer crer. E essa procura nota-se em toda a sua carreira artística. Apaixonado pela natureza, assume-se no tema que dá nome ao disco i/o, assim como que panteísta, que somos todos parte de um todo, que desse modo as coisas ganham sentido “I’m just a part of everything, I’ll be laid to rest in a proper place, in the roots of an old oak tree, where life can move freely in and out of me.”

Mas é na belíssima faixa “Playing for time” que se adivinha mais explícito o tom de balanço e despedida deste seu sétimo álbum de originais “Oh, all the moments come and go, While the memories ebb and flow, And play again, play again, Oh, there’s a hill that we must climb, Climb through all the mists of time, It’s all in here what we’ve been through”. Depois comovemo-nos com “And Still”, com a sua homenagem à falecida mãe violoncelista de quem herdou o gosto pela música: “All gone away, All gone away, I place my head against your skin, As I did as a boy. And still your hands feel cold, Those hands that brushed my hair, I feel you everywhere, And I'll carry you inside of me, In every place that I will be.” O mesmo tom melancólico encontra-se em “So Much” sobre a finitude da existência enorme que cabe numa vida, sempre sem sombra de lamechice, antes uma soberba e despretensiosa canção.

PG IO.jpg

Mas é na última lua cheia, perdão, canção do disco, intitulada “Live and let live” que Gabriel nos deixa rendidos: “It takes courage, To learn to forgive, To be brave enough to listen, To live and let live, It takes courage, To start to forgive, To be brave enough to listen, To live and let live, let live”. Rendidos à única solução, à guerra e à violência, uma mensagem cristã que soa óbvia e autêntica: o perdão é difícil, mas é a única saída, a nossa única salvação. Pesado é o fardo da revolta.

A playlist completa deste disco já se encontra disponível nas plataformas de streaming, mas eu aguardarei serenamente pelo dia de Natal para desembrulhar e pôr a rodar este disco que foi muito aguardado. Requintadamente produzido em duas misturas, a versão “Bright-Side Mixes” e “Dark-Side Mixes” com uma bateria de vozes e instrumentistas convidados como o Soweto Gospel Choir, Orphei Drängar um coro masculino sueco e a New Blood Orchestra dirigida por John Metcalfe, este disco tem o que é preciso para usufruirmos longas horas de prazer musical, sensitivo. Peter Gabriel, pacificado, envelheceu bem e ofereceu-nos uma serena despedida.

Ou talvez não.


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 08.12.2023 às 23:38

Peter Gabriel, vocalista inconfundível, e os Genesis. Boas memórias. Ainda hoje ouço com alguma regularidade o Foxtrot, de que gosto particularmente - considero-o o melhor álbum dos Genesis. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Beirão

    A maltosa da bolha mediática não tem emenda nem ve...

  • Anónimo

    Não me lembro de ter ouvido ninguém, tirando os ex...

  • Antonio Maria Lamas

    Um muito oportuno texto. Que os candidatos adversá...

  • Anónimo

    As opniões de Paulo Nuncio, são banais. Mas foram ...

  • Anónimo

    Por mim foi uma enorme satisfação e só tenho a agr...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D