Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Rui Tavares é um pândego

por henrique pereira dos santos, em 26.09.16

Na sua crónica de hoje, Rui Tavares atribui à Bíblia, a frase "De cada um segundo as suas capacidades, a cada um segundo as suas necessidades", dizendo que está na parábola dos talentos.

Como o texto de Rui Tavares dá como exemplo prático da aplicação desta ideia a Wikipedia, e não sendo a Bíblia uma coisa em que eu seja versado, resolvi ir verificar na Wikipedia se a frase, ou ao menos a ideia da frase, estaria na parábola, coisa que contrariava, em absoluto, a vaga ideia que eu tinha da parábola.

«Pois é assim como um homem que, partindo para outro país, chamou os seus servos e lhes entregou os seus bens: a um deu cinco talentos, a outro dois e a outro um, a cada qual segundo a sua capacidade; e seguiu viagem. O que recebera cinco talentos, foi imediatamente negociar com eles e ganhou outros cinco; do mesmo modo o que recebera dois, ganhou outros dois. Mas o que tinha recebido um só, foi-se e fez uma cova no chão e escondeu o dinheiro do seu senhor. Depois de muito tempo voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. Chegando o que recebera cinco talentos, apresentou-lhe outros cinco, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; aqui estão outros cinco que ganhei. Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel, já que foste fiel no pouco, confiar-te-ei o muito; entra no gozo do teu senhor. Chegou também o que recebera dois talentos, e disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; aqui estão outros dois que ganhei. Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel, já que foste fiel no pouco, confiar-te-ei o muito, entra no gozo do teu senhor. Chegou por fim o que havia recebido um só talento, dizendo: Senhor, eu soube que és um homem severo, ceifas onde não semeaste e recolhes onde não joeiraste; e, atemorizado, fui esconder o teu talento na terra; aqui tens o que é teu. Porém o seu senhor respondeu: Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei e que recolho onde não joeirei? Devias, então, ter entregado o meu dinheiro aos banqueiros e, vindo eu, teria recebido o que é meu com juros. Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem os dez talentos; porque a todo o que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem, ser-lhe-á tirado. Ao servo inútil, porém, lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá o choro e o ranger de dentes.» (Mateus 25:14-30).

Encontrar aqui a ideia de uma sociedade decente se funda na exigência de cada um segundo as suas capacidades e a cada um deve dar-se em função das suas necessidades, só alguém que escreve como se representasse o povo, ou pelo menos os 99% que são explorados pelos 1%, ou mesmo a esquerda, mesmo depois de obter 39 430 votos, isto é, 0,37% dos votos em eleições livres.

Mas claro, como Rui Tavares é da corda, pode continuar a escrever coisas destas, e a ser ouvido por alguns jornais e televisões, como se dissesse alguma coisa em vez de só falar.



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.09.2016 às 23:57

Henrique, o Rui Tavares já escreve há muito tempo, não precisou de ir a votos para isso e mesmo assim foi, o que revela coragem. É sempre corajoso dar a cara por um projeto em que se acredita, indo a votos, num partido pequeno. Foi também um bom deputado europeu, interventivo e empenhado, e não encontra muitos colegas do parlamento europeu que digam mal dele. Esse desdém só lhe fica mal. Diga-me quantos votos nas eleições tem de ter um comentador, para que mereça o seu alto respeito. 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 27.09.2016 às 06:34


Caro Anónimo,
Rui Tavares afirma taxativamente uma coisa que é falsa para justificar as suas opções. E é sobre isso o post, tendo eu generalizado porque um dos artifícios retóricos mais frequentes de Rui Tavares consiste em inventar uma posição qualquer para os seus adversários, para depois demonstrar a superioridade da sua posição face à tolice dos seus adversários.
Se leu com atenção, a referência ao número de votos aparece num contexto específico: Rui Tavares fala sistematicamente em nome dos povos, com meia dúzia de votos, desprezando, por exemplo, a representatividade de Merkel, que tem milhões de votos, como se Rui Tavares representasse mais gente que Merkel.

Respondendo à sua pergunta final: um comentador não tem de ter um único voto para ter o meu respeito, basta que não use sistematicamente argumentos falsos, que não distorça as posições dos outros para ter ganhos de causa e que fale em seu nome, não em nome de supostos milhões.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.09.2016 às 10:22

Não entendi. Passando ao lado da diferença de opiniões entre o Henrique e o Tavares, coisa muito natural, continuo a não entender a questão dos votos. Então quer dizer que eu se disser qualquer coisa como "este governo está a prejudicar o povo" ou "o anterior governo prejudicou o povo", ou que não concordo com o que diz o governo alemão, nisto ou naquilo, não o posso fazer, porque não tenho votos suficientes, ou não tenho tantos votos como a Merkel? Não percebi o raciocínio.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 27.09.2016 às 17:17


O post é sobre o uso da mentira como instrumento de discussão. Que o caro anónimo queira saltar por cima do post para se fixar numa questão lateral é um direito que tem.
Provavelmente não lê Rui Tavares com a mesma frequência que eu e por isso não terá reparado no facto de Rui Tavares não dizer que não concorda com o governo alemão (o que seria perfeitamente normal) e, pelo contrário, dizer sempre que os povos (do sul, da periferia, enfim, do que der jeito naquela crónica) estarem a ser vítimas dos interesses financeiros (ou quaisquer outros que dê jeito na crónica) defendidos pela Senhora Merkel e que ele Rui Tavares se limita a interpretar o interesse das vítimas no que escreve.
A indigência intelectual deste recurso retórico só se aceita (em especial por parte de quem tem menos de 1% dos votos) porque é um cronista desta esquerda que do alto dos seus menos de 1% dos votos acha sempre que tem muito mais legitimidade democrática que Cavaco, que se limitou a ter mais de 50% dos votos quatro vezes.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Felizmente Deus não "raciocina" como os humanos. ...

  • Anónimo

    Estou a salvo, pois já praticamente não vejo os ca...

  • Pedro Oliveira

    TV Isganiçada

  • Anónimo

    Faça como eu,ultrapasse-os,as ou baipasse-as,os.Nã...

  • Anónimo

    "A televisão actualmente passou a ser um veículo d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D


    subscrever feeds