Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Prova dos nove

por henrique pereira dos santos, em 30.01.21

grafmort.jpg

Já descrevi este gráfico num post anterior (entretanto fiz uma correcção de datas, nada de relevante para o quadro geral que o gráfico retrata). Sobre esta actualização é relevante dizer o seguinte: são seis da manhã, portanto os dados de 29 de Janeiro (ontem) são indicativos. O valor da mortalidade total vai sendo alterado ao longo do dia, em consequência dos atrasos de registo, mas é ainda assim um valor expressivamente mais baixo que o de ontem a esta hora, que já era expressivamente mais baixo que o de anteontem à mesma hora. O valor da mortalidade covid a 29 de Janeiro é neste momento desconhecido e é um valor arbitrário atribuído por mim, apenas para poder completar o gráfico que ilustra o que quero dizer.

Algures lá atrás, do alto da minha ignorância, admiti que a mortalidade global ia descer pouco depois do dia 13 de Janeiro e, com isso, iria descer a mortalidade covid, sem respeitar o desfasamento temporal que se admite que exista entre o número de casos e a mortalidade, que anda pelos quinze dias, três semanas.

Nada disso se verificou, nem a mortalidade global desceu expressivamente (foi subindo até ao dia 26, embora progressivamente mais devagar), nem a mortalidade covid desceu, não acompanhando sequer a desacelaração progressiva da mortalidade, portanto concluí que a minha hipótese não era válida, pelo menos no tempo e forma como a descrevi.

É tempo de a retomar: a mortalidade total parece estar a descer rapidamente (insisto, não tão rapidamente como parece no gráfico porque quanto mais recentes, maiores são as correcções que os números ainda vão sofrer) e a mortalidade covid deu ontem um sinal de que a hipótese que estava na minha cabeça - parte da mortalidade covid registada não resulta da maior incidência da doença e não decorre da doença, mas corresponde à morte de pessoas com testes positivos covid, independentemente da relação entre essa morte e a presença da infecção - talvez seja válida.

Como todos sabemos, uma prova dos nove não substitui uma prova real e o que estou aqui a fazer é apenas uma prova dos nove.

Se a mortalidade covid baixar hoje de novo, nada fica demonstrado, mas ficam mais fortes os indícios de que ignorar a anomalia meteorológica extraordinária que ocorreu entre 24 de Dezembro e 19 de Janeiro (considerando que entre 13 e 19 de Janeiro a anomalia é menos clara e generalizada) na interpretação quer da mortalidade global, quer da evolução da covid, é um erro.

E que, já agora, esse erro tem um peso terrível na definição de políticas com efeitos sociais reconhecidamente negativos, incluindo a asneira de fechar escolas e suspender o ensino presencial.

Adenda: a mortalidade covid não baixou, bem pelo contrário, teve um aumento acentuado, embora para um valor menor que o dos dias anteriores (com excepção de ontem). Para já não se confirma a hipótese que tinha na cabeça, vamos esperar pelos próximos dias



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds