Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Podemos matar um sinal de trânsito?"

por henrique pereira dos santos, em 25.05.20

O título deste post é o título de um divertimento filosófico de Porfírio Silva que cito frequentemente.

O que me interessa no livro de Porfírio Silva é a ideia central de que as normas sociais (onde se incluem as regras legais), ao contrário dos corta-relvas, não se gastarem com o uso, pelo contrário, quanto mais as usamos mais fortes se tornam, e se as vamos deixando de usar elas vão desaparecendo de facto, mesmo que não desapareçam na letra da lei.

Um exemplo típico (meu, não do Porfírio, que prefere partir da pergunta sobre se um sinal de trânsito proibido caído, ainda assim, se mantém válido) é o do limite de velocidade de 120 km/ hora nas autoestradas que manifestamente não é socialmente reconhecido, por mais que continue na lei.

Em sociedades em que a lei se leva mais a sério, uma de duas coisas seriam feitas: ou se punha em marcha um sistema de fiscalização eficaz e constante, até que toda a gente reconhecesse o risco de não cumprir a lei como um risco elevado, ou se mudaria a lei para a adequar ao consenso social sobre a matéria, ao mesmo tempo que se investia na eficácia da fiscalização, naturalmente muito facilitada pelo reconhecimento social da norma.

Lembrei-me disto a propósito das estúpidas normas que estão associadas à covid.

Ninguém percebe por que razão nos aviões as pessoas podem viajar a 50 centímetros umas das outras, tal como nos comboios, autocarros e etc., ao mesmo tempo que os alunos das escolas têm de estar a um metro e meio uns dos outros, os restaurantes só podem operar com 50% da lotação (vi um título de jornal dizendo que um dono de restaurante foi detido por não ter cumprido esta regra) e, mais estúpido ainda, por que razão é obrigatório usar uma máscara da porta até à mesa, ou pôr a máscara para ir da esplanada à casa de banho (hoje usei a máscara na nuca, acho que a norma diz que tenho de usar máscara mas não tenho a certeza sobre se obriga explicitamente a que seja virada para a frente).

O mais assustador é que o Estado não só me impõem a mim que eu use máscara para entrar no café - embora depois me autorize a tirá-la mal me sente - mas sabendo que a norma é estúpida, socialmente rejeitada e não tem capacidade para a fiscalizar, externaliza para os empregados do café a sua fiscalização, multando-os pelo facto de eu não usar máscara no estabelecimento, como se fosse legítimo punir terceiros pelo meu incumprimento da lei.

Ou seja, o Estado, em vez de usar o seu monopólio da violência legal para reequilibrar os deveres e direitos sociais, diminuindo a conflitualidade social associada aos regimes em que prevalece a força e não a lei, inventa normas que se traduzem no aumento da conflitualidade social entre os clientes e os donos dos estabelecimentos.

E tudo isto para quê?

Para controlar a mortalidade que está praticamente normalizada à semana 20 do ano.

semana 20.jpg

Para os do costume que falam sempre daquele fim amarelo em que os números são provisórios (porque todo o discurso catastrofista é sobre o futuro negro que temos pela frente, os dados que existem são o que são), aqui fica o pormenor para se perceber que, mesmo fora das três semanas em que os números são provisórios, é claríssima a situação na Europa (com boa parte dos países a levantar restrições sem que isso se note na mortalidade). Há a excepção inglesa e, menos acentuadas, a sueca e belga, mas há muitos outros em que a mortalidade até está abaixo do esperado como se o excesso de mortalidade que se vê neste pico tivesse antecipado a mortalidade que ocorreria nas semanas e meses seguintes (o que tem sido sugerido por quase todos os investigadores, mas sempre com muitas cautelas. Embora os dados pareçam dar-lhes razão, é preciso mais tempo para validar esta hipótese).

semana 20 2.jpg

Tenho uns amigos que insistem que isto é uma questão científica, mas não, não é, é mesmo uma questão social, que deve ser socialmente tratada, independentemente da ciência e o conhecimento serem úteis para a necessária discussão social e política.

Não há nada de científico nas diferenças de regras estabelecidas para os aviões e as creches, há apenas diferenças na capacidade de influência de grupos de interesses e uma anomia social dos que, tolhidos pelo medo, justificam, defendem ou pelo menos aceitam a estupidez de se obrigar alguém a pôr uma máscara entre a porta do café e a mesa onde se senta.

"Dá a pata, Bobi, dá a pata", e nós damos, explicando cientificamente o processo de funcionamento dos músculos que nos permitem galhardamente levantar a pata para cumprir a instrução.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.05.2020 às 09:46

Ainda ontem, à entrada da praia da Rainha em Cascais, vi um grande poster colocado pela Câmara a dizer que era proibido estar sentado ou deitado na praia, só se podia estar em movimento. "Keep moving", dizia o poster em inglês. Por baixo, na praia, montes de pessoas estavam deitadas a apanhar sol.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.05.2020 às 09:55

Entretanto, vi agora uma notícia segundo a qual o chefe da equipa da Universidade de Oxford que está a desenvolver um teste de uma vacina contra o vírus afirma que há 50% de probabilidade de o teste ser inconclusivo, pela simples razão de que o vírus está a desaparecer da comunidade tão depressa que as pessoas que foram vacinadas nem sequer vão ter a oportunidade de contactar com ele!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2020 às 11:34

O "trabalho" do vírus está feito.
Agora vamos às consequências:
Todas quantas se quiserem e forem convenientes !
Porque o vírus "tem os costas largas!".
Sem imagem de perfil

De marina a 25.05.2020 às 14:35

Está o terreno  lavrado para a aniquilação das pequenas  e médias empresas , ficando tudo na mão da coca cola , mac , unilever , e titãs do género , que , de mão dada com a finança, pagam aos políticos para que deixem escravizar  os cidadãos . do Antigo Egipto até hoje só mudou a roupa e os nomes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.05.2020 às 01:16

Marina


Plenamente de acordo com a sua opinião.
O bicho homem não muda. 
Passam os séculos e as tormentas e não se emenda.
Tenho como certo que:
O Ser Humano é o único ser da Criação que pode ser perverso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.05.2020 às 17:19


HPS,
lembro que neste país de palhaços 'toda' a gente sabe que pode ir até aos 139km/hora sem multa.
As 'autoridades' dão licença...
ao

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tanta tretaDe que falamos?Somos seres humanos ou m...

  • Anónimo

    Neste seu texto você parte de um pressuposto falso...

  • Jose Miguel Roque Martins

    Concordo. Essas importâncias, hoje para a seguranç...

  • Elvimonte

    A propósito de geografia.Os dois padrões das ILI -...

  • Anónimo

    Um conhecido constitucionalista esclarece a sua po...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D