Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Reverentes e obrigados

por João Távora, em 22.12.18

Coletes amarelos.jpg

Ontem passei a manhã nas finanças de Cascais a resolver um problema da minha mãe onde estava seguramente mais gente à espera de ser atendida que na manifestação dos “coletes amarelos” à portuguesa (um embaraçoso equívoco) no Marquês de Pombal. Às tantas naquele ambiente macambuzio e coibido ouvi um colega de infortúnio perante a perspectiva de passar o resto do dia ali retido desabafar à sua companheira que “é melhor ficarmos, que isto com as finanças não se brinca”. Todos sabemos o que pode acontecer se cairmos em desgraça às mãos da inquisidora e eficiente máquina tributária. Foi antes de sair de lá com o preciosos impresso que me custou uma manhã de trabalho, que me chegou pelas redes sociais a iconográfica fotografia dos Coletes Amarelos cercados pelas forças da ordem na Rotunda, e foi então que me consciencializei de como o Poder está confortavelmente respaldado na eficiência destes dois vectores: a Máquina Tributária e as Forças da Ordem. No fundo o Estado bem pode falhar na justiça, na saúde, nas catástrofes, podemos continuar pobres e exauridos, mas a ordem está garantida: a oligarquia que nos pastoreia tem a faca e o queijo na mão.



12 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.12.2018 às 18:12

Eu sou do tempo em que ainda se escolhia o pastor.
Sem imagem de perfil

De Kissol a 22.12.2018 às 18:34

Esclarecido artigo e ilustrativa fotografia - que descreve o que foi evidente:
•  No Marquês de Pombal, a Polícia dizia que as ordens que tinham é de que ninguém podia andar de Colete no Marquês e Av. da Liberdade...Se quisessem, tinham de ir p/ uma 'Caixa'/Gaiola circundada pela Polícia de Choque e não podiam sair desse círculo policial... [veja-se a foto...]
•  Inúmeros participantes tiveram de guardar os coletes debaixo do braço - para poderem circular no Marquês e Av. da Liberdade...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.12.2018 às 19:22

Chamar de eztremistas a uns pobres diabos que pediram  a favor dos que têm pouco, não lembra o careca.
Sem imagem de perfil

De António a 22.12.2018 às 21:42

Deviam ter confirmado quantos eram antes do evento.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2018 às 08:25

https://verdade-rigor-honestidade-diferente.blogspot.com/2017/06/as-r220617-evolucoes-do-futuro-ifc-pir.html
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2018 às 15:39

No faroeste era dispara primeiro e pergunta depois.
Nas Finanças é paga primeiro e reclama depois. 
Sem imagem de perfil

De Kissol a 24.12.2018 às 12:00

Informação adicional - para melhor inferir o 'modus operandi' da Oligarquia bem instalada...:
♦  o SIS, organismo dependente do primeiro-ministro, previa «uma adesão próxima dos 2 milhões de pessoas»...
Fonte: http://portadaloja.blogspot.com/2018/12/o-happening-do-sis.html
Sem imagem de perfil

De Carlos Marques a 24.12.2018 às 16:27

Eu, quando protesto, faço-o pacifica e democraticamente: voto. E voto sempre para que a minha voz se faça ouvir. Ao fim de 40 e tal anos, finalmente tive voz, paricialmente, na governação da Geringonça.

É perfeito? Não. Repreaenta-me a 100%? Também não. Mas é isso mesmo a Democracia: conviver e aceitar o contraditório.


Não respondo à chamada da Direita-Trauliteira nas "redes anti-sociais", nem vou para a estrada tentar impedir os outros de chegarem ao trabalho, nem ando à paulada contra a polícia a ver se gera alguma coisa "viral" para postar nas fake-news Cambridge-Analyticas da Direita-Trauliteira.


Não gostam de ser chamados de Extremistas? Não andem à porrada com a polícia, não façam manifestações anti antifascistaa, não coloquem gente na rua a dizer que agora (após o 25 de Abril de 1974) é que estamos em ditadura, nem vão colocar flores na campa do escroque que felizmente caíu da cadeira.


Dizia um dos Trauliteiros ma manifestação dos Coletes Meia-Dúzia: "não quero que o meu patrão me pague maia, quero pagar menos impostos" - mas que demagogia, que ignorância. Imposto que paga Estado-Social, não é imposto, é rendimento indireto. E salário que o patrão não paga, não é rendimento, é desigualdade e riqueza por distribuir, que o trabalhador produziu, mas ninguém beneficia, a não ser a conta bancária do patrão. Já tivemos esse sistema. Chamava-se Eatado Novo. E como se vê nessa foto, felizmente já só há meia-dúzia de saudosistas.


PS: em 2019 vou protestar pacifica e democraticamente duas vezes: 1° vou votar contra uma estupidez chamada Zona Euro; 2° vou votar num dos partidos da Geringonça (nunca no PS da negociata, e nunca em Comunas), porque quero mais direitos laborais, mais e melhor Estado, e impedir a Direita-Trauliteira de voltar a ROUBAR milhares de milhões de Euros ao Trabalho para os colocar no bolso do Capital, tal como o tal manifestante que citei desejava...


Vocês, votem na Direita do PSD, na Direita-Radical do CDS, ou em qualquer das "novas" Direitas-Trauliteiras que por aí aparecem, mas peço-vos uma coisa: sejam meia-dúzia ou meio-milhão, saiam-me da estrada, que eu quero ir trabalhar!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.12.2018 às 16:14

"saiam-me da estrada, que eu quero ir trabalhar"


O Carvalho da Silva, Ana Avoila e demais sindicalistas credenciados apoiam este comentário.


Eu digo "entrem-me no comboio, que eu quero ir trabalhar"
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.12.2018 às 17:00

Não nos iludamos. As "forças da ordem" são manifestamente incapazes de proteger o pagante (por vezes também chamado "cidadão", verdadeiramente o "contribuinte" - melhor, o "saqueado") no seu dia-a-dia. Não têm efectivos, não têm meios materiais (basta ver que os automóveis verdadeiramente possantes, das forças da ordem, são usados para caçar a multa, nas auto-estradas; a generalidade dos carros usados em patrulha fazem sorrir, ainda que amargamente), não estão - e muito humanamente - para destruir as suas vidas pessoais por um disparo que ousem fazer. A lei entre nós ignora a vítima, culpa a sociedade e protege o criminoso.


As forças da ordem servem para enquadrar as "caixas", ou lá como lhes chamam, desses criminosos impunes chamados "claques" e regular, legitimando-o, o escandaloso estacionamento selvagem a cada jogo de futebol. Quanto ao resto, invocam a falta de meios e aconselham o impostado a conformar-se e cuidar de se auto-proteger (mas, evidentemente, sem agredir o agressor!).


Tivesse isso dos coletes amarelos dado para o torto e bem se teria visto a impotência das forças da ordem, ante montras destruídas, saque generalizado e automóveis incendiados (excepto, evidentemente, o que disso fosse do estado!).


Resta o fisco, esse ente odioso e que até consegue afastar a sacrossanta presunção de inocência e inverte o ónus da prova. E é forte, cruelmente forte, com os fracos e abjectamente fraco com os fortes.


Mas está tudo bem assim e nem podia ser de outra forma.


Santo Natal,
Costa
Perfil Facebook

De Paul Abbey a 25.12.2018 às 10:21

Espero que nunca precisem da polícia para vos proteger

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    "...fazer das instituições do Estado entidades con...

  • Anónimo

    Não sei quantos anos tens, eu nos meus 63, já por ...

  • Luís Lavoura

    Sobre o título deste post, questiono-me de que for...

  • AP

    Este caso foi muito mal conduzido pelo agente... é...

  • AP

    Também está a tentar justificar o espancamento com...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D