Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Precisamos de um milagre

por João Távora, em 31.08.20

Igreja-S-Leonardo--Atouguia-da-Baleia.jpg

As minhas preocupações mais profundas prendem-se com questões a que a política há muito deixou de acorrer. Duzentos anos passados sobre o início das revoluções liberais, a descristianização de Portugal tornou-se um processo acelerado – como no resto da Europa, o individualismo espalhou-se como um vírus que não olha a fronteiras. Aliás, a epidemia do “distanciamento social” só veio salientar a questão e agora entram-nos com violência pelos olhos adentro as igrejas encerradas e as missas cada vez menos participadas por esse país afora. A ligação à comunidade das paróquias é cada vez mais ténue, em muitos locais subsiste graças ao seu cariz assistencialista – é bom que os cristãos se distingam por cuidar dos mais frágeis. Os padres e cristãos consagrados são “a resistência” dos nossos tempos. Em abono da verdade nem a minha família (que é muito maior que a minha casa), de tradição profundamente católica romana, escapa a esta sanha pagã; o facto é que a maioria dos meus sobrinhos deixou de ir à missa e não se vislumbra que alguns dos meus sobrinhos netos venham a ser baptizados. Sim, há um problema geracional, a mensagem de Jesus Cristo, o drama humano, é pouco compaginável com o Instagram ou mensagens de WhatsApp, e não está a passar para os mais novos. Como não desejo a salvação só para mim, isso angustia-me, tanto mais que para lá do problema existencial a questão é também de identidade. De dia para dia, os portugueses, entretidos nos seus pequenos prazeres e idolatrias, vão-se desligando das suas raízes culturais (e territoriais). Ao final do dia suspeito que este não seja um problema exclusivo dos católicos. E que precisamos todos de um milagre que nos salve desta massificação hedonista e de que, um dia destes, a nossa Pátria não se dilua num mero algoritmo.

Fotografia: Igreja de S. Leonardo Atouguia da Baleia (Séc. XIII)



23 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.08.2020 às 20:22

Sr. Marquês, não esteja a perder a fé. Não desanime assim. Vai tudo voltar aos eixos. É homem de pouco fé?
Os seus sobrinhos apenas estão com medo de contágio. Até á primavera as Igrejas vão encher outra vez. Garanto... 
Sem imagem de perfil

De zazie a 31.08.2020 às 20:38

Assin por baixo todo o texto, excepto o detalhe do "distanciamento social" ter afastado as pessoas.


Pelo contrário. Só um cristão é capaz de entender que o pequeno sacrifício de afastamento físico (que não é social) e protecção com máscara ou outras liberdades que se perderam agora só fazem sentido por serem por amor ao próximo.


A Liberdade como teorizou Tomás de Aquino não pode ser apenas o livre arbítrio nem a liberdade de se fazer o que é imoral, Porque a liberdade tem de estar subordinada a valores para ser a Liberdade Maior que nos aproxima da Liberdade Divina.


E isto foi uma conquista cristã. Nunca os antigos gregos ou romanos tiveram uma noção de liberdade. Eram apenas iguais entre iguais com deveres de staus iguais.


O que se perdeu foi a noção cristã de Bem Comum que nada tem a ver com o que o Estado Manda mas com a obediência e temor a Deus, sem a soberba de nos considerarmos divinos. 
Com a humildade de sermos capazes de restringir a nossa liberdade (como bem explicou Tomás De Aquino) sempre que ela se encaminhava para o Mal e não para o Bem.


A modernidade desconhece isto. Os liberais apenas conhecem a Liberdade jacobina baseada na noção de propriedade. 


E é por isso que Direita a existir terá de ter a coragem de recuperar as suas raízes católicas. Nas paróquias, como bem referiu, na pequena escala. Em toda a parte onde ainda existe memória do que fomos e contra a substituição de todo este legado estrutural, pelo artificial do oportunismo político-partidário-jacobino. 
Sem imagem de perfil

De voza0db a 31.08.2020 às 22:03


Espero bem que os ingleses fiquem lá no ilhéu...
Por falar em milagres,


https://youtu.be/kB0MEjHgkfM
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 01.09.2020 às 01:31


Com a criminosa manipulação de massas que está neste momento em curso não sei se os Santos que temos chegam para fazer os milagres que precisamos. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 01:32

Milagre, milagre, seria  a Escola oficial de Portugal, nos três níveis do ensino, voltar a seguir as linhas mestras do Estado Novo, modernizadas e simplificadas:
Disciplina, rigor, amplitude de conhecimentos, tónica no que a Portugal e aos Portugueses diz respeito, Religião e Moral, prémio ao mérito.
Livros únicos, Alunos e Professores avaliados imparcialmente pelo seu desempenho  anual e todas as classificações tornadas públicas.
Serviço militar obrigatório simplificado.
Guerra implacável aos vícios (álcool, drogas, tabaco) e controlo apertado aos estabelecimentos de diversão nocturna.
Mini-estágios profissionais em todas as áreas produtivas para os Alunos que a isso se candidatassem a partir dos 16 anos de idade.
Estímulo intensivo à criação de postos de trabalho produtivo e não meramente burocrático, em todo o território nacional.
Estímulo à criatividade nacional em Investigação e Desenvolvimento.
Forte estímulo à exportação de bens e serviços.
Se este Milagre se concretizasse, Portugal prosperaria, recuperaria a sua soberania, deixaria de ser governado por nódoas, pagaria as suas dívidas e seria respeitado pelo Mundo civilizado.
Está nas mãos dos Portugueses escolherem o seu caminho: ou o da cigarra ou o da formiga. 
O Milagre é possível.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 01:58

A descristianização de Portugal tem vindo a ser preparada há mais de 200 anos.
De forma paciente e persistente, pela jacobina seita-que-não-se-pode-nomear. E não só.
Apagar, cessar o Cristianismo e regressar a um tempo "anterior" a ele é seu objectivo. Restaurar um tempo pagão onde foram banidos os limites à liberdade, às  restrições, donde foram excluídos todos os interditos ou "linhas vermelhas" e, como tal,  não existe a consciência da Transgressão, i.e. do Pecado, (no sentido cristão do termo) sem o qual também não há noção de Culpa.  E onde não há sentimento de Culpa, não há escrúpulo (no seu significado inicial, etimológico de "scrupulum").
Sem a noção de transgressão/pecado é forçoso a descrença na punição/ castigo (divino). Daí, que não haja tementes a Deus. O homem que nada teme, porque sem Deus.
Tem sido um processo ao longo do tempo. Acelerou? Talvez o Maio de 68  tenha exponenciado esta nova forma de "estar" na vida e no mundo, cujo slogan "il est interdit d' interdire" o sintetiza. 
O Homem que dispensa regras, normas, que não tem interdições, nem Deus, transforma-se na forma mais extrema de Soberba, convertendo-se no deus do seu próprio caos e desordem interior. Julgo que é neste ponto que nos encontramos no Ocidente.
Sem imagem de perfil

De zazie a 01.09.2020 às 09:15

Ainda voltando ao catolicismo que vai sendo destruído pelo avanço do jacobinismo, do egoísmo e de tudo o que afasta o ser humano de Deus, também não creio que seja totalmente como o vê.


Na Madeira e nos Açores o povo continua arreigado às suas tradições e ritos católicos. 
Por cá, quem tem dado exemplo que não é por falta de coragem dos padres ocuparem os adros das igrejas e aí fazerem a missa (e até há quem faça em Lisboa- conheço duas paróquias onde tal aconteceu em pleno confinamento) são os ucranianos ortodoxos.


Os imigrantes ucranianos são extremamente religiosos. E as igrejas continuam fechadas, precisamente porque para eles o egoísmo do euzinho liberal nem se coloca. Eles pensam sempre em função do colectivo.


E é também por isso que lá, na Ucrânia, esta pandemia ultrapassou as ordens estatais nas pequenas comunidades aldeãs.


O que se fez nas aldeias é, para mim, o melhor exemplo da sabedoria milenar e da noção de "política natural" no sentido de "o nosso solo"; a nossa aldeia; as nossas pessoas"- primeiro.
E por isso eles pura e simplesmente barricaram as aldeias antes de poder entrar alguém contaminado. E patrulharam e ainda patrulham diariamente para que nada de fora lhes traga doença, uma maleita para a qual não há tratamento e que um verdadeiro cristão não se arma em valente a desleixar toda a precaução.


Bem Comum é isto- o que é feito em nome de Deus pelo colectivo da terra onde se nasceu. Não há aqui Estado para nada. É anterior a essas fabricações. E não entra aqui manifestações nem revoltas contra ordens do Estado para nada. Porque a ordem do Bem comum em prol do bem do que lhe é familiar e vizinho, vem de Deus.


Esta pandemia pode ser aproveitada para se recuperar (ainda que apenas temporariamente) o único sentido natural da "gestão da polis" pelos exemplos das paróquias.
E é este o traçar de linha divisória entre o que está certo e é pelo Bem e o que está errado e labora pelo demo. As berrarias e pretextos para desacatos tendem sempre a juntar os anti-sociais. Os que deveria ser ostracizados. E os negacionistas de todas as espécies são gente a ostracizar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 12:35

Falou a inquisição. 
Porque é que não falas da Suécia como exemplo de combate ao vírus sem comprometer o convívio social?
Já pensaste bem que o combate a esta pseudo pandemia está a destruir um dos valores básicos da sociedade?
Se a economia colapsar por causa deste alarmismo infundado vais proteger o quê?
Achas que o dinheiro vai cair do céu, com a maioria das pessoas confinadas, em lay-off ou sem emprego?
Sabes quantas pessoas é que estão a deixar de comprar medicamentos porque não têm dinheiro nem para comer?
Encara a realidade, e não entres nesta histeria colectiva, informa-te e pensa com a tua cabeça. 
Sem imagem de perfil

De José Lopes da Silva a 01.09.2020 às 13:00

O seu comentário foi muito interessante. Obrigado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 10:10


“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem".


São, por isso, poucos aqueles que preferem entrar pela "Porta Estreita" porque o caminho é mais apertado, pedregoso, mais custoso, o que exige um grande esforço "pouco compaginável com o Instagram ou mensagens WhatsApp" ou com os prazeres instantâneos neste mundo hedonista donde foi banida a palavra "sacrifício", a sua prática e dela se desconhece o seu sentido.


Hoje é bem visível qual das duas portas tem sido a mais escolhida neste tempo de utilitarismo e de materialismo que, a todo o momento e por todos os meios, se tem aplicado em fazer o apelo ao prazer momentâneo como se este fosse o bem supremo e o objectivo da vida. Muitos são os que entram pela Porta Larga porque o caminho que a ela conduz tem muita gente e por isso é mais animado, mais espaçoso, mais folgado e não cansa.
Levou tempo até chegarmos a este admirável Mundo Novo. Mas é lamentável que à maior parte das pessoas tenha escapado como ele foi sendo induzido, direccionado gradualmente, primeiro administrado em pequenas doses, até à sua promoção, e, finalmente, a sua exaltação como sendo o futuro e o progresso. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 11:00


Um pedido de desculpas antecipado, caro Sr., por ser chocante o final deste video tão breve, mas suficientemente esclarecedor sobre  quem está no fim do percurso e é finalmente "revelado" naquele trono. É claro que o negam e nem todos sabem "quem" estão realmente a servir.
 Mas do que se vai conhecendo da sua simbologia a "descida ao poço" faz parte de certas cerimónias iniciáticas (veja-se o Palácio da Regaleira). Por que razão se auto-denominam  "Filhos da Luz" sabendo quem era o tal "portador da Luz" ou do Fogo?


https://www.youtube.com/watch?v=ZmibxWxARVA
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 13:15

Em Gênesis (https://pt.wikipedia.org/wiki/G%C3%AAnesis), a serpente é retratada como uma criatura enganadora ou trapaceira, que promove como bom aquilo que Deus proibiu, e demonstra perspicácia ao fazê-lo. O Novo Testamento (https://pt.wikipedia.org/wiki/Novo_Testamento) identifica a serpente do Gênesis como Satanás (https://pt.wikipedia.org/wiki/Satan%C3%A1s) e nesse processo redefine o conceito de Satanás ("O Adversário) de tal forma que Satanás/Serpente se torna parte de um plano satânico para afastar o ser humano de seu criador.


Sem imagem de perfil

De zazie a 01.09.2020 às 13:35

Essa igreja é uma maravilha e atesta algumas características de uma espiritualidade mais antiga em que o poder laico estava subordinado.
Ainda tem arcossólios exteriores para os sepulcros
E tem hárpias em vez de sereias nas mísulas. 


É necessário ensinar História aos jovens e começar pelo património local e suas tradições.
Está lá tudo o que é preciso. A base de formação católica é perfeita. Nunca se conseguiu inventar nada que a substitua.
Nem sequer os psicólogos fazem melhor que a confissão e a palestra com o padre.


E por isso que hoje em dia os grandes analfabetos são letrados mas perderam a sabedoria antiga.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2020 às 17:36

Subscrevo as suas palavras sobre o catolicismo. Mas o Cristianismo é muito mais do que uma religião. Esquecemo-nos da sua outra dimensão: a sua função civilizadora ao longo dos tempos e em distantes lugares. Quando há tempos a Professora Fátima Bonifácio se referia à Cristandade num texto que gerou tanta polémica,, poucos entenderam que ela simplesmente exaltava essa dimensão civilizadora. Mas a ignorância reinante que nada percebe, quase a condenava ao ostracismo.
Sem imagem de perfil

De zazie a 01.09.2020 às 18:52

Claro que sim. O cristianismo é a base cultural do Ocidente e de grande parte do mundo. Quem disser o contrário é ignorante.


E é por isso que as igrejas até têm mais gente com os imigrantes.
Eu tenho aprendido muito com o contacto com ucranianas. Gente simples mas com um sentido moral e sabedoria como o povo português tinha há muito tempo atrás (demasiado). Daí concordar com o pessimismo do João Távora.
Só que o que ele chama "individualismo" está retratado nesta militância descabelada das estatísticas e de que os velhos iam morrer na mesma e toda a gente morre e estamos cá para isso, portanto vá de ser egoísta dentro do carrinho e da protecção social de elite.


Isso ninguém me vende. E isso nada tem a ver com espatifar a economia. Antes pelo contrário- para se trabalhar há que usar as protecções existentes e são básicas e quem mais arrisca anda de transporte público. E convém ter presente que é uma porcaria que será neutralizada com vacina.


Mas a China devia pagar pelo que fez. Porque esconderam


Até os dias da semana se afastaram do paganismo, apenas pela palavra do S. Martinho de Dume.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2020 às 08:31

Essa cultura de que fala era sabedoria profunda, milenar, acumulada ao longo de gerações. Mas isso já foi, já era!  Hoje tudo esmorece e se vai perdendo. Efeito da inoculação de jacobinismo militante que até ao povo simples chega. Os países de leste, de certa forma, foram poupados a essa "catequese", por isso ainda encontra nessas ucranianas uma sabedoria intacta que elas sabem preservar, até porque conservar a sua cultura lhes dá o sentido da sua identidade.
Sem imagem de perfil

De zazie a 02.09.2020 às 12:02

Pois é isso mesmo. Por isso me agrada tanto o convívio com elas (um acaso que nem estava previsto).


Mas, há uns 15 anos atrás ainda percorri Portugal inteiro, incluindo ilhas e havia povo. 
Nas Ilhas permanece essa tradição arreigada e profunda religiosidade.
Lembrei-me das missas no adro porque cheguei a presenciar isso por lá. Era tanta gente que não cabiam dentro da igreja e cerimónia prolongava-se cá fora.


E mesmo a reza pelos defuntos e outras tradições ainda são feitas ao ar-livre. Nos alpendres que por lá se mantiveram.
Sem imagem de perfil

De zazie a 02.09.2020 às 12:09

Aos países de Leste aconteceu outra coisa- provaram a sério o comunismo.
Ficaram vacinados. 
Estas ucranianas lembram-se de Holodomor. Uma delas, que é muito engraçada, perguntou-me aqui há tempos como é que nós tolerávamos os comunistas com tanto poder. Disse ela que nem parecia coisa de um país mais civilizado que o dela 
ahahah
E todas adoram Portugal e os portugueses. Agora comunas, nem vê-los.
Esta mais despachada e que está a par de toda a política, no outro dia estava fula por causa de uma festa da escola da neta.
Uma treta de uma dança tradicional, completamente abastardada por música funk. Que aquilo era uma vergonha e que estragava a tradição.
E não se ficam por "da boca para fora". Nas aldeias quem manda é mesmo o povo, tal como referi com as barricadas e proibição de entrada de forasteiro, enquanto esta porcaria do bicho não estiver neutralizada.


E nem querem saber se é de lei ou não é de lei. É de lei de Deus e é quanto basta.

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D