Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Se

por henrique pereira dos santos, em 05.07.22

O título do post não é nenhuma homenagem do Rudyard Kipling, é mesmo para deixar muito, muito claro, que vou falar de cenários que não podem ser levados demasiado a sério para lá de três dias (quando começou a conversa dos cenários de evolução da covid, eu terei escrito que modelos matemáticos era coisa em que eu não confiava para tomar decisões com elevados impactos e dificeis reversões, uma das minhas irmãs, que tem uma visão diametralmente oposta da minha em relação à covid, argumentou que eu confiava em modelos, o que não gostava era daqueles que contrariavam o que eu penso, mas a minha radical desconfiança de previsões meteorológicas a mais de três dias demonstra que essa alegação não tem muita base factual).

A verificarem-se os cenários meteorológicos que circulam por aí para o mês de Julho - insisto, previsões meteorológicas a mais de três dias devem ser lidas com muita cautela - a partir do dia 8 de Julho, mas mais consistentemente, a partir de 10 de Julho, há partes do país que ficarão em elevadíssimo risco de incêndio, quer porque há dias de vento Leste forte e seco - esqueçam as temperaturas, o que verdadeiramente nos deve preocupar nos fogos é a secura e a velocidade do vento -, quer porque há muita disponibilidade de combustível com elevada secura induzida atmosfericamente (pelo rigor percebe-se que estou a citar quem sabe do assunto, Paulo Fernandes, a quem informalmente pedi para me confirmar, ou não, a plausibilidade dos cenários conhecidos).

Noutras partes do país, em especial no Noroeste, talvez não seja tanto assim, quer por causa das condições meteorológicas, quer, repare-se na elegância da expressão usada por Paulo Fernandes, por causa da memória de chuva recente nos combustíveis (o Paulo só comentou cenários até ao dia 12, considera que tudo o que sejam cenários meteorológicos a mais que isto não vale o esforço de interpretação, se bem percebi).

A verificarem-se esses cenários, a existência de fogos complicados - quão complicados é mais difícil de saber - é praticamente uma certeza, a multiplicação de ignições também (não porque haja mais ignições, mas porque as condições de desenvolvimento das que existam favore a sua detecção e registo pelo sistema) e o lero-lero jornalístico e de responsáveis sobre qualquer coisa imponderável (os incendiários, as mudanças bruscas de vento, os acessos dificeis, a dispersão das construções, enfim, toda a gente sabe o jargão que se usa nos teatros de operações para justificar a projecção das forças de bombeiros e afins) será tão inevitável como os incêndios.

Eu só queria deixar aqui claro, agora, correndo o risco de me cobrir de ridículo se nada destas previsões meteorológicas se verificar, três coisas:

1) o fogo é uma inevitabilidade, e um filho do seu contexto, por ser um processo ecológico endógeno, fundamental para a evolução dos sistemas naturais;

2) gerir o fogo é gerir o seu contexto, o que no nosso caso significa gerir os combustíveis finos, o que no nosso caso (eu sei que me estou a repetir) significa encontrar meios para pagar a gestão necessária e que o mercado não remunera convenientemente;

3) pelo menos desde os fogos de 2003 (mais, até, desde 2005, entre 2003 e 2005 o que se verificou foi um braço de ferro entre protecção civil e gestão florestal, que a protecção civil ganhou por KO) que os responsáveis políticos responsabilizam os proprietários por não quererem gastar mais dinheiro na gestão que o que conseguem receber em resultado dessa gestão, e o que quer que venha a suceder tem, na origem das responsabilidades políticas e sociais que se queiram discutir, essa barbaridade.



15 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 05.07.2022 às 11:53

Pois, e em certas partes do país não sei se vai haver água suficiente para apagar as chamas.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 05.07.2022 às 12:07

Não te preocupes com isso: os fogos florestais não se gerem com água.
Sem imagem de perfil

De balio a 05.07.2022 às 12:14


os fogos florestais não se gerem com água


Como assim?! Em Portugal (noutros países talvez não, mas aqui falo de Portugal), a forma de gerir os fogos florestais é tentar o mais possível apagá-los, e a forma como se tenta fazer isso é quase sempre atirando água para cima deles.


O meu receio é que não haja suficiente água para atirar. Ou então que haja, mas que no fim de apagar os fogos já não reste água para bebermos.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 05.07.2022 às 12:59

Tu és de física, portanto faz umas continhas sobre a energia irradiada numa frente de fogo e vê o que acontece à água que lhe atiras para cima.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.07.2022 às 22:54

Por acaso é algo que gostava de ver provada era a eficiência da água dos helicópteros num incendio.
Sem imagem de perfil

De G.E. a 05.07.2022 às 17:53

"Ou então que haja, mas que no fim de apagar os fogos já não reste água para bebermos." - o factor que mais contribui para a escassez de água não é aquela que é usada para apagar fogos e sim a enorme quantidade que é usada na agricultura.
Sem imagem de perfil

De balio a 05.07.2022 às 11:56


uma das minhas irmãs [...] tem uma visão diametralmente oposta da minha em relação à covid


Tem-me parecido notar que, em média, as mulheres são muito mais conservadoras em relação à covid do que os homens.


Ainda recentemente estive numa conferência em que as pessoas que usavam máscara (que não era obrigatória) eram quase todas mulheres.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 05.07.2022 às 14:31


Aí está. O de Leça em troca de palavras com Pereira dos Santos; ambos se conhecem bem. Mais frase, menos frase, o diagnóstico faz-se.
De modo reles, o gajo do Delito de Opinião teve, anos a fio, uma rubrica chamada a Lavourada da Semana. Nunca a apreciei mas o de Leça merecia-a.
Cumprimento o Pereira dos Santos.
Perfil Facebook

De Tiago Cardoso a 05.07.2022 às 14:44

"O fogo é um bom criado e um mau amo"; falta tanto para percebermos esta frase...
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 05.07.2022 às 15:05


"Os fogos não se apagam, gerem-se"
J. Socrates, Phd student



"A culpa dos fogos florestais é do Governo da Troika e da Direita Neoliberal"
Anonimo patriota de esquerda


"Desconheço a velocidade de propagação do fogo, falem com o motorista do carro dos bombeiros"
Ed Cabrita, em busca de oportunidade de trabalho
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 06.07.2022 às 00:16


A fiabilidade das previsões meteorológicas decai exponencialmente com o tempo e tende assimptoticamente para zero. A 3 dias a fiabilidade já é baixa e mais de 3 dias a fiabilidade é extremamente baixa.
 
Muito resumidamente e sem pretensão de grande rigor, as previsões meteorológicas são actualmente produzidas através da resolução de sistemas de equações diferenciais às derivadas parciais (equações de conservação de quantidade de movimento, energia e espécies químicas). Como as equações a resolver são tomadas em média temporal (equações de Reynolds), surgem incógnitas adicionais (tensões de Reynolds) que obrigam a que se use aquilo que se designa por modelos de turbulência (equações teóricas baseadas em conjecturas plausíveis) para fechar o sistema - em determinadas circunstâncias, mantendo tudo o resto igual, diferentes modelos de turbulência conduzem a soluções muito diferentes. 


Para a resolução numérica do sistema, o domínio contínuo, neste caso a atmosfera, tem que ser discretizado usando-se tipicamente (modelos GFS, ECMWF) malhas horizontais de 20x20 km e malhas verticais de cujas dimensões não me recordo de momento, sendo as equações resolvidas por métodos iterativos apenas nos nodos das malhas. 


Partindo de condições iniciais reais e supostamente correctas no instante t0, o cálculo numérico promove a iteração de soluções convergidas nos instantes futuros tomando como condições iniciais as do instante anterior, para as quais não existe garantia de que se venham a verificar na realidade. 


Por tudo isto, a propagação de erros para as iterações futuras e a sua acumulação é inevitável, levando a que a fiabilidade (uma probabilidade) das previsões meteorológicas decaia exponencialmente com o número de iterações temporais e tenda assimptoticamente para zero - por vezes nem sequer as previsões a 24 h se mostram minimamente correctas.


PS -  Os modelos epidemiológicos, constituídos por um sistema de equações diferenciais ordinárias (cerca de 4 equações e a designação é mesmo ordinárias), quando comparados com os modelos de previsão meteorológica, não passam de uma brincadeira de crianças.  Ademais, para além de parametrizáveis, essas equações diferenciais ordinárias resultam de conjecturas plausíveis, tal como acontece com os modelos de turbulência. 


PPS - Para se ter uma ideia mais concreta do terreno movediço que se pisa quando se fala de previsões meteorológicas basta comparar as previsões produzidas por diferentes modelos (GFS, ECMWF, etc.). Há sites onde é possível fazê-lo, p.e. https://www.windy.com/. No que se refere a modelos epidemiológicos, onde tudo são conjecturas, nem vale a pena acrescentar mais nada.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 06.07.2022 às 06:41

Sendo tudo isso verdade, e por isso referi no post a elevada incerteza sobre as previsões de que ia falar, há, apesar de tudo, alguma informação adicional quando todos os modelos tendem para previsões semelhantes.
Há incerteza, claro, mas não é o mesmo que eu olhar para o Céu e achar que amanhã vai estar calor.
Sem imagem de perfil

De entulho a 06.07.2022 às 09:36

estudei matemáticas dita superiores. nunca levei a sério previsões.
a culpa é sempre do porteiro, nunca do politiqueiros que se vejo, não ouço.
no início dos anos 50 pertenci em Coimbra a duas claques com dificuldade em compreender o que nos impingiam : 'ceguinhos' e 'vai faltar a água'
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.07.2022 às 12:07

No que toca ao Covid, ainda bem que se ficou pela visão, se tivesse algum poder decisão ... a população portuguesa estaria reduzida a metade ... e claro riquissima porque enquanto alguns interrompiam a normalidade da vida, nós teriamos continuado como se nada houvesse.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 11.07.2022 às 16:19

Em semana de "risco máximo", Costa faz paralelismo com a pandemia e avisa: "Não há incêndios se a mãozinha humana não provocar"
(https://observador.pt/2022/07/11/em-semana-de-risco-maximo-costa-faz-paralelismo-com-a-pandemia-e-avisa-nao-ha-incendios-se-a-maozinha-humana-nao-provocar/?utm_term=Autofeed&utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR0saXrGPf4r_gk25FlWNLkUVHyr3Qq8XDgHWkGFgL4e2ttRRqCWoHiZ5TM#Echobox=1657544009)

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimo

    Jose Eng. Socrates aprova este comentário

  • balio

    Grande comentário, cheio de filosofia!

  • Carlos Sousa

    Será que o grupo dos sabujos é maior que o grupo d...

  • entulho

    uma dupla de sucesso político ... como rabejadores...

  • Futuro tremido

    Caro Sr , pode acontecer em qualquer país. mas em ...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D