Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Quantos são, quantos são?

por henrique pereira dos santos, em 13.11.22

Andam por aí uns spin-off do Bloco de Esquerda, acompanhados de umas organizações formatadas para estar sempre de bem com Deus e o Diabo, a fazer umas manifestações pindéricas de umas dezenas de manifestantes, umas ocupações de treta com meia dúzia de activistas, por vezes com as mães atrás, a dar apoio.

Parece que é tudo contra o fracasso climático.

Até aqui, nada de especial, faz parte do folclore, como o vira do malhão.

O curioso é que quando são criticados, ou alguém que acha que tem obrigações para com as pessoas que são prejudicadas por estas perfomances resolve dizer ou fazer o óbvio, aparecem logo umas quantas pessos a comparar a entrada da polícia nas universidades no tempo de Veiga Simão com intervenções corriqueiras da polícia democrática para resolver arruaças, e a dizer que é preciso valorizar o factos dos jovens lutarem por aquilo em que acreditam.

O normal consiste em saber o que são os jovens e o que querem.

Aparentemente, o que os jovens querem não se define em processos democráticos, em eleições, em associações, em organizações que se envolvem nas comunidades e resultam das comunidades, aparentemente parte-se do princípio de que, da mesma forma que acham que o que os trabalhadores querem é o que diz a CGTP que eles querem, apesar de haver hoje mais trabalhadores a votar no Chega que nos patrões da CGTP, também aqui o que os jovens querem é o que estas dezenas de pessoas dizem que os jovens querem.

Há alguma razão para fazer essa suposição?

As manifestações juntam milhares? As ocupações rebentam por todo o país, em todas as escolas, com forte apoio social?

Não, nada disso, são umas arruaçazitas, a que ninguém liga nenhuma, a não ser jornalistas e afins.

Qual é o critério de interesse social que leva boa parte do jornalismo a dar espaço e atenção a estes grupinhos de amigos?

Ninguém sabe.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel da Rocha a 13.11.2022 às 11:47

Atenção que quem começou com as ocupações foi a JSD, na António Arroyo. Eram os 80 membros da JSD que organizaram a logística para exigirem a demissão do governo (ainda há tarjas dessas penduradas nas redes laterais) e novas eleições, onde o símbolo da JSD e PSD está nos 4 cantos, alguns rasgados, depois do BE organizar grupos apoiantes, noutros locais. 


O Chega irá dotar o super sindicato para 90 milhões de portugueses, com 8,55 milhões de euros, para início de actividade. Uma forma de organizar os 18722 (até sexta) sindicatos de enfermeiros, registados e com direcção de 3 pessoas, no mínimo, e 4, no máximo, os 10138 sindicatos de pessoal médico, os 2289 sindicatos das forças policiais, os 683 sindicatos de pessoas militar e guardas prisionais e os 8000 sindicatos de várias coisas, boa parte ligados à função pública. Esse super sindicato já prometeu pagar 30 dias de ordenados com prémios de 10000%, a quem participe na greve de Abril de 2023, onde André Ventura irá discursar 30000 vezes, nas 12000 manifestações que já estão a ser organizadas. O Chega está a planear cortar as 2 pontes sobre o Tejo e a A1, durante 10 a 15 dias, para tentar fazer cair o governo, aproveitando os recursos que vai obtendo, nesses sindicatos obscuros, como foram os 830, que organizaram as greves de camionistas, liderados por um membro do Chega, passando para um colega, do Iniciativa Liberal, obtendo os lucros do protesto e calando as reclamações de abuso dos próprios camionistas, proibidos de circular pelos patrões, que pensaram obter milhões, em lucros imediatos, caso as promessas daquele líder, fossem conseguidas.
Foi o mesmo esquema que Pedro Simas, virulogista, usou para apoiar o PSD (e a coligação de 89000 movimentos cívicos) na câmara municipal de Lisboa. Entretanto recebeu 90060 euros de pagamento, além dos 3100 euros, mensais, do cargo de vereador e mais de 7 milhões para a empresa seguradora, onde trabalha como consultor e que pode receber 620 milhões de euros, nos próximos 3 anos, graças ao "seguro de saúde PSD-Lisboa", para os idosos irem ao dentista, e oftalmologia, a custos reduzidos. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.11.2022 às 11:53

entraram a força em propriedade alheia: 
a Sede de Ordem dos Contabilistas.
na minha aldeia dizia-se 'ocupou' quando alguma mulher ficava grávida
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 13.11.2022 às 14:35

A moda custa mas chega ao rectângulo. 
O Eça é racista e deve sair do plano de leitura (aqui ainda vão tendo azar porque a "elite" intelectual gosta do homem), deve-se eliminar o simbolismo colonial (ou no mínimo mete-lo num museu, devidamente "enquadrado"), agora são os jovens a lutar pelo clima. Presumo que tenham ido de bicicleta para a manif, e que há muito abdicaram dos telemóveis. 
O mais engraçado é que estas manifestações emanam das ciências sociais e políticas, mas no fim quem tem que resolver é a "tecnologia ". Tecnologia isto, tecnologia aquilo, solar, vento e hidrogénio. A Greta e os seus seguidores que inventem soluções tecnológicas para todos os males do mundo, uma agricultura sustentável que dê de comer a 7 mil milhões, carros a vento e comboios e barcos a electricidade "verde".
Esta geração só faz m..da, para mim reformava-se tudo e davam lugar à nova, entra tudo nos eixos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.11.2022 às 16:59

Achar que quem vota no Chega é "trabalhador". Sou se for "trabalhador" na Opus Dei ou nas igrejas evangélicas...
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 14.11.2022 às 08:12

Se se esforçar o suficiente, verificará que a frase: "há trabalhadores a votar no Chega" é diferente da frase "Quem vota no Chega é trabalhador".
Depois deste exercício básico, pode então começar a fazer outros mais sofisticados que consistem em ir ver onde são as maiores votações do Chega e do PCP e qual o perfil sócio-económico dessas zonas.
Depois compara as percentagens de votação de uns e outros (posso ajudar dizendo que o Chega teve 399 mil votos e o PCP 238 mil, portanto 161 mil votos a mais) e percebe que na diferença de votos entre um e outro, é mais provável que encontre trabalhadores que pessoas das igrejas evangélicas e da opus dei pela simples razão de que existem esmagadoramente mais trabalhadores que evangélicos e opus dei (e já estou a descontar o facto de haver trabalhadores que são evangélicos e opus dei, mas isso calculo que já o comece a baralhar outra vez).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.11.2022 às 07:59

 Estes papalvos da "agenda globalista" nem sabem que estão a ser enganados e usados. Uns simplórios que "aprenderam" a papaguear uns clichés nas Madrassas & Acampamentos de louçãs e doutros artistas.
E esses tais "colados" como regressaram a casa? Pena que não se tenham visto imagens, pois seria importante todos sermos esclarecidos. 
Não sei como ainda ninguém se lembrou de pegar num desses pobres diabos e testar-lhe a coerência e a convicção. Seria um trabalho detalhado e intenso durante um dia inteiro filmado,  tipo filme-reportagem, abrangendo "Uma semana na vida de um activista catastrofista". Assim, ficaríamos a saber de ciência certa o óbvio que todos imaginamos. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.11.2022 às 20:24

É "chic", diria o Dâmaso  :  é como se faz "lá fora"...
Bibkicamente estúpidos ,  nas palavras do Grande Ausente....
jsp
Sem imagem de perfil

De pitosga a 15.11.2022 às 10:46


Esta gajada o que não tem é fome. Vão ter que ir trabalhar em breve — passar droga só é negócio com gajada rica. Este paiseco nunca valeu nada e continua na mesma senda da miséria.
Abraço

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • entulho

    na minha aldeia, ex-vila acastelada da Casa do Inf...

  • Anónimo

    Se reparar, caro Sr., não divergimos assim tanto e...

  • Marques Aarão

    Por associação de ideias arrisco uma das frescas d...

  • Anónimo

    E, como disse, partem e nunca mais regressam!

  • henrique pereira dos santos

    Vê-se bem que o senhor anónimo não partilha os meu...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D