Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Riscos globais e biodiversidade"

por henrique pereira dos santos, em 13.09.21

"Riscos globais e biodiversidade" é um ensaio de Maria Amélia Martins-Loução, publicado na colecção de ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Não quero fazer a recensão do ensaio, apenas realçar um aspecto que me parece particularmente enganador.

"O processo de Haber-Bosch aparece, também, como vilão ao fim de um século de invenção, com inúmeros e inimagináveis custos ambientais e sociais" (pág. 46).

Se esta afirmação, que surge como contraponto às páginas anteriores em que se explica a importância do desenvolvimento deste processo para o mundo que conhecemos hoje, ainda pode aceitar-se como tecnicamente defensável - é verdade que há um conjunto de problemas ambientais e sociais associados à generalização dos adubos azotados -, já a afirmação seguinte, que traduz mais fielmente a orientação quimiofóbica do ensaio, é bastante mais preocupante.

"É realmente difícil avaliar os custos e benefícios da descoberta de Haber-Bosch. Os problemas associados são tão complexos, as dificuldades em romper com modas sociais são tão elevadas, que a maioria prefere valorizar a componente indirecta, responsável por potenciar as alterações nas emissões de CO2 e do clima, cujos ícones ambientais entraram já no léxico social".

É uma afirmação preocupante por ser largamente consensual nos meios dominantes associados à conservação da natureza e à militância ambiental, tendo o problema de ser uma afirmação completamente fora da realidade: os benefícios positivos da descoberta de Haber-Bosch são de uma ordem de grandeza - é a descoberta que, por si, isoladamente, mais mortes precoces evitou no mundo, desde sempre - e os problemas ambientais e sociais que o seu uso acarreta são de outra ordem de grandeza, incomparavelmente mais pequena.

De outra forma não se compreenderia que tenha sido esta descoberta que permitiu o aumento populacional, e simultânea diminuição da fome no mundo, que conhecemos hoje, porque os tais problemas ambientais anulariam esse efeito claramente conhecido.

Para dar um exemplo concreto: um trabalhador, em Lisboa, por volta do fim do século XIX, gastava 70% do seu rendimento em alimentação, sendo 30% em pão. Ou seja, dos tais 1400 euros líquidos que eu recebo hoje, todos os meses, eu gastaria 980 euros em alimentação, dos quais, 420 euros seriam em pão. A verdade é que eu não devo gastar mais de 30 euros por mês em pão (já estou a admitir uma larga margem em relação aos meus gastos reais), ou seja, mais de dez vezes menos.

Estes são os efeitos positivos da descoberta de Haber-Bosch (e os desenvolvimentos subsequentes na produção de alimentos), que serão muito mais visiveis em países pobres em que a fome era endémica, tendo também diminuído a fome nos países ricos, isto é, aqueles em que a fome não era endémica mas tinha surtos de elevada magnitude, com alguma frequência.

Os seus efeitos negativos existem, são relevantes, merecem a nossa atenção, mas são manifestamente menores, em várias ordem de grandeza (duvido que a poluição por nitratos tenha gerado mortes em larga escala em algum lado e os seus efeitos de longo prazo, relevantes, dificilmente podem ser classificados como catástrofes humanitárias).

Note-se que o livro reflecte bem o pensamento ecológico dominante, não apenas nas franjas marginais, mas em organizações com fortes responsabilidades em processos decisórios que nos afectam a todos, como a Comissão Europeia e os grande fora internacionais, como a Convenção da Diversidade Biológica, onde propostas semelhantes às que constam do livro - um retorno às soluções de base natural, que supostamente estavam implícitas no uso tradicional dos território (o tal que está historicamente associado à fome, convém não esquecer) ideia que ninguém contesta, em si, mas tem o problema de significar coisas muito diferentes para cada uma das pessoas que a subscrevem.

Mais preocupante ainda é verificar-se que a compreensão do que são essas soluções de base natural está ao nível do que transcrevo: "Antes do processo de Haber-Bosch, a produção agrícola estava dependente das reservas naturais de nitrogénio, particularmente Guano, do Peru, e sal amoniacal, do Chile".

Muito anos antes da descoberta do Perú e do Chile, pelos europeus, já a agricultura da Europa existia e era tecnicamente complexa, nomeadamente no que diz respeito aos processos de gestão da fertilidade e ciclagem de nutrientes - um assunto totalmente ausente do livro e central na gestão da produção de alimentos -, e a frase citada deixa muitas dúvidas sobre a profundidade do que é defendido neste ensaio que, repete-se, reflecte muito bem o pensamento dominante na militância ambiental.

O problema principal é que esse pensamento dominante tem vindo a condicionar as sociedades num sentido claramente iliberal, deixando estreitas margens de manobra para a defesa de soluções ambientais de base liberal, assentes na informação, no risco individual e na liberdade de acção dos agentes económicos e sociais, frequentemente entendidos como inimigas das soluções globais, impostas por processos globais de decisão, consideradas necessárias.



3 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 13.09.2021 às 13:01


Estima-se que 40% dos átomos de azoto contidos nos corpos de todos os seres humanos atualmente vivos tenham sido retirados da atmosfera através do processo químico Haber-Bosch. O que quer dizer que, sem esse processo, a população humana seria, no máximo, uns 60% daquilo que é hoje.
Estima-se também que o processo Haber-Bosch seja responsável por 1% de toda a energia (tipicamente, fóssil) atualmente consumida pela Humanidade.
Dito isto, as afirmações transcritas de Maria Amélia parecem-me muito inespecíficas: ela não diz que sim nem que não, não diz que é mau nem que é bom, usa palavras muito redondas que não dão para perceber bem qual é a opinião dela (se é que ela tem alguma opinião).
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 14.09.2021 às 00:02

Potencial para mais uma Fome Progressista...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.09.2021 às 10:29

« tou-me cagando para o segredo de justiça» no caso Casa Pia com o do «esfalecido

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Penso que não há qualquer vantagem em ter os minis...

  • Q Portugal

    Como se podem congratular com um "genocida" que an...

  • Anónimo

    João-Afonso Machado, sobretudo espero bem que o Al...

  • Anónimo

    Para se fazer a diferença e darmos um novo impulso...

  • Anónimo

    (cont.)A pergunta que se impõe: queremos continuar...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D