Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Susana Peralta escreveu um artigo interessante com o título "Prémio da TAP: a dolce vita dos executivos que se pagam a si própios".

Essencialmente, a tese do artigo é a de que tendo a TAP acumulado prejuízos de 100 milhões, e pagando prémios de desempenho, há nisso alguma coisa totalmente errada.

Que em muitas circunstâncias as administrações escolhem para si remunerações dificilmente explicáveis pelo desempenho das empresas, parece-me pacífico, embora eu tenha alguma dificuldade em perceber qual é o ordenado razoável para Cristiano Ronaldo, por exemplo.

O que me incomoda é a distorção do que está em causa no caso dos prémios da TAP.

David Neeleman explicou recentemente que os prémios de desempenho têm 50% relacionado com o desempenho dos trabalhadores, em função dos objectivos estabelecidos (Susana Peralta argumenta que as empresas definem objectivos baixos e fáceis de propósito) e 50% relacionado com o desempenho da empresa.

Usar os resultados da empresa como único critério para definir se os prémios são justos, ou injustos, é uma coisa que me faz muita confusão ver defendida por economistas, em especial economistas que não se focam no curto prazo: a TAP renovou grandemente a frota, diminuiu os custos, pagou dívida, contratou pessoal, transporta mais gente, ou seja, criou condições para melhores desempenhos futuros. Ou seja, usar os resultados da empresa como único critério é um incentivo à tomada de decisão orientada para resultados de curto prazo, em detrimento da criação de condições para o futuro das empresas (note-se que usar o mesmo tipo de raciocínio aplicado ao Estado levaria à defesa da diminuição, ou pelo menos não aumento, do ordenado dos funcionários públicos enquanto o Estado tivesse défice, o que ainda não ouvi ninguém defender).

O que mais me incomoda no artigo é que estes prémios não dizem respeito à administração (pode haver uma parte que sim, mas não a maior parte do valor global dos prémios) mas sim aos trabalhadores, não a todos, é certo, mas aos que têm maiores responsabilidades, ou seja, o argumento de que são prémios em que quem decide é o beneficiário é falso, neste caso.

Confesso que não vejo o interesse em discutir o que perdem os donos da TAP pagando estes prémios, mas se se pretende fazer essa discussão, era bom que se fizesse a discussão de forma séria e sustentada, e não desta forma em que essencialmente se alimenta o ressentimento e a iliteracia em matéria de gestão empresarial.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Danny the Fox

    Publicação interessante, mesmo para quem não está ...

  • pedro

    nao ouso dizer "excessivamente extenso", mas para ...

  • Anónimo

    Tem "costela" do Mestre Alçada Baptista...

  • Anónimo

    comparando os estados socialistas com as putas'pag...

  • Elvimonte

    Extraordinário o senhor Alexis de Tocqueville. Um ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds