Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Relativismo, dizem eles

por henrique pereira dos santos, em 14.10.22

"Não estou interessada em exercícios comparativos".

Talvez esta tenha sido a forma mais civilizada que ouvi quando, a propósito dos abusos sexuais na Igreja Católica, tento conversar sobre o contexto social do problema.

A minha questão central é simples de enunciar: se o problema tem maior prevalência na Igreja Católica que noutras instituições similares - instituições que lidam com milhares de crianças e adolescentes -, como frequentemente se ouve dizer, então a Igreja Católica tem um grave problema para resolver; mas se a prevalência do problema na Igreja Católica é semelhante a outras organizações do mesmo tipo, como sugere a investigação sobre o abuso sexual de crianças, então quem tem um problema para resolver somos todos nós.

Foi ao pôr a questão nestes termos, ou em termos semelhantes, que me responderam, civilizadamente, como descrevi acima.

Habitualmente a resposta é mais agressiva e acusam-me de estar a relativizar o problema, porque um só caso já seria um caso a mais e uma tragédia.

Sim, é verdade, mas não é pelo facto de uma pessoa que morre de fome ser uma tragédia e ser um caso a mais do que devia, que deixamos de olhar para as estatísticas da fome, e por uma boa razão: para resolver problemas complexos, precisamos de ter mais informação, e não menos.

Infelizmente não parece haver uma grande vontade de discutir o problema na sociedade, e isso vê-se muito bem na imprensa.

Tomemos o exemplo do vendaval noticioso à volta do facto de D. José Ornelas, bispo de Leiria-Fátima, estar a ser investigado em dois inquéritos abertos pelo Ministério Público.

Confesso que há já algum tempo que me perguntava que raio de crime potencial teria dado origem aos inquéritos, visto que, aparentemente, os factos se passavam num país terceiro, com cidadãos de um quarto país.

Por esta extraordinária peça do Observador (vários dias depois da generalidade da imprensa e comentariado nacional se entreter a queimar em lume brando o bispo, por ter dois inquéritos abertos pelo Ministério Público, incluindo o Observador, que tem uma cobertura deste assunto abaixo de cão), fiquei a perceber melhor qual era a questão, mas continuei sem saber qual seria a ilegalidade potencial que motivava os inquéritos.

Perguntei para a geral e apareceram dois juristas a dizer-me que a norma legal em causa seria o artigo 367 do código penal "Quem, total ou parcialmente, impedir, frustrar ou iludir actividade probatória ou preventiva de autoridade competente, com intenção ou com consciência de evitar que outra pessoa, que praticou um crime, seja submetida a pena ou medida de segurança, é punido com pena de prisão até três anos ou com pena de multa.".

Quando perguntei em concreto o que poderia configurar esta tipificação do crime, responderam-me que "um padre encobrir a prática de um crime por outro." poderia configurar o crime descrito na norma que citei.

Fiz notar que para impedir, frustrar ou iludir actividade é preciso que actividade exista, ora se alguém encobriu um crime, pode ser cúmplice do criminoso, mas não pode ter impedido, frustrado ou iludido uma actividade que não existia.

Responderam-me que isso se apura no inquérito e que o Ministério Público é obrigado a abrir um inquérito, por mais disparatada que seja a denúncia, mesmo na ausência de qualquer facto concreto, nem que seja para o fechar cinco minutos depois de aberto.

Não sou jurista, não me vou pôr a discutir os contornos jurídicos que permitem ao Ministério Público tornar obrigatória a denúncia de crimes com o argumento de que a ausência de denúncia configura um favorecimento pessoal criminalmente tipificado no tal artigo 367.

Aqui chegados, conclui-se que a abertura de inquéritos não tem nenhum significado: o Ministério Público é sempre obrigado a abrir inquéritos, mesmo que, como é o caso, seja a quinta vez que o mesmo maluquinho faz denúncias de factos passados num país estrangeiro com cidadãos de um terceiro estado, sempre com o mesmo resultado (tudo arquivado), apenas porque percebeu que acrescentando às denúncias anteriores a denúncia abstracta de qualquer coisa ocorrida em Portugal, removeria as razões formais dos arquivamentos portugueses anteriores (os arquivamentos moçambicanos e italianos mantêm-se, claro).

E, no entanto, a imprensa em vez de me informar que a abertura de inquéritos é um procedimento automático, sem qualquer significado, resolve fazer um xarivari enorme com isso.

Há quem chame a isto jornalismo, eu acho que é só treta, a mesma treta que pretende afastar a discussão do contexto dos factos com o argumento de que saber as estatísticas da fome é relativizar o problema da fome.

O que resulta de termos uma imprensa muito mais interessada na sinalização de virtude que na produção de informação relevante.


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos a 14.10.2022 às 18:53

A mim o que me deixa irritado é saber que é o Ministério Público quem passa esse tipo de informação para a comunicação social. Aliás, o Bispo Ornelas queixou-se publicamente disso, dizendo que soube da queixa pelo que ouviu na CS.

Se uma denúncia for caluniosa, como poderá o MP reparar o dano? Jamé, claro. E essa gente não pode ser castigada.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.10.2022 às 20:34

O ministerio publico é talvez o maior cancro da terreola,entidade perigosissima que destruiu a vida de milhares de santos inocentes. Entre os milhares,basta lembrar o que fizerem aquela pobre desgraçada Maria de Lurdes Rodrigues 3 anos e meio de prisão por um simples desabafo....fazem o que querem e são impunes.Entidade completamente inultil podre e ultra decadente,a Inquisição comparada com as chungas tiranas e tiranos do Ministerio Publico era um brincadeira de crianças.Nunca investigam nada,o objectivo é apenas punir e perseguir a vida inteira os mesmos e as mesmas desgraçadas santas e santos inocentes para apresentar trabalho e fazer brilharete nos média. A casa Pia,o Carlos Cruz,o Socrates etc... tudo tretas para encher o olho a labregos ignorantes.Todas as entidades publicas funcionam mal e fazem o que querem porque estes inuteis que deviam fazer que funcionassem simplesmente não querem saber porque isso não dá protagonismo e a mesma nota para a Policia Judiciaria os manos gémeos do Ministério Público.Esta terreola está morta há 48 anos,mas a quem isto interessa....há futebois,ganza a rodos nas ruas e cães para fazer dedicatórias de amor...portanto prontx,tá fêto e nã mexe mais.
Basilio el xuxalhote
Imagem de perfil

De O apartidário a 14.10.2022 às 21:24

"uma imprensa muito mais interessada na sinalização de virtude " --- virtude com um camião de aspas digo eu para rematar. 
Sem imagem de perfil

De Francisco Almeida a 15.10.2022 às 09:34

Não sei se já fiz este comentário no Corta-Fitas mas vem a propósito.
Nos EUA há já bastantes anos, foi publicado o resultado de um estudo sobre pedofilia. Estou a citar de memória nas a família que creio incluía envolvente próxima, vizinhos, etc., tinha bem mais de metade dos casos. Em seguida vinha a escola com uma percentagem que me espantou de abusos em contexto desportivo (balneários, etc.) e envolvendo ambos os sexos. Só em terceiro lugar apareciam as igrejas e estas prejudicadas porque incluíam casos em que o abusador era professor e não estava no exercício do seu múnus espiritual.
Não vejo motivos para em Portugal a realidade ser substancialmente diferente. E, porque não vejo cobertura nem investigação da imprensa ou de entidades públicas que não seja agora sobre a igreja católica não posso deixar de concluir que, sem negar a gravidade do caso e aplaudindo a sua investigação, está em curso um ataque persecutório à igreja.
Em particular, o caso Casa Pia sempre me deixou imensas dúvidas. É que eu lembro-me de há muitos anos ouvir dizer que no jardim da Praça do Império, quem queria rapazinhos ia para um lado, quem queria meninas para outro e, das últimas, que me apercebesse, nada veio a público.
Sem imagem de perfil

De balio a 15.10.2022 às 15:01

Não há ataque persecutório à Igreja. Há perseguição de (alegados) crimes.
O facto de outros crimes de teor similar (como à pedofilia no seio da família) não serem perseguidos, não faz com que estes crimes não devam ser perseguidos, nem como que a sua perseguição seja "persecutória". 
Sem imagem de perfil

De entulho a 15.10.2022 às 09:49

o jornalixo está ao serviço do dono.
ninguém referiu a excelente entrevista de Horta Osório.
tal como se deduz da entrevista de Bill Browder sobre os ricos do Ocidente que guardam os 300 nil milhões de Putin.
«já nem mudam as moscas ...»
Sem imagem de perfil

De zazie a 16.10.2022 às 10:20

O problema é que as outras instituições não têm a hierarquia organizada e chefia única da Igreja Católica.
Mesmo que se quisesse era praticamente impossível. Era como andar a espiolhar décadas e décadas de todas as pessoas no mundo Ocidental (o resto nem conta).


Nem sequer os internatos são passíveis desse recuo por faltar informação acerca de responsáveis ou por não haver responsáveis únicos conhecidos, como na Igreja Católica


Claro que para os prot isto é um festim. Eles são uma hidra. E os budistas nem se fala, estragava igual festa aos jacobinos

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D