Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Rampa deslizante

por henrique pereira dos santos, em 30.05.20

Ouvi no rádio (Rádio Observador) que estavam a soldar portas de cafés no bairo da Jamaica como medida de saúde pública, com o objectivo de controlar o surto que por lá anda.

Não confirmei a notícia, não sei portanto se é absolutamente exacta, mas é plausível no sentido em que se não se chegou a este extremo, ninguém estranharia que se tivesse chegado.

Quando 75% dos contágios eram nas casas das pessoas, nos lares e nos estabelecimentos de saúde, ninguém se lembrou de ir soldar as portas de ninguém para impedir o ajuntamento de pessoas.

A proibição de ajuntamentos de pessoas é discutível - para além de ser impossível de aplicar de forma sistemática -, mas muito mais grave é que o Estado decida que em vez de fiscalizar esses ajuntamentos e, quando se verificarem, encerrar os estabelecimentos, o Estado presuma que um surto se deve ao ajuntamento em cafés num bairro (não sei como conseguiram determinar isso, nem qual é a definição de surto, parece que bastam três pessoas com infecção confirmada, mesmo sem quaisquer sintomas) e, consequentemente, decida soldar portas para garantir que as pessoas não se juntam no futuro.

O que parece estar em causa não é a aplicação de uma sanção prevista na lei para um facto ocorrido, o que está em causa é uma acção coerciva de uma violência brutal, para impedir um facto futuro, sem culpa formada por parte por parte dos acusados - os donos dos cafés - e sem necessidade de validação pelo sistema judicial.

Com certeza se houver o risco iminente de queda de uma arriba, se pode interditar uma praia, por exemplo, mas no caso em concreto, qual é o risco iminente?

De acordo com o Estado, o aumento de pessoas infectadas por uma doença.

Qual é o problema desse aumento de pessoas infectadas?

Ninguém sabe dizer.

Quantas pessoas morreram ou foram internadas por causa do surto no bairro da Jamaica?

Em que medida é iminente esse risco, quando as autoridades dizem que a situação está controlada?

Qual é a proporcionalidade da medida tomada para a obtenção do objectivo definido, que o Estado, aliás, se recusa a definir de forma concreta (é extraordinário que não saibamos se o que se pretende é liquidar uma epidemia a soldar portas de cafés, ou evitar a sobrecarga dos serviços de saúde, a soldar portas de cafés)?

Qual é a responsabilidade do dono do café na existência do surto no bairro da Jamaica?

É sempre assim, começa-se com coisas razoáveis e uma inteligível definição do bem comum - redução dos contactos sociais para impedir que o crescimento de um surto epidémico provoque falhas nos serviços públicos - e, se a vigilância sobre a proporcionalidade da actuação do Estado abranda, em qualquer altura um qualquer funcionário está a determinar a soldagem das portas de um café.

Porque pode, e porque o café é no bairro da Jamaica.



5 comentários

Perfil Facebook

De João Távora a 30.05.2020 às 22:05

Bora então para outra freguesia beber umas mines!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.05.2020 às 10:11

este estado de coisas é versão social-fascista de 
dr jéque e sr hide
'ite' ... e não voltes
Sem imagem de perfil

De Carlos a 31.05.2020 às 14:43

Deviam era fechar o bairro, que de bairro tem pouco, pois não passa de uns montes de tijolos, encastelados sabe deus como, sem água ne, electricidade, a não ser a roubada, com as chamadas puxadas à moda de África.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 31.05.2020 às 18:40


A nossa alma de soldador está nas viseiras de plástico que se usam por aí. São tal-qualmente.
Que bom não terem acabado com os plásticos este ano da Graça.

Aliás, tenho uma recordação de que foi anunciado, em tempos, que os ocupantes daquela miséria [consentida pela esquerda] tinham ficados alojados algures. Ou seria nenhures?
Umas tontas prepotências que voltam a encardir a imagem das 'autoridades'. Lá disse o maomé bosta.
ao
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 01.06.2020 às 15:16

uma acção coerciva de uma violência brutal, sem culpa formada por parte por parte dos acusados e sem necessidade de validação pelo sistema judicial

Bem, isto faz-me lembrar a atuação do Banco de Portugal em relação a certos bancos. Sem necessidade de validação por parte do sistema judicial, e sem culpa formada, o Banco de Portugal retirou a certas pessoas a idoneidade para gerir um banco, condenando-as pois a serem chutadas para fora da administração desse banco e forçando o banco a arranjar novos gestores. Foi assim que o Banco de Portugal agiu, por exemplo, em relação ao BCP.

E tem que ser mesmo assim que, ocasionalmente, se tem que agir. Não se pode ficar à espera de decisões judiciais quando há um perigo iminente.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Lobos disfarçados de cordeiros

    Ainda bem que encontrei alguém que pensa como eu, ...

  • Luís Lavoura

    O que me parece difícil será encontrar Estados que...

  • Anónimo

    MMilagre português : o vírus está a circular em bo...

  • Vagueando

    "Os problemas parecem sempre ter a mesma origem. E...

  • zazie

    Quanto ao que retira da coisa eu retiro o oposto.S...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D