Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sanções, inúteis mas eficazes

por Jose Miguel Roque Martins, em 26.03.22

Não há qualquer evidencia de que a imposição de sanções tenham grandes efeitos práticos no fim de conflitos, atitudes  ou mudanças de regime. No entanto são usadas, mesmo quando impõe custos a quem as lança. Há uma razão válida que as justificam.

As sanções são normalmente um golpe no comercio internacional. O mundo fica amputado e, por isso, os ganhos de comercio de todos é diminuído. O que significa basicamente a confirmação da bondade do comercio e relações internacionais e o empobrecimento global resultante da sua limitação administrativa.

Nenhum regime, aceita que o sofrimento que é imposto à sua população altere as suas grandes causas, legitimas ou não. Parece pois que estamos simplesmente a impor sofrimento a todos, sem qualquer beneficio. Não é verdade.

O poder de dissuasão de futuras sanções, antes de um regime ultrapassar linhas vermelhas, aumenta proporcionalmente em função da dimensão e consequências das sanções usadas em casos anteriores, que por sua vez aumentam em função dos sacrifícios de quem impõe sanções está disposto a aceitar.

As tremendas sanções que foram impostas à Rússia e aos seus dirigentes, não impede um fim mais rápido ou mais satisfatório da Guerra da Ucrânia.  A violência das sanções, que terão pela sua importância surpreendido o regime de Putin, não são eficazes para reverter acções no actual conflito, o que seria uma humilhação perigosa para a sobrevivência do regime.

As sanções a Cuba, Coreia do Norte, Venezuela, Irão, não fizeram cair esses regimes ou alterar as suas praticas. Apenas lhe criaram mais dificuldades ao impor um nível de vida horrível ás suas já sacrificadas populações. É o povo, não os dirigentes, que verdadeiramente sofrem. Revoluções que depõe regimes insuportáveis, não são fáceis nem têm acontecido de molde a justificar as sanções.

Tudo somado, parece que as sanções não produzem efeitos, impõe sofrimento sobre populações inocentes, auto infligem sofrimento a quem as aplica, mas não alteram nada. Porque então a sua imposição?

As sanções têm um efeito dissuasor, não para o passado mas para o futuro. Alguém que pretendam ultrapassar o que é humanamente considerado razoável por um conjunto importante de economias, pensará duas vezes antes de avançar, sabendo das consequências que esse acto pode provocar.

A imposição de violentas sanções, por parte de mais de 50% da economia mundial, disposta a sofrer violentamente pela sua imposição ao “infractor” é um poderoso inibidor de acções que a possam justificar.

Será que a China não ficou impressionada com o nível de sacrifício que o “Ocidente alargado” se mostrou disposto a incorrer? Será que  não passará a entrar nos seus cálculos a possibilidade de incorrer em custos ,também terríveis, caso avance para um conflito regional? Não tenho duvidas que sim. Menos claro é se a consideração desses custos são suficientes para prevenir os seus apetites menos palatáveis.

As sanções à Rússia não pouparam a Ucrânia. Mas as sanções e a espantosa resistência do povo Ucraniano, deverá comprar uns anos de paz a Taiwan.  As sanções acrescentam prestigio,  consideração e respeito ás democracias liberais que as impõe, quando mostram a disposição de sofre por elas. 

 


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Alexfer a 27.03.2022 às 19:39

sinceramente, não me parace que tenham qualquer utilidade.
só nos estão a prejudicar a nós. 
a Russia é auto-suficiente (coisa rara no Mundo), aguentou 70 anos do pior regime político de que há memória, e sempre são 10 fusos horários...
ou é preciso recordar o que disse Gorbatchev,certa vez,
 a um jornalista do Público?
o "ocidente" nunca esteve tão mal servido de líderes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2022 às 20:15

« As sanções à Rússia não pouparam a Ucrânia. Mas as sanções e a espantosa resistência do povo Ucraniano, deverá comprar uns anos de paz a Taiwan.  As sanções acrescentam prestigio,  consideração e respeito ás [às]  democracias liberais que as impõe[m], quando mostram a disposição de sofre por elas. »



Retórica dos adjectivos e dos "prestígios" à parte, trate mas é de ler a "Joint Declaration" China-Rússia de 4 de Fevereiro (onde se menciona a Ucrânia e Taiwan).
E quanto ao pagamento do gás e petróleo russos em dólares? ( Para já, depois ainda podem vir os cereais e os metais...) E que será se a Arábia Saudita começar a vender em yuans)? Nada a dizer das consequências para americanos do fim do "petrodólar"?...
Quanto ao mais, ainda não sabe quem é que acaba por pagar essas "disposições" das (pseudo)"democracias liberais"?
Sem imagem de perfil

De balio a 29.03.2022 às 11:11


Que raio de texto com que o José Miguel Roque Martins nos presenteia. Dá, repetidamente, uma no cravo e logo outra na ferradura. O José Miguel não é capaz de tomar uma posição clara e inequívoca???
Se as sanções causam enormes prejuízos a nós, que as impomos, e se são, efetiva e reconhecidamente, ineficazes, então como raio podem ser defensáveis? Não podem!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2022 às 12:19

São ineficazes para parar o actual conflito. São preciosas para prevenir futuras agressões. 
Sem imagem de perfil

De balio a 29.03.2022 às 14:52


[As sanções s]ão preciosas para prevenir futuras agressões.


Isso é indemonstrável. Você nunca saberá que futuras agressões foram ou deixaram de ser evitadas pela existência, no passado e em casos distintos, de sanções.


Aquilo que se sabe de incontestável, de observável, é que as sanções provocam graves danos ao comércio internacional e, por via dele, a nós que as impomos. E que não são eficazes para os casos existentes e observados.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Desinformação interessada, eis tudo...Juromenha

  • Antonio Maria Lamas

    Ainda ontem o jornal da noite da SIC, com a inqual...

  • Figueiredo

    Precisamente, se as Leis Eleitorais não forem alte...

  • Anonimus

    está mais que comprovado que o povo ignorante nunc...

  • lucklucky

    "Em Duisburgo, o Partido Aliança Democrática para ...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D