Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Repensar a república em Dia de Reis

por João Távora, em 06.01.21

presidentes.png

As eleições presidenciais que terão lugar daqui a poucos dias constituem mais uma oportunidade para os monárquicos dissecarem o nosso sistema semipresidencialista, apontarem as suas fragilidades e contradições e recordarem publicamente outros modelos, vigentes em destinos mais bem-sucedidos que o nosso.

O tema também interessa aos simpatizantes realistas que – imbuídos dum cândido pragmatismo - entendem que a sua participação cívica na eleição presidencial é útil numa perspectiva de "gestão do mal menor". Quase sempre os encontramos desiludidos, a cada final de mandato, com a intervenção política do "seu" presidente. Esperam (sempre debalde) que este, legitimado pela eleição directa, faça oposição ao governo assumindo conflitos institucionais com o parlamento e que rejeite com galhardia as leis por este emanadas de que não gostam.

A questão que a todos deveria inquietar é a de saber o que se pretende com o cargo de “mais alto magistrado da nação”. Este deve ser um elemento de aglutinação e de unidade, dotado de poder equidistante de moderação para a promoção de equilíbrios, tendo em vista o longo prazo e os valores perenes da nação, ou um participante activo na contenda sectária e permanente dos interesses e das facções que inevitavelmente existem onde haja mais do que uma pessoa? Pretende-se um Chefe de Estado que se assuma reserva da nação, com contenção, equidistância e sobriedade, ou mais uma voz a somar-se à berraria que emana da disputa partidária e ideológica?

Convém lembrar aos realistas pretensamente realistas que a Coroa viável nos nossos dias — aquela que, afinal, impera nos países mais evoluídos da Europa — é uma instituição politicamente abrangente e aglutinadora: não estigmatiza convicções, credos ou clubes. O respeito pelas diferenças e a capacidade de inclusão são, por via disso, dos argumentos mais valiosos da solução política preconizada pelos monárquicos. Nas dez monarquias constitucionais europeias - Bélgica, Dinamarca, Espanha, Liechtenstein, Luxemburgo, Holanda, Mónaco, Reino Unido e Suécia - os seus monarcas - Filipe, Margarida II, Filipe VI, Hans-Adam II, Henrique, Guilherme Alexandre, Alberto II, Isabel II e Carlos XVI Gustavo - não se envolvem no dia-a-dia da governança. Todos estes Estados são dotados de fortes tradições parlamentares e muito desenvolvidos.

Pela minha parte, e porque gosto de política, assistirei divertido ao espectáculo das presidenciais de 2021, na certeza de que será digno da final de um campeonato de wrestling. Um dia, o seu vencedor irá instalar-se no Palácio de Belém com a árdua tarefa de fingir que representa todos os Portugueses. Mas, no momento de preencher o boletim de voto, não deixarei de o anular. Será essa a expressão do meu repúdio pela mascarada que nos foi imposta à força.

Adaptação do meu Editorial no Correio Real nº 22

Imagem: revista Visão

 



19 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2021 às 16:52

`BORA LÁ A MUDAR ESTA PANTOMINA!...
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 06.01.2021 às 17:04

Apesar de ter algumas duvidas da forma como votaria, assumo sem reservas que os portugueses tem todo o direito de escolher em referendo entre monarquia e republica.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2021 às 18:10

Se por hipótese vencesse a monarquia, quem é que deveria ocupar o lugar de chefe de Estado?
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 06.01.2021 às 18:38

Em primeiro lugar vamos ao referendo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2021 às 19:39

Bom argumento a favor da república.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2021 às 06:37

Mas em primeiro lugar, os portugueses têm de saber como funciona uma Monarquia. Quem lhes explica?
Imagem de perfil

De João Távora a 07.01.2021 às 11:53

E o que eu estou a tentar fazer aqui. E de onde vem há muito mais para quem queira saber. 
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 07.01.2021 às 16:07

Um referendo pressupõe um prévio debate publico em que cada uma das alternativas será seguramente explicada. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2021 às 19:29

João Távora, sabe que há pessoas que estão convencidas que a Monarquia leva à exclusão da Democracia? 
Julgo que interiorizaram: 
Monarquia é passado e retrocesso  -  Democracia é actualidade e progresso. 


Há muita confusão e desinformação sobre a Monarquia e não existem debates, nem muita divulgação nem esclarecimento público sobre o assunto.
 E esse, meus srs., é o 1º passo, que há muito já devia ter sido dado pelos monárquicos.
Se há desconhecimento, como podem os portugueses  aderir à Causa? 

st


P.S. os monárquicos que me desculpem, mas fazem-me lembrar aquela anedota do alentejano (os alentejanos que me perdoem também) que rezava, dia após dia, pedindo com muita devoção a Deus que o fizesse ganhar a lotaria. Tempos depois, o alentejano ouviu uma Voz que lhe disse:
_ Meu filho, eu bem queria ajudar-te! Mas não tenho como! Compra ao menos o bilhete!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2021 às 04:16

A Noruega é uma Monarquia, certo?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2021 às 12:35

Portugal poderia ser uma monarquia electiva? Qual é a sua opinião?
Sem imagem de perfil

De jo a 07.01.2021 às 15:42

"Pretende-se um Chefe de Estado que se assuma reserva da nação, com contenção, equidistância e sobriedade, ou mais uma voz a somar-se à berraria que emana da disputa partidária e ideológica?"


Os monarcas, mesmos os europeus não têm sido modelos de contenção e equidistância, veja-se o emérito espanhol. E quanto a berrarias, o saco de gatos que costumam ser as famílias reais é tudo menos contido. Nem com muito esforço os presidentes das diversas repúblicas europeias e suas famílias conseguiriam encher tanto jornal e tanta revista de escândalos como a família real britânica p.ex. 


Que contenção têm as histórias do príncipe Carlos, da Lady Di e da Sara Ferguson? E da Carolina do Mónaco? E as caçadas e as amantes de Carlos de Bourbon?
Já para não falar das monarquias do Golfo Pérsico e da Tailândia.
Também temos os regimes pseudo hereditários da Coreia do Norte e da Síria, um exemplo de como a transmissão dentro da família e sem eleições garante o melhor governo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2021 às 10:42

...E A MALTA ELEITA EM DEMOCRACIA, QUANDO LHE DÃO PODERES FAZEM A MESMA COISA E A DOBRAR...!
AS CAÇADAS FAZEM PARTE DO SER HUMANO SEJA  DE QUE CLASSE FOR. É PRIMITIVO...É ANCESTRAL, POR EXEMPLO. AS AMANTES? É ANCESTRAL E PRIMITIVO.
VIVER EM LUXO QUANDO LHES DÃO PODER?- É ANCESTRAL E INTUITIVO... -SÓCRATES , PARIS...EXEMPLOS...
TEMOS POR EXEMPLO AQUELAS ABERRAÇÕES DE TV, LOGO QUE APANHAM DINHEIRO A MAIS, POR ESTRELATO FÁTUO E OCO, COMPRAM AOS 3 CARROS, TOPOS, E NEM SABEM LIGAR O PISCA QUANDO TÊM QUE VIRAR "À RETAGUARDA... "
UMA MONARQUIA ATÉ ´HARMONIOSA E ELEGANTE...FICA BEM NUM PAÍS QUE É À BEIRA-MAR PLANTADO... 
ROMÂNTICO E INSPIRADOR... 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2021 às 12:14

É uma trapalhada o que escreve. 
Só acertou numa coisa: 
Ficava muito bem uma Monarquia num belo país à beira-mar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2021 às 20:24

Um Presidente da República de olhos bem fechados:


https://www.youtube.com/watch?v=L2oXn9VMz1A
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2021 às 20:31

Esta república desbragada parece-se cada vez mais com a dos tempos de Afonso Costa.


Recomendo a leitura do texto:


https://blasfemias.net/2021/01/06/galamba-matos-fernandes-e-o-hidrogenio/
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2021 às 11:02


Um dia (espero que brevemente) vai ter de se discutir a sério e resolver essa questão entre Monarquia e República. Mas antes disso há um outro assunto bem mais premente e que precisa de tratamento urgente. Primeiro, a qualidade desta Democracia.
Ontem, no frente-a-frente entre Ana Gomes e Tiago Mayan, cada vez mais nos apercebemos do imenso fastio que provoca ouvir aquela mesmice de sempre, aquele discurso rançoso que dura, dura... E que nos trouxe a tão brilhantes resultados! 
A srª, sempre tão lesta atrás da corrupção, ficou muda e queda, sem resposta ao T.Mayan quando este a confrontou e acusou abertamente o PS de favorecimento dos "seus" na distribuição de cargos e prebendas, dos recursos do país sempre vantajosos para a "família" socialista e da captura descarada, quase selvagem das Instituições do Estado por este partido.
Mas Ana Gomes, como não vê bem ao perto (citando Mayan) nada vê no seu partido e nada tem a dizer sobre as práticas que por lá se fazem (e faziam). Um esmero!


Esta é que é verdadeiramente "A" urgência, até por uma questão de asseio: trazer uma renovação e arrancar este país cinzento e empedernido do atraso crónico, onde a palavra "democracia" significa disfuncionalidade e já não tem qualquer sentido. Dela apenas tem o nome, pois não o é na prática diária  como é próprio dum Estado de Direito. Esta pseudo-democracia vem sendo  desvirtuada há demasiado tempo. Espezinhada é o termo certo. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2021 às 11:39


(cont.)
Os portugueses escusam bem de se queixar, porque é da sua inteira responsabilidade permitir  ou travar este SAQUE constante que nos trouxe a esta indigência. Há demasiado tempo que andamos a ser burlados pelos mesmos de sempre e, ao que parece, não é tão cedo que isto muda, porque os mesmos de sempre não tencionam, tão cedo, largar "o osso" (passe o termo).
 
Neste país irrespirável onde falta um fôlego de Progresso como há noutros países europeus, foi refrescante ouvir um candidato com ideias alternativas e arejadas que poderiam trazer um vigor novo e a Esperança numa Democracia mais moderna e mais europeia  que é tão necessária a este país fechado, atrasado e enrolado sobre si mesmo. Tiago Mayan tentou mostrar que se podia subir a fasquia dos objectivos para o país através de uma "receita nova", embora exista e seja praticada noutros países.  Mas quantos o perceberam? Ou antes: quantos estariam dispostos a arriscar sair da cepa torta e a tentar mudar este "padrão" e usar a fórmula utilizada noutros países países democráticos mais desenvolvidos e que conseguem gerar riqueza e trazer progresso aos seus povos? 
NÃO temos de continuar a ser pobres como uma fatalidade, nem a sujeitarmo-nos a esta "periferia" com cheiro a bafio a que nos condenaram. 
Este é o tema que devia ter a primazia nesta altura, na minha modesta opinião.
 
Einstein, parece, terá dito:
A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes.
st
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2021 às 12:45

Tenta-se confundir e amedrontar os portugueses com afirmações dum primarismo confrangedor sobre o Liberalismo, descrevendo-o como se fosse  uma agremiação de anarquistas. Não sei se o fazem por ignorância ou intencionalmente por má-fé. Mas inclino-me para o pavor que sentem estes "bem instalados" do regime de virem a ser "desinstalados" do poder mais cedo do que esperam. 
O que sei é que  "Tiago Mayan tem sido uma surpresa e uma revelação. "Já fez mais pelo Liberalismo no seu país" em tão puco tempo, como escreveu João Vieira Pereira hoje no Expresso. Aliás, recomendo a leitura  do seu artigo intitulado "Patinho feio".

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João

    É isso. Eis a razão pela qual o Benfica usava cami...

  • zazie

    Mas v.s sabem o que dizem ou são extra-terrestres?...

  • voza0db

    O que é um facto é que não interessa o grau académ...

  • voza0db

    A diversão é continua!Durante a época de natal e p...

  • Elvimonte

    O efeito do Natal:- na Turquia http://prntscr.com/...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D