Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Proposta de acordo

por henrique pereira dos santos, em 22.12.20

Vejo por todo o lado, das pessoas mais qualificadas às menos qualificadas, afirmações peremptórias de que vamos ter uma explosão de casos em Janeiro por causa das regras laxistas para o Natal.

Eu tenho uma proposta de acordo.

Se a 15 de Janeiro os casos aumentarem mais de 25% em relação a 24 de Dezembro, podem continuar a prometer o apocalipse para amanhã e a tomar medidas radicais para o evitar.

Se o aumento de casos ficar abaixo dos 25%, quer dizer então que um Natal com regras laxistas (questáo diferente é o comportamento das pessoas, que é largamente independente das medidas coercivas tomadas) não teve um efeito por aí além, as coisas ficaram dentro da capacidade de encaixe do sistema de saúde e podemos parar com as promessas do apocalipse para amanhã e com as medidas que impactam radicalmente a vida das pessoas, sem grande efeito na progressão da epidemia.

Começando por enterrar definitivamente qualquer hipótese de fecho de escolas (mesmo à maneira dos políticos do centro da Europa que para acalmar os seus eleitores resolveram fechar as escolas durante as férias de Natal, prolongando-as um bocadinho).



14 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 22.12.2020 às 10:13


enterrar definitivamente qualquer hipótese de fecho de escolas


Exatamente. 100% de acordo. Uma escola jamais deve ser fechada, mesmo que nela haja um surto, mesmo que nela haja N alunos ou funcionários ou professores infetados. Aqueles que não estão infetados devem continuar a trabalhar. Uma escola é um local de trabalho, como uma fábrica ou um escritório ou uma loja. Não pode ser fechada, mesmo que alguns dos trabalhadores tenham o azar de se infetarem. Não pode haver nenhum delegado local de saúde, nenhum presidente de Câmara, que possa encerrar uma escola.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 22.12.2020 às 10:57

Calma que  já está tudo previsto, se não houver casos suficientes em Janeiro com este vírus mandamos vir a nova estirpe do convid-19 que é 71% mais perigosa e vai transformar o apocalipse para amanhã no apocalipse para sempre.
Sem imagem de perfil

De Carlos Guerreiro a 22.12.2020 às 12:06

Que as coisas vão piorar depois do Natal é uma (quase) certeza. Basta analisar o que se passou todos os anos com a gripe depois do Natal e do Fim do Ano  (mesmo nos 2 últimos anos, em que em termos de mortalidade a gripe foi muito benigna).

O que está mal na gestão da pandemia é que as medidas tomadas não têm lógica. Se acreditam que o confinamento é a estratégia eficaz, não faz qualquer sentido o alívio das medidas na altura do Natal. Se o “alívio” das medidas no Natal são uma “cedência” aceitável, qual a razão de medidas tão restritivas desde Outubro?

Em relação à nova estirpe detectada no UK. Se a situação tem alguma gravidade qual a justificação de deixar entrar alguém proveniente do UK com um teste negativo nos últimos 3 dias? O período de incubação pode durar até 14 dias. Temos o exemplo do Costa que teve um contacto com alguém infectado e fez o teste (sem qualquer indicação segundo a papelada criada pela DGS) que deu negativo, mas tem de fazer 14 dias de isolamento.

A maioria das medidas adoptadas parecem mais ter sido idealizadas para mostrar que estão a fazer alguma coisa e em Portugal que não vão contra a base de apoio do governo (ou seja são aceites pelos focus group do Costa). Estou curioso como vai o Costa afinar a sua estratégia com o agravamento das medidas que estão a ser implementadas na Europa em relação à “ameaça” da nova estirpe. O agravamento da situação depois do Natal não poderá ser empurrado para cima da “inconsciência” das pessoas, quando o governo não tomou as medidas que os outros países europeus adoptaram. Lá vai ter o Costa que governar, o que por mais habilidoso que seja, detesta fazer.

Sem imagem de perfil

De balio a 22.12.2020 às 15:00


as medidas tomadas não têm lógica


Basta ver o que se passa nos restaurantes. As pessoas entram de máscara, sentam-se e tiram a máscara, e a partir daí ficam sem máscara, a conversar com outras pessoas sentadas a meio metro de distância. Não há distanciamento social, não há máscara, e ainda por cima há conversas, risos e tosses, tudo a uma distância mínima de outras pessoas, que usualmente não são aquelas que compartilham a habitação.


Se houvesse um mínimo de coerência, então os restaurantes teriam sido todos perpetuamente encerrados, funcionando somente em take-away.


(Não é que eu deseje isto, de forma nenhuma, estou somente a apontar para aquilo que efetivamente se passa nos restaurantes e para a total inconsistência das medidas.)
Sem imagem de perfil

De Jose Silva a 15.01.2021 às 15:09

"É um prazer tê-lo connosco, Sr. Henrique. Agora, que tal um pedido de desculpas pelo alto patrocínio que deu a vários negacionistas de renome nacional?"
Sem imagem de perfil

De Corta Fitas do Camandro a 15.01.2021 às 15:58

Bravo! 👏 
Perfil Facebook

De Gonçalo José Martins Cabrita a 15.01.2021 às 15:49

E agora, ilustre comentador??? Não devia retratar-se?...
Sem imagem de perfil

De Jose Silva a 15.01.2021 às 17:31


Eu votei na Iniciativa Liberal nas últimas legislativas e vou dizer aqui a minha asneira. Também sou amador e também direito às minhas asneiras.


A forma como os países do mundo greco-romano estão a gerir a pandemia é fraca, muito fraca, comparada com os países de cultura confucionista. "Os", no plural. São vários.


Epero que não seja factual que o HPS andou a dar palco ao André Dias. Dito assim, parece-me uma calúnia e espero que não passe disso. Ter o meu nome associado ao André Dias, para mim, seria calunioso.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 15.01.2021 às 22:54

O que é dar palco?
E o que tem a iniciativa liberal com isso ou com o que eu faço?
Perfil Facebook

De Nuno Martins a 15.01.2021 às 19:19

"Vejo por todo o lado, das pessoas mais qualificadas às menos qualificadas, afirmações peremptórias de que vamos ter uma explosão de casos em Janeiro por causa das regras laxistas para o Natal.

Eu tenho uma proposta de acordo.

Se a 15 de Janeiro os casos aumentarem mais de 25% em relação a 24 de Dezembro, podem continuar a prometer o apocalipse para amanhã e a tomar medidas radicais para o evitar." ???

Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 15.01.2021 às 22:53

Como passaram largamente os 25%, podem continuar a prometer o apocalipse para amanhã e tomar medidas radicais para o evitar.
Está em desacordo?
Sem imagem de perfil

De Mr. T a 15.01.2021 às 20:31

Não tem que se retratar. Só teria que cumprir o acordo. Não sei se os postes da baliza estão bem presos ao chão.
Aumento de 24/12 para 15/01: 
Casos novos diários: 172% (ligeiramente acima dos 25%)
Óbitos diários: 127%
Conclusão:
"podem continuar a prometer o apocalipse para amanhã e a tomar medidas radicais para o evitar"


Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 16.01.2021 às 08:43

Acordo esse que estou a cumprir integralmente, não vejo qual seja a questão.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    Quer a literatura científica, quer a evidência emp...

  • Anónimo

    De salientar que é sabido e conhecido que os subsc...

  • Anónimo

    E vê alguma crítica? Vê, ouve ou lê alguma notícia...

  • Anónimo

    HPS, ouvindo isto:https://observador.pt/programas/...

  • Anónimo

    HPS,agradeço a colocação no tempo do vídeo que des...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D