Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Raios partam o jornalismo

por henrique pereira dos santos, em 29.01.21

"Os modelos de Carlos Antunes, um dos especialistas que tem apresentado as suas projeções nas reuniões no Infarmed com o Governo, vão no mesmo sentido: “Os indí­cios do efeito do confinamento são muito subtis, dado o curto perío­do desde o fecho das escolas, mas verifica-se uma desaceleração da incidência global. O pico está a ficar cada vez mais definido e é apontado algures entre 5 e 9 de fevereiro, com uma incidência que poderá si­tuar-se entre os 17 e os 18 mil casos diários.”"

Já escrevi que gosto de Carlos Antunes, da sua cordialidade e disponibilidade, só acho é que tem uma leitura profundamente errada desta epidemia, de como se desenvolve e de quais são as "forças modeladoras" que a estão a influenciar primordialmente (eu acho, é um achismo, não estou a dizer que sei mais que Carlos Antunes ou Manuel Carmo Gomes, acho, explico porque acho, desenho hipóteses, avalio-as contra a realidade e mudo de opinião se verificar que os dados invalidam as hipóteses de que parti).

E não me irrita nada que Carlos Antunes vá fazendo previsões sucessivas, adaptando-as em função da informação que vai havendo, é o normal para um investigador.

O que me irrita é a forma como  os jornalistas tratam estas previsões que, é bom lembrar, influenciam fortemente políticas públicas que condicionam pesadamente a vida de milhares de pessoas.

Não entendo, mas não entendo mesmo, o mecanismo mental que fez tantos jornalistas abandonarem a essência da sua actividade, que, entre outras coisas, consiste em questionar todo o discurso com base em factos verificáveis, para aceitar o papel de porta-voz do discurso do bem e das boas causas, independentemente dos factos.

Vejamos esta declaração de Carlos Antunes.

“Os indí­cios do efeito do confinamento são muito subtis, dado o curto perío­do desde o fecho das escolas"

Ao jornalista cabe perguntar o que quer dizer Carlos Antunes com esta frase. As escolas fecharam a 22 de Janeiro, os seus efeitos só podem fazer-se sentir-se nos dados a partir de cinco dias depois, logo, a 27, os dados que existem hoje, a esta hora, são os dados que dizem respeito a 27 (e dias anteriores, mas vamos esquecer isso) e portanto não se trata de efeitos mais subtis ou menos subtis, trata-se de uma impossibilidade, os efeitos do confinamento não existem ainda nos dados existentes.

"verifica-se uma desaceleração da incidência global"

Ao jornalista cabe fazer notar que se se verifica uma desaceleração da incidência global, nesta altura, isso não se deve a confinamento nenhum, nenhum de nós sabe a que se deve, o que o jornalista deveria fazer é confrontar Carlos Antunes com a impossibilidade de ligar esta desaceleração com o confinamento, em vez de meramente reproduzir um discurso contrariado por factos conhecidos.

"O pico está a ficar cada vez mais definido e é apontado algures entre 5 e 9 de fevereiro, com uma incidência que poderá si­tuar-se entre os 17 e os 18 mil casos diários.”

Ao jornalista caberia perguntar por que razão agora se faz essa previsão de casos diários (já agora, em valores pontuais ou médias a sete dias? Tenho a certeza de que Carlos Antunes fala de médias a sete dias mas a generalidade dos leitores vão pensar que está a falar de valores diários (para se perceber a importância da clareza neste ponto, ontem houve 16 432 casos mas a média a sete dias é cerca de 3 500 casos a menos, é de 12 890 casos)) quando há quinze dias, sem confinamento, a previsão apontaria muito para cima dos 40 mil casos, o que se alterou em quinze dias para reduzir a previsão para menos de metade, se os efeitos do confinamento são reconhecidamente subtis?

"Em termos médios, no final de janeiro, o matemático prevê que se chegue às 16.400 novas infeções diárias, mais de 7 mil internamentos, 860 dos quais cuidados intensivos, e um número de 300 óbitos diários."

O fim de Janeiro é daqui a três dias. Ou seja, Carlos Antunes está a dizer que dentro de três dias (quatro, considerando que os dados que vou citar são de ontem), em termos médios, o número de casos vai aumentar de 12 890 para 16 400, isto é, que nestes quatro dias a média de sete dias vai aumentar 877 casos por dia quando nos últimos quinze dias não houve um único dia com esse valor de aumento diário e a média diária de aumento desses quinze dias é de 283 casos, que nos próximos quatro dias os internamentos vão aumentar 108 internados por dia, o que é razoável para o histórico (eu tenho dúvidas de que seja assim, mas nada a dizer sobre esta previsão, que é perfeitamente razoável), e que os cuidados intensivos vão aumentar 20 internados por dia, o que me parece uma previsão razoável, embora ousada (estou convencido, e espero, que não se vá verificar esta previsão, mas não a posso contestar com nada muito objectivo, é apenas a minha visão do que se está a passar, a que falta tempo para poder ser validada ou abandonada).

Nada disto perturba jornalistas, ouvem estas previsões, não as avaliam de forma independente (quando existem previsões de várias fontes limitam-se a reproduzir as diferentes previsões, sem discutir as diferenças entre os diferentes grupos de modeladores e as respectivas fundamentações), não as confrontam posteriormente com a realidade, não as escrutinam duramente, como era sua obrigação e, com isso, abrem caminho a que uma opinião pública assustada dê o apoio a medidas maximalistas de controlo da epidemia, que visam evitar um cenário que só existe em previsões fantasistas (nem o facto das previsões mais conhecidas terem errado por um factor de dez, isto é, houve dez vezes menos mortes que as previstas, mesmo em regiões onde não foram adoptadas as medidas que os modeladores juravam que eram a única forma de diminuir esse número de mortos, nem assim o jornalismo deixa de contribuir para a confusão entre previsões razoáveis com graus de incerteza acentuados e profecias que nos apontam caminhos para a redenção).

Raios partam o jornalismo que nos calhou em sorte no meio de uma coisa tão disruptiva como uma epidemia.



10 comentários

Sem imagem de perfil

De voza0db a 29.01.2021 às 10:48


Isto continua a ser o que sempre foi, e o que eu venho afirmando desde Janeiro 2020:


UMA PANDEMIA DE CASOS PCR


Nem com o acórdão da Relação de Lisboa a manada boçal é capaz de entender esta simples REALIDADE!


Raios... Nem com o caso do Ronaldo - evidente exemplo da FRAUDE PCR - a manada boçal é capaz de lá chegar.


Por isso continuem. Pelo menos hoje em dia posso andar tranquilo nas ruas da "aldeia" onde vivo...
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 29.01.2021 às 13:45


"Não entendo, mas não entendo mesmo, o mecanismo mental que fez tantos jornalistas abandonarem a essência da sua actividade"


Como já disse, poucos vão  para jornalismo para serem jornalistas mas para pregarem  a sua moral, são padres e a sua religião é a política. E só entraram nas redacções para o fazerem.

Para ter a resposta à sua questão pergunte porque é que Carlos Antunes tem tempo de antena na proporção que tem?

Porque dá as respostas que os jornalistas querem ouvir.
Nenhum jornalista faz uma pergunta em que corra o risco de não saber já a resposta.
O que dá mais poder à religião política? Uma população assustada e "culpada".
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 29.01.2021 às 14:18

Os números de hoje (ontem) dão-lhe razão. 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 29.01.2021 às 16:01

É cedo, é cedo, vai ser preciso ver se não é um valor isolado.
Sem imagem de perfil

De voza0db a 29.01.2021 às 15:11


Pelos vistos o meu comentário anterior não serviu para nada!


"... nenhum de nós sabe a que se deve, o que o jornalista deveria fazer é confrontar Carlos Antunes com a impossibilidade de ligar esta desaceleração com o confinamento..."



A quantidade de "casos" está directamente relacionada com a quantidade de PCR executados (ATENÇÃO: PCR NÃO É UM TESTE).


Continuar a fazer de conta que este FACTO não existe resulta em notícias como aquelas e em artigos como este com estas afirmações!


Mas pronto... é o que é.
Sem imagem de perfil

De balio a 29.01.2021 às 15:26


Raios partam o jornalismo que nos calhou em sorte


É por isso que eu jamais compro qualquer jornal. E fico satisfeito por ver que grande parte dos jornalistas está atualmente em risco de desemprego.
Sem imagem de perfil

De voza0db a 29.01.2021 às 15:26


Já que gostam de dados... basta ver aqui


https://covid19.min-saude.pt/ponto-de-situacao-atual-em-portugal/




folha "Ev. novos" e folha "Ev. total de testes" (novamente relembro que PCR não é um teste!)


E pronto... PANDEMIA DE "CASOS" PCR
Sem imagem de perfil

De voza0db a 29.01.2021 às 15:28


E já agora e para terminar...


Se continuarmos a fazer PCR's como temos feito a PANDEMIA será eterna.


Pronto, já desperdicei tempo demais!


Continuação.
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 29.01.2021 às 15:31

Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma

Joseph Pulitzer (https://www.pensador.com/autor/joseph_pulitzer/)
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 29.01.2021 às 16:14


O que aprendi com modelos epidemiológicos?


Simples. Constituí uma empresa de projecto epidemiológico de estruturas. Disse que tinha um modelo de elementos finitos - que não publiquei, porque não existe - para pontes e barragens. Estou agora a projectar uma ponte e uma barragem com auxílio desse modelo que tem merecido honras noticiosas e no qual a generalidade das pessoas acredita, apesar de algumas serem inteligentes e bem formadas.


O facto do modelo não ter sido sujeito a processo de validação experimental para verificar que os seus resultados reproduzem a realidade, não tem qualquer relevância, desde que a generalidade das pessoas acreditem no modelo - e acreditam. 


Se a ponte cair, o que é bem provável, direi que o modelo precisa de um ajuste nos parâmetros, porque o pico epidemiológico de tráfego viral não estava previsto que acontecesse naquele momento, tudo por culpa do Natal anterior. E, porque o modelo é epidemiológico, não tenho dúvidas que pessoas inteligentes e bem formadas acreditem que é assim que se faz ciência. 


Se o muro da barragem colapsar, o que também é bem provável, direi que foi a enorme quantidade de pessoas na albufeira durante o Verão anterior  e os seus contactos a causa do colapso, porque provocaram uma enorme carga viral quando deveriam ter ficado em casa.


De um ponto de vista estritamente epidemiológico-estrutural, será que posso ser responsabilizado? Não me parece. Apenas há que ajustar os parâmetros do modelo - não publicado, inexistente até prova em contrário - e construir uma nova ponte e uma nova barragem, porque é assim que se faz ciência e se garante a impunidade genericamente apaudida.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Júlio Sebastião

    O António José Seguro começou a dar aulas de mestr...

  • Anónimo

    Há sistemas baseados no voto que não são democráti...

  • Elvimonte

    Já dizia Eça: "Os partidos elegem-nos e nós votamo...

  • Anónimo

    Que esperar de um Regime corrupto, de corruptos, ...

  • Anónimo

    Muito bem analizado. Apenas mais uma das consequên...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D