Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pobreza socialista

por Jose Miguel Roque Martins, em 12.04.21

Mais um relatório sobre a pobreza em Portugal, lança de novo a consternação generalizada, que ao contrario da pobreza, logo irá passar, depois de alguns lugares comuns sobre o tema.Afinal todos sofremos muito com os pobrezinhos. 

De que apoios sociais, políticas redistributivas pesadas, empregos não precários e muita vontade não acabam com a pobreza, não se tiram conclusões.

Não é possível acabar com a pobreza num pais pobre. Não é possível acabar com a pobreza, enquanto não nos concentrarmos em produzir riqueza. Não basta criar riqueza, se a esbanjar-mos, a seguir, num Estado ineficiente.

É simples, mas parece complicado. Não é apenas Ivo Rosa a recusar-se a ver o evidente. São a maioria dos Portugueses. 

 

 



22 comentários

Imagem de perfil

De SAP2ii a 12.04.2021 às 12:20

Desde que "Socialista" inclua o PSD e CDS. Pois é essa a verdade. São 47 anos de Regime Abrilista, um regime feito pela oscilação de poder entre PS/PSD, que acumularam uma Dívida de mais de 250 mil milhões de euros.
Imagem de perfil

De Jose Miguel Roque Martins a 12.04.2021 às 12:25

Acredito que quer o PSD quer o CDS, sejam mais adeptos da liberdade, do mercado e da criação de riqueza. Tenho a convicção que quanto ao Estado, alinham pelo diapasão do PS. 
Imagem de perfil

De SAP2ii a 12.04.2021 às 12:29

Concordo. E estou mais desse seu lado, do que do lado dos Esquerdistas, marxistas e anti-capitalistas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.04.2021 às 12:28

Adorei o post. Não podia estar mais de acordo. E infelizmente acrescento: Temo que a próxima geração tenha um número muito elevado de trabalhadores "informais", como acontece na maioria dos países sul americanos, o que irá acentuar o nosso já muito preocupante nível de pobreza endémica.
Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 14:15




A pobreza é ideológica?


Antes do 25 de Abril, Portugal devia ser dos países mais ricos. A maioria dos portugueses vivia na pobreza extrema.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.04.2021 às 14:23

Antes do 25 de abril, também padecíamos de desconfiança no mercado e crença no Estado todo poderoso! Apenas a partir de 1960 crescemos a ritmos "chineses" , quando se aligeirou a falta de liberdade economica. 
Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 14:44




Lá está, a pobreza é ideológica?
Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 14:48

Ou é o resultado de uma série de factores nacionais e internacionais?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.04.2021 às 16:52

Não. È uma questão de escolha. Quando se abdica da receita de sucesso de quem é rico, como seja não adoptar uma economia de mercado e um estado eficiente e contido. 
Essa escolha é no entanto ideológica, não lhe parece? 


Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 20:42


"Mais um relatório sobre a pobreza em Portugal".


É assim que o autor inicia a publicação.


«(....) para se combater a pobreza há que ter em conta as diferentes formas em que esta se traduz, para que se possam encontrar remédios (medidas) adequados aos diversos perfis específicos, por contraponto a medidas genéricas, de baixo impacto nos diversos subgrupos em que é divisível.(...)»


Leu o relatório?
Imagem de perfil

De Jose Miguel Roque Martins a 12.04.2021 às 21:10

Se não houver riqueza suficiente ( como não parece haver) não deixará de existir pobreza. 
Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 21:39

A UE podia fortalecer os esforços no combate à pobreza, principalmente através das suas recomendações anuais, no entanto, em vez de priorizar investimentos na saúde, educação e protecção social, essas recomendações frequentemente impõem cortes orçamentais em nome da eficiência de custos.



Até 2019 (uma vez não existirem dados dos efeitos da pandemia), os Estados-membros  da EU embarcaram numa corrida à redução de impostos, salários e protecção aos trabalhadores por pensarem que podem atrair investidores e melhorar a competitividade dos custos externos.


A cada ano, devido a competição fiscal, perdem-se entre 160 e 190 bilhões, resultando na transferência da carga tributária de grandes corporações e indivíduos ricos para trabalhadores e consumidores.


Não há riqueza suficiente, ou os benefícios não são distribuídos uniformemente?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.04.2021 às 21:42

Claramente em Portugal, o problema não é a redistribuição. È a falta de criação de riqueza e falta de eficiência do Estado. 
Já nos EUA o problema maior é a falta de redistribuirão. 



Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 21:54


Segundo o relatório referido, Portugal é um dos países em que mais trabalhadores são pobres ou estão em risco de pobreza. A maioria das pessoas pobres, no nosso país, tem um emprego e um salário certo.

Se a maioria trabalha para a riqueza da minoria, o problema não está na redistribuição?
Imagem de perfil

De Jose Miguel Roque Martins a 12.04.2021 às 22:06

Já temos um nível de carga fiscal astronómico que esmaga o que resta da classe media. O nosso nível de redistribuição tem crescido nos últimos anos e é dos mais elevados do mundo. O problema é que  temos um PIB per capita lastimável, que, mesmo distribuindo, não impede a existência de pobreza. 
Os baixos salários são consequência de um grande conjunto de políticas, que impedem a criação de riqueza, esbanja parte da criada num estado ineficiente e condena uma sociedade a duas velocidades. Em que a mais baixa está condenada á pobreza. O pior é que é tudo em nome da igualdade ( na miséria) 
Veja o caso da Irlanda. Há pouco mais de 30 anos tinha um rendimento per capita semelhante ao nosso. Hoje é 2,5 vezes superior. Lá não há pobreza. Escolheram o caminho do progresso, apostando no mercado e num Estado que cumpre regras ( como alias nos países escandinavos) de eficiência máxima. Por exemplo, contratando ao mercado a maioria dos serviços que presta e deixando o mercado laboral fluir. 
A grande questão do post são exatamente os preconceitos que se têm e que não correspondem á realidade. Todos percebem de economia e têm uma perspectiva baseada no que acham estar certo. Não é verdade: como um professor uma vez me disse, depois de uma resposta errada que lhe dei, algumas questões na economia não são intuitivas. È preciso estudar longos anos para se perceberem. Mas há uma alternativa: olhar para o que acontece noutros países e estabelecer comparações. E a resposta certa não é de que somos mais burros, periféricos e preguiçosos do que os mais ricos. Apenas escolhemos caminhos que estão errados. 
Imagem de perfil

De Ana Branco a 12.04.2021 às 22:33


Mais acima, perguntei se a pobreza não é o resultado de uma série de factores nacionais e internacionais.

Primeiro: desde que Portugal entrou na UE, as decisões importantes estão "limitadas" à política económica europeia. Já para não escrever sobre a intervenção do FMI e da troika que deixaram um rastro de destruição na vida de milhares de portugueses.

Segundo: cada país da UE vive realidades distintas. Tentarmos estabelecer políticas iguais, a qualquer outro país, não terá resultados iguais.
Terceiro: sim, os políticos (todos os que governaram ao longo dos anos) tem seguido caminhos, cujo destino, está longe da estabilidade.

Quarto: não considero ser uma questão de ideologia, porque a ideologia não faz o homem. Os seus interesses pessoais e hierarquia de valores, sim.
Sem imagem de perfil

De Andre Gouveia a 13.04.2021 às 10:17


Parece que a Sra. Ana está a tentar desculpar fraquezas estruturais com fatores circunstancias.


Primeiro ponto: incorreto. A grande maioria das decisões de política económica e orçamental estão na mão dos países. E mesmo quando no papel há limitações, não existem na prática, por exemplo, os  limites ao défice são rotineiramente ultrapassados. A política monetária é que saiu das mãos dos países na zona euro, deve vir daí a confusão.Quanto ao comentário sobre a intervenção da Troika, isto é o mesmo dizer que uma cirurgia de emergência arruinou a saúde de alguém, omitindo o problema de saúde que levou à dita cirurugia...


Segundo: pura e simplesmente não é verdade, como autor refere e é do conhecimento geral, as políticas são muito diferentes de país para país. Penso ser mesmo esse o ponto do autor. Independentemente da opinião que se tenha delas, as políticas nos países anglófonos, centro, leste e norte europeu têm dado muito melhores resultados por comparação com os países do sul europeu, onde há mais pobreza, menos equidade e maior mal-estar social.


Terceiro: não sei o que pensar deste comentário, não sei se falta de estabilidade seria principal crítica a fazer aos políticos em geral, na minha opinião. De qualquer forma, lembrar que um partido esteve muito mais tempo no poder que os outros...


Quarta: opinião de que não discordo necessariamente, mas é uma tangente ao que estava a ser discutido no post


Imagem de perfil

De Ana Branco a 13.04.2021 às 14:37


Escrevi "as decisões importantes estão "limitadas" à política económica europeia.", referindo-me a uma mudança estrutural da economia portuguesa que permitisse sair deste "ciclo viciado". E, sim, a globalização é o factor preponderante.



Independente dos motivos que levaram à intervenção da Troika, foi, mais tarde, provado e condenado o "exagero" das medidas aplicadas a Portugal e à Grécia. Em teoria, foi a última vez que assim procederam. Por outro lado, as decisões são do político "A" ou "B", as repercussões somos nós, cidadãos, que as sentimos. Atenção que o fundamento dos meus comentários está na questão da pobreza em Portugal, para a qual todas as más decisões contam, independente da origem.



O seu comentário: «Segundo: pura e simplesmente não é verdade, como autor refere e é do conhecimento geral, as políticas são muito diferentes de país para país.»

O meu comentário: «Segundo: cada país da UE vive realidades distintas. Tentarmos estabelecer políticas iguais, a qualquer outro país, não terá resultados iguais.»

Está a "acusar-me" de quê?


Quanto ao «não sei se falta de estabilidade seria principal crítica a fazer aos políticos em geral», não tenho por princípio ofender. O mais "longe" que irei será isto: em teoria, há países socialistas, comunistas e capitalistas. Na prática, há homens e mulheres sem ética, uma vez que colocam os interesses pessoais à frente dos povos, a que é suposto servir, e à frente da ideologia, que é suposto defenderem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.04.2021 às 23:16


A arrogância e ódio da Ana Branco a quem cria , faz e  inventa demonstra bem uma da causas de pobreza Portuguesa.

Porque raio alguém há de criar riqueza com uma Ana Branco a querer usar a violência para tirar a quem ganhou?


Veja-e esta pérola Fascistoide/Comunista

"A cada ano, devido a competição fiscal, perdem-se entre 160 e 190 bilhões"»
Perdem-se? ficar na mãos de quem enriqueceu é perder-se?
Sem imagem de perfil

De Fascistoide ou Comunista? a 14.04.2021 às 10:59

«Perdem-se? ficar na mãos de quem enriqueceu é perder-se?»


Depende do ponto de vista:


Se a ideia é mantermo-nos na selva, não.


Mas se descemos das árvores para encontrarmos uma forma social mais equilibrada e que minimize as privações dos indivíduos menos capazes, então sim, não é só perder-se - é um roubo e é imoral...




A arrogância e ódio de quem cria, faz, e inventa, a quem entende que a criação, execução e invenção devem servir o todo (por oposição ao seu contrário) demonstra bem uma das causas da pobreza Mundial...
Imagem de perfil

De Ana Branco a 14.04.2021 às 15:15


É isso.

Infelizmente, escrevo eu, a ética não é um "mal geral".
Imagem de perfil

De Ana Branco a 14.04.2021 às 15:12


Um :)  ao seu comentário.


Há quem trabalhe para outrem que tem de sobra.

O pagador, paga o mínimo.

Há quem trabalhe para outrem e receba um pouco mais, ou muito mais, que o mínimo.

O pagador desconta o mínimo.

Há quem trabalhe para outrem, horas a mais.

O pagador não paga o esforço suplementar.

Há quem tenha negócios à "porta fechada".
Não paga impostos.


Rico o que cria, faz e inventa, lucrando apenas com o seu sacrifício.


Se lucramos com o sacrifício dos outros, sejam os outros indivíduos ou a sociedade como um todo, somos?


Se queremos ser livres, se não gostamos das regras que se impõem para vivermos em sociedade, é melhor largar tudo e começar do nada no meio do nada.



A vida é para nós o que concebemos nela.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    sonham com o regresso de che e de dani vermelho nu...

  • ICH

    Dei-lhe três exemplos, mas há vários outros de esc...

  • Anónimo

    O crime de assédio sexual é assunto de natureza pr...

  • Telmo

    Isso não se diz o valor diz-se a percentagem, são ...

  • Jose Miguel Roque Martins

    pelos vistos, não pressupunha que a patente ficass...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D