Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Rei D. Carlos de Bragança - um retrato

por Daniel Santos Sousa, em 28.09.23

Carlos_I_of_Portugal_by_José_Malhoa.jpg

O retrato que nos é dado de D.Carlos é o de um príncipe amante das artes e dos prazeres mundanos, e com esta imagem a propaganda republicana teve o seu alvo predilecto. Os seus antecessores (D. Luís e, antes, D. Pedro V) não poderiam divergir mais no carácter: a imagem bela e lúgubre do “Esperançoso”, ao mesmo tempo frio e romântico, político tecnocrata construído a pulso, e cuja morte precoce criou no povo uma profunda devoção, contrastava com o irmão, D. Luís, homem bom e condescendente, que beneficiou de um longo e próspero reinado, ao qual, mesmo os mais insignes opositores, não deixavam de lhe revelar as virtudes, como alguém descreveu: “Reinou, não governou”.

Mas D. Carlos não beneficiaria de uma propaganda tão favorável. Inicia o reinado da forma mais violenta ao ser confrontado com o escândalo do ultimatum inglês e a revolta republicana no Porto a 1 de Janeiro de 1891. A questão dos tabacos e os adiamentos à Casa Real levam Afonso Costa a atacar o rei na Câmara dos Deputados (na sessão de 20 de Novembro de 1906): “Por muito menos crimes do que cometidos pelo Rei D. Carlos, rolou no cadafalso em França, a cabeça de Luís XVI”. Nem as palavras de Oliveira Martins auspiciando uma nova monarquia forte e restauradora da ordem podiam adivinhar a desordem que aí vinha.

Na essência, o monarca era o produto de uma cultura liberal, não era um religioso ultramontano, o seu catolicismo reduzia-se às formalidade monárquicas, aliás, a defesa dos liberais na união do Estado e da Igreja servia para manter o clero sob o controlo do Estado e, assim, impedir atitudes mais “reaccionárias” da parte da Igreja (como os próprios diziam). D. Carlos era um político de grande habilidade e um pragmático, modelo do monarca que bem podia estabelecer paralelo com o espírito reformista do seu primo Guilherme II, que se colocou à frente do movimento socialista alemão; ou Leopoldo da Bélgica, que procurou ir ao encontro das reivindicações do operariado; ou mesmo Francisco José, que promoveu na Áustria um movimento a favor do sufrágio universal.

Ainda que com algumas diferenças para com estes soberanos. D. Carlos não se via como um enviado do divino, como o Kaiser alemão, não gostava desse “regime de opereta”, segundo os testemunhos da época o rei ouvia mais do que falava, não era homem de impor a sua vontade, aceitando o poder e os limites de um rei constitucional; não tinha, tão-pouco, ensejos de grandiloquência, ou de megalomania. Era, sobretudo, um homem energético, amante do desporto, das artes e das ciências, como comprovam os seus estudos oceanográficos. Mesmo não sendo no sentido estrito um intelectual (talvez mais perto desse conceito ficasse D. Pedro V) era um homem culto.

Dava razão ao jornalista republicano Homem Cristo que analisava a antipatia que muitos sentiam para com o rei, antipatia que resultava “unicamente da forte personalidade que, desde príncipe real, D. Carlos revelara... A Lisboa silenciosa, arruaceira, indisciplinada, sentia, por instinto, no futuro reinante, um adversário. E bastava isso para que olhasse com natural antipatia o homem destinado a reprimir-lhe os abusos e a desordem.Mas tinha carácter. Não o insultariam impunemente. Não beijaria mão que o esbofeteasse. Não deixaria cair na lama o espírito de ordem e de autoridade.” Era este o perfil do rei traçado por um homem que longe estava de ser monárquico.

Mas o rei vivia também momentos vitoriosos, como lembra o momento em que numa tourada no Campo Pequeno é aclamado com o grito: “Viva o rei liberal! Viva a liberdade! Viva o neto de Vitor Manuel!”

É difícil saber como teria sido a história de Portugal se D. Carlos e o príncipe real D. Luís Filipe tivessem sobrevivido àquele dia trágico de 1 de Fevereiro de 1908. A verdade é que naquele dia começa o século XX português. A força do rei D. Carlos, última energia capaz de regenerar o sistema, desaparecia e, ademais, inaugurava ali uma prática que se iria alastrar nas próximas décadas do novo século: o assassinato político.


3 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 29.09.2023 às 11:19


No retrato o rei aparece com os pés metidos para fora, assim a modos que como o Charlot. Ele seria mesmo assim, ou foi o retratista que decidiu pintá-lo assim?
É uma coisa bué de estranha e (para mim) bastante repelente, pessoas com os pés virados para fora. José Sócrates é assim. Na recente fotografia de grupo dos líderes do G20, Narendra Modi também aparece assim.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.09.2023 às 19:56

« É difícil saber como teria sido a história de Portugal se D. Carlos e o príncipe real D. Luís Filipe tivessem sobrevivido ...»

Não é difícil saber que não teria sido como foi e, portanto, que não podia ter sido pior. (Deste "pior" exclui-se o interregno da Salazarquia, um caso especial à parte.)
Na biografia de Rui Ramos sobre D. Carlos - obra talvez definitiva - fica completamente às claras quem é que minou a monarquia liberal e a levou ao desfecho horrível.
(Manda também a justiça dizer que o nome "Salazarquia" é de Hipólito Raposo, que pagou por isso.)
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 30.09.2023 às 15:12

Foi um bom homem, foi um bom Rei, mas o país é o que é. É triste dizê-lo, o seu grande crime foi  ter sido inteligente e culto. Tivesse Dom Carlos sido bruto e boçal e teria morrido na cama no Paço de Belém - o que diz muito do que somos e porque razão 50 anos após a revolução dos cravos (a poesia é bonita) estamos novamente, mais uma vez, a caminho de ser o país mais pobre e atrasado da Europa - de uma Europa cada vez mais pobre e em declínio.. É fácil mudar instituições. Difícil é mudar mentalidades.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • RR

    Trabalha sim. O trabalho dele é este mesmo: escrev...

  • Hugo

    E mesmo assim o Passos Coelho ganhou depois desta ...

  • anónimo

    Sim, vivem em conluio com o eleitorado.O PS certam...

  • Filipe Costa

    Em setembro de 2010, pouco antes da aprovação do O...

  • Tiro ao Alvo

    Este balio não trabalha. É um funcionário público,...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D