Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Redondo absurdo

por Vasco M. Rosa, em 17.05.15

À volta de 1980, creio, fiz parte dum grupo de amigos que alugou uma casa de praia no Portinho da Arrábida, que pertencia ao industrial e coleccionador de arte Manuel Vinhas, então exilado e humilhado, que assim julgava protegê-la de ocupações e rapinas. Na biblioteca da sala, folheei um pequeno álbum da Artis dedicado ao pintor Júlio Pomar, com uma agradecida dedicatória deste ao seu mecenas. Seria interessante que esse livro ainda existisse como mais uma prova provada do muito que os artistas neo-realistas e outros ficaram a dever a homens como Vinhas e Brito, um assunto «desconfortável» que foi irradicado da história da arte portuguesa do século passado... 

Isto a propósito do próximo leilão do quadro de Pomar, O Almoço do Trolha, que escorre inspiração portinariana. Também ele vem duma colecção particular (desconheço quem seja), e de facto como documento duma época mereceria estar exposto numa instituição cultural de alguma relevância. Todavia, quando vemos que as colecções dos nossos museus e centros culturais de primeira linha vivem escondidas nas Reservas, para que nos salões se exponham os equívocos da arte contemporânea, essa praga, não fará pois mal que o quadro de Pomar — considerado uma das peças essenciais dessa corrente literária e artística que pôde dominar décadas durante a ditadura salazarista que contestava — passe a novas mãos e olhos privados.

Alguém comentou ser inacreditável que não pertença já ou venha a pertencer ao Museu do Neo-Realismo, instituição cujos recursos próprios devem ser reduzidíssimos. É lícito considerar que à Fundação Mário Soares dificilmente ele virá a pertencer, se isso depender dos bolsos do seu patrono. Porém, pode bem acontecer ainda que a Câmara de Lisboa o compre para cedê-lo ao Atelier-Museu Júlio Pomar, mas isso seria já um redondo absurdo, atendendo à gritante descapitalização e abandono que a autarquia está a impor aos seus serviços culturais, como sucede com a contorcionística extinção da sua valiosa hemeroteca (encerrada para mudança de instalações há dois anos!!) e a asfixiante míngua em que as outras vivem.

 

11206530_990818000936834_3838317238674293452_o.jpg

 



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.05.2015 às 11:25

Outro artista/ intelectual que foi apoiado por Manuel Vinhas foi Luiz Pacheco. O comunista Pacheco tinha fama de "morder a mão que lhe dava de comer".


No entanto quando, em Maio de 76, Manuel Vinhas publica o seu livro "Profissão Exilado", Pacheco, contra toda a corrente política dominante da época, atravessa-se com um magnífico elogio ao autor e à obra.


Pacheco era indomável. Grande Pacheco!
Sem imagem de perfil

De Miguel A. Baptista a 18.05.2015 às 11:30

Outro artista/ intelectual que foi apoiado por Manuel Vinhas foi Luiz Pacheco. O comunista Pacheco tinha fama de "morder a mão que lhe dava de comer".


No entanto quando, em Maio de 76, Manuel Vinhas publica o seu livro "Profissão Exilado", Pacheco, contra toda a corrente política dominante da época, atravessa-se com um magnífico elogio ao autor e à obra.


Pacheco era indomável. Grande Pacheco!
Imagem de perfil

De Vasco M. Rosa a 18.05.2015 às 23:07

Tem razão em lembrar isso. Todos os outros foram cúmplices do insulto... e hoje vendem os seus trabalhos a preços exorbitantes para banqueiros, advogados e financeiros, que nada têm de industriais, actividade nobre e essencial; ou aguardam que o estado lhes compre quadros e pague as contas das suas fundações, ateliers e afins, para que a subsídio-dependência vingue sempre.
Sem imagem de perfil

De hajapachorra a 19.05.2015 às 03:03

erradicado

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João-Afonso Machado

    Ora assim, as coisas são civilizadamente incompree...

  • Anónimo

    Creio que J-AM encontrou a solução: não nos estamo...

  • António

    Fez as contas?

  • isabel s.

    Se tiver paciencia, vale a pena ver "a grande conf...

  • isabel s.

    Os que na Europa apreciam tanto o dito costa são o...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D