Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Portugal sem fogos, uma ideia criminosa

por henrique pereira dos santos, em 13.07.22

João Távora pediu-me que reproduzisse um texto que escrevi em 2016 (note-se, antes dos fogos de 2017), com o título acima. Já ontem, António Costa (o jornalista do ECO, não o outro) fez um tweet ligando para um outro texto que escrevi em 2017 (Eucaliptocratas, diz ele). E eu tenho estado com vontade de reproduzir um outro que fiz (Antes cabras que aviões).

A lógica do João é a de que não sabe se toda a gente tem acesso ao artigo original que o João acha que vale a pena lembrar agora.

Aqui vai o texto, lembrando que entretanto o slogan "Portugal sem fogos depende de todos" já foi abandonado, um bom indício de que as coisas mudam, lentamente, mas mudam. Embora nalgumas cabeças o slogan continue bem vivo, começam a ser minoritárias entre quem toma decisões nesta matéria.

A versão que publico aqui é a que está nos arquivos do meu computador (e eu sou muito desorganizado), pode ter discrepâncias em relação à versão que foi publicada no Observador, nomeadamente a correcção do erro de português que me envergonha de cada vez que leio o texto (os meus amigos ambientalistas anti-eucalipto radicais, que acham que o fogo beneficia a indústria do eucalipto, passam a vida a reproduzir este texto como demonstração da minha submissão aos interesses do fogo e do eucalipto. Não é que sejam todos estúpidos, admito que alguns nunca tenham lido mais que título).

"“Portugal sem fogos”, uma ideia criminosa
“Portugal sem fogos depende de todos” é um dos mais perniciosos slogans de uma política pública.
Há a convicção generalizada de que como os fogos não são de geração espontânea e como não têm origem em causas naturais deixaremos de ter fogos em Portugal, ou pelo menos situações dramáticas, por vezes trágicas, associadas aos fogos resolvendo o problema da negligência e do fogo posto.
Será útil, para ganhar distância e podermos falar de fogos racionalmente, olhar para a dramática situação dos fogos vivida há pouco tempo nos Estados Unidos. A situação atingiu uma gravidade suficiente para levar Obama a declarar o estado de emergência no estado de Washington e a Austrália e a Nova Zelândia a mandar bombeiros para ajudar os EUA.
O que esta situação demonstra é que em condições meteorológicas extremas arde em qualquer parte, desde que haja combustível. As explicações habituais sobre o número de ignições, sobre a incompetência portuguesa em matéria de ordenamento florestal, sobre as espécies autóctones e todas essas explicações habituais deixam de fazer sentido numa situação como a dos Estados Unidos. E, no entanto, a situação saiu completamente de controlo, tendo inclusivamente levado à morte de alguns bombeiros.
É verdade que Portugal é dos sítios em que mais arde no mundo, o que muita gente não entende por achar que nas zonas de clima mais seco e quente deveria arder mais. Esta convicção resulta da confusão habitual entre clima e meteorologia.
O que verdadeiramente determina a posição especial de Portugal nas estatísticas de fogo é uma combinação de clima ameno, na transição entre o Mediterrâneo e o Atlântico, que é responsável por uma das mais elevadas produtividades primárias da Europa - isto é, os matos crescem muito - com fenómenos meteorológicos extremos, de maneira geral associados a períodos de vento Leste ou Nordeste, muito quente e seco (ou frio e seco no Inverno, situação que também provoca dias de muitos fogos e bastante área ardida, como já aconteceu em Novembro, por exemplo).
Esta combinação é a mesma que faz da Galiza a área onde se concentram mais de 50% dos fogos de Espanha, apesar de estar longe de ser a zona mais quente e seca de Espanha.
E em todo o mundo desenvolvido a evolução da produção agrícola e pecuária tem favorecido a acumulação dos matos que antes eram usados para aquecimento, para estrume e para a pastorícia.
Aqui chegados, compreendendo que cada êxito no combate a um fogo é mais um passo para o desastre futuro, ao favorecer a acumulação de combustível, talvez fosse tempo de abandonarmos completamente a ideia peregrina (por errada e por impossível) de um Portugal sem fogos.
A opção não está entre ter fogos ou não ter fogos, a opção é ter fogo selvagem e incontrolado, totalmente dependente de condições meteorológicas extremas que não controlamos, ou termos fogos que são um instrumento de gestão de combustível que nos permita gerir a situação da forma socialmente mais útil possível.
Há anos que nos EUA a política dos serviços florestais se alterou radicalmente e à política de supressão do fogo seguiu-se uma política de gestão do fogo, bem resumida num comentário informal de Paulo Fernandes sobre o assunto, feito já há alguns anos num blog: “A designada política do "deixa arder" era oficialmente designada como "prescribed natural fire" e, mais recentemente, "wildland fire use". Consiste em deixar arder os incêndios, geralmente de origem natural, desde que não ameacem bens/ infraestruturas e desde que ardam em condições que satisfaçam os objectivos de gestão do território. Para ter uma ideia da importância deste "deixa arder" nos EUA diga-se que é superior à área de fogo controlado, que por sua vez é a principal actividade do Forest Service. Poderia esta política ser adoptada, aliás adaptada, para a Europa? Não tenho a menor dúvida de que sim. Aliás, ela já é involuntariamente praticada em Portugal (nas épocas do ano em que a prontidão do dispositivo de combate é menor)”.
Esta opção, por si só não chega para resolver o problema, com este Verão tem demonstrado nos EUA.
Aliás vale a pena realçar que finalmente a pastorícia foi reconhecida em Portugal como uma operação de gestão de combustíveis nos instrumentos de apoio ao mundo rural, no PDR 2020.
Mas seria um passo na direcção certa abandonar de vez a ideia de um Portugal sem fogos, de supressão de todos os fogos em quaisquer circunstâncias, na fase mais precoce possível.
Há anos que esta é a doutrina dominante, mas dois dias de vento Leste fraco deram uma pálida imagem do que será a catástrofe a que nos conduzirá esta opção quando voltar a haver, como em 2003, dez a quinze dias de vento Leste forte a muito forte.
O facto de haver muitos anos em que essas condições se verificam muito raramente não nos deveria fazer esquecer que podem acontecer em qualquer ano.
E nessas condições meteorológicas, com o combustível acumulado que temos hoje nas nossas paisagens, a probabilidade de escapar de uma tragédia é baixíssima."


8 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 13.07.2022 às 12:37


O exemplo dos Estados Unidos (EEUU) é bom. Há porém uma diferença crucial entre os EEUU e Portugal: nos EEUU, sobretudo nos estados do Oeste, que são precisamente aqueles onde há mais incêndios, a imensa maior parte da terra rural pertence ao Estado. (O mesmo é válido para a grande maior parte dos países europeus.) Em Portugal, pelo contrário, a imensa maior parte da terra rural pertence a privados.
Quando há um incêndio numa terra do Estado nos EEUU e os Serviços Florestais decidem deixar arder, estão apenas a seguir uma política para com as suas próprias terras: arde esta parte do meu terreno, não arde a outra parte do meu terreno.
Em Portugal é muito diferente: se os bombeiros deixam arder uma terra e protegem a outra, podem estar a beneficiar um proprietário rural em detrimento do outro. É o Estado a tratar diferentemente dois cidadãos - o que é ilegal.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 13.07.2022 às 14:07

Portanto, estás convencido do que o que arde ou não arde, em Portugal, depende da vontade dos bombeiros.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.07.2022 às 16:23

Não sei se o Sr. Arquiteto ouviu como eu, ontem um especialista na tv cujo nome não fixei (com um cargo de responsabilidade ligado à área dos fogos) dizer taxativamente que as ignições eram quase totalmente da responsabilidade das pessoas. E chegou ao cúmulo de afirmar sem hesitações que os fogos que estavam a surgir  às 9h da noite eram provocados por pessoas que à pressa tinham resolvido começar a limpar as suas propriedades. É de loucos fazer esta afirmação tão rocambolesca. Só quem não viu ontem o cenário dantesco na zona de Leiria, com tudo a arder em várias frentes, pessoas em pânico, estradas cortadas, carros de bombeiros a passar!  Mas cabe na cabeça de alguém supor sequer (como aquele sujeito) que os moradores iriam iniciar a limpeza das suas matas àquela hora, sem se colocarem em perigo? E sem serem vistas? Mas faz algum sentido? Até porque andava toda a gente a patrulhar a região em estado de alerta. As imagens das tv's não deixavam dúvidas. 

(Claro que também não me escapou a deferência com que o tal especialista "importante" se referiu ao «Sr. Primeiro Ministro» a quem deu inteira razão em colocar o ónus da responsabilidade dos fogos nas pessoas... como era de esperar! Só faltou a vénia!)
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 14.07.2022 às 09:01

Os bombeiros respondem directamente à Nossa Senhora de Fátima, e ao PS. Esses sim determinam o que arde e não arde.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 13.07.2022 às 14:54

Os Estados Unidos são muito diferentes, não há uma politica única.
A California por exemplo tem favorecido o combate, não o uso de fogos preparados devido á importância do lobby "ambientalista" nesse estado.


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 06:30

Tenha a certeza de que os patifes que estão "lá em cima" não vão resolver questão nenhuma de fogos nem de florestas nem de coisíssima nenhuma. E sabe porquê? Não é apenas porque são incompetentes, porque isso poderiam contornar recrutando quem sabe, os melhores. E eles sabem quem eles são e onde estão. O problema é que não querem. E não querem por uma razão simples: não têm vontade de fazer nada pelo país, nem  pelas pessoas, nem pelo bem comum. Essa não é a prioridade deles. Têm outras vocações... 
Repare na desculpa persistentemente usada pelo PS para justificar todo o fiasco da sua já longa governação : tudo é um problema "estrutural". A saúde é um problema estrutural, a educação e a colocação de professores é um problema estrutural... e os fogos também são um problema estrutural. E nós sabemos bem o que isso significa: que não tencionam resolver "p-rr-" nenhuma porque um «problema estrutural» significa um «problema para sempre» no linguajar deles e, como tal, não tencionam mexer palha. Repito: estes políticos não estão lá por nós, nem para nós. Estão lá por eles, para tratarem da sua vidinha. "Gestão de fogos"? é coisa que os faz rir!!! A única gestão que fazem á a das suas "carreiras" e a política é apenas um "meio", a antecâmara para se lançarem noutros voos.
Esqueça, Sr. Arquitecto, não tenha qualquer ilusão! Nunca passaremos da cepa torta com governantes deste jaez. É uma constatação tristíssima, mas é um facto que estamos cada vez mais em declínio e o país a definhar, a deslassar por causa desta gente que nos governa há (quase) 25 anos.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 14.07.2022 às 09:04


o Governo foi apanhado de surpresa por temperaturas acima dos 30 graus em meados de Julho. Era difícil prever.
Tal como o facto de praticamente não ter chovido no Outono-Inverno implicar melhores condições para incêndios surpreendeu tudo e todos.
Perfil Facebook

De Ricardo Miguel Sebastião a 14.07.2022 às 11:51

No final deste Inverno fiz um trilho em Castanheira de Pera, Passadiços do Quelhas mais levadas do Coentral e no topo da serra estavam a queimar tudo com fogo controlado, ainda há sítios que fazem alguma prevenção deste género...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D